Voltar ao site

Economia pós-pandêmica em disputa na Argentina

A retomada argentina pode passar por dois modelos opostos, diz o economista político Claudio Katz

· Sem Fronteiras,Últimos artigos

A retomada argentina pode passar por dois modelos opostos. Um é marcado pela desigualdade, precarização do trabalho, primarização e atividades extrativas. Outro implica a revitalização dos rendimentos populares, a recuperação do emprego e a reindustrialização.

Claudio Katz, katz.lahaine.org, 13 de julho de 2020

A enorme dimensão da crise econômica argentina é óbvia e não é conseqüência da quarentena. É um efeito da pandemia que desencadeou uma crise capitalista chocante em todo o mundo. O vírus se expandiu dramaticamente sob um sistema social regido pela desigualdade, miséria e exploração.

Esse diagnóstico contrasta com a apresentação da direita pela crise como uma desgraça argentina, causada pelo "populismo" e pela "ditadura dos sanitários". Porta-vozes da anti-quarentena ocultam que a economia está entrando em colapso em todo o planeta, juntamente com um número dramático de mortes. As políticas negativas amplificam essas mortes e as estratégias de proteção contêm a tragédia.

Os direitistas não podem fornecer um único exemplo de sua solução mágica de poucas vítimas e de pleno funcionamento da economia. Eles omitem que seus modelos no Brasil, Chile ou Peru tenham causado catástrofes na saúde e colapsos na produção.

Mas também é evidente que os cuidados de saúde priorizados na Argentina coexistem com uma terrível depressão econômica. Uma queda dramática no nível de atividade já prevalece.

Após dois anos de recessão aguda, espera-se uma nova contração na produção de 9,9% e o risco de fechamento maciço de empresas, com a conseqüente explosão do desemprego. A pobreza pode chegar a 50%, recriando um cenário muito semelhante ao de 2001. Os dados mais recentes de abril indicam uma queda de 26,4% no PIB, que excede o recuo recorde de março de 2002 (16,7%).

O período de quatro meses acumula um declínio produtivo de 11% que coroa 30 meses consecutivos de retração. A taxa de crescimento necessária para compensar esse colapso deve exceder em muito as expectativas de muitos analistas (3,9%-4,3% até 2021). Registrar a seriedade desse contexto é o ponto de partida para a elaboração de um plano econômico urgente. O pior não aconteceu e "o último esforço" da quarentena para conter as infecções será a estréia dos problemas muito sérios que uma economia demolida enfrentará.

A reconstrução pode passar por dois modelos opostos. Um caminho é marcado pela desigualdade, em um quadro de insegurança no trabalho, primarização e extrativismo. O esquema alternativo envolve a revitalização da renda popular, a recuperação do emprego e a reindustrialização. Essa troca bem conhecida entre ajuste e redistribuição é resolvida em vários níveis.

Políticas econômicas contrapostas

Por vários meses, a economia sobreviveu com auxílio estatal. Esse destaque da intervenção pública - que repete o que aconteceu em todas as crises anteriores - é silenciado pelos neoliberais. Eles disfarçam a inviabilidade total de suas doutrinas de reinado de mercado em situações de emergência.

A ação do estado nacional é semelhante às iniciativas predominantes em todo o mundo, mas com subsídios muito mais baixos do que as economias centrais. A continuidade do apoio do Estado após a pandemia está fora de questão, mas a quantidade e a distribuição de recursos públicos suscitam grandes controvérsias.

O direito exige subsídios privilegiados aos grupos de poder, para induzir uma reativação com uma alta concentração de capital. Patrocina a falência de empresas insolventes para facilitar sua captura por grandes conglomerados. Promove uma nova versão da "doutrina do choque", usada pelos setores dominantes na crise para impor ultrajes neoliberais.

Esse modelo foi explicitado pela companhia aérea LATAM, que condicionou sua permanência no país ao achatamento dos salários e à destruição das regulamentações trabalhistas. O mesmo esquema é promovido por empresas de serviços (Globo, Rappi) que reduzem salários e empresas que pressionam funcionários ao teletrabalho.

Para impor seu ajuste recessivo, os direitistas exigem um corte na questão, refletindo os medos inflacionários causados ​​pela expansão da oferta monetária. Mas eles não levam em conta o efeito inverso gerado pela depressão do consumo e omitem a inevitável necessidade de liquidez para qualquer reativação.

Um controle eficaz dos preços - em mercados altamente concentrados para bens básicos - contraria o risco de um surto inflacionário. Com a lei de fornecimento e certas medidas de controle de vizinhança, a aceleração da fome poderia ser combatida, o que não é uma desventura única da Argentina.

As maiorias populares precisam de uma sólida reativação do mercado interno baseada na restauração do poder de compra. É o caminho oposto ao ajuste desejado pelos neoliberais. A unificação dos planos de assistência em torno de uma renda universal significativa e a recomposição de salários seriam dois pilares dessa recuperação.

O aumento dos salários no setor formal é vital para conter a atual dinâmica perversa de redistribuição da pobreza. O ajuste dos empregados assalariados no objetivo de sustentar a péssima assistência dos precários é uma tendência terrível. Fortalece a equalização e financia a sobrevivência dos mais necessitados com os recursos de outros trabalhadores. Essa involução é verificada no campo da aposentadoria e deve ser revertida imediatamente.

O relançamento de obras públicas com gestão significativa a partir de baixo constitui o segundo eixo de um plano econômico progressivo. Existem muitas propostas de organizações sociais para gerar quatro milhões de empregos por ano, por meio de programas administrados de maneira coordenada por movimentos, sindicatos e municípios.

A terceira base de um projeto redistributivo é a flutuabilidade da indústria nacional. A pandemia mostrou que é possível converter muitas atividades para as necessidades prioritárias do país. O exemplo da fabricação de respiradores pode ser estendido a outros produtos e indústrias.

Essas iniciativas requerem financiamento extensivo a baixas taxas de juros, o que pressupõe uma mudança radical no sistema financeiro. A abordagem progressiva deve estar localizada nos antípodas do ajuste e requer mais gastos públicos com mais recursos.

Diante dessas duas ótimas opções, o governo segue a rota intermediária que inaugurou antes da pandemia, oscilando entre melhorias e retrocessos. Proporcionou alívio social (aumento do subsídio universal e pensões mínimas, congelamento de tarifas, cartão de alimentação). Mas também escravizou direitos como a suspensão da mobilidade da aposentadoria.

Na emergência atual, ele persistiu com sua política de fazer o bem a todos. Por um lado, adota medidas de apoio aos sem-teto, resolvendo grande parte dos salários bloqueados pela paralisia da produção. Forneceu uma terceira parcela do auxílio que envolve montantes siderais e prestou ajuda a quase 9 milhões de pessoas com o IFE. Também congelou aluguéis, hipotecas e execuções hipotecárias por falta de pagamento e anunciou empréstimos de taxa zero para o consumo de monotributistas e trabalhadores por conta própria.

Mas o governo também ajuda os poderosos e disponibiliza subsídios aos CEOs de grandes empresas. Esse absurdo auxílio estatal aos executivos foi parcialmente corrigido quando se detectou o seu uso na compra de dólares. Os recebedores de subsídios não podem mais comprar divisas, distribuir lucros ou fazer desembolsos com outras empresas relacionadas.

O oficialismo prometeu formalmente proibir as demissões, mas na verdade não interrompe sua expansão. O Ministério do Trabalho evita as informações diárias fornecidas por sua contraparte em saúde. Não está claro qual é o mapa real de licenças e suspensões. O caso testemunha foi Technit. Depois de afirmar que não aceitaria as demissões, ele endossou a concretização delas.

 

Além disso, o corte nos salários tende a generalizar-se com os passivos endossados ​​pelas autoridades e aposentados, passando por outro ajuste na mobilidade, inferior ao que seria devido à inflação. O pagamento do bônus de Natal parcelado já é um fato e se estende a vários setores. Em resumo: a política econômica constitui a primeira área de disputa entre ajuste e redistribuição, em relação a um governo que foge das definições.

O teste da Vicentin

O contraste de modelos é verificado na intervenção estatal contra grandes falências. É por isso que a cessação de pagamentos da Vicentin se tornou um caso testemunha de política oficial.

O direito conduz uma ação vergonhosa para apoiar a empresa que liderou o financiamento da campanha eleitoral de Macri. Desdobra banderazos e mobilizações para distorcer a decisão oficial de desapropriar a empresa, com argumentos extraídos do Mundo Invertido.

Apresentam a Vicentín como uma empresa que normalmente exercia suas atividades, até que um estado obcecado em assumir o controle da empresa chegasse. Eles apenas esquecem que a empresa faliu e deixou uma série de padrões. Os cúmplices dessa fraude convocam "salvaguardar a propriedade privada", omitindo que a empresa viola esse princípio ignorando contratos com seus fornecedores. Tampouco explicam a inadimplência de uma holding que exportou mais da metade de sua produção, em um ano com uma boa colheita, aproveitando a mega desvalorização e o financiamento estatal concedido.

Os gerentes buscam impunidade ocultando as evidências de seu desfalque. O “estresse financeiro” que eles provocam não tem credibilidade e as justificativas centradas na “má administração” ou na “sequência de operações comerciais” são inconsistentes. Os sinais do golpe são esmagadores.

Já existe um julgamento em Nova York para rastrear os ativos escondidos em paraísos fiscais e o dinheiro obtido com a venda surpresa da principal empresa do grupo (Renova) para a Glencore. Essa multinacional administra uma intrincada rede offshore que facilitaria a expatriação do dinheiro negado aos credores. Existem sérias suspeitas de um esvaziamento consumado através da transferência de recursos para as subsidiárias da Vicentin no Paraguai e Uruguai.

A fraude também é encoberta pela justiça criminal que defende o caso para proteger o ex-presidente do Banco Nación. González Fraga autorizou um empréstimo à empresa por valores que excedem os padrões da entidade, sem exigir garantias e forjar a classificação de crédito.

O governo reagiu rapidamente ao perigo de demolição ou alienação da empresa. Ele percebeu que os grandes players estrangeiros no setor de alimentos (Dreyfuss, Glencore, Cargill) anseiam pela captura da empresa. Por esse motivo, promoveu inicialmente uma desapropriação, buscando favorecer a criação de uma empresa que testemunhava o comércio exterior. Como a Vicentin possui instalações e portos de armazenamento próprios, sua participação no setor público neutralizaria as conhecidas manobras de evasão fiscal (retenção de divisas e subfaturamento de exportações). Essa solução também facilitaria as negociações diretas de estado para estado com o parceiro estratégico da China.

O golpe de Vicentin é investigado por muitas agências. Há uma comissão bicameral no Congresso e outra na província de Santa Fé, que estuda a grotesca perda de ativos, por meio de doações e familiares vistosos na lista de credores. O que aconteceu em outra área da justiça criminal - o desmantelamento da rede de espionagem ilegal criada por Macri - ilustra como alguém pode agir com rapidez e força. O esclarecimento do que aconteceu com Vicentin deve seguir esse pano de fundo.

É vital recuperar o dinheiro com a fraude, incorporando todos os ativos ocultos da empresa ao gerenciamento de falências. Existe um sério risco de repetir o que aconteceu com inúmeras "argentinizações" que esvaziaram a bolsa pública (Post, Waters, Marsans-Airlines, Repsol). As indenizações e julgamentos dessas nacionalizações aumentaram a fortuna de muitos capitalistas. Vicentin não deve terminar com outra socialização perdida paga pelo povo argentino.

Você pode se curvar para a direita e forjar uma empresa pública sob controle social por meio da mobilização popular. Existem grandes diferenças com a cena 125. Não existe mais um bloco agrário homogêneo comandado pela Mesa de Ligação. Pelo contrário, existem subsidiárias da SRA (Córdoba) e uma grande parte da FA (Buzzi) que denunciam o desvio de fundos da Vicentin.

Mas o grande obstáculo são as hesitações do governo. A iniciativa de desapropriação foi substituída por uma intervenção, que forneceu um prazo extenso para encobrir a farsa e negociar a venda da empresa a credores estrangeiros. Como o juiz relacionado à empresa interrompeu a intervenção, os mesmos gerentes ainda estão no comando de uma empresa parada, que não compra grãos e agrava sua perda.

Não se sabe se o governo insistirá no projeto de desapropriação. O direito mostra força diante da inação de um governo, que aceitou o desafio do juiz de falências à autoridade presidencial. Há muitas maneiras de superar, mas a inação leva ao resultado oposto.

Outro sistema financeiro

Na atual crise, foram confirmados os obstáculos que representam a estrutura bancária para uma reativação da produção. A denúncia de pequenas e médias empresas ilustra como as entidades obstruem a concessão de créditos.Eles não cobrem cheques rejeitados, validam a desagregação da cadeia de pagamentos, negam empréstimos para pagar salários e mantêm altas taxas de juros.

Os bancos também não permitem saques do limite e recorrem a infinitas manobras para evitar o refinanciamento de cartões de crédito. Eles usam o pretexto de uma classificação baixa para as PME, para impedir a redistribuição de empréstimos estatais entre seus clientes. Eles vivem em um mundo à parte, ignorando o tremendo cenário criado pela demolição do consumo.

Diante de empresas que estão afundando e entidades que atrasam o financiamento, o Banco Central responde tarde, mal e sem nenhuma convicção. Exorta apenas os financiadores a mudarem seu comportamento e, no máximo, faz sugestões para maior controle que ele também não implementa. Essa reação oficial apenas aprofunda o cenário dramático de uma economia não financiada.

Os monumentais pacotes de auxílio estatal são canalizados através dos bancos, que continuam a definir quem recebe o dinheiro. Como os financiadores não querem riscos, nem a afetação de seus ganhos, eles tropeçam na colocação do auxílio. Eles mantêm o privilégio incomum de não perder um centavo, em meio ao colapso geral do mercado interno.

Os bancos se acostumaram ao negócio parasitário de empréstimos ao estado. É por isso que eles oferecem tão pouco crédito ao setor produtivo. No Macrismo, eles aperfeiçoaram a prática de usar a maior parte dos depósitos na intermediação com os Leliqs. Eles fizeram suas fortunas sem nenhuma expansão de crédito genuína e, no ano passado, dobraram seus lucros com títulos do governo.

O governo valida essa dinâmica perversa que acentua o colapso da economia. No máximo, obstruiu a distribuição de lucros entre os banqueiros. Evita impor crédito de taxa zero para as PME à beira do abismo, com mecanismos para financiar eventuais perdas com os lucros acumulados pelas entidades.

Existem muitos instrumentos para os bancos colaborarem com seus próprios ativos na emergência atual. Mas seria necessário declarar a utilidade pública do sistema financeiro e restaurar a regulamentação estadual de gerenciamento de depósitos vigente até a década de 1970. É insustentável um status quo de bancos públicos sobrecarregados e entidades privadas prósperas.

Devemos agir antes que a direita desencadeie sua previsível campanha de terror contra pequenos poupadores. Eles são especialistas em semear o pânico com augúrios para a saída de depósitos, o hiato paralelo do dólar e o colapso do mercado de ações. Esse tremor é uma possibilidade sempre latente no dramático cenário econômico que se avizinha. Se o sistema financeiro continuar operando sem nenhum controle estatal efetivo, os grandes transtornos surgirão novamente no circuito bancário.

Outro sistema financeiro

Na atual crise, foram confirmados os obstáculos que representam a estrutura bancária para uma reativação da produção. A denúncia de pequenas e médias empresas ilustra como as entidades obstruem a concessão de créditos.Eles não cobrem cheques rejeitados, validam a desagregação da cadeia de pagamentos, negam empréstimos para pagar salários e mantêm altas taxas de juros.


Os bancos também não permitem saques do limite e recorrem a infinitas manobras para evitar o refinanciamento de cartões de crédito. Eles usam o pretexto de uma classificação baixa para as PME, para impedir a redistribuição de empréstimos estatais entre seus clientes. Eles vivem em um mundo à parte, ignorando o tremendo cenário criado pela demolição do consumo.


Diante de empresas que estão afundando e entidades que atrasam o financiamento, o Banco Central responde tarde, mal e sem nenhuma convicção. Exorta apenas os financiadores a mudarem seu comportamento e, no máximo, faz sugestões para maior controle que ele também não implementa. Essa reação oficial apenas aprofunda o cenário dramático de uma economia não financiada.


Os monumentais pacotes de auxílio estatal são canalizados através dos bancos, que continuam a definir quem recebe o dinheiro. Como os financiadores não querem riscos, nem a afetação de seus ganhos, eles tropeçam na colocação do auxílio. Eles mantêm o privilégio incomum de não perder um centavo, em meio ao colapso geral do mercado interno.

 

Os bancos se acostumaram ao negócio parasitário de empréstimos ao estado. É por isso que eles oferecem tão pouco crédito ao setor produtivo. No Macrismo, eles aperfeiçoaram a prática de usar a maior parte dos depósitos na intermediação com os Leliqs. Eles fizeram suas fortunas sem nenhuma expansão de crédito genuína e, no ano passado, dobraram seus lucros com títulos do governo.
O governo valida essa dinâmica perversa que acentua o colapso da economia. No máximo, obstruiu a distribuição de lucros entre os banqueiros. Evita impor crédito de taxa zero para as PME à beira do abismo, com mecanismos para financiar eventuais perdas com os lucros acumulados pelas entidades.


Existem muitos instrumentos para os bancos colaborarem com seus próprios ativos na emergência atual. Mas seria necessário declarar a utilidade pública do sistema financeiro e restaurar a regulamentação estadual de gerenciamento de depósitos vigente até a década de 1970. É insustentável um status quo de bancos públicos sobrecarregados e entidades privadas prósperas.


Devemos agir antes que a direita desencadeie sua previsível campanha de terror contra pequenos poupadores. Eles são especialistas em semear o pânico com augúrios para a saída de depósitos, o hiato paralelo do dólar e o colapso do mercado de ações. Esse tremor é uma possibilidade sempre latente no dramático cenário econômico que se avizinha. Se o sistema financeiro continuar operando sem nenhum controle estatal efetivo, os grandes transtornos surgirão novamente no circuito bancário.

 

Um imposto decisivo

Qualquer modelo econômico enfrenta o cenário severo dos cofres públicos exaustos. A coleta entrou em colapso e o déficit fiscal primário atinge em média 5 pontos do PIB. A cobertura com a emissão de tal buraco fiscal colide com limitações evidentes. Por esse motivo, é debatido o imposto sobre grandes fortunas, que tem sido um imposto muito comum em situações de emergência.

O direito se opôs, argumentando que "a carga tributária é muito alta". Mas os dados do Banco Mundial colocam a Argentina em uma posição internacional intermediária, próxima aos Estados Unidos e bem abaixo da média europeia. A imagem de um país com impostos é outro mito do neoliberalismo. Até o presidente da Alemanha lembrou recentemente que os ricos da Argentina pagam muito pouco, em comparação com os pares de seu país.

Para bloquear a garantia da riqueza, o poderoso empreende uma campanha de engano. Eles afirmam que o imposto será inconstitucional, apesar da aprovação do Congresso e estão preparando uma contestação judicial, para defender seus privilégios com a cumplicidade de seus parceiros no tribunal.

Os direitistas também argumentam que esse imposto "não se aplica a nenhum lugar do mundo", ignorando as inúmeras modalidades internacionais de impostos sobre a riqueza. Eles afirmam que "as empresas não serão capazes de atender a esse pagamento na atual crise", omitindo que o patrimônio será tributado e não os lucros atuais das empresas. Eles dizem que isso afetará fortemente a classe média, quando afetará apenas um punhado da população. Nenhum dos 15.000 bilionários alcançados pelo tributo integra os estratos médios do país.

Os neoliberais costumam exigir a "redução do salário dos políticos" para evitar o novo imposto. Mas a desconexão entre as duas propostas é óbvia. Com a diminuição dessas remunerações, uma parcela insignificante do imposto em questão seria cobrada. Eles espalham essa ideia maluca, porque, em sua imaginação, a administração pública deveria ser gerenciada por milionários que não precisam de compensação. Com essa mesma concepção elitista, eles proclamam a substituição dos impostos sobre a riqueza por doações voluntárias dos ricos.

O tratamento tributário não possui grandes segredos. Durante meses, vários projetos estão circulando para avaliar 1,5% das grandes fortunas pessoais, afetando o núcleo de milionários que pagam impostos nos níveis mais altos do imposto sobre propriedade pessoal. Outras iniciativas propõem levar como referência uma taxa de 2% aos valores declarados na última lavagem de dinheiro de 2017. Alguns municípios, como Castelli, já estabeleceram uma contribuição obrigatória para moradores com alta riqueza. Os rendimentos vão reforçar a infraestrutura de saúde local.

A implementação imediata do imposto sobre a riqueza constituiria o primeiro forte aviso aos sonegadores de impostos. Os grandes capitalistas não apenas gozam de total impunidade para evitar suas obrigações. Eles geralmente exigem alívio na crise, esquecendo sua prática usual de evasão de divisas.

A nova administração da AFIP descobriu o grande plano de cumplicidade que governava o governo Macrista, para encobrir contas ocultas ao Tesouro no exterior por números siderais. A partir dessa investigação, parece que na última lavagem de dinheiro, apenas um terço dos 400 bilhões de dólares localizados fora do país se tornou transparente.

A auditoria dessa evasão tornou-se mais fácil a partir dos acordos tributários assinados com várias organizações (como a OCDE) e é possível começar a rastrear os valores depositados em paraísos fiscais. Não há impedimentos técnicos ou legais intransponíveis, se houver vontade política para acabar com a fraude fiscal dos capitalistas.

A principal indicação dessa decisão seria a sanção do imposto sobre a riqueza, que acarreta um atraso inadmissível. No partido no poder, ninguém explica por que essa iniciativa é adiada. As pressões de grandes lobbies como a UIA, que já se manifestou contra o imposto, certamente influenciam. Essa atitude confirma que o drama da pandemia não move os poderosos.

O imposto não é apenas inevitável para enfrentar a emergência atual. Ele permitiria começar a fornecer renda genuína a um modelo de reativação baseado na redistribuição de renda. Além disso, com esse imposto, a Argentina poderia liderar uma virada internacional em questões tributárias. Atualmente, diferentes projetos de "taxas-Covid" são avaliados na Espanha. Rússia, Itália, Suíça e Inglaterra, Alemanha, Brasil, Equador, Chile, Bolívia e Peru.

O imposto ajudaria a incentivar projetos internacionais de reforma tributária, promovidos para introduzir impostos progressivos sobre serviços digitais e altos benefícios comerciais. Essa iniciativa busca eliminar os paraísos fiscais que absorvem os recursos que faltam para os gastos sociais dos estados. Na sanção do imposto sobre a riqueza, discute-se quem vencerá o primeiro jogo da luta entre modelos econômicos neoliberais e progressistas.

Dívida por escolha errada

O financiamento da reativação também depende das despesas do setor público e do consequente gerenciamento da dívida. Sabe-se que Macri deixou um passivo impagável que precipitou o padrão. Essa dívida gigantesca condiciona toda a evolução da economia.

Inicialmente, o governo propôs uma troca drástica para adiar qualquer pagamento por três anos. Promoveu uma redução de 65% e uma redução nas taxas de juros para 2,3%. Ele calculou que a dívida externa privada de 66.238 milhões de dólares sofreria um corte de 41.600 milhões e apontou que essa queda estava de acordo com a cotação dos títulos argentinos no mercado (30-35% do seu valor original). Ele ressaltou que a oferta era semelhante à solução que Kirchner enfrentou em 2005 para resolver o padrão herdado de 2001 e anunciou que era a única proposta sustentável.

A ala direita imediatamente desencadeou grande pressão para modificar a oferta em sintonia com os credores. Ela atuou como porta-voz dos fundos de investimento, que diferem substancialmente dos credores argentinos tradicionais. O Fidelity, o BlackRock ou o Ashmore gerenciam grandes carteiras de investimentos, divorciadas dos regulamentos atuais do sistema bancário. Eles não gerenciam depósitos ou créditos. Eles especulam apenas com inúmeros títulos de países ou empresas e é por isso que negociam com mais brutalidade do que seus antecessores.

Eles rapidamente formaram vários comitês com lobistas para exigir novas propostas de "boa fé" com "ofertas amigáveis". Seus clones repetem repetidamente que a rejeição dessa submissão levará ao precipício. Eles exercem o fantasma da inadimplência, afirmando que "ninguém emprestará dinheiro ao país após a pandemia". Mas eles omitem que esses créditos já sejam negados hoje. Macri deixou o país fora do mercado de crédito, e a contínua cessação de pagamentos reforça essa restrição.

Os próprios direitistas reconhecem que a persistência da inadimplência não tem implicações importantes no curto prazo. Além disso, não se sabe se a cabine de empréstimo externa será reaberta após uma troca. Tampouco os julgamentos no exterior que poderiam ser apresentados pelos credores para apreender propriedades estatais. O valor desses ativos é muito baixo comparado aos pagamentos exigidos.

O baixo impacto financeiro da inadimplência se estende à esfera comercial. É muito difícil para a China parar de comprar soja ou carne devido à inadimplência ou para o Brasil restringir a importação dos componentes necessários para sua produção automotiva.

Em períodos mais longos, é impossível formular previsões sérias. É evidente que a Argentina não será o único país com problemas de pagamento na tremenda crise atual. Há uma necessidade urgente de usar todos os recursos disponíveis para reativação interna e um único dólar não deve ser desviado dessa prioridade.

Alguns neoliberais afirmam que o padrão recriará as ações judiciais com os fundos de abutres, que sob o Macrismo forçaram desembolsos de 15 bilhões de dólares. Dólares. Mas eles não explicam por que esse desperdício deve ser repetido. As pressões corretas com ameaças retóricas e com taxas de câmbio periódicas. Os intermediários do swap, que estão com pressa de receber suas comissões, participam intensamente dessas manobras.

Uma abordagem genuinamente progressiva está no pólo oposto e passa pela suspensão imediata dos pagamentos de juros. Os credores não podem ser isentos dos esforços solicitados a toda a população durante a pandemia.

No cenário econômico dramático que se aproxima, o padrão não é o fim do mundo e é preferível a um mau acordo. A direita é uma especialista em campanhas de medo, mas a experiência mostra quão terríveis são as consequências de aceitar suas demandas.

Antes de implementar qualquer pagamento, a auditoria da dívida teria que ser concluída para discriminar as despesas. Um simples desconhecimento da dívida não está em debate, mas o esclarecimento de sua legitimidade, distinguindo os componentes válidos e fraudulentos da responsabilidade.

Essa investigação foi parcialmente realizada pelo Banco Central, que em um relatório recente confirmou o que já era conhecido: toda a dívida deixada por Macrismo encobre uma fuga de capital monumental. Em quatro anos, essa saída envolveu US $ 86,2 bilhões, ou seja, a maior parte dos passivos incorridos. O relatório não especifica os nomes dos envolvidos nessa operação, mas indica uma concentração muito alta de empresas e indivíduos. Qualquer troca de dívida que ignore essa auditoria validará a fraude. O punhado de milionários que fugiram desse capital transferirá para toda a sociedade uma obrigação contratada.

Nesta área crucial da dívida, o governo já afrouxou sua posição inicial e aceitou as demandas dos credores. Ele liquefez especialmente o aspecto mais interessante da primeira oferta, que foi a suspensão de todos os pagamentos por três anos. Esse período foi reduzido para dois e há versões de turnos escalonados a partir de 2021. A pausa urgente de que a economia precisa iniciar um processo de recuperação seria seriamente ameaçada por essa decisão.

Com a redução do cronograma de desembolso inicial, o fluxo de pagamentos atual será mantido. Em meio à pandemia, foram feitos dois grandes desembolsos que não foram amplamente divulgados (250 milhões para detentores de títulos privados e 320 milhões para o FMI). Seria suficiente calcular quantos respiradores e hospitais esse dinheiro envolve para confirmar sua total inadmissibilidade.

A mesma atitude das concessões oficiais se estende ao alívio da dívida, o que estaria longe dos 65% anunciados inicialmente. Se for acordado um valor presente dos títulos de 50 a 55%, o valor final da oferta será ainda mais "generoso" do que o patrocinado pelo FMI. A redução efetiva do passivo também seria menor do que a obtida na reestruturação de 2005.

As condições contratuais de outra eventual inadimplência também são negociadas com os credores. A baixa confiança na viabilidade do acordo é refletida nesta avaliação, um novo padrão. Todos eles aceitam a lei de Nova York (que invariavelmente opera contra o país) e rejeitam o tipo de litígio (cláusulas de ação coletiva), que se aplicaria a uma troca resultante da falha da versão atual.

Mas o mais sério é o vínculo com o FMI, que concordaria em reprogramar suas cobranças para garantir seu status de credor privilegiado e isento de qualquer retirada. Esse compromisso com o Fundo é um laço no pescoço, mais perigoso do que as dívidas do setor privado. As condições impostas pelo Fundo para forçar o cumprimento de seus requisitos são bem conhecidas. Esse organismo não se tornou benevolente. Como já aconteceu na crise de 2008, esconde suas intenções no meio do vendaval. Pressionou os fundos de investimento para aceitar o swap e liberar a terra para a coleta de US $ 45 bilhões que nunca chegou ao país.

O ônus futuro das auditorias periódicas do FMI está oculto pelas operações de lavagem política. O órgão agora é elogiado por muitos economistas anti-liberais, que esquecem como o Fundo impôs uma dívida absurda para sustentar a reeleição fracassada de Macri. Ao contrário do swap de 2005, a versão atual consagra a presença permanente do FMI, que em breve recuperará sua aparência habitual brutalmente.

A negociação da troca foi errônea, prematura e prejudicial. Não havia necessidade de implementá-lo em meio à crise da pandemia. No mínimo, ele pode ser desparafusado até que se solte. A operação carece da sustentabilidade anunciada, uma vez que apenas saneia a situação de 20% da dívida total. Os passivos pendentes com organizações internacionais e os documentos emitidos sob a legislação nacional ainda precisam ser resolvidos.

Além disso, a grande oportunidade criada pelo "Grande Confinamento Global" para introduzir uma mudança drástica no ônus dos passivos que o país suporta é desperdiçada. A apresentação oficial da Argentina como vencedora do swap disfarça as concessões feitas durante a negociação. Com esta operação, compromissos não cumpridos são assumidos e o conhecido trauma de nossa história é reciclado.

Sob o capitalismo, não ganhamos todos

A direita age frontalmente com argumentos delirantes de crítica à info-ditadura, contra um governo que exibe comportamento meramente defensivo. Os discursos progressistas do oficialismo têm poucas traduções práticas no plano econômico. Essa posição é muito perigosa em um cenário de colapso produtivo, diante de um inimigo que tentará tirar proveito do desastre social para sustentar seu projeto reacionário.

O governo continua a diagnosticar mal. Primero supôs que renegociar a dívida bastaria para reativar a economia. Agora imagina um devir semelhante, sem considerar a magnitude da crise e a sequente necessidade de medidas radicais.

Por isso atrasa o imposto sobre a riqueza, vacila na política econômica e titubeia no plano Vicentin. Apenas imagina que o fim do coronavírus facilitará a reativação e que a única prioridade imediata é a saúde. Enquanto a direita se exibe impudicamente com seu plano regressivo, o governo navega por um mar de indefinições. Por isso é necessário um giro pela distribuição de renda, com um programa alternativo baseado nos impostos dos mais ricos e o controle estatal das finanças e do comércio exterior.

Essa política demanda uma atitude crítica ao capitalismo, que enfrente todos os fantasmas que a direita irá lançar. Há que responder de frente, mostrando que esse sistema causou a depressão atual e não oferece nenhuma solução ao empobrecimento em curso.

O governo evita essa batalha porque compartilha as ilusões de gerir um capitalismo humanizado, inclusivo e produtivo. Alberto Fernández repete esse imaginário em seus encontros com o grande empresariado e ratifica com análises vacilantes a sua fé no sistema. Às vezes critica os capitalistas “miseráveis” que demitem em plena pandemia (Techint) e em outros momentos elogia aos “empresários que sofrem com o país”. Se localiza nessa classificação um campeão das fraudes que sustentou o macrismo (Mindlin).

O presidente pensa que “com o capitalismo ganhamos todos”, desconhecendo a impossibilidade desse resultado. O sistema atual gera exatamente o oposto: uma minoria sempre lucra com o esforço dos outros. A redistribuição de renda é o ponto de partida para erradicar esse regime de miséria e opressão.

Claudio Katz é economista, pesquisador do CONICET, professor da UBA e membro do EDI. Seu site é: www.lahaine.org/katz

Adicione o texto do parágrafo aqui.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK