Voltar ao site

Au Loong Yu: os desafios da esquerda global diante da China

· Sem Fronteiras,Formação,IV Internacional,Vale a pena ler

Esta entrevista com Au Loong Yu, extraída do texto incluído em Alternatives sud, Chine, l'autre superpuissance, volume 28, 21/1, foi publicado pelo Centre Tricontinental (CETRI), Bélgica. Au Loong Yu falou no colóquio A Grande Transição, em 22 de maio de 2021.

Au Loong Yu, CETRI / Nouveaux Cahiers du Socialisme, 1 de junho de 2021

A forte ascensão da China é o resultado de uma combinação de fatores, depois que ela reorientou sua produção para o capitalismo global nos anos 1980. Primeiro, ao contrário do bloco soviético, a China encontrou uma maneira de capitalizar seu passado colonial, uma ironia da história. A Grã-Bretanha controlou Hong Kong até 1997, Portugal controlou Macau até 1999, e os Estados Unidos continuam a usar Taiwan como protetorado. Essas colônias e protetorados ligaram a China à economia global mesmo antes mesmo de ela ter entrado plenamente no sistema mundial.

Após o fim da Guerra Fria, sob a liderança de Deng Xiaoping, Hong Kong desempenhou um papel muito importante na modernização da China. A Deng usou Hong Kong para expandir o acesso à moeda estrangeira, para importar todo tipo de coisas, inclusive produtos de alta tecnologia, e para tirar proveito de sua força de trabalho qualificada, como os profissionais de gestão empresarial.

Taiwan foi muito importante não apenas em termos de investimento de capital, mas especialmente, a longo prazo, em termos de transferência de tecnologia, em primeiro lugar e principalmente na indústria de semicondutores. Os investimentos de Taiwan e Hong Kong também foram alguns dos principais fatores no rápido crescimento das províncias chinesas de Jiangsu, Fujian e Guangdong. O Partido Comunista herdou um estado absolutista forte, que passou a reorganizar e a utilizar para seu projeto de desenvolvimento econômico nacional. Também aproveitou a existência de um campesinato pré-capitalista atomizado, acostumado ao absolutismo durante 2.000 anos, para extrair deles mão-de-obra para a chamada acumulação primitiva de 1949 aos anos 1970.

Mais tarde, a partir dos anos 80, o estado chinês transferiu esta mão-de-obra do campo para as grandes cidades para colocá-la para trabalhar como trabalho barato nas zonas de processamento de exportação. Desta forma, colocou quase 300 milhões de migrantes rurais para trabalhar como escravos nas “fábricas de suor” (sweatshop). Assim, o atraso do estado absolutista e das relações de classe na China ofereceu à classe dominante chinesa uma série de vantagens para desenvolver tanto o capitalismo estatal quanto o capitalismo privado.

O atraso da China também lhe permitiu saltar etapas de desenvolvimento, substituindo meios e métodos arcaicos por meios e métodos capitalistas avançados. A adoção de alta tecnologia em telecomunicações é um bom exemplo disso. Em vez de passar por cada etapa das sociedades capitalistas mais avançadas, começando com o uso de linhas telefônicas para comunicação com fio, a China instalou cabos de fibra óptica em todo o país quase de uma só vez.

A China é agora a segunda maior economia do mundo. Mas há contradições. Quais são seus pontos fortes e fracos?

A China pratica duas dimensões do desenvolvimento capitalista. Uma delas é o que eu chamo de acumulação dependente. Nos últimos trinta anos, grandes capitais estrangeiros investiram enormes somas de dinheiro, primeiro em indústrias de trabalho intensivo e, mais recentemente, em indústrias de capital intensivo. Isto contribuiu para o desenvolvimento da China, mas a manteve na base da cadeia de valor global, mesmo no setor de alta tecnologia, como uma “sweatshop”. O capital chinês mantém uma pequena parte dos lucros, a maioria dos quais vai para os EUA, Europa, Japão e outras potências capitalistas avançadas e suas multinacionais. O melhor exemplo é o telefone celular Apple. A China se contenta em montar todas as peças, a maioria das quais são projetadas e fabricadas fora do país.

Mas existe uma segunda dimensão, que é o acúmulo autônomo. Desde o início, o Estado direcionou muito conscientemente a economia, financiou a pesquisa e o desenvolvimento e manteve o controle indireto sobre o setor privado, que agora responde por mais de 50% do PIB. No topo da economia, o Estado mantém o controle através de empresas estatais.

Mas a China também tem suas fraquezas. Se você olhar para seu PIB, a China é o segundo maior país do mundo. Mas se você comparar o PIB per capita, ainda é um país de renda média. Há também fraquezas mesmo em áreas onde está em pé de igualdade com os poderes capitalistas avançados. Por exemplo, o telefone celular Huawei, que agora se tornou uma marca global, foi desenvolvido não apenas pelos próprios cientistas chineses da empresa, mas especialmente pelos 400 cientistas japoneses que ela tem em sua folha de pagamento. Isto mostra que a China era e ainda é fortemente dependente de recursos humanos estrangeiros para pesquisa e desenvolvimento. Além disso, o enorme número de patentes chinesas ainda não está no campo da alta tecnologia, mas em outros campos.

Além dessas fraquezas econômicas, a China também mostra fraquezas na arena política. Falta-lhe um sistema governamental que garanta uma sucessão pacífica de poder de um líder para o próximo. Deng Xiaoping criou um sistema de limites de prazo e liderança coletiva a fim de resolver este problema de sucessão. Xi Jinping aboliu este sistema e restabeleceu a regra do líder único sem limites de prazo. Isto poderia levar a novas lutas de sucessão de facções, desestabilizando o regime e comprometendo sua ascensão econômica.

Xi mudou a estratégia da China no sistema mundial? Por quê?

O Partido Comunista Chinês (CCP) é altamente contraditório. Por um lado, ele é uma força de modernização econômica. Por outro lado, herdou elementos muito importantes da cultura política pré-moderna. Estas são as fontes dos conflitos entre clãs dentro do regime. No início dos anos 1990, os altos escalões da burocracia debateram sobre qual grupo de governantes deveria deter o poder. Um deles é o chamado sangue azul, os filhos dos burocratas que governaram o estado depois de 1949, a segunda geração de burocratas vermelhos. Eles são fundamentalmente reacionários. Desde que Xi chegou ao poder, a imprensa fala sobre o retorno de nosso sangue, indicando que o sangue dos velhos quadros está reencarnado na segunda geração.

O outro grupo é o dos novos mandarins. Seus pais e mães não eram quadros revolucionários, mas intelectuais ou pessoas que brilharam em seus estudos e subiram nas fileiras, geralmente através da Liga da Juventude Comunista. Não é por acaso que a principal liderança do partido, Xi, tem repetidamente humilhado a Liga em público nos últimos anos. O conflito entre os nobres de sangue azul e os mandarins é uma nova versão de um padrão antigo; após 2.000 anos de absolutismo e dominação burocrática, existe uma tensão entre esses cliques.

Como o programa da “Nova Rota da Seda” influencia este processo?

A clique de XI está consciente de que antes de poder realizar sua ambição imperial, a China tem que se livrar do peso de seu passado colonial, ou seja, integrar Taiwan e completar a unificação nacional, que é uma missão histórica do PCC. No entanto, isto o colocará em conflito com os EUA, cedo ou tarde. Portanto, a questão de Taiwan envolve tanto a dimensão da autodefesa da China (mesmo os EUA reconhecem que Taiwan é "parte da China") quanto a da rivalidade inter-imperialista. Para "se unificar com Taiwan", sem sequer falar da sua ambição global, Pequim deve primeiro superar suas fraquezas, particularmente em sua tecnologia, sua economia e sua falta de aliados internacionais.

É aqui que entra o programa da “Nova Rota da Seda”, que, o Estado espera, lhe permita desenvolver suas capacidades tecnológicas independentes e avançar na cadeia de valor global. A ideia é utilizar o programa para construir uma infraestrutura em toda a Eurásia de acordo com os interesses chineses. Ao mesmo tempo, devemos deixar claro que a “Nova Rota da Seda” é também um sintoma dos problemas de superprodução e sobrecapacidade da China. A liderança espera usá-la para absorver este excesso de capacidade.

A China é um modelo de desenvolvimento para o Sul ou uma potência imperial em ascensão?

A China não pode ser um modelo para os países em desenvolvimento. Sua ascensão é o resultado de fatores únicos, que descrevi acima e que outros países do Terceiro Mundo não possuem. Não acho errado dizer que a China faz parte do neoliberalismo global, especialmente quando a vemos avançar afirmando que está pronta para substituir os EUA como guardiã da globalização do livre mercado. Mas dizer que a China é parte do capitalismo neoliberal não nos permite ver o quadro completo. É um estado capitalista diferente e um poder expansionista que não está disposto a ser um parceiro de segunda classe dos EUA. A China é, portanto, um componente do neoliberalismo global, embora se distinga como uma potência capitalista estatal. Esta combinação particular significa que ela se beneficia da ordem neoliberal e, ao mesmo tempo, desafia tanto esta ordem quanto o estado americano que a controla.

O capital ocidental é ironicamente responsável por esta difícil situação. Seus estados e sua capital compreenderam tarde demais o desafio da China. Eles investiram maciçamente no setor privado deste país ou em joint ventures com empresas públicas, mas não entenderam que o Estado chinês está sempre por trás dessas empresas, mesmo que aparentemente sejam privadas. Na China, uma empresa, por mais privada que seja, tem que se curvar às exigências do Estado. O Estado chinês tem utilizado este investimento privado para desenvolver suas próprias capacidades, públicas e privadas, a fim de poder desafiar capitais americanos, japoneses e europeus. Portanto, é ingênuo acusar o Estado chinês e o capital privado de roubar a propriedade intelectual. Era isso que eles planejavam fazer desde o início. Assim, estados capitalistas avançados e empresas privadas permitiram o surgimento da China como uma potência imperial em ascensão.

Como você caracterizaria a rivalidade entre os EUA e a China?

No passado, a maioria dos estabelecimentos dos EUA era a favor da abertura para a China. Eles estavam obcecados por sua fé em uma transformação democrática da China através do comércio. Entretanto, a China tornou-se uma potência em ascensão que começou a fechar a brecha e a desafiar os EUA. Os pessimistas agora dominam a administração dos EUA. Eles pensam que a China está se fortalecendo rapidamente e nunca fará concessões sobre Taiwan. Mas se a escola pessimista assume que a hegemonia dos EUA é justa e justificada, esquece que os EUA são cúmplices de fato do governo autoritário chinês e de seu regime de “fábricas de suor”. Em nenhum dos casos examina como a colaboração e a rivalidade EUA-China ocorrem dentro de um capitalismo global profundamente contraditório e instável.

A China está certa em querer se defender?

A China está em uma trajetória imperialista. Eu sou contra a ditadura do Partido Comunista, sua aspiração de se tornar uma grande potência e suas reivindicações no Mar do Sul da China, mas acho errado colocar a China e os EUA no mesmo nível. Hoje em dia, a China é um caso especial. Sua ascensão tem duas facetas. Por um lado, o que ambos os países têm em comum: são ambos capitalistas e imperialistas. Por outro lado, a China é o primeiro país imperialista que já foi um país semicolonial. É um caso muito diferente dos EUA e de qualquer outro país imperialista. Temos que levar isto em consideração em nossa análise para entender como a China funciona no mundo.

Em tudo o que diz respeito à China, há sempre dois níveis para qualquer pergunta. A primeira é a legítima autodefesa de um antigo país colonial sob o direito internacional. Não esqueçamos que, mesmo nos anos 1990, os aviões de caça americanos violavam a fronteira sul da China. Eventos deste tipo lembram naturalmente ao povo chinês seu doloroso passado colonial. Os EUA mantêm Taiwan como um protetorado.

O que pode ser feito para ser solidário com as lutas do povo na China?

A primeira tarefa é opor-se ao imperialismo americano e construir a solidariedade com a classe trabalhadora chinesa. Isto significa que devemos nos opor ao bullying da China, não apenas pela direita, mas também pelos setores progressistas e até mesmo pelo movimento operário. Mas não devemos cair na armadilha do campismo de dar apoio político ao regime chinês. Devemos estar do lado da classe trabalhadora.

É importante para a esquerda no resto do mundo reconhecer que o capitalismo chinês carrega consigo uma herança colonial que ainda hoje existe. Assim, quando olhamos para as relações China-EUA, devemos distinguir essas partes legítimas do “patriotismo” das partes reacionárias defendidas pelo PCC. Há um elemento de patriotismo no bom senso entre os povos, resultado do último século de intervenção imperial do Japão, das potências europeias e dos EUA. Isto não significa que nos acomodemos a este patriotismo, mas devemos diferenciá-lo do nacionalismo reacionário do PCC, que Xi encoraja para apoiar suas aspirações ao poder, da mesma forma que os líderes americanos cultivam o apoio popular ao objetivo de seu regime de conter a China.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK