Voltar ao site

EUA X China: uma nova guerra fria entre dois imperialismos

EUA e China estão presos em um conflito espiral sobre tudo, desde a pandemia até o comércio, investimento, alta tecnologia, geopolítica e hegemonia militar na Ásia

· Sem Fronteiras,Vale a pena ler

Ashley Smith e Kevin Lin, International Viewpoint, 10 de agosto de 2020

Os Estados Unidos e a China estão presos em um conflito espiral sobre todo e qualquer tema, desde pandemia até comércio, investimento, alta tecnologia, geopolítica e hegemonia militar na Ásia. "Estamos essencialmente no início de uma Guerra Fria", declarou Orville Schell, diretor do Centro de Relações EUA-China da Sociedade Asiática. "Estamos numa ladeira abaixo em direção a algo cada vez mais contraditório com a China". [1].

Wang Huiyao, presidente do Centro de Pequim para a China e Globalização, advertiu que "o nível de confiança entre a China e os Estados Unidos está em seu ponto mais baixo desde que os laços diplomáticos foram estabelecidos pela primeira vez em 1979". Ele está preocupado que isso signifique que "os anos de boom da globalização tenham terminado, e que vejamos o sistema global se dividir em dois". Isso reduziria muito o crescimento global, e os países em desenvolvimento teriam que ficar do lado de um dos dois campos". [2]

Este novo conflito imperial é exatamente o que os Estados Unidos tinham como objetivo evitar após o fim da última Guerra Fria, quando George Bush pai anunciou o surgimento de uma "nova ordem mundial". Os Estados Unidos haviam tentado gerir essa nova ordem como o hegemon incomparável, impondo o neoliberalismo aos estados do mundo, supervisionando a globalização corporativa e controlando a situação com as instituições internacionais e econômicas em grande parte sob seu controle. Agora esse projeto está em farrapos. Washington sofreu um relativo declínio imperial, a China tornou-se sua rival em ascensão e o capitalismo global entrou em sua crise mais profunda desde a Grande Depressão.

Estas novas condições vão aprofundar o conflito entre as duas potências, independentemente dos resultados das próximas eleições presidenciais americanas. O candidato do Partido Democrata, Joe Biden, adotou uma posição tão radical contra a China quanto a da administração Trump. Com o retorno da rivalidade desparecida desde o final da Guerra Fria, e com cada lado batalhando nacionalismos em duelo, a esquerda terá que assumir uma posição clara de solidariedade internacional de baixo para cima contra Washington e Pequim.

As raízes da rivalidade

Embora Donald Trump certamente tenha intensificado o conflito, suas raízes são mais profundas do que as políticas desta ou daquela administração de ambos os lados. Elas estão no boom neoliberal, nas falhas estratégicas do imperialismo americano, na grande recessão e no crescente peso da China como potência econômica e geopolítica.

Estas mudanças puseram fim ao mundo unipolar que os Estados Unidos asseguraram após a queda da União Soviética e o fim da Guerra Fria. Naquela época, os Estados Unidos possuíam um poder incomparável; seu dólar era a moeda global, sua economia era muito maior do que qualquer outra, e seu exército, com um orçamento maior do que os dez estados seguintes juntos, estava sem rival. Washington desenvolveu uma grande estratégia para garantir sua hegemonia, incorporando todos os estados do mundo em uma ordem mundial neoliberal de globalização do livre comércio.

Utilizou o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial para abrir as economias mundiais, estabeleceu a Organização Mundial do Comércio para coexistir com um sistema de livre comércio internacional e empregou as Forças Armadas freqüentemente, por meio da ONU e da OTAN, para policiar os chamados Estados desonestos e "estabilizar" sociedades arruinadas por suas políticas neoliberais. Ao longo de todo o processo, os EUA procuraram impedir a ascensão de qualquer concorrente.

Três evoluções do sistema mundial impediram a perpetuação do domínio inigualável de Washington. Primeiro, o boom do início dos anos 80 até 2008 reestruturou o capitalismo global. [3] Produziu novos centros de acumulação de capital, sendo a China o mais importante. Esta saltoou da condição de ator marginal na economia mundial para a fábrica do mundo. O desenvolvimento econômico dela e de outros estados permitiu que se tornassem mais assertivos geopoliticamente.

Em segundo lugar, os Estados Unidos sofreram o que o General William Odom chamou de maior desastre estratégico de sua história, com a invasão e ocupação do Iraque, que os atolaram numa guerra de contra-insurgência sem fim. Isso comprometeu a ambição dos EUA de colocar o Oriente Médio e suas reservas estratégicas de energia sob o controle de Washington e assim posicionar os Estados Unidos para intimidar seus potenciais rivais como a China, que dependem da região para petróleo e gás natural.

Terceiro, a grande recessão prejudicou desproporcionalmente a economia dos Estados Unidos. A classe dirigente conseguiu tirá-la da beira do colapso, com uma combinação de austeridade e estímulo, mas não foi capaz de desencadear um novo boom. De fato, o sistema econômico mundial, e os Estados Unidos e a União Européia em particular, estavam fechados em uma recessão global caracterizada por expansões lentas alternadas com recessões profundas.

A China, ao contrário, conseguiu sustentar sua expansão maciça com um enorme pacote de estímulos próprios. De fato, seu boom sustentou as economias de numerosos países, da Austrália ao Brasil, que exportam matérias-primas para atender à demanda das indústrias manufatureiras chinesas, de construção de cidades totalmente novas e construção de infraestrutura moderna para apoiar este desenvolvimento.

Tudo isso levou ao declínio relativo do imperialismo dos EUA. Estes não gerem mais uma ordem mundial unipolar, como nos anos 90 e início dos anos 2000. Ao invés disso, surgiu uma ordem mundial multipolar assimétrica. Os Estados Unidos continuam sendo a potência estatal dominante, com a maior economia e influência militar e geopolítica, mas agora enfrentam rivais imperiais ,, principalmente a China ma também a Rússia, que reconquistou poder geopolítico por causa de seu poder militar, e uma série de potências regionais como o Irã, todas elas proclamando vantagem em um sistema estatal cada vez mais conflitivo.

A ascensão da China

Nesta nova ordem, Pequim se afirmou como um player global. O Presidente Xi Jinping, que chegou ao poder em 2012, abandonou a estratégia cautelosa de seus antecessores (de desenvolver a economia nacional e evitar conflitos com outros estados) e anunciou que seu regime buscaria o "sonho chinês" de reafirmar o legítimo lugar da China como grande potência.

Desde este anúncio, Xi tem se concentrado em transformar o poder econômico da China em músculo geopolítico. Ele lançou o projeto de infra-estrutura chamado de Iniciativa Cinturão e Estrada (apelidado de nova Rota da Sede), de US$1 trilhão, para abarcar toda a Ásia. Pequim está exportando sua sobrecapacidade industrial para construir rotas terrestres e de trânsito terrestre por toda a Eurásia e partes da África, estabelecendo-se no processo como o centro da economia mundial.

Como outras potências imperialistas, a China financiou todo este desenvolvimento através da concessão de empréstimos a países principalmente do Sul Global. Como documenta a Harvard Business Review, "O Estado chinês e suas subsidiárias concederam cerca de US$1,5 trilhão em empréstimos diretos e créditos comerciais a mais de 150 países ao redor do mundo. Isto transformou a China no maior credor oficial global, superando os credores tradicionais e oficiais como o Banco Mundial, o FMI, ou todos os governos credores da OCDE juntos". [4]

Xi também está determinado a liderar a longa marcha de sua economia na cadeia de valor capitalista através de outra iniciativa, chamada China 2025. Enquanto a China aparenta ter abandonado oficialmente o projeto, para evitar acirramento de conflito com os Estados Unidos, ela ainda está perseguindo todos os objetivos originais do projeto. Em 20 de maio, a Bloomberg informou que a China investirá US$ 1,4 trilhão nos próximos cinco anos para financiar campeões nacionais em alta tecnologia, especialmente 5G, para competir com rivais nos Estados Unidos, Europa e Japão, que até agora dominaram essa esfera do sistema. Todas essas potências estão agora fechadas em competição na alta tecnologia não apenas para fins lucrativos, mas também por seu papel militar cada vez mais significativo na guerra cibernética.

Com base em seu poder econômico, a China modernizou suas forças armadas e as utilizou para perseguir objetivos expansionistas na Ásia-Pacífico. Xi construiu a marinha do país, implantou navios (e porta-aviões), estabeleceu ilhas militarizadas nos mares do sul e leste da China, para controlar as rotas marítimas, reivindicou reservas submarinas de petróleo e gás natural, e direitos sobre a pesca. Finalmente, a China tornou-se muito mais agressiva geopoliticamente em todas as áreas, desde as negociações sobre mudanças climáticas até as deliberações no Conselho de Segurança da ONU.

As contradições do imperialismo estadunidense

A ascensão da China e o relativo declínio dos Estados Unidos puseram a estratégia imperial de Washington em um dilema. Em contraste com os tempos da União Soviética, os Estados Unidos agora se deparam com um rival geopolítico com o qual estão profundamente integrados economicamente. As multinacionais americanas usam a China como plataforma de processamento de exportação e cobiçam o enorme mercado chinês. Além disso, o Estado americano está profundamente endividado com Pequim, que detém vastas reservas de títulos do tesouro dos EUA. Esta dependência financeira levou Hillary Clinton a reclamar: "Como você lida duramente com seu banqueiro?".

Antes da volta de Xi à agressividade imperial, a política dos EUA em relação à China tinha sido uma combinação de contenção e engajamento, ou o que os analistas chamam de congagement. Os Estados Unidos tentaram incorporar a China e pressioná-la a abandonar a organização estatal-capitalista de sua economia e adotar o capitalismo de livre mercado. Ao mesmo tempo, Washington permaneceu vigilante por causa da relutância de Pequim em seguir totalmente esses ditames.

Como resultado, os Estados Unidos se deslocaram para frente e para trás entre a ênfase nos dois pólos da política de "congajamento". Como seu último defensor, Obama inclinou os Estados Unidos decididamente para a contenção com seu chamado plano Pivot para a Ásia. Este visava tirare os Estados Unidos de suas ocupações no Oriente Médio e reorientar o imperialismo americano para projetar seu poder na Ásia-Pacífico.

Obama esperava integrar economicamente a Ásia à ordem neoliberal de Washington por meio da ratificação do Acordo de Parceria Trans-Pacífico, que excluía a China. Ele também visava transferir 60% da Marinha dos EUA para a Ásia-Pacífico, para impedir a expansão militar de Pequim. Por fim, ele planejou apoiar e expandir as alianças históricas de Washington, forjadas ao longo de décadas de hegemonia na Ásia, e estabelecer novas alianças, como com o Vietnã.

O pivô de Obama falhou. Os Estados Unidos permaneceram atolados no Oriente Médio, o Acordo de Parceria Trans-Pacífico nunca chegou a ser ratificado e as alianças americanas se desgastaram, pois os estados duvidaram do compromisso de Washington com a região e optaram pelo equilíbrio entre os dois rivais. Assim, a estratégia imperial dos Estados Unidos se afundou na confusão sobre o que fazer com a nova postura chinesa.

O nacionalismo 'America First' de Trump

A administração Trump, embora errática, tentou implementar uma nova estratégia de "hegemonia iliberal" para resolver o quebra-cabeça imperial de Washington sobre como enfrentar a China. Isto tem quatro dimensões. Primeiro, Trump visa fortalecer o Estado de Segurança, policiando suas fronteiras e vigiando os oprimidos, especialmente imigrantes e muçulmanos, mas também os estudantes chineses nas universidades americanas.

Segundo, ele promete trazer de volta ao solo estadunidense e de aliados as cadeias de abastecimento.Terceiro, ele está mudando o foco de seus predecessores na chamada Guerra contra o Terror. O foco agora é a "Grande Rivalidade de Poder", especificamente contra a China. Ele reorientou seus planos de defesa com esse confronto em mente. Em quarto lugar, ele quer colocar "América em primeiro lugar" e estabelecer uma relação transacional tanto com os aliados americanos quanto com os adversários.

Esta nova estratégia imperial moveu os Estados Unidos em direção a uma Nova Guerra Fria com Pequim. Em economia, Trump tentou derrotar a China numa guerra comercial. Ele quer impedir a transferência forçada de tecnologia entre empresas americanas e chinesas, obrigar a privatização da indústria capitalista estatal de Pequim, abrir ainda mais os mercados do país para as multinacionais americanas e impedir o apoio estatal chinês aos campeões nacionais de alta tecnologia como a Huawei.

Mas até recentemente a política de Trump, como a de seus antecessores, tem sido alvo de uma contradição. Ele vacilou entre, por um lado, as ameaças de dissociar as duas economias, forçando as cadeias de abastecimento a sair da China, e, por outro lado, os apelos para que a China se abra aos investimentos e vendas dos EUA. No entanto, a predileção de sua administração é claramente a favor da dissociação.

Em geopolítica, Trump tentou pressionar os aliados americanos a banir a Huawei de suas infra-estruturas de 5G como uma ameaça à segurança nacional. E ele está tentando apoiar as alianças americanas estado por estado para impedir que a China use seu poder econômico para atrair a Eurásia sob sua influência. Para impor tudo isso, os Estados Unidos estão construindo suas forças de defesa para se preparar para a guerra com a China, aumentando suas patrulhas navais na Ásia-Pacífico e vendendo mais armas a seus aliados, incluindo Taiwan.

O jogo de culpas pandêmicas Trump

A pandemia e a recessão global intensificaram dramaticamente a rivalidade entre as duas potências. Ambos os países enfrentam um desastre econômico; a economia da China, que havia desacelerado para 6,1% de crescimento no ano passado, contrairá 7% este ano, e a economia dos Estados Unidos, que vinha crescendo 2,3%, diminuirá 6% em 2020. Em meio à crise, cada estado tem usado e abusado do nacionalismo, para solidificar o apoio interno para um conflito ainda mais agudo sobre a geopolítica, a economia e a supremacia militar.

A administração Trump, que prejudicou a resposta dos EUA à pandemia ao custo de dezenas de milhares de mortes evitáveis, tentou desviar a culpa da carnificina para a China. Trump e outros chamaram repetidamente o novo coronavírus de "vírus chinês" ou "vírus de Wuhan" e venderam teorias conspiratórias de que foi vazado de um laboratório de pesquisa em Wuhan. Sua administração permitiu até mesmo que os Estados Unidos revogassem a imunidade soberana da China e a processassem por compensação. O Missouri já abriu o caminho, iniciando uma ação judicial contra Pequim em abril.

O Partido Republicano está a um passo atrás de Trump em ataques à China. Seus líderes redigiram um memorando de 57 páginas para culpar a China pela pandemia. O site Politico relata que eles enfatizam "três linhas principais de assalto": que a China causou a pandemia, "encobrindo o vírus", que os democratas são "brandos com a China", e que os republicanos "pressionarão a China por sanções por seu papel na propagação desta pandemia". [5]

Steven Bannon, o príncipe da alt-direita e ex-chefe estrategista de Trump, previu que nas próximas eleições presidenciais, "a campanha de Trump será sobre a China, China, China" e, em uma manifestação de desejo, conclui: "esperemos que ele tenha reiniciado a economia". [6] Assim, Trump e as forças extremistas nacionalistas, de direita e anti-China, tentaram jogar o desastre em seu próprio benefício e pressionar por sua Nova Guerra Fria.

O Partido Democrata se uniu entusiasticamente à campanha anti-chinesa. O Comitê Nacional Democrata elaborou um documento estratégico próprio, atacando Trump por sua "absurda bajulação da China". O candidato a presidente do partido, Joe Biden, na verdade tentou flanquear os republicanos pela direita. Em vez de criticar a infra-estrutura de cuidados de saúde que se desmoronava nos Estados Unidos, Biden mirou seu ataque na China, alegando que "Trump capotou para os chineses". [7]

Esse tipo campanha anti-China não fica apenas entre a alta cúpula democrata. Três auto proclamados "progressistas" argumentaram, em artigo de fevereiro intitulado The Left Should Play the China Card [A esquerda tem que lançar mão da carta chinesa] que "a competição estável e gerenciada com Pequim é necessária para assegurar os interesses nacionais dos EUA e provavelmente será benéfica para os progressistas". A esquerda deveria aproveitar a oportunidade proporcionada pela rivalidade externa para avançar uma agenda interna progressista - abrangendo um programa ambicioso de investimento, inovação, inclusão social e renovação nacional".

Bernie Sanders, é claro, não se rebaixou a tais porões. Mas, verdade seja dita, embora ele tenha defendido reformas internas radicais, ele não adotou a mesma radicalidade para falar de temas internacionais, especialmente em relação à China. Sanders adotou uma posição protecionista contra Pequim, culpando-o pela perda de empregos nos EUA, e também apoiou a formação de uma "internacional progressista" contra a China e outros estados autoritários. Assim, ambos os partidos capitalistas adotaram posições nacionalistas extremas contra a China.

Washington First, com desacoplamento

Trump aproveitou tudo isso para escalar o conflito para um nível de fervura, chegando ao ponto de ameaçar cortar as relações com a China e desacoplar as duas economias. Como o infame "Dr. Doom" dos economistas burgueses, Nouriel Roubini, colocou em uma entrevista de maio na New York Magazine: "Temos uma guerra comercial em larga escala, guerra tecnológica, guerra financeira, guerra monetária, de tecnologia, informação, dados, investimento, praticamente qualquer coisa em toda a linha. ... Portanto, a desacoplagem está acontecendo. Vamos ter uma internet dividida. É apenas uma questão de tempo".

Trump está pensando em encerrar a "fase um" do acordo comercial que firmou, que previa reduzir tarifas de produtos chineses, devido a sua incapacidade de cumprir a promessa de comprar as exportações agrícolas dos EUA. Ele tem usado a segurança nacional para tentar forçar as empresas americanas de alta tecnologia a cortar suas relações com empresas chinesas. Por exemplo, ele emitiu uma nova regra que proíbe as empresas de alta tecnologia que utilizam tecnologia dos EUA, como a TSMC de Taiwan, de vender seus semicondutores para a Huawei. A Huawei esperava pôr um fim a isto, declarando que a regra põe em perigo sua própria existência e com ela grande parte da infra-estrutura 5G no mundo.

Finalmente, Trump intensificou a pressão sobre as corporações americanas para desviar suas cadeias de abastecimento para fora da China. Seu "ministro do Comércio, Robert Lighthizer, escreveu um artigo no New York Times, em que clamou pelo desacoplamento das duas economias. Ele se opôs às corporações que transferem sua produção, denunciou os acordos de livre comércio por corroer a soberania dos Estados Unidos e por causar hemorragia nos empregos americanos, anunciou que a transferência de linhas de produção terminou e declarou que o caminho para a prosperidade é o mesmo para as empresas e para os trabalhadores: trazer empregos de volta aos Estados Unidos.

Se as corporações seguirão seus ditames é outra questão. As multinacionais americanas permanecem profundamente integradas com a China tanto para a produção quanto para as vendas. A maioria dos produtos Apple são fabricados na China, e o país continua sendo um dos maiores mercados para as corporações americanas como a Ford. No entanto, a combinação da recessão global e o nacionalismo de Trump está levando a uma cunha mais profunda entre as duas economias.

Estas pressões estão tendo um impacto. Em 11 de maio, o Financial Times informou que "o investimento direto chinês nos Estados Unidos caiu para o nível mais baixo desde 2009, de US$ 2,7 bilhões por trimestre em 2018, frente aos US$ 8 bilhões por trimestre nos anos de boom de 2016 e 2017 - laços bilaterais azedos". E "o investimento chinês de capital de risco nos Estados Unidos também despencou, caindo de US$ 4,7 bilhões em 2018 para US$ 2,6 bilhões no ano passado". Mas em um sinal da persistente integração das duas economias, o jornal descobriu que "os investimentos dos EUA na China mostraram uma resistência considerável" e que "a maioria das empresas americanas operando na China não planejava transferir a produção e as cadeias de abastecimento para fora do país".

Ainda assim, a trajetória é suficientemente clara para levar a revista de vanguarda do neoliberalismo, The Economist, a prever uma contração do comércio internacional, uma desintegração das cadeias de abastecimento globais, um aumento do protecionismo e restrições aos fluxos internacionais de capital. Eles concluíram um de 14 de maio dizendo: "Diga adeus à maior era da globalização - e se preocupe com o que vai tomar seu lugar".

Aquecimento e sinofobia

Ainda mais sinistramente, os Estados Unidos aumentaram a tensão militar com a China. A administração Trump e os aliados dos Estados Unidos - o mais importante, a Austrália - empregaram uma flotilha de navios navais para desafiar a China, no Mar do Sul da China, sobre reivindicações concorrentes de controle de ilhas, pesca, vias marítimas e direitos de perfuração subaquática para petróleo e gás natural.

Trump avançou com o reequipamento das forças armadas americanas para um confronto de grandes potências, especificamente com a China. Ele retirou os Estados Unidos do Tratado de Forças Nucleares Intermediárias com a Rússia, para que pudesse construir mais armas nucleares, fechar a chamada lacuna de mísseis com a China em cruzeiros terrestres e mísseis balísticos. Ele também está aumentando os planos para fazer armas de alta tecnologia para vencer uma possível guerra com a China. [9]

Como parte de sua estratégia no Indo-Pacífico, a administração Trump pretende implantar essas armas em toda a região. Um dos movimentos mais ameaçadores que tem feito contra a China é o aumento das vendas de armas para Taiwan, que Pequim considera uma província traidora. No ano passado, os Estados Unidos venderam um pacote de US$ 2,2 bilhões de caças F-16, tanques M1A2t Abrams e mísseis antiaéreos portáteis Stinger para Taipé. E acaba de anunciar planos para vender 18 torpedos submarinos a Taiwan, por US$ 180 milhões, prometendo mais vendas de sistemas de defesa contra mísseis costeiros, drones espiões e tecnologia para ajudar a inteligência, vigilância e reconhecimento. [10].

Os Estados Unidos também intimidarão nações e estados, para impedir que estes se desloquem para a esfera de influência chinesa. E não hesitarão em orquestrar golpes militares para substituir os regimes hostis por regimes flexíveis a fim de trazer os estados de volta à sua órbita. De fato, um editorial da Bloomberg News em maio previu que "a rivalidade da China pode colocar os Estados Unidos de volta no negócio do golpe". É claro que, na verdade, nunca o deixou, portanto estaria apenas aumentando.

Para justificar o militarismo, a classe dominante dos Estados Unidos tem fustigado a hostilidade nacionalista e xenofóbica contra a China. Eles racializaram a pandemia, retratando não apenas o governo chinês, mas o povo chinês como inimigos. Como resultado, eles abriram uma nova fase de racismo anti-chinês, incluindo o racismo contra chineses e asiático-americanos.

Esta campanha nacionalista está tendo um impacto dramático na consciência popular. O Pew Center informou em 21 de abril que 91% dos americanos acreditavam que o mundo estava melhor com os Estados Unidos como sua principal potência, 71% não tinham confiança em Xi, 66% tinham uma visão desfavorável da China, e 62% a viam como uma grande ameaça para os Estados Unidos. Esta sinofobia desencadeou uma onda de crimes de ódio contra os asiáticos, com mais de 1.500 incidentes e escalada desde março. [11]

Trump institucionalizou até mesmo este fanatismo em sua política pandêmica. Ele impôs uma proibição de viagem antecipada à China, mas não à Europa, com resultados desastrosos. Foi a Europa, não a China, que esteve na origem do surto em Nova York, que se espalhou rapidamente pelo Nordeste e pelo resto do país.

Posturas e freios chineses como alternativa

A China respondeu aos ataques de Trump, posando como defensora da ordem global existente, e ao mesmo tempo se preparando para a grande rivalidade com os Estados Unidos. Seu primeiro passo foi tentar reverter a narrativa sobre seu próprio desastroso tratamento da pandemia.

A China inicialmente reprimiu informações sobre o surto, castigou o médico Li Wenliang, que mais tarde morreu de Covid-19, por postar sobre a nova doença em mídias sociais, e assim permitiu que o surto se espalhasse de Wuhan para o mundo. Depois que a crise ficou evidente, o governo fechou a cidade, impôs proibições de viagens domésticas e mobilizou seus recursos estatais para tratar da emergência sanitária, construindo hospitais, realizando testes e isolando aqueles que contraíram a doença. [12]

Diante dos ataques implacáveis e das calúnias da administração Trump, os adeptos da linha dura do regime lançaram seu próprio conjunto de teorias conspiratórias, culpando os Estados Unidos por liberar o vírus. Por exemplo, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, tuitou que o Exército dos Estados Unidos poderia tê-lo trazido para Wuhan. [13] Como Trump, Zhao e a diplomaica do "guerreiro lobo" esperavam desviar a culpa da catástrofe para seu rival.

Depois que o regime controlou com sucesso o surto inicial, entrou na ofensiva para restaurar os danos causados à sua reputação. Desencadeou uma campanha de propaganda doméstica celebrando seus sucessos a fim de reconsolidar sua base popular de apoio.Isso deu um impulso ao nacionalismo chinês, assim como Trump deu um impulso ao nacionalismo norte-americano.

A China também tentou reabilitar sua reputação internacional, mobilizando seu enorme poder econômico para ajudar a enfrentar a pandemia. Ela enviou ventiladores para a Itália e equipamentos de proteção pessoal para o Irã e a Sérvia, enquanto Jack Ma, o bilionário fundador de Alibaba, entregou testes e máscaras para os Estados Unidos e prometeu fazer o mesmo para todos os 54 países da África.

Aproveitando a falha de Trump em coordenar uma resposta internacional, a China usou seus esforços pandêmicos para projetar-se como uma liderança alternativa no sistema mundial. Assim, enquanto Trump retirou financiamento e potencialmente a adesão dos EUA à Organização Mundial da Saúde (OMS), a China aumentou o financiamento da entidade. Como observa Jude Blanchette, um especialista chinês do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, "estamos vendo a versão 2.0 da assertividade que Pequim exibiu após a crise financeira global de 2008. É o resultado da convicção de seu poder crescente versus um Ocidente em declínio". [14]

Mas ao invés de representar um desafio frontal para os Estados Unidos, a China se posicionou como aquela que exige colaboração, mesmo quando eles competem. Pequim julga, com razão, que agora não pode suplantar os Estados Unidos. Assim, o mesmo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, que difundiu a bizarra teoria da conspiração contra os Estados Unidos, declarou: "O desenvolvimento estável das relações China-EUA serve aos interesses fundamentais de ambos os países. Os dois lados devem fortalecer a cooperação anti-epidêmica, vencer a guerra contra a pandemia, tratar os pacientes e retomar a produção econômica". Mas isto exige que os Estados Unidos encontrem a China a meio caminho". [15]

Em resposta ao militarismo de Washington

Ao mesmo tempo, porém, a China reconhece que tal cooperação pode não estar mais entre as cartas a jogar. E está se preparando para uma postura geopolítica, econômica e militar muito mais assertiva. Como observa um comentarista, "Há uma grande reavaliação da interdependência EUA-China em andamento. ... Mesmo que Xi desescale temporariamente os conflitos comerciais e tecnológicos, para reduzir a pressão sobre a economia chinesa, há agora um poderoso impulso por trás do que poderíamos chamar de um futuro de 'segurança primeiro'". [16]

Pequim está se esforçando para desenvolver seu próprio mercado interno para isolá-lo das pressões econômicas dos Estados Unidos. O South China Post documenta que "as exportações como porcentagem do produto interno bruto (PIB) da China caíram para 17,4% em 2019 em comparação com 36,04% em 2006". As importações caíram de 23,37% do PIB em seu ponto mais alto, em 2011, para 14,45% no ano passado. O comércio de mercadorias representou 64,4% da economia chinesa em 2006, mostram os dados do Banco Mundial, em comparação com os 32% do ano passado". [17]

Confiante neste potencial econômico interno, a China tem feito mesmo tipo de bullying geopolítico que sofre, só que contra Washington. "A mentalidade agora é mais para coagir as contrapartes a respeitar os interesses da China, já que a segurança cooperativa é vista como cada vez menos eficaz", disse Zhao Tong, um membro sênior do Carnegie-Tsinghua Center for Global Policy, em Pequim. [18] A China já disciplinou potências menores, por desafiá-la. Por exemplo, proibiu a importação de carne vermelha de quatro matadouros australianos, para punir Canberra por chamar um inquérito sobre as origens da Covid-19.

Pequim tem resistido à postura militar de Washington. Não tem intenção de recuar em relação aos Estados Unidos e conceder suas reivindicações à sua projetada esfera de influência na Ásia-Pacífico. Em abril, implantou suas próprias embarcações navais no Mar do Sul da China e, de forma semelhante, implantou uma flotilha liderada por seu porta-aviões, o Liaoning, em águas próximas a Taiwan, levando Taipei a reposicionar seus navios de guerra.

A China está se preparando para responder aos planos da Trump de implantar novos mísseis na região. A Reuters informou em 6 de maio que o Coronel Wu Qian tinha advertido, em outubro passado, que Pequim "não ficaria parado" se Washington implantasse mísseis terrestres de longo alcance na Ásia-Pacífico. Segundo Wu, a China prometeu aumentar os gastos militares em 6,6% este ano para financiar a nova corrida armamentista.

Reprimindo imigrantes dissidentes e destruidores

A China aproveitou a pandemia para reprimir a dissidência em Hong Kong, bem como em Xinjiang e no Tibete. Isso pressionou o governo de Hong Kong a prender figuras importantes do movimento pró-democracia, incluindo ex-legisladores. [19] Xi também planejou promulgar uma nova lei de segurança nacional para Hong Kong que tratará toda a dissidência política como "traição, secessão, sedição e subversão" contra o governo chinês. Mais ameaçador ainda, esta lei abre as portas para que Pequim possa mobilizar suas forças de segurança nacional para prender todos os tipos de ativistas sob o disfarce de defender o Estado chinês contra "terroristas apoiados pelo estrangeiro". [20]

Da mesma forma, Xi não vi permitir nenhuma discórdia no Tibete, assim como em Xinjiang (província do extremo Noroeste), onde o regime construiu um aparelho de vigilância maciça e internou mais de um milhão de muçulmanos da etnia uighur em campos de concentração. Com o regime buscando desenvolver sua economia interna e seu mercado nas províncias ocidentais do país, duplicará sua repressão contra esta nação oprimida e minoria nacional.

Esta repressão produzirá resistência nestas áreas, talvez mais importante ainda em Hong Kong, que foi abalada no ano passado por um movimento democrático que coloca regularmente milhões de pessoas nas ruas em marchas de massa. Já milhares de pessoas saíram às ruas em oposição à nova lei de segurança nacional de Pequim, e mais se juntarão a eles nos próximos meses. Hong Kong junto com Taiwan provavelmente se tornarão os maiores pontos de conflito na rivalidade entre Washington e Pequim.

Apesar da resistência em Hong Kong, a campanha nacionalista de Xi estabilizou seu apoio interno. A professora Jessica Chen Weiss, de Cornell, disse ao Financial Times em maio que seu tratamento do conflito pandêmico e geopolítico "fortaleceu o domínio de Xi, apesar da onda de choque que a epidemia inicialmente provocou no sistema". Mas este nacionalismo tem um lado obscuro: a xenofobia. Assim como os Estados Unidos, a China reprimiu os imigrantes, apertou as restrições nas fronteiras e os estrangeiros são acusados de responsáveis pela reintrodução do vírus. Este bode expiatório desencadeou uma discriminação generalizada e crimes de ódio contra os imigrantes, especialmente os de países africanos.

O furacão da Ordem Mundial Neoliberal

Entramos assim numa Nova Guerra Fria entre os Estados Unidos e a China. A pandemia, a recessão global e a desestruturação da ordem mundial neoliberal de Washington vai alimentar esta rivalidade durante a próxima década. As tendências pré-existentes estão se acelerando: o declínio dos EUA, o aumento da assertividade chinesa, o crescimento dos conflitos interestatais e a tendência para o protecionismo contra a globalização.

Em um artigo duro na Foreign Affairs, o ex-primeiro-ministro australiano Kevin Rudd prevê que haverá "uma lenta mas constante deriva em direção à anarquia internacional, que se manifestará em quase tudo, desde a segurança internacional até o comércio e a gestão de pandemias". Sem ninguém dirigindo o tráfego, várias formas de nacionalismo desenfreado estão tomando o lugar da ordem e da cooperação. A natureza caótica das respostas nacionais e globais à pandemia é, portanto, um aviso do que poderia vir em uma escala ainda mais ampla".

Em meio a esta crise, Rudd argumenta: "A rivalidade estratégica vai definir todo o espectro das relações entre os EUA e a China - militares, econômicas, financeiras, tecnológicas, ideológicas - e moldar cada vez mais as relações de Pequim e de Washington com terceiros". Embora esta trajetória seja nítida, ainda existem contratendências que vão mitigar qualquer confronto aberto entre as duas potências.

Primeiro, a China permanece mais fraca e despreparada (por enquanto) para suplantar os Estados Unidos na posição dominante. Embora esteja crescendo como uma superpotência econômica, permanece dependente dos Estados Unidos para pesquisa e projeto de alta tecnologia e sua moeda não pode suplantar o dólar como reserva global. Suas Forças Armadas, embora regionalmente fortes, não podem competir com os Estados Unidos no âmbito mundial. E geopoliticamente, tem sido profundamente desacreditada pela pandemia e é vista com cada vez maior ressentimento por países profundamente endividados com ela. [21] Portanto, é provável que ela se retraia do confronto direto, continuando a construir seu poder para competir enquanto exige cooperação.

Em segundo lugar, as classes capitalistas de ambos os países permanecem profundamente integradas, mais uma vez amortecendo ainda mais os conflitos abertos. Qualquer desacoplamento das duas economias permanece nas fases iniciais. A Apple, uma das mais significativas corporações americanas, só agora começou a considerar o desvio de parte de sua produção na China continental para outros países, como o Vietnã.

Finalmente, como ambas as potências possuem e estão construindo maiores arsenais nucleares, qualquer conflito militar terminaria em destruição mútua. Assim, de maneira semelhante e diferente da última Guerra Fria, o conflito será empurrado para batalhas sobre outros países através de procuradores e aliados e para "geoeconomia", com cada um tentando esculpir esferas de influência mais claras. Mas, a crise e sua tendência a intensificar o nacionalismo, estimular o protecionismo com base na segurança nacional, e reorientar as cadeias de abastecimento em esferas de influência estão levando os Estados Unidos e a China para o clássico conflito interimperialista.

Nem Washington nem Pequim, mas o socialismo internacional

A rivalidade entre a China e os EUA se tornará uma questão central e inevitável para a esquerda. Em ambos os Estados, as classes dominantes - e especialmente seus adeptos da linha dura da direita - se voltarão para o nacionalismo, para desviar a culpa da profunda crise do sistema para seus rivais e reunirão suas classes trabalhadoras aos seus respectivos projetos imperiais. A esquerda deve traçar um caminho alternativo de solidariedade da classe trabalhadora contra os Estados Unidos e a China.

Nos Estados Unidos, a primeira e principal obrigação da esquerda é, parafraseando o revolucionário alemão Karl Liebknecht, opor-se ao principal inimigo, nosso próprio Estado imperialista. Ele continua sendo o maior inimigo da paz, da igualdade e da democracia em todo o mundo. Se alguém duvida desta afirmação, olhe para as catástrofes que os Estados Unidos provocaram no Vietnã nos anos 60 e no Iraque nos anos 2000.

Mas ao nos opormos ao Estado americano, não devemos apoiar o Estado chinês. Esta é uma tentação compreensível dada a exploração transparente e cínica da pandemia pela administração Trump para atacar a China. Contudo, devemos resistir a adotar a lógica desastrosa de "o inimigo do meu inimigo é meu amigo". A classe dominante chinesa e seu estado, embora um poder menor comparado aos Estados Unidos, não é menos capitalista e imperialista. Ela explora sua classe trabalhadora e camponesa, oprime nações e minorias nacionais como os tibetanos e os uigures, e projeta seu poder contra os Estados Unidos e em todo o mundo em desenvolvimento. Em vez de apoiar este estado opressivo, deveríamos nos alinhar com os trabalhadores e o povo oprimido da China que organizam, protestam e fazem greve por seus direitos e por melhorias em seus salários e condições de trabalho.

Essa é a única maneira de construir solidariedade internacional entre trabalhadores e grupos oprimidos em cada estado. Nos Estados Unidos, devemos afastar os trabalhadores do canto de sereia do nacionalismo econômico, cantado tanto pelos nacionalistas de direita quanto pelos protecionistas liberais e social-democratas, que só nos vincularão a nossos patrões e a seu estado, pintando os trabalhadores chineses como a principal ameaça aos empregos e salários.

Devemos também trabalhar com grupos asiático-americanos que se mobilizaram para se opor à derrocada da China e ao racismo de Trump. A comunidade sino-americana tem sido diretamente afetada pela retórica e ações do estado americano e está se movendo cada vez mais para reagir à rivalidade entre EUA e China. Em uma economia global, não temos outra escolha senão nos organizarmos a partir de baixo, além das fronteiras, contra ambos os estados imperialistas, ou seja, a política do verdadeiro anti-imperialismo e do socialismo internacional.

Notas

[1] Ishaan Tharoor, “Is a US-China Cold War Already Underway,” Washington Post, May 5, 2020.

[2] James Kynge, Katrina Manson, and James Politi, “US and China: Edging Towards a New Type of Cold War,” Financial Times, May 8, 2020.

[3] Ashley Smith, “Capitalism’s Global Slump,” Socialist Worker, Mar. 7, 2011.

[4] Sebastien Horn, Carmen M. Reinhart, and Christoph Trebesch, “How Much Money Does the World Owe China,” Harvard Business Review, 6/2/2020.

[5] Alex Isenstadt, “GOP Memo Urges Anti-China Assault over Coronavirus,” Politico, 24/4/2020.

[6] Edward Luce, “Inside Trump’s Coronavirus Meltdown,” Financial Times, 14/5/2020.

[7] Asma Khalid, “Biden and Trump Battle Over Who Is ‘Weak on China,’” NPR, 22/4/ 2020.

[8] James Politi and Kiran Stacey, “US Escalates China Tensions with Tighter Huawei Controls,” Financial Times, 15/5/2020.

[9] David Lague, “Special Report: US Rearms to Nullify China’s Missile Supremacy,” Reuters, 6/5/2020.

[10] Nahal Toosi and Lara Seligman, “Trump Seizes a New Cudgel to Bash China: Taiwan,” Politico, 21/5/2020.

[11] Mara Hvistendahl, “As Trump and Biden Trade Anti-China Ads, Hate Crimes Against Asian Americans Spike,” Intercept, 11/5/2020.

[12] For a thorough analysis of China’s mishandling of the outbreak and the reasons for it, see Au Loong Yu, “When Boot Licking Overrides Fighting Pandemic,” International Viewpoint, 12/5/2020.

[13] Shayan Sardarizadeh and Olga Robinson, “Coronavirus: US and China Trade Conspiracy Theories,” BBC, 26/4/2020.

[14] Kathrin Hille, “‘Wolf Warrior’ Diplomats Reveal China’s Ambitions,” Financial Times, 11/5/2020.

[15] Demetri Sevastopolo, “Trump Threatens to Cut Off Relations with China,” Financial Times, 15/5/2020.

[16] Chris Buckley and Steven Lee Myers, “From ‘Respect’ to ‘Sick and Twisted’: How Coronavirus Hit US-China Ties,” New York Times, 15/5/2020.

[17] Finabarr Bermingham, “Coronavirus Backlash Adds to Trade War and Decoupling Pressure to Fray China’s Ties to Global System,” South China Post, 23/5/2020.

[18] Hille.

Ashley Smith é o editor-executivo da Spectre e membro dos Socialistas Democratas da América (DSA) em Burlington, Vermont. Ele escreveu em inúmeras publicações, incluindo Truthout, The International Socialist Review, Socialist Worker, ZNet, Jacobin, New Politics e muitas outras.

Kevin Lin é um membro do Comitê Internacional da DSA. Ele é um ativista e pesquisador do movimento trabalhista da China. Ele é colaborador de Jacobin, Labor Notes, New Politics, Democratic Left, International Viewpoint e New Labor Forum e co-edita a revista de acesso aberto Made in China.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK