Voltar ao site

Ártico poderá ficar livre do gelo marinho em 2035

· Ecologia,Sem Fronteiras,Vale a pena ler

As altas temperaturas no Ártico durante o último período interglacial – o período quente de cerca de 127.000 anos atrás – intrigam os cientistas há décadas. Agora, o modelo climático Hadley Center do UK Met Office permitiu a uma equipe internacional de pesquisadores comparar as condições do gelo do mar Ártico durante o último período interglacial com os dias atuais. Suas descobertas são importantes para melhorar as previsões de futuras mudanças no gelo marinho.

British Antarctic Survey (BAS)/Ecodebate, 13 de agosto de 2020

Durante a primavera e o início do verão, piscinas rasas de água se formam na superfície do gelo marinho do Ártico. Esses ‘tanques de derretimento’ são importantes para saber quanto luz solar é absorvida pelo gelo e quanto é refletida de volta para o espaço. O novo modelo do Hadley Centre é a representação física mais avançada do Reino Unido do clima da Terra e uma ferramenta crítica para pesquisas climáticas e incorpora gelo marinho e lagoas de degelo.

Usando o modelo para observar o gelo marinho do Ártico durante o último período interglacial, a equipe conclui que o impacto do intenso sol da primavera criou muitos lagos de derretimento, que desempenharam um papel crucial no derretimento do gelo marinho. Uma simulação do futuro usando o mesmo modelo indica que o Ártico pode se tornar livre de gelo marinho em 2035.

A autora principal, Dra. Maria Vittoria Guarino, modeladora do Sistema Terrestre da British Antarctic Survey (BAS), diz: “As altas temperaturas no Ártico intrigam os cientistas há décadas. Desvendar esse mistério foi um desafio técnico e científico. Pela primeira vez, podemos começar a ver como o Ártico ficou sem gelo marinho durante o último período interglacial. Os avanços feitos na modelagem climática significam que podemos criar uma simulação mais precisa do clima anterior da Terra, o que, por sua vez, nos dá maior confiança nas previsões do modelo para o futuro”.

A Dra. Louise Sime, chefe do grupo Palaeoclimate e co-autora principal da BAS, diz: “Sabemos que o Ártico está passando por mudanças significativas à medida que nosso planeta esquenta. Ao compreender o que aconteceu durante o último período quente da Terra, estamos em uma posição melhor para entender o que acontecerá no futuro. A perspectiva de perda de gelo marinho em 2035 deve realmente concentrar todas as nossas mentes em alcançar um mundo de baixo carbono assim que for humanamente viável”.

O Dr. David Schroeder e o Prof Danny Feltham da University of Reading, que desenvolveram e co-lideraram a implementação do esquema do tanque de derretimento no modelo climático, dizem: “Isso mostra a importância dos processos de gelo marinho, como lagos de derretimento no Ártico, e por que é crucial que eles sejam incorporados aos modelos climáticos.”

O trabalho é financiado pelo NERC, bolsa número NE / P013279 / 1 e faz parte do projeto TiPES, que recebeu financiamento do programa de pesquisa e inovação Horizon 2020 da União Europeia. Acesse o link aqui.

Referência:

Guarino, M., Sime, L.C., Schröeder, D. et al. Sea-ice-free Arctic during the Last Interglacial supports fast future loss. Nat. Clim. Chang. (2020).

Reproduzido do EcoDebate. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK