Voltar ao site

Christophe Aguiton: um mundo instável e imprevisível na era do coronavírus

· Sem Fronteiras,Ecologia

Nunca desde 1945 o mundo viveu uma situação tão caótica e instável num emaranhado de crises tão diversa quanto profundas: clima e ambiente, migrações, guerras e tensões geopolíticas, aumento do autoritarismo, redução do comércio mundial, revoltas populares em todos os continentes, endividamento e mercados financeiros fora de controle e, finalmente, a crise sanitária do coronavírus…

Se estas crises são interdependentes – como pensar as questões migratórias sem falar no clima, nos conflitos e nas guerras – temos de escolher um ângulo e, hoje, a epidemia do coronavírus é um bom indicador da fragilidade da situação internacional e das tendências potenciais que ela revela.

Do grego “Krisis”, a palavra crise é hoje sobretudo uma ruptura, uma descontinuidade que pode abrir novas oportunidades. A atual epidemia enquadra-se perfeitamente nesta definição e traz dentro dela as sementes dos piores, mas também dos mais desejáveis desenvolvimentos possíveis.

A situação chinesa nos mostra até que ponto uma situação de emergência pode ser usada pelo poder para acentuar o controle sobre a população. Milhares de usuários chineses da Internet foram excluídos das redes sociais por “espalharem falsas notícias” e toda a população é agora rastreada por aplicativos móveis que compartilham com a polícia, empresas de transporte e até mesmo centros comerciais, o estado do seu risco à saúde e detalhes dos seus últimos movimentos. Na Europa ainda não estamos lá, mas, sem mencionar as muitas violações das liberdades fundamentais devido às obrigações do isolamento, é claro que os governos no poder estão tentando usar o foco da mídia e do público no coronavírus para recuperar o controle da opinião e da agenda política. Mas se as medidas coercivas são aceitas pelo público durante o auge da epidemia, é altamente provável que o descontentamento popular seja expresso com força depois de a epidemia passar. Na China, as inúmeras mensagens de apoio ao Dr. Li Wenliang, o primeiro que lançou o alerta em Wuhan, ou os gritos de raiva contra o vice-primeiro-ministro chinês Sun Chunlan visitando a cidade são testemunhas disso!

Pela sua amplitude, e por ter afetado primeiro a China, esta epidemia permite-nos colocar o dedo nos pontos fracos da globalização neoliberal. Setores estratégicos, como a indústria farmacêutica, têm deslocado setores inteiros do seu aparelho produtivo para lá há anos. Hoje, em meio a uma crise de saúde, a União Europeia percebe que os medicamentos básicos estão acabando devido à paralisia da indústria chinesa. A indústria digital também está sendo duramente atingida. Mas os danos não estão limitados a estes setores. Grandes empresas dos setores de automóvel, aeronáutico e robótico desenvolveram linhas de produção que se estendem por todo o mundo e que podem para ao menor problema. Brexit já tinha dado o alarme, forçando vários grupos importantes a rever as suas políticas de localização de fábricas, e o coronavírus poderia representar uma crise enorme para muitas multinacionais.

Mas a globalização não se resume à indústria e muitos setores serão duravelmente afetados por esta epidemia. O turismo, que está em plena expansão, é um dos primeiros. Representa agora 10% do PIB e 10% do emprego em todo o mundo, concentrando-se em um número limitado de lugares e serviços. Na França, o local mais visitado é a Disneyland Paris, bem à frente da Torre Eiffel ou do Louvre, e no mundo inteiro o setor de cruzeiros está crescendo fortemente, com navios cada vez maiores, mas também as primeiras testemunhas da doença. Por último, e não menos importante, a globalização financeira também mostra sua fragilidade. Os mercados mundiais de ações começaram a cair já em fevereiro e depois afundaram em 9 de março, com a queda acentuada dos preços do petróleo. Embora nesse momento não seja possível prever a escala dos eventos futuros, o coronavírus pode desencadear uma grande crise econômica e financeira pela combinação sem precedentes de elementos muito frágeis.

A epidemia mostra os pontos fracos da globalização neoliberal, mas também permite destacar quais podem ser as alternativas. A história está cheia de momentos em que acontecimentos imprevistos, guerras, choques políticos ou movimentos sociais aceleraram processos em curso ou permitiram mudanças imprevisíveis. Recentemente, a greve dos transportes na região de Île-de-France permitiu a dezenas de milhares de pessoas descobrir o uso de bicicletas na cidade, e os últimos números mostram que este movimento continua. Sem termos de comparação, a Segunda Guerra Mundial e os anos que se seguiram lançaram as bases do que tem sido chamado de Estado do Bem-estar. Nos Estados Unidos, o imposto progressivo introduzido durante o New Deal pela administração Roosevelt foi apertado com uma taxa máxima de 80-90%, em vigor até os anos 80. Na França, o sistema de pensões anteriormente baseado em fundos de capitalização entrou em colapso durante a guerra; foi por isso que o sistema por repartição foi introduzido na Libertação.

De um modo mais geral, em todos os países desenvolvidos, uma elevada taxa de impostos necessários para a reconstrução foi mantida para estabelecer sistemas universais de redistribuição e apoio social. Um choque planetário como a epidemia do coronavírus pode iniciar ou acelerar as transformações necessárias. A escassez de medicamentos levou as instituições europeias, nas últimas semanas, a considerar a relocalização de certas linhas de produção para garantir a segurança sanitária no continente. Esta iniciativa poderia ser estendida a outros setores, como a produção agroalimentar, por exemplo, para responder à demanda histórica de “soberania alimentar” defendida pelos camponeses da Confederação Camponesa e da Via Campesina. A nível industrial, a queda dos preços das máquinas controladas digitalmente tem permitido um tímido movimento de deslocalização de alguma produção. As cadeias globais criadas pelas multinacionais para a sua produção industrial acabam de revelar a sua fragilidade. É tempo de dar prioridade a uma relocalização que beneficie tanto o emprego como o ambiente.

A crise do coronavírus mostra também que, se necessário, poderiam ser postas em prática medidas “radicais”. Este é o caso da fixação de preços ou requisição para produtos que estão sendo sujeitos a fenômenos especulativos, tais como álcool gel ou máscaras de proteção. É já claro que a UE – face à crise econômica que se avizinha – irá isentar os países membros das obrigações orçamentais estabelecidas no Tratado de Maastricht. O que é possível, e correto, face às consequências da epidemia deve ser posto em prática da mesma forma para outras questões igualmente importantes, tais como o aumento das desigualdades, o tratamento desumano dos migrantes, a crise climática ou o colapso da biodiversidade. A NASA já divulgou imagens da China antes e durante a epidemia, mostrando que a poluição quase desapareceu em poucos dias. Obviamente, não se trata de confinar todas as populações a longo prazo, mas estas imagens mostram a reversibilidade dos fenômenos caso sejam tomadas medidas profundas.

A crise global da saúde mostra-nos potenciais alternativas. Mas, obviamente, elas só serão implementadas se forem apoiadas por movimentos sociais e um equilíbrio de poder a ser construído para mudar o sistema. Este será o desafio dos próximos meses e anos!

(*) Publicado originalmente no Attac.fr e no Europe Solidaire Sans Frontière

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK