Voltar ao site

Alain Badiou: os quatro princípios do marxismo

· Formação,Vale a pena ler

O que você considera essencial do pensamento de Marx para pensar politicamente o período presente? O que foi e qual é hoje sua concepção de comunismo?

A. Badiou: Para mim, o comunismo reside em última instância em quatro princípios, estabelecidos e legitimados tanto pela análise teórica marxista das sociedades humanas quanto pela herança militante do marxismo ao longo dos últimos dois séculos. Esses princípios estão todos preocupados com as possibilidades de transformação do que constitui, pelo menos há cinco mil anos (desde a formação do Neolítico), o princípio de classe na sociedade humana.

Primeiro, é possível organizar a vida coletiva em torno de algo diferente da propriedade privada e do lucro. Devemos retornar à declaração crucial de Marx, que, no Manifesto do Partido Comunista, declara repentinamente que tudo o que ele disse pode ser condensado em um único ponto: a abolição da propriedade privada. Essa ideia está muito presente na história, pois podemos encontrá-la em certo nível já em Platão e ela animou, na verdade, praticamente a totalidade do pensamento emancipatório do século XIX. Hoje está em grande parte esquecida e deve ser revivida a qualquer custo. Dito de outra forma, o capitalismo não é, e não deveria ser, o fim da História. O que vem depois, como, com que resultado e assim por diante, é outra história.

Em segundo lugar, é possível organizar a produção em torno de algo diferente da especialização e da divisão do trabalho. Em particular, não há razão para manter a separação entre trabalho intelectual e manual ou entre tarefas de direção e execução. Não há racionalidade que prescreve a impossibilidade de entrar na era do que podemos chamar com Marx de ‘trabalhador polimórfico’. Não há nenhuma razão possível para considerar definitivamente racional que um africano cave um buraco na estrada, enquanto um homem branco fica dando ordens aos seus lacaios. É patológico, mais profundo até do que a noção contável de igualdade. Na verdade, é a ideia de que as divisões que organizam o próprio trabalho são mortais, assassinas.

Terceiro, é possível organizar a vida coletiva que não se funda em conjuntos fechados e identitários, como nações, línguas, religiões e costumes. A política, em particular, pode unificar a humanidade como um todo para além dessas referências. Todas essas diferenças podem e devem existir. Não é o caso de dizer que elas deveriam desaparecer, que todos deveriam falar a mesma língua e assim por diante. Elas podem e devem florescer, de forma generativa, mas na escala política de toda a humanidade. Deste ponto de vista, o futuro é de um internacionalismo completo e devemos afirmar que a política pode e deve existir de forma transversal às identidades nacionais. Não é verdade que os coletivos humanos devam necessariamente organizar-se coletivamente com base nesse tipo de identidade. Novamente, não é o caso de dizer que elas não deveriam existir; elas devem coexistir sem serem fundadas em princípios de separação.

Em quarto lugar, é possível fazer com que o Estado gradualmente desapareça como um poder separado, com o monopólio da violência, da polícia e do exército. Em outras palavras, a associação livre dos seres humanos e a racionalidade que eles compartilham podem e devem substituir a lei e a restrição.

Para encurtar a história: em certo sentido, esses quatro princípios constituem claramente um programa para uma saída do momento Neolítico, em que ainda vivemos, ou seja, uma saída do estado estrutural da humanidade pelos últimos quatro ou cinco mil. anos, ou seja, toda a época em que a propriedade privada dos principais meios de produção e troca resultou na divisão da humanidade em classes. Esta divisão está hoje no seu ápice, onde uma oligarquia de algumas centenas de pessoas possui o equivalente ao que pertence a mais de dois bilhões de outras, onde a herança de 1% da humanidade equivale à de 50% desta mesma população humana.

Mas, por outro lado, esses quatro princípios não são exatamente um programa no sentido forte. São princípios para a avaliação do que aconteceu historicamente, permitindo-nos responder à pergunta: “O que aconteceu no nosso mundo, como movimento, como organização, tem relação com um destes quatro pontos, qual, e em que condições?” Se nenhum desses pontos for convocado de forma alguma, bem, julgaremos de qualquer maneira que o que aconteceu não está na direção estratégica geral necessária para que uma nova política possa ser criada e se tornar um novo desenvolvimento histórico.

A questão então se torna: a realização dessas quatro possibilidades está inscrita na história? Ou a história continuará simplesmente, ou mesmo terminará em catástrofe para a humanidade, sem ter conseguido essa saída do Neolítico? Essa questão é idêntica à seguinte: um marxismo vivo reaparecerá e inscreverá a possibilidade do comunismo na consciência geral da humanidade?

Não posso no momento responder a esta pergunta. Foi formulado no início da época marxista como a palavra de ordem “comunismo ou barbárie”. Isso se tornou simultaneamente óbvio, urgente e ausente. Mas o futuro, como Althusser disse uma vez, dura um longo tempo.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK