Voltar ao site

Ernest Mandel e a teoria do colapso capitalista

Usando ideias do pensador marxista belga, o economista George Kerevan argumenta que o capitalismo sofrerá um colapso profundo neste século.

· IV Internacional,Formação,Vale a pena ler

George Kerevan, Europe Solidaire Sans Frontière, 3 de agosto de 2020. Tradução de Antonio Souza.

Já faz 25 anos desde a morte de Ernest Mandel (1923-1995), um dos economistas mais atraentes e originais do século XX. A economia não é a preferência de todos. O filósofo escocês Thomas Carlyle a batizou de “ciência sombria” - e isso foi antes de a disciplina ser envenenada por modelos matemáticos obscuros. Além disso, o histórico de economistas modernos em prever catástrofes financeiras iminentes não é bom. Então, o que torna Ernest Mandel digno de ser lembrado?

Para começar, Mandel, um marxista, tinha um histórico melhor de previsões econômicas do que a maioria dos economistas - com percepções ainda válidas hoje, como veremos a seguir. Ele também era a antítese do acadêmico rarefeito e burguês. Lutador da resistência judaica contra os nazistas em sua terra natal na Bélgica, Ernest foi preso e escapou três vezes. Nos anos 50, ele foi uma importante influência no movimento sindical belga. No início dos anos 60, Mandel estava em Cuba trabalhando com Che Guevara no planejamento econômico. Ele felizmente doou seu próprio carro virado como uma barricada de rua para afastar os Stormtroopers CRS, durante o levante de maio de 68 em Paris. No entanto, Ernest também era uma personalidade charmosa e não dogmática - como descobri na década de 1970, quando lhe mostrei os arredores de Edimburgo.

Acima de tudo, Mandel foi um polímata intelectual do Iluminismo. Ele deu palestras e escreveu sobre economia política em uma série de línguas confusas (às vezes misturadas), mas sempre foi facilmente inteligível e fascinante. Em uma vida absurdamente lotada, ele publicou 30 livros e cerca de 2.000 artigos frequentemente técnicos - em alemão, holandês, francês e inglês. Um desses livros era na verdade uma história política do romance policial, um gênero no qual ele era viciado. Colegas com cara de mau no jornal britânico New Left Review ficaram horrorizados com esse “lapso”, mas Ernest apenas sorriu seu sorriso perpétuo e travesso.

Ernest Mandel não era um acadêmico enrustido, mas um anticapitalista comprometido. Na verdade, seu caminho para a academia propriamente dito foi atrasado pelo pequeno problema de ele ter sido proibido - em um momento ou outro - de entrar em uma variedade de democracias ocidentais, incluindo França, Estados Unidos, Austrália e Suíça. A recusa do governo Nixon em permitir que Mandel entrasse nos Estados Unidos para fazer uma palestra na Universidade de Stanford (e debater o economista favorito de Kennedy, John Kenneth Galbraith) foi apelada até a Suprema Corte.

Capitalismo Tardio

Mandel cometeu o pecado capital de ser não apenas um marxista, mas alguém que pudesse exercer seu marxismo intelectualmente (e com grande efeito) contra a ortodoxia econômica existente. Notoriamente, ele previu o colapso do boom econômico do pós-guerra em um momento em que os economistas burgueses convencionais fantasiam que o crescimento e o pleno emprego durariam para sempre, graças à intervenção do Estado. A magnum opus de Mandel, intitulada Late Capitalism (Capitalismo Tardio), foi escrita pouco antes da crise global de 1974-75, a primeira recessão sincronizada desde os anos 30 e o termômetro da chegada da era do neoliberalismo.

Late Capitalism é uma análise forense de 600 páginas da mecânica da era keynesiana de 1940-1975, prevendo astutamente que os déficits do governo e a economia de armas permanente não foram suficientes para atrasar uma crise global generalizada. Mandel foi um dos poucos teóricos a compreender que os gastos deficitários keynesianos e os altos gastos com bem-estar significavam altos impostos, e que isso acabaria espremendo os lucros a ponto de os capitalistas se revoltarem. Ele previu que isso significaria um ataque ao pacto do estado de bem-estar social que existia na maioria das democracias ocidentais, um ataque que acabou sendo introduzido por Reagan e Thatcher.

Observe aqui que Mandel não estava prevendo colapso econômico de alguma forma mecanicista, semelhante ao propagandismo vulgar de alguns na esquerda socialista (incluindo a velha Tendência Militante e seu líder Ted Grant, que previu o colapso imediato do capitalismo em uma base anual). Em vez disso, Mandel estava tentando identificar o jogo das forças econômicas e de classe contemporâneas em tempo real. Por exemplo, em um capítulo presciente de The Second Slump (1977), intitulado 'Industrial Contraction, Financial Panic', Mandel identificou uma nova linha de instabilidade no sistema bancário global que teria consequências fatais décadas depois, no crash de 2008.

Ele observa que as grandes corporações estão cada vez mais capazes de tomar empréstimos do sistema bancário e, ao mesmo tempo, ofuscar suas contas (pense na Enron, na Carillion e nos credores de hipotecas subprime). Infelizmente, Mandel aponta, “a competência dos altos funcionários do banco… inevitavelmente declina conforme o recrutamento acelera”, enquanto “a atmosfera de competição acirrada que prevalece entre os bancos freqüentemente os impele a assumir riscos maiores…”. Ele também identificou uma mudança no sentido de os bancos centrais subscreverem esses empréstimos imprudentes, abrindo a perspectiva de um ciclo de crises financeiras cada vez mais perigosas (infelizmente, este foi um tema promissor que ele falhou em desenvolver nos anos posteriores - uma falha compartilhada pela maioria dos economistas marxistas ao redor do fim do século XX).

Método de Mandel

O ponto crucial do método de Mandel era usar categorias econômicas marxistas para analisar problemas atuais, iluminados com dados contemporâneos, em vez de citações filiais de Das Kapital. O primeiro exemplo dessa abordagem foi a amplamente publicada Teoria Econômica Marxista de Mandel, escrita na década de 1950 quando ele era editor do jornal do Partido Socialista Belga La Gauche. Nesse trabalho, ele inovou ao reconstruir a economia marxista por meio de um engajamento crítico com economistas e sociólogos pró-capitalistas do pós-guerra - uma ofensiva ideológica frontal contra a cidadela acadêmica da teoria burguesa. Como resultado, a Teoria Econômica Marxista teve um impacto muito além do pequeno círculo trotskista de Mandel, incluindo movimentos radicais tanto na América do Norte quanto na América do Sul. Significativamente, os acadêmicos burgueses foram forçados a responder. Robert Heilbroner, um decano da economia dominante nos Estados Unidos, deu ao livro de Mandel um exame crítico, embora altamente elogioso, na New York Review of Books, chamando a publicação da edição americana de "um evento de grande importância".

A reafirmação da economia marxista por Mandel rompeu com o determinismo mecânico que infectara as interpretações de Das Kapital entre os stalinistas, os social-democratas de esquerda e também os trotskistas ortodoxos. Ele voltou ao insight original de Marx de que o sistema é determinado por uma interação de forças reais. Estes interagem dialeticamente, isto é, as várias magnitudes e tendências mudam umas às outras quando interagem. Como resultado, e como Marx, Mandel evitou as explicações monocausais da instabilidade e do colapso capitalista. Ao contrário de alguns, ele reafirmou a conclusão de Marx de que o sistema econômico capitalista é de fato entrópico e sujeito à ruptura existencial por causa das inconsistências internas exibidas pelas forças em conflito nas quais ele se baseia.

Para ser crítico, o método empregado por Mandel pode parecer um tanto eclético. O empirismo anglo-saxão anseia pela simplicidade de uma explicação monocausal de uma crise. Infelizmente, o mundo material - especialmente o denso emaranhado de relações sociais que definem uma economia capitalista - é sempre multivariado, multifacetado, multiconectado e multidirecional. Dar sentido ao meta-fenômeno que é um modo de produção requer uma análise concreta em tempo real. O que Marx forneceu (e Mandel reviveu e modernizou) é um conjunto de ferramentas conceituais para descrever as relações econômicas precisas e as forças em ação em um sistema especificamente capitalista. Para Marx e Mandel, a interação dessas relações e forças nunca é aleatória. Em vez disso, é regido por tendências identificáveis, também conhecidas como “leis econômicas”.

Ondas Longas

Em particular, Mandel reviveu e embelezou a ideia de “ondas longas” de expansão e contração capitalista, identificadas pela primeira vez pelo estatístico soviético Nikolai Kondratiev (fuzilado pelo NKVD em 1938). A instabilidade capitalista se exibe em altas e baixas periódicas. Mas Kondratiev notou um pulso mais longo de expansão de cerca de 25-30 anos, no qual o investimento em nova tecnologia desencadeou um aumento na acumulação de capital. Isso foi seguido por uma desaceleração semelhante de 25-30 anos, quando os lucros caíram e o crescimento econômico desacelerou. Mandel foi além dos estudos empíricos de Kondratiev para teorizar as forças que criaram esses impulsos econômicos geracionais. No fundo, o fascínio de Mandel pelo fenômeno das ondas longas representa uma tentativa de explicar a existência prolongada do capitalismo até o século XX - uma longevidade que persiste muito além do que os pais fundadores ou a geração de Lenin jamais poderiam ter imaginado.

A principal preocupação de Mandel era o crescimento totalmente inesperado (mesmo por economistas pró-capitalistas) durante o período 1940-1965 - às vezes 1945-1970. Claramente, houve um "longo boom" nessas décadas, caracterizado por novos investimentos maciços em carros, bens de consumo da linha branca, televisão, lazer e viagens, máquinas-ferramentas automatizadas e dispositivos de cálculo, aeronaves, ciência atômica, primeiros computadores, energia e tecnologia de defesa . Na frente de classes, uma expansão massiva do proletariado industrial americano e europeu organizado forçou concessões salariais massivas, mas estas eram acessíveis no curto prazo como resultado de enormes ganhos de produtividade e produção. A detonação deste ciclo Mandel localizou no aumento superalimentado da taxa de exploração (também conhecido como aumento da mais-valia relativa) da classe trabalhadora introduzida pelo fascismo aliada à destruição física por atacado do capital fixo existente durante a Segunda Guerra Mundial. Mandel caracterizou este novo período - um tanto inadequadamente - como “neo-capitalismo” ou “capitalismo tardio”.

Nesse contexto, Mandel identificou um importante papel auxiliar desempenhado pela competição entre a tríade dos Estados Unidos, o Mercado Comum (mais tarde UE) e o Japão. A Europa formou o Mercado Comum para se proteger da competição estrangeira enquanto embarcava em um programa de investimento de capital massivo que explorava a mão-de-obra barata de camponeses alemães, franceses e italianos expulsos da terra pela Política Agrícola Comum. O Japão seguiu praticamente a mesma rota. Resultado: no início da década de 60, os EUA enfrentavam intensa competição da Europa e do Japão. O governo Kennedy respondeu cortando impostos e promovendo uma onda maciça de investimentos em novas tecnologias, em uma tentativa de conter o renascimento do capitalismo franco-alemão e japonês. Mandel foi um oponente de longa data do Mercado Comum e da UE,

O que causa crises econômicas?

É importante notar que Mandel nunca confia na intensa competição entre os imperialismos do pós-guerra como sendo a explicação primária ou exógena para o superinvestimento global e as taxas de lucro em declínio que quebraram o boom do pós-guerra - é apenas um fator a considerar em consideração. Em vez disso, ele vê a crise já construída estruturalmente no sistema, à medida que o próprio ato de acumulação excessiva de capital global reduz a taxa média de lucro, até que a produtividade extra (mais-valia relativa) extraída do proletariado global de novos investimentos técnicos se mostre insuficiente para pagar seu custo e o sistema entrar em êxtase, apesar da cornucópia de produtos extras sendo bombeados. O gatilho preciso para o momento de superacumulação varia historicamente, mas independentemente, é mais a palha quebrando as costas do camelo do que o motor principal. Nisso, Mandel permanece um marxista clássico.

Em oposição a Mandel, o famoso historiador marxista americano Robert Brenner abandonou explicitamente a teoria de Marx da queda da taxa de lucro, recorrendo a um modelo geopolítico que prioriza a competição econômica interimperialista como uma força motriz para explicar as ondas longas. Isso é interessante porque Brenner substituiu Mandel como o principal economista que escreveu para a New Left Review, o jornal teórico britânico de esquerda. Brenner aceitou a queda da taxa de lucro como uma realidade empírica, mas argumenta que é um efeito e não uma causa (ver New Left Review I / 229). Mas isso o levou a águas perigosas. Especificamente, esse capitalismo não tem tendência interna para a entropia, como Marx e Mandel alegaram. Em vez disso, Brenner apontou para “o dinamismo inerente à economia capitalista no longo prazo”. Então, o que causou a onda de baixa após os anos 70? A resposta tinha que ser acidente e conjuntura. Brenner sugeriu dois fatores. Primeiro, essa supressão excessiva de salários reduziu muito a demanda efetiva - mas certamente uma classe capitalista pensante pode remediar isso (?) Em segundo lugar, o excesso de oferta do mercado global estava bloqueando novos investimentos. Mas certamente essa era apenas outra maneira de dizer que a lucratividade estagnou - e estagnou porque já havia muito investimento para se obter o retorno necessário? Esse foi o ponto de Marx e Mandel, para começar.

Este não é um ponto de debate misterioso. Estamos mais uma vez em um período de intensificação da competição interimperialista global, agora com a adição da China capitalista. Como isso afetará a futura acumulação de capital? Depois que o “longo boom” do pós-guerra terminou nos anos 70, Mandel previu a próxima desaceleração - que agora associamos ao neoliberalismo e à globalização. Infelizmente, ele não viveu o suficiente para concentrar suas indubitáveis ​​capacidades na compreensão da mecânica dessa desaceleração - que produziu uma efusão de tomos marxistas acadêmicos, mas pouco acordo. Essa lacuna intelectual sugere uma fraqueza no aparato conceitual de ondas longas de Mandel: explicar como essas ondas de montanha-russa se relacionam com a teoria de Marx do colapso final do capitalismo.

No cerne da estrutura teórica original de Marx está a noção de “zusammenbruch” - o colapso final da reprodução capitalista por meio da acumulação (embora deva ser enfatizado que Marx nunca completou sua análise detalhada dessas tendências). Colapso não no sentido de um único dia cataclísmico, mas sim a decadência cumulativa e o não funcionamento final do sistema causado por suas contradições internas. Certamente, zusammenbruch demorou para chegar, levando alguns a rejeitar a lógica econômica de Marx (começando com seu discípulo próximo Eduard Bernstein). O problema com a teoria das ondas longas é que ela pode ser interpretada como justificativa da ausência de qualquer entropia inerente ao sistema, apesar das melhores intenções de Mandel. Em outras palavras, o capitalismo segue em frente de qualquer maneira por meio de uma série de fugas do tipo Houdini (pense em 2009). Quem sabe se um capitalismo flexível pode sobreviver bem no século XXI em uma maré de investimentos verdes (a próxima retomada de investimento?) auxiliados por uma força de trabalho recém-discipulado através da economia dos precários e da vigilância digital? Nesse caso - sem um deus ex machina de fora do sistema - a derrubada revolucionária do capitalismo parece uma perspectiva distante.

Mas este não é o caso. Sem rejeitar por um momento a importância conjuntural da renovada competição imperialista (que traz a ameaça de guerra) ou das mudanças climáticas, é importante afirmar que o capitalismo global entrou em uma fase terminal de sua existência, como resultado de sua própria economia interna e contradições. Isso é exatamente como Mandel previu (seguindo Marx). O último meio século viu o surgimento de um excesso global de capacidade de manufatura, uma contração subsequente nas taxas de investimento de capital, seguida por um colapso no crescimento da produtividade. Na verdade, o ciclo de Kondratiev parece ter se transformado em um ciclo de queda permanente. Tanto Marx quanto Mandel previram que tal tendência era inerente ao capitalismo como modo de produção.

Este não é o lugar para uma discussão técnica detalhada de como esse processo funciona. Basta dizer que, no capitalismo, o valor é criado pela exploração da força de trabalho - tanto na forma de trabalho vivo no escritório ou na fábrica, quanto no trabalho incorporado em máquinas e computadores. A quantidade de trabalho vivo disponível, portanto, estabelece um limite para a produção e a acumulação de capital. Os capitalistas tentam constantemente extrair uma produção extra da oferta de trabalho existente, investindo em tecnologia. Dado o limite biológico da jornada de trabalho, é necessário um volume crescente de investimento em máquinas para criar cada incremento de valor da força de trabalho viva. Daí a pressão descendente sobre a taxa média de lucro.

Essa pressão descendente sobre a taxa média de lucro opera em um nível global de sistemas, com um impacto negativo resultante nas decisões de investimento. Empresas individuais ou mesmo economias nacionais individuais podem continuar a se expandir por algum tempo (por exemplo, os monopólios de alta tecnologia dos Estados Unidos). Mas Mandel avisa: “uma fração do capital recém-acumulado não pode mais ser investida nas condições 'normalmente previstas' de lucratividade. Este capital é então cada vez mais direcionado para a especulação...” (The Second Slump, pp 173-175). Daí a instabilidade financeira e bancária das últimas duas décadas e a atual alta insana dos preços das ações. Ou o capital não investido é simplesmente consumido pela classe capitalista no consumo de luxo. Ainda há lucros monetários absolutos, é claro, mas os retornos marginais esperados tornam-se insuficientes para financiar o nível histórico de investimento em fábricas e máquinas. Cada vez mais a classe capitalista se recusa a investir em novas tecnologias ou a difundir seu uso por todo o espectro das necessidades humanas, em oposição a esquemas especulativos loucos como o atual de construir foguetes para o turismo espacial. É como um corpo humano cujos órgãos estão se desligando um por um. Assim, a única missão histórica do capitalismo - aumentar a produtividade humana - chega a uma paralisação estremecida. No mundo real, o crescimento da produtividade estagnou nas últimas décadas, apesar do advento da Internet. Esta é a prova definitiva de que o capitalismo se tornou um modo de produção decadente.

É claro que diferentes setores industriais se desenvolvem em ritmos diferentes em todo o mundo. É óbvio nas últimas três décadas que as empresas de alta tecnologia dos EUA criaram novos mercados e obtiveram lucros monopolistas (acima da média), enquanto outros setores (como automóveis) viram as taxas de lucro despencar. No geral, o sistema capitalista entrou em seu estágio geriátrico e se perdermos, não estaremos preparados para os acontecimentos das próximas décadas. A tentativa nua e crua de Trump de proteger os lucros do monopólio dos EUA em alta tecnologia da invasão chinesa oferece pouca trégua. Empresas como a Apple e a Microsoft estão sentadas em montanhas de dinheiro ou recomprando ações, em vez de investir. O sistema global de acumulação de capital pela acumulação está se desligando por falta de oportunidades de investimento que satisfaçam seus critérios de lucratividade. Esta é uma insanidade histórica dada a ameaça à humanidade das mudanças climáticas (ela própria um subproduto do crescimento capitalista). Como resultado, estamos entrando em uma nova era de resistência e revolução social que dominará o resto do século XXI.

Por que se lembrar de Ernest Mandel?

Por que se lembrar de Ernest Mandel tanto tempo depois de sua morte? Acima de tudo porque ele apresenta um argumento intelectual maciço e sustentado contra a irracionalidade do capitalismo de livre mercado. Mais ainda, ele apresenta a defesa de uma realidade alternativa. O neoliberalismo tentou monopolizar o mercado de idéias, essencialmente afirmando que nenhuma outra ordem mundial é possível, exceto a democracia liberal, a propriedade privada da produção, o livre comércio absoluto de bens e serviços e a livre circulação de capital e trabalho. O resultado é, na verdade, ganho zero em produtividade, apesar da nova tecnologia; a criação de uma demanda de consumo falsa enquanto o hemisfério sul passa fome e o hemisfério norte morre de obesidade; em todos os lugares o prolongamento da semana de trabalho, apesar da invenção de robôs e da inteligência artificial que poderiam libertar os seres humanos do trabalho.

Como Ernest Mandel teria reagido a essa distopia muito real em que todos vivemos? Mandel foi frequentemente criticado por ser “otimista demais” em relação às perspectivas de derrubar o sistema capitalista. Na verdade, ele foi um dos poucos pensadores marxistas da era contemporânea que se permitiu esboçar como poderia ser o futuro pós-capitalista. Em particular, ele argumentou incessantemente que com a abolição do capitalismo seria possível introduzir uma redução radical da jornada de trabalho muito rapidamente. Pois aqui está o absurdo final do capitalismo: ele inventa e constrói máquinas para libertar os humanos do trabalho, então força as pessoas a trabalharem ainda mais, produzindo mercadorias apenas com o propósito de gerar mais lucro, em vez de satisfazer necessidades. Mandel tinha a convicção de que os seres humanos acabariam por se revoltar contra esse sistema irracional. Essa é uma visão a respeito da qual devemos estar otimistas - mesmo na escuridão da crise atual.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK