Voltar ao site

Eleição da Presidência da Câmara: o bolsonarismo avança

Neste momento, com o crescimento indiscutível da candidatura de Artur Lira, o PSOL deveria reabrir a discussão sobre a pertinência de retirar sua candidatura

· Nacional,PSOL,Últimos artigos

O Brasil acumula indicadores econômicos, sociais, sanitários e ambientais que o colocam à beira de um colapso social. Com mais de 14 milhões de desempregados, 5,9 milhões de desalentados e a inflação da cesta básica superando 25% no ano de 2020 devido à alta no preço dos alimentos, a fome e a miséria tendem a assolar parcelas cada vez maiores da população. A esse cenário de crise econômica, soma-se o fim do auxílio emergencial, que significava para muitos dos 64 milhões de brasileiros que o receberam sua única renda.

O país já supera as 220 mil mortes em decorrência da Covid-19. Bolsonaro e equipe levaram Brasil ao triste destaque de pior país a lidar com a pandemia – além de campeão 2020 de destruição ambiental, graças às queimadas e negligências na Amazônia e no Pantanal. Essa combinação explosiva, depois da derrota de Trump nos EUA, agrava o isolamento internacional do governo brasileiro – o que tem consequências concretas na geopolítica da disputa e conquista das preciosas doses de vacina contra o novo coronavírus.

A expressão da pandemia, no terreno doméstico, é potencializada pela política de morte do governo negacionista de Bolsonaro. As consequências catastroficas e letais do comportamento anti-Ciência e incompetente da equipe de Jair puderam ser sentidas em Manaus, onde brasileiros morreram asfixiados dentro de hospitais pela omissão criminosa do governo federal.

O cenário de convergência de crises reacende processos de mobilização pelo impeachment de Bolsonaro. No entando, não devemos subestimar a capacidade do governo Bolsonaro de lidar com as crises em seu governo e disputar a narrativa dos acontecimentos para manter uma base de apoio relevante. Tampouco podemos esquecer que a estrutura de apoio do bolsonarismo nas forças auxiliares (polícias) e em parte das Forças Armadas, que permitiu bravatas e intentonas golpistas em 2020, não foi desmontada.

As tarefas da esquerda neste período devem passar diretamente pela mobilização permanente e impulsionamento de fóruns e frentes em torno de uma agenda da defesa da vacina, da retomada imediata da renda básica e do impechment de Bolsonaro como condição política para a realização de ambas. Trata-se de uma agenda que tem como centro a preservação da vida frente a política de morte do bolsonarismo.

Nesse contexto, a disputa eleitoral pela Presidência da Câmara dos Deputados tem sido, corretamente, terreno para a agitação e vocalização dessa agenda de lutas de parte do PSOL – o que teria como consequência “natural” o lançamento de uma candidatura à esquerda naquele processo, como alternativa a dois setores da direita, ambos com pedaços do “Centrão”. No entanto, o desenrolar dos fatos e articulações revelou que essa eleições se tornou terreno para uma vitória política do bolsonarismo – representado pela candidatura de Artur Lira.
Não temos duvidas que do ponto de vista da luta dos trabalhadores e da agenda politica da esquerda, as diferenças entre Lira e Baleia Rossi são pequenas, o que fica comprovado pela total ausência de disposição da campanha de Baleia Rossi em assumir a bandeira do impeachment. Entretanto, o que está em disputa neste momento é por onde e através de que setor será composta a maioria parlamentar na Câmara dos Deputados. Ou seja, se a principal casa do Congresso bicameral será controlada diretamente ou não pela Presidência de Bolsonaro ou pelo “Centrão” da casa. Há diferença importante entre esses dois cenários: o programa Bolsonarista é não somente ultraliberal, ele é também golpista e genocida.

O PSOL já identificava corretamente esses elementos, quando do lançamento da candidatura de Luiza Erundina na Câmara, ao se dispor a apoiar, num eventual segundo turno, a uma candidatura de oposição ou independente. Neste momento, com o crescimento indiscutível da candidatura de Artur Lira, o PSOL deveria reabrir a discussão sobre a pertinência de retirar sua candidatura. Até porque estamos falando de uma movimentação tática e de tática parlamentar e não de princípios ou de estratégia. Essa movimentação não alteraria em nada o compromisso do partido com a luta pelo impeachment e a mobilização popular pelo mesmo. Pelo contrário, reafirmaria a disposição do partido de derrotar Bolsonaro em todos os terrenos.

Em defesa da vida, da vacina e da renda básica! Fora Bolsonaro!

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK