Voltar ao site

Debate 1: Contra a doutrina do choque digital, É PRECISO LUTAR POR OUTRO MUNDO

Jorge Riechmann e numerosos ambientalistas espanhóis nos alertam para a necessidade de lutarmos contra um mundo essencialmente "virtual".

· Ecologia,Sem Fronteiras,Últimos artigos

Jorge Riechmann, Viento Sur, 4 de maio de 2020

Temos que defender maneiras de retomarmos espaços de discussão pública em tempos difíceis, minimizando os riscos. A vida digital não pode ser um substituto permanente da vida real.

Muitas pessoas falam sobre o "dia seguinte", sobre tudo o que precisa ser feito e realizado após o coronavírus. Mas, além das doenças e dores pessoais, em que estado coletivo tudo isso nos deixará? Em que estado psicológico? Em que estado político? Com que comportamentos relacionais? Neste texto, iniciativa do coletivo francês Écran total e do Grupo de Pesquisa Transdisciplinar sobre Transições Socioecológicas (GinTRANS), destaca-se o risco de que parte das boas resoluções para o dia seguinte já sejam, de fato, neutralizadas pela aceleração em andamento dos processos de informatização.

Por esse motivo, propõe um boicote maciço e explícito aos diferentes aplicativos móveis que, sob a premissa da luta contra o covid-19, supõem a instalação efetiva de um monitoramento generalizado da população. O texto mostra como esses tipos de aplicativos são o exemplo paradigmático de nosso fascínio pela tecnologia e de nossa total dependência dela. Fascinação e dependência que garantem a perpetuação da ordem política existente, do experimento massivo com a saúde da população, sem qualquer garantia sanitária, o que implica o aumento incessante das radiofrequências de microondas e nosso caminho de destruição ecológica.

Do ponto de vista da saúde, ainda não entendemos muito bem o que está acontecendo e é difícil saber exatamente para onde estamos indo. Provavelmente levará algum tempo para desvendar todos os mistérios da epidemia da covid-19. Além disso, a incerteza em torno de sua origem, sua disseminação e sua letalidade continuará sendo inescrutável até que pare de atacar tantos países simultaneamente. Infelizmente, ninguém parece saber quando chegará a tão esperada paz. A partir de agora, se queremos seguir adiante com nossas vidas, não devemos superestimar nem subestimar a epidemia como tal.

Em contraste com a incerteza anterior, o que nos parece bastante claro é que essa crise da saúde pode representar um ponto de virada que levará ao surgimento e à estabilização de um novo regime social: um regime baseado em ainda mais medo e isolamento, um regime ainda mais desigual que sufoca toda a liberdade. Se nos esforçarmos para lançar esse apelo, é porque acreditamos que o exposto acima é apenas uma possibilidade e que surgirão oportunidades para evitá-lo. Mas enquanto para cidadãos comuns como nós, o que nos aflige fortemente é a fragilidade de nossa existência diante da ameaça do vírus e do confinamento prolongado, a ordem política e econômica em vigor parece tremer e ao mesmo tempo se fortalecer no meio de terremoto. Em outras palavras, parece-nos frágil e, ao mesmo tempo, extremamente sólida em termos de suas expressões mais "modernas", ou seja, as socialmente mais destrutivas.

A quase ninguém escapa, sem dúvida, o fato de os governos de muitos países terem se aproveitado da situação atual para paralisar os protestos por tempo indeterminado, que em muitos casos eram muito fortes e estavam em atividade há meses. Mas o que não é menos alarmante é como as medidas de distanciamento social e o medo de contato com outras pessoas que a epidemia gerou estão em poderosa harmonia com as principais tendências da sociedade contemporânea. De fato, dois dos fenômenos que a crise da saúde acelerou tornam plausível pensar em uma possível transição para um novo regime social sem contato humano, ou com o mínimo de contatos possível e regulado pela burocracia: o aumento terrível do poder da Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) sobre nossas vidas; e seus consequentes projetos de monitoramento digital da população, amparados pela necessidade de limitar o número de infecções por covid-1.

"Fique em casa" ... usando a internet e sem questionar os riscos para a saúde de dispositivos sem fio

Desde os primeiros dias de confinamento, ficou claro que um dos efeitos sociais imediatos da pandemia, na Espanha e na França, seria o aprofundamento de nossa dependência de dispositivos de computação e sem fio (móveis, WiFi, Bluetooth, etc.) E que, no ritmo que as coisas estavam indo, parecia difícil que ele pudesse acelerar ainda mais! No entanto, o confinamento doméstico obrigatório fez para muitos as telas se tornassem praticamente a única maneira de manter contato com o mundo: o comércio digital explorou, de fato, até a organização de redes locais de suprimentos e o fornecimento de legumes e produtos frescos dependeu em muitos casos da internet; o uso de videogames atingiu níveis estratosféricos; as consultas de "telemedicina" aumentaram exponencialmente (apesar de tudo o que elas oferecerem ser uma simples conversa telefônica); a continuidade do ensino formal também está passando pelo computador, ignorando todas as vozes médicas que recomendam limitar a exposição das crianças a telas e frequências de rádio por microondas; e, finalmente, milhões estão trabalhando como teletrabalhador - se o “metrô-trabalho-cama” [o “Metro, boulot, dodo” que Maio de 68 denunciava] acabou, a coisa agora é “da cama para o computador" ou "na cama com o tablet".

Obviamente, a grande mídia não acha nada preocupante nessa redução maciça de todas as atividades humanas a uma só. Pelo contrário, quanto mais uma iniciativa de solidariedade depende de um site, uma plataforma virtual ou um grupo de mensagens, mais aplaudem. De fato, eles incentivam todos a aceitar com resignação que a única opção é tomar uma bebida juntos, mas sozinhos "pelo" Skype, e eles foram capazes de encontrar crentes ansiosos para receber a Santa Comunhão na Páscoa através de uma tela.

Essa intensa campanha para promover a vida digital, no entanto, não causa nenhum alarme no campo do pensamento: ninguém parece achar preocupante a total informatização do mundo e o aumento da exposição contínua a frequências de rádio. Em ambos os lados dos Pirineus, jornalistas, economistas e estadistas pedem que quebremos nossa dependência da indústria chinesa em setores como o médico ou têxtil. Mas seu desejo de independência nacional nem sempre os preocupa com o fato de que todo o setor de TIC depende de minas e fábricas asiáticas, muitas vezes de gigantescas instalações industriais cuja "realocação" é difícil de conceber. Outras vozes são levantadas que vão além das críticas à globalização do comércio e exigem uma mudança profunda em "nosso modelo de desenvolvimento". No entanto, o comum é que elas ignorem o papel central do digital nesse modelo e, portanto, não indiquem que pouco mudará em termos de insegurança social e ecologia se continuarmos a fazer tudo pela internet e expostos a níveis cada vez mais insustentáveis de radiação de dispositivos sem fio.

Quanto ao Presidente Macron, suas intervenções mais recentes se referiram repetidamente ao Conselho Nacional de Resistência e ao seu espírito de compromisso social. Na prática, no entanto, seu projeto de fazer da França uma nação start-up nunca refluiu. Pelo contrário, experimentou um salto qualitativo. Poderíamos dizer algo semelhante sobre o governo de coalizão PSOE-Podemos. Suas repetidas referências aos Pactos de Moncloa e ao espírito social da Constituição não impediram de que se mantivesse intacto o projeto de digitalizar a sociedade, que desempenhou um papel central no discurso de investidura de Pedro Sánchez. Essa nova era do trabalho virtual é a mais propícia para concluir a ofensiva contra os trabalhadores assalariados que foi lançada bem antes da chegada do coronavírus: destruição maciça de empregos devido ao surgimento de novos aplicativos, plataformas e robôs; redução do trabalho relacional, substituído por respostas automatizadas governadas por algoritmos; perda de sentido no trabalho, à medida que é progressivamente substituído por rotinas burocráticas absurdas; aumento da exploração e enfraquecimento da resistência d@s trabalhador@s, cada vez mais isolados.

Dessa forma, o isolamento proporcionou uma oportunidade imbatível para se avançar ainda mais rápido ao objetivo que, na França, é definido pelo plano de Ação Pública 2022: substituir todos os serviços públicos por portais on-line. Como já foi possível verificar com a eliminação das bilheterias com janelas físicas nas estações de trem, essa digitalização acelera a privatização dos serviços públicos, transferindo o trabalho anteriormente feito no local para plataformas comerciais, caracterizadas por suas práticas opacas e responsáveis pela criação maciça de perfis usando os dados do usuário. Essa transformação também implica uma exclusão violenta de usuários com pouca ou nenhuma conexão - até um quinto da população, que inclui idosos, os mais vulneráveis economicamente e os recalcitrantes. Tende a forçar setores da população em processo de empobrecimento maciço a comprar, às vezes, equipamentos "básicos" de computação (PC, smartphone, impressora, scanner ...) para cada membro da família. Em suma, essa transformação nos leva a um mundo profundamente desumanizado e kafkiano.

"A digitalização de tudo o que pode ser digitalizado é o meio pelo qual o capitalismo do século XXI se dotou para continuar reduzindo os custos [...]. Em retrospecto, essa crise de saúde pode aparecer como um momento de aceleração na virtualização do mundo, como o ponto de virada da transição do capitalismo industrial para o capitalismo digital. E, portanto, de seu corolário: o colapso das promessas humanistas da sociedade [de serviço]”. Essa análise do senso comum não vem de um inimigo firme do neoliberalismo que expressou sua raiva pelas decisões tomadas nos últimos quarenta anos sob pressão da mídia empresarial. Vem, ao invés disso, de um economista de centro-esquerda que faz parte do Conselho Consultivo do jornal Le Monde. Tal afirmação é suficiente para entender que, se é verdade que uma "doutrina de choque" está sendo desenvolvida, o centro dela está bem debaixo do nosso nariz: a intensificação da digitalização da vida cotidiana e econômica.

Parece-nos, portanto, que é mais do que legítimo falar de uma doutrina do choque digital, no sentido de que a crise da saúde foi a oportunidade perfeita para reforçar nossa dependência de ferramentas de computador e desenvolver muitos projetos econômicos e políticos já existentes: ensino virtual, teletrabalho massivo, saúde digital, internet das coisas, robotização, supressão de dinheiro e sua substituição pelo dinheiro virtual, promoção de 5G, cidade inteligente... Nesta lista, você pode adicionar os novos projetos de monitoramento de indivíduos que fazem uso de seus smartphones, o que aumentaria os que já existem em áreas como vigilância policial, marketing ou aplicativos de namoro na Internet. Em conclusão, o maior perigo que enfrentamos não é que as coisas "permaneçam como estavam", mas que elas piorem.

Quando a China desperta dentro de nós?

Quase ninguém duvida que a saída do isolamento ou a gradual "desescalada" em muitos Estados europeus signifiquem a implementação de novos dispositivos de vigilância por meio de smartphones. Se tivermos em mente que o medo de adoecer já é agravado pelo tédio e a impossibilidade econômica de permanecer confinado por meses, o exposto acima é uma enorme chantagem dos governos para toda a população.

Vamos perceber a dimensão do engodo: em um contexto de grave escassez de instrumentos básicos na luta contra o contágio (falta de máscaras e aventais suficientes nos hospitais, escassez de banheiros e leitos e, acima de tudo, muito poucos testes de triagem disponíveis), em vez disso, nos é oferecida uma invenção de ficção científica: aplicativos detectar digitalmente a transmissão de coronavírus. Embora o apoio econômico maciço e estrutural aos hospitais públicos permaneça incerto para que eles possam enfrentar uma crise que persiste, não obstante, não se duvida de atravessar um novo Rubicon no rastreamento sistemático de deslocamentos e relações sociais, por enquanto apenas daqueles que dão seu consentimento explícito. Os resultados médicos dessa estratégia são mais do que duvidosos, enquanto as consequências políticas não deixam margem para dúvidas.

O fato de saber que você é vigiado continuamente é uma fonte comprovada de conformidade e submissão à autoridade, mesmo quando você não vive em uma ditadura. O governo garante que os dados coletados pelos aplicativos de rastreamento de pessoas infectadas com o covid-19 serão primeiro anonimizados e subsequentemente destruídos. No entanto, basta ler a parte das memórias de Edward Snowden em que ele fala sobre vigilância virtual para se perceber que ninguém pode garantir algo assim. Além disso, uma olhada na história recente da tecnologia mostra que os dispositivos liberticidas introduzidos em tempos de crise quase nunca desaparecem: se forem lançados em larga escala e sob a égide do estado, os aplicativos de rastreamento permanecerão e será muito difícil impedir que eles se espalhem para toda a população. Pense na identificação do DNA, que foi instalada na França no final dos anos 90 como uma reação a uma série de crimes sexuais e da qual os ministros da época alegavam que ela permaneceria sempre limitada a criminosos de alta periculosidade. Hoje na França, quando você é preso por ficar mais tempo do que deveria em uma demonstração, a identificação através do DNA é quase automática. Além disso, talvez seja suficiente refletir sobre um ponto básico: não temos idéia de quanto tempo esse episódio de pandemia em que estamos imersos durará: seis meses, três anos, até mais?

Seja como for, essa crise foi atravessada pela idéia de que, para encontrar modelos realmente eficazes na luta contra o coronavírus, é necessário direcionar a atenção para a Ásia em geral e para a China em particular. Na França, a mídia e os políticos se referem principalmente à Coréia do Sul, Taiwan ou Cingapura, onde a hipermodernidade tecnológica não está associada (com ou sem razão) ao despotismo político. Na Espanha, no entanto, a eclosão da crise da saúde testemunhou como alguns dos principais jornais do país se perguntavam abertamente se "democracia" não era um fardo que condenava uma luta ineficaz contra o vírus. Ao mesmo tempo, algumas figuras históricas do liberalismo expressam sua admiração pelo autoritarismo chinês de alta tecnologia e sua eficácia: geolocalização de telefones celulares, sistemas de classificação social alimentados por dados que os cidadãos constantemente derramam na internet, reconhecimento facial, uso drones teledirigidos para monitorar e punir a população. Essa mudança de visão é um dos elementos-chave da mudança de direção por que talvez estejamos passando: há décadas nos acostumamos a ler nosso futuro com as lentes oferecidas pelas mudanças na sociedade norte-americana. Hoje, de repente, parece que é a China pós-maoísta que define nosso destino, ela que foi capaz de fazer usar sem complexos as inovações do Vale do Silício.

O crescimento da tecnologia pode apenas ser fonte de colapsos ecológicos e sanitários

Por enquanto, a decisão das autoridades políticas europeias de fazer uso massivo de aplicativos de monitoramento via smartphone como uma medida de controle do covid-19 nada mais é do que uma forma de blefe. Uma espécie de medida de acompanhamento psicológico que tem como objetivo, acima de tudo, dar a impressão de que medidas estão sendo tomadas, que os governos são capazes de fazer algo, que têm idéias para controlar a situação. No entanto, em países como os nossos ou na Itália, é evidente que eles não controlam nada. Em vez disso, o que vemos é que os governos de toda a Europa se curvam às demandas dos empregadores por retorno ao trabalho e reavivamento da economia, tornando ainda mais urgente obter algum aplicativo mágico imediatamente, a única medida com a qual eles parecem contar para proteger as pessoas.

De fato, para que servem dispositivos como a geolocalização digital senão para garantir a manutenção de uma organização social patológica, enquanto tentamos limitar o impacto da epidemia que atualmente sofremos? O monitoramento do coronavírus visa preservar (por enquanto) um tipo de mundo em que nos movemos demais, para a nossa saúde e a da Terra; onde trabalhamos cada vez mais longe de casa, atravessando a rua com milhares de pessoas que não conhecemos; onde consumimos os produtos de um comércio mundial cuja escala exclui qualquer possibilidade de regulação moral. O que os promotores de geolocalização buscam preservar não é, principalmente, nossa saúde ou nosso "sistema de saúde", mas a sociedade de massas. De fato, uma sociedade de massas ainda mais profunda, no sentido de que os indivíduos que a compõem estarão ainda mais isolados e fechados a si mesmos devido ao medo e à tecnologia.

A pandemia atual deveria nos incitar a transformar radicalmente uma sociedade na qual urbanização descontrolada, poluição do ar, poluição eletromagnética e excesso de mobilidade podem ter consequências incontroláveis, mas a saída do isolamento gerenciada por meio de big data nos leva a avançarmos ainda mais nela. O surgimento do covid-19, como o de outros vírus desde 2000, está intimamente ligado, para muitos cientistas, ao desmatamento. Isso gera contatos inesperados entre várias espécies animais e seres humanos. Outras pesquisas apontam para a pecuária intensiva, saturada com antibióticos mutagênicos. Dizer que a resposta ao covid-19 deve ser tecnológica, como lemos em muitos meios de comunicação, é continuar a avançar em uma lógica de dominação e controle da natureza ilusória e, como mostra a crise ecológica todos os dias, condenada ao fracasso. O impacto da indústria de TIC nos ecossistemas já é insustentável: além dos riscos para a saúde da população e de outros seres vivos, ela criou uma verdadeira corrida aos metais que destrói parte das áreas mais bem preservadas do planeta, conta com uma indústria química particularmente poluente, gera montanhas de resíduos e - devido à multiplicação de data centers e ao aumento permanente do tráfego da internet - força as usinas geradoras de eletricidade a operarem a toda velocidade. Eles já emitem uma quantidade de gases de efeito estufa comparável àquela associada ao tráfego aéreo.

Além disso, o modo de vida conectado, especialmente em seu aspecto sem fio, é globalmente prejudicial à nossa saúde. Vícios, dificuldades de relacionamento e de aprendizado entre os mais jovens, mas também eletrossensibilidade: estima-se que 1,5 milhões de pessoas (3% da população), 90% mulheres, sofram de doenças de sensibilização central na Espanha (fibromialgia, síndrome da fadiga crônica, sensibilidade química múltipla e sensibilidade eletromagnética). Além disso, mais e mais pesquisas identificam essas doenças emergentes como doenças neurológicas produzidas pelo estresse oxidativo celular relacionado a fatores ambientais (produtos químicos e ondas eletromagnéticas). Esses números nos convidam a pesquisas profundas para entender como elas aparecem e agem. A isto devemos acrescentar a possibilidade, contemplada pela Organização Mundial de Saúde, de que ondas eletromagnéticas artificiais sejam cancerígenas. Dada a evidência das ligações entre tumores cardíacos de ratos e ondas 2G / 3G pelo Programa Nacional de Toxicologia dos Estados Unidos em 2018, a ausência de um consenso científico completo serviu apenas para aliviar a indústria de telefonia móvel de sua responsabilidade. Isso lhe permitiu, refugiando-se na incerteza, justifica não tomar nenhuma medida e nunca aplicar o princípio da precaução.

Finalmente, na primeira linha da doutrina de choque implantada pelos governos, está a simplificação da instalação de antenas de retransmissão, contra as quais muitos vizinhos e associações têm lutado (alegando seus possíveis efeitos na saúde). Na França, a Lei de Emergência de 25 de março de 2020 permite a instalação de antenas sem a aprovação da Agência Nacional de Radiofrequência. Ao mesmo tempo, a explosão do uso da Internet ligada ao isolamento justifica em muitos lugares, especialmente na Itália, o desenvolvimento contínuo da rede 5G. Na Espanha, apesar de estarmos passando por um hiato momentâneo, tudo indica que o projeto será retomado com novo impulso no final deste ano.

Enquanto pesquisadores, cientistas e cidadãos de todo o mundo se opõem a essa inovação há anos, a imprensa oculta essa preocupação, cobrindo-a com notícias de um elo questionável entre a propagação da covid-19 e as ondas do 5G. O GAFAM (Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft) chegou ao ponto de eliminar um grande número de publicações virtuais que chamaram a atenção para os efeitos desse novo estágio de intensificação de campos eletromagnéticos artificiais. No entanto, essas preocupações são perfeitamente legítimas: por um lado, porque implantar uma fonte de poluição eletromagnética que multiplicará por dois todas as fontes existentes sem conhecer seus efeitos com certeza é uma aberração do ponto de vista do princípio da precaução. Por outro lado, porque se existe um perigo absolutamente comprovado do 5G é que ele serve como base para a expansão de objetos interconectados, carros automáticos e, em geral, uma sociedade de hiperconsumo cujos efeitos sociais, de saúde e ecológicos são insustentáveis.

Desacelerar a escalada

Se quiséssemos resumir a situação, poderíamos dizer que os tecnocratas de todo o mundo pretendem nos proteger do coronavírus hoje, acelerando um sistema de produção que já compromete nossa sobrevivência no futuro presente. É um absurdo, além de estar fadado ao fracasso.

O que é necessário não são tecnologias que nos tornem mais irresponsáveis, decidindo para onde podemos ir e o que podemos fazer. O que precisamos é exercer nossa responsabilidade pessoal e coletiva de lutar contra as fraquezas e o cinismo dos líderes. Precisamos construir regras de prudência coletiva razoáveis e sustentáveis a longo prazo com a ajuda de epidemiologistas, médicos e profissionais de saúde. E para que essas restrições inevitáveis façam sentido, não precisamos apenas conhecer o estado da emergência em tempo real. Precisamos de uma reflexão coletiva e consistente sobre a nossa saúde, sobre os meios necessários para nos protegermos das muitas patologias ligadas ao nosso modo de vida: vírus futuros, mas também fatores de "comorbidade", como asma, obesidade, doenças cardiovascular, diabetes e, claro, câncer.

O que essa crise traz à luz novamente é o problema da dependência de um sistema industrial de suprimentos que saqueia o mundo e enfraquece nossa capacidade de se opor material e concretamente às injustiças sociais. Do nosso ponto de vista, a única maneira de garantir nossa capacidade de nos alimentar, cuidar de nós mesmos e cobrir nossas necessidades básicas nas crises vindouras é cuidar coletivamente de nossas necessidades materiais, a partir da base e em aliança com muitos dos profissionais hoje responsáveis por essas tarefas. E para isso, é essencial entender que a informatização se opõe frontalmente à necessária construção de autonomia: a digitalização se tornou a pedra angular de grandes indústrias, burocracias estatais e, em geral, de todos os processos de administração de nossas vidas, que são governados pelas leis do lucro e do poder.

Tornou-se comum ouvir que, em algum momento desta crise, será necessário responsabilizar os líderes. E, como sempre, não haverá escassez de reclamações relacionadas a dotações orçamentárias, abuso patronal e bancário ou redistribuição econômica. No entanto, juntamente com essas demandas indispensáveis, deve haver outras que partem de nós mesmos ou são obtidas através da luta contra aqueles que estão tomando decisões hoje. Pelo menos, se queremos ser capazes de preservar nossa liberdade, isto é, se queremos preservar a possibilidade de lutar contra a lógica da competição e da lucratividade, e construir um mundo em que o medo do outro e a atomização da população não se instalem de maneira indefinida.

1. Nas últimas semanas, tornou-se comum que muitas pessoas deixassem seus smartphones em casa quando saíssem. Apelamos à generalização desse tipo de gesto e ao boicote a aplicativos de monitoramento digital públicos e privados. Além do exposto, convidamos todos a refletir profundamente sobre a possibilidade de abandonar o smartphone e reduzir bastante o uso da tecnologia sem fio. Vamos voltar à realidade, finalmente.

 

2. Pedimos à população que se informe sobre as conseqüências econômicas, ecológicas e de saúde da implantação da rede 5G e se oponha ativamente a ela. Além disso, convidamos todos a indagar sobre as antenas de telefonia móvel que já existem perto de sua casa e a se opor à instalação de novas antenas de transmissão.

 

3. Pedimos uma conscientização dos problemas associados à digitalização contínua de todos os serviços públicos. Um dos desafios no período pós-confinamento (ou nos períodos entre os confinamentos?) será garantir que o atendimento presencial permaneça disponível ou volte a ser disponibilizado nas cidades e vilas, nas estações de trem, na Previdência Social, em administrações locais, etc. Vale a pena lutar pela defesa do serviço de correios (essencial, por exemplo, para a circulação de idéias além do mundo virtual) e a preservação de um serviço de telefone fixo que funcione bem e seja independente da contratação da internet.

 

4. Outra batalha crucial para o futuro da sociedade é a rejeição da escola digital e sem fio. A crise pela qual estamos passando foi usada para normalizar a educação a distância pela internet, e apenas uma reação contundente de professores e famílias pode impedir que ela seja instalada definitivamente. Embora a escola seja suscetível a críticas de muitos pontos de vista diferentes, estamos convencidos de que, nas últimas semanas, tornou-se evidente para muitos que ainda faz sentido aprender juntos e que é muito valioso que as crianças entrem em contato com professoras e professores de carne e osso.

 

5. A economia não é e nunca foi paralisada, nem os conflitos sociais. Apoiamos todas as pessoas que sentiram sua integridade em risco, do ponto de vista da saúde, em seu trabalho habitual ou em viagem. No entanto, também queremos chamar a atenção para os abusos e sofrimentos que acompanham a estrutura do teletrabalho doméstico. Alguns de nós denunciamos a informatização do trabalho há anos, e parece-nos evidente que a extensão do teletrabalho forçado é um processo ao qual devemos nos opor através de novas formas de luta e boicote.

 

6. É muito provável que, do ponto de vista econômico, os meses seguintes possam ser terríveis. Podemos experimentar um empobrecimento maciço dos cidadãos, assim como não devemos descartar colapsos bancários e monetários. Diante desses perigos, é necessário que pensemos em como vamos comer e como vamos cultivar as terras que nos cercam, como vamos integrar as redes locais de suprimento e, acima de tudo, como estender os itens acima para que alcancem a maioria da população. Da mesma forma, garantir a sobrevivência dos agricultores que produzem alimentos saudáveis perto de onde moramos e apoiar todos os recém-chegados que decidam se estabelecer [como agricultores] devem ser questões prioritárias. O que dissemos anteriormente explica por que acreditamos que o recurso à alta tecnologia não pode, em caso algum, ser uma solução humana e perene.

 

7. Por fim, tudo aponta para o fato de que, nos próximos meses, teremos que defender maneiras de nos encontrarmos fisicamente, inventar ou retomar espaços de discussão pública nesses tempos difíceis, nos quais muitas batalhas decisivas ocorrerão. Sem dúvida, tudo o que foi dito acima terá que ser feito com a ideia de minimizar os riscos de contágio. Mas a vida digital não pode ser um substituto permanente da vida real, e os substitutos do debate que ocorrem hoje online nunca serão capazes de substituir a presença na carne e no diálogo vivo. Todos devem refletir a partir deste momento sobre como defender o direito de reunião (reuniões de bairro, assembleias populares, manifestações), sem os quais os direitos políticos são impossíveis e sem os quais é impossível construir uma posição de força, essencial para dar existência a qualquer tipo de luta.

Jorge Riechmann / Adrián Almazán y 300 assinaturas. Traduzido de Viento Sur.

Notas:

1. Trecho da entrevista com Daniel Cohen em Le Monde em 3 de abril de 2020. O fato de citá-lo aqui não implica em nenhum caso que estamos sintonizados com o tipo de categorias que Cohen usa: na realidade, o digital nada mais é do que um o aprofundamento do caráter industrial do capitalismo e a sociedade pós-industrial da qual ele fala simplesmente não existem.

 

2. Referência à fórmula e obra de Naomi Klein, The Shock Doctrine, traduzida na Espanha em 2007 e publicada pela editora Paidós. No livro, esse termo foi exemplificado pelas oportunidades que o furacão Katrina, que atingiu a Louisiana em 2005, ofereceu às classes empresariais americanas.

 

3. Para aprofundar essa questão, consulte o capítulo 2 da tradução do livro do grupo MARCUSE, La Libertad en Coma: Contra a informatização do mundo, Madri 2019, Ediciones El Salmón.

 

4. Edward Snowden, Vigilância Permanente, Madri 2019, Planeta. Para ser mais preciso, o que Snowden insiste é a impossibilidade de fazer com que os dados gravados desapareçam completamente. Em relação à impossibilidade de anonimizar, recomendamos a análise de Luc Rocher, que é revisada no artigo "Não há anonimato, graças aos seus dados, eles podem rastrear você e encontrá-lo", publicada em 31 de julho de 2019 no jornal ABC.

 

5. Recomendamos que você reveja a análise realizada pela associação La Quadrature du Net, publicada em seu site em 14 de abril, que, entre outras coisas, chama a atenção para a falta de confiabilidade da tecnologia Bluetooth, sua baixa precisão para tempo para indicar contatos entre pessoas diagnosticadas como "positivas", principalmente em áreas de alta densidade populacional, e a dificuldade de ativá-lo ou usá-lo para muitas pessoas.

 

6. Veja os estudos de Alfonso Balmori.

 

7. Você pode revisar, entre outros materiais, a síntese de Cécile Diguet e Fanny Lopez, Limpimp espacial e eletrônica de data centers em territórios, disponível em www.ademe.fr.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK