Voltar ao site

EUA: Polícia respondeu protestos com violência brutal

Nos EUA, uma brutal e selvagem revolta policial, marcada pelo supremacismo branco - contra cidadãos comuns que ousavam criticar a violência policial

· Sem Fronteiras,Negritude,Últimos artigos

Meagan Day, Jacobin, 1 de junho de 2020

As forças policiais dispararam balas de borracha e gás lacrimogêneo. Eles usaram força extrema contra jornalistas, médicos e espectadores aleatórios. Eles arremessaram seus veículos contra multidões, apontaram suas armas contra pessoas em varandas e sacadas, e empurraram e atacaram manifestantes pacíficos no chão. Alguns policiais fizeram comentários fanáticos aos manifestantes quando os confrontaram, enquanto outros comemoraram quando atingiram seus alvos com projéteis. A polícia cegou pelo menos duas pessoas e matou pelo menos uma.

Na segunda-feira, o presidente Trump disse aos governadores: "Você tem que dominar, se não dominarem, estarão perdendo tempo. Eles vão atropelar vocês, vocês vão parecer um monte de idiotas. Vocês tem que dominar... vocês tem que prender pessoas, tem que rastrear pessoas, tem que colocá-las na prisão por 10 anos e vocês nunca mais verão essas coisas”. Mas os governadores, vermelhos e azuis, não precisavam de estímulo: quatro mil e quinhentas pessoas foram presas em todo o país desde o início dos protestos.

Muitos atribuíram a turbulência aos antifa, um termo que se refere vagamente a ativistas antifascistas que se tornou intimamente ligado na mente de liberais e direitistas ao mito de "agitadores externos". Trump prometeu designar a antifa como uma organização terrorista, apesar de não existir uma organização. A promessa é legalmente duvidosa, mas indica um desejo por parte do presidente de atribuir uma ampla gama de organizações de esquerda envolvimento em atividades terroristas.

Em muitas cidades do país, saques e incêndios acompanharam os levantes. Essas atividades se tornaram o foco de muita cobertura da mídia sobre os protestos. Por outro lado - com exceção da violência generalizada contra a imprensa, que foi legitimamente denunciada por muitos - a surpreendente brutalidade dos policiais exibida em dezenas de cidades tem sido frequentemente ignorada, subestimada ou justificada retroativamente como uma resposta legítima por jornalistas. Poucas vozes populares estão conectando a atmosfera geral de caos nos protestos às táticas provocativas e cada vez mais intensas da própria polícia - e da Guarda Nacional, que foi convocada por 21 estados para responder aos protestos com força militar total.

A violência policial que testemunhamos no fim de semana foi sistemática e surreal.

Na cidade de Nova York, a polícia borrifou com pimenta um homem negro com as mãos no ar, à queima-roupa. Em San Antonio, a polícia disparou balas de borracha diretamente em um espectador que estava filmando com seu telefone. Em Las Vegas, a polícia apressou uma multidão de manifestantes pacíficos gritando "Pegue alguém!" Em Dallas, a polícia atirou no rosto de uma adolescente que estava voltando para casa do supermercado com uma bala de borracha. Em Minneapolis, a Guarda Nacional disparou bombas de tinta contra os moradores em suas varandas da frente depois de gritar "Acenda!" Em Los Angeles, Boston, Nova York e Lakeland, Ohio, a polícia investiu contra os manifestantes com seus carros.

Em Chicago, um policial brandiu seu bastão em um manifestante e o chamou de "cadela" e "bicha de merda". Na Filadélfia, a polícia atacou e se ajoelhou em um homem negro enquanto o chamava de "bichano". Em Dallas, a polícia atirou no olho de um homem negro com uma bala de madeira, ferindo-o seriamente e deixando-o sangrando profusamente na calçada. Segundos depois, os policiais foram ouvidos rindo e cantando "America, fuck yeah". Na cidade de Nova York, um policial exibiu um símbolo racista da mão direita. Em Cincinnati, os policiais baixaram uma bandeira americana e a substituíram por uma bandeira "fina linha azul" (que, nos Estados Unidos, representa as forças policiais).

Em Atlanta, dois não-manifestantes negros estavam voltando para casa quando a polícia os pulverizou, provocando-os, arrastaram-os de seus carros e os prenderam. Em Denver, a polícia disparou balas de borracha e cartuchos de gás lacrimogêneo em carros que passavam; quando um homem saiu do carro e disse que a namorada grávida estava lá dentro, eles abriram fogo contra o carro. Em Austin, a polícia atirou no abdômen proeminente de uma mulher negra grávida. Ela se dobrou no chão e gritou: “Meu bebê! Meu bebê!"

Em Minneapolis, Las Vegas, Los Angeles e outras cidades da América, a polícia apontou armas de fogo contra jornalistas que estavam claramente vestidos como e se identificaram verbalmente como imprensa. No Brooklyn, Minneapolis e Filadélfia, a polícia atacou médicos que se anunciaram como médicos, alguns dos quais estavam em processo de cuidar dos ferimentos dos manifestantes. Em Columbus, a polícia borrifou pimenta em na congressista negra Joyce Beatty, que estava tentando desescalar um confronto. A polícia de todo o país demonstrou um racismo flagrante na escolha de quem prender.

Nas cidades de Nova York, Orlando e Portland, a polícia posou para fotografias sentimentais, ajoelhando-se diante dos manifestantes em um gesto de benevolência amigável à imprensa - antes de desencadear a violência contra manifestantes horas depois. Em Omaha, a polícia pisoteava manifestantes sentados. Em Erie, um policial chutou violentamente um manifestante sentado. Em Salt Lake City, a polícia empurrou um homem idoso que andava com uma bengala e não conseguia ouvir ordens de sentar. Na cidade de Nova York, um policial que passava por uma mulher a empurrou com tanta força que, quando ela caiu, causou uma convulsão.

Em Washington, DC, a polícia disparou bombas de gás lacrimogêneo diretamente nas cabeças e rostos dos manifestantes em várias ocasiões. A polícia de Denver disparou balas de borracha diretamente nos rostos dos manifestantes, causando ferimentos horríveis. Em La Mesa, Califórnia, uma mulher negra de meia-idade foi baleada no rosto com uma bala de borracha; o projétil se alojou profundamente entre seus olhos, enviando-a para a UTI.

Em Fort Wayne, Indiana, a polícia atirou no olho de um manifestante branco com uma bomba de gás lacrimogêneo. Ele agora está cego daquele olho. Em Minneapolis, um fotojornalista foi baleado no olho com uma bala de borracha. Ela agora está cega daquele olho.

Em Louisville, no domingo, a polícia atirou e matou David "Yaya" McAtee, conhecido em seu bairro como "o homem do churrasco" porque os vendia lá em sua barraca. "Onde ele foi morto é o bairro em que cresci. Ele era membro da comunidade", diz Robert LeVertis Bell, candidato ao Conselho de Metro de Louisville e membro dos Socialistas Democráticos da América. A polícia ou a Guarda Nacional, ainda não está claro quem, atirou na multidão depois que eles receberam tiros, segundo as autoridades. Mas "se alguém atirou na polícia, não era ele", explica Bell. "Ele estava voltando do trabalho para casa."

Louisville é a mesma cidade em que Breonna Taylor foi morta em março. A polícia de Louisville atirou em Taylor, uma mulher negra, oito vezes em sua própria casa enquanto procurava drogas. Pessoas em Louisville estão protestando contra a morte de Taylor desde antes do assassinato de George Floyd em Minneapolis, que provocou as revoltas em todo o país. A morte de McAtee é outro catalisador, acrescentando combustível ao fogo.

“Houve inúmeros protestos por toda a cidade. Eu já estive em vários lugares pacíficos e a polícia do nada começou a atacar pessoas ”, diz Bell. "Tudo o que eles fizeram a cada momento parece ter escalado o conflito e a violência".

Não se enganem, é a polícia que se revolta. E eles estão fazendo isso com impunidade.

Esta matéria menciona inúmeros incidentes de violência policial documentados. Para acompanha-los, nos links da matéria original que remetem para várias fontes jornalisticas, clique aqui: Jacobin (em inglês).

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK