Voltar ao site

Kim Moody: Como o capitalismo "just-in-time" espalha a Covid-19

Rotas comerciais, transmissão e solidariedade internacional

· Mundo do Trabalho,Sem Fronteiras

Kim Moody, Spectre, 8 de abril de 2020

O capitalismo tem acelerado a transmissão de doenças. Historicamente, a maioria das epidemias espalhou-se geograficamente através de duas formas comuns de movimento humano de longa distância: o comércio e a guerra. A velocidade, porém, mudou drasticamente com a ascensão do capitalismo.

Na Idade Média, levou cerca de uma década para que a Peste Negra (peste bubônica) se espalhasse da China através das Rotas da Seda e das conquistas mongóis para a Europa. Depois, anos para se deslocar da Sicília para a Grã-Bretanha e mais além, através de rotas comerciais estabelecidas e do movimento de exércitos durante a Guerra dos Cem Anos. Com o capitalismo bem estabelecido, a "gripe espanhola" de 1918 espalhou-se em meses da Espanha, passando pela França, para a Grã-Bretanha em meados de junho, e depois para os EUA e Canadá em setembro. Em grande parte, seguiu o curso das linhas de batalha, movimentos de tropas e logística militar durante a Primeira Guerra Mundial.

Na era da logística just-in-time, o coronavírus levou apenas dias para se espalhar de Wuhan para outras cidades chinesas a centenas de quilômetros de distância. Levou apenas duas semanas para ir além da China, simultaneamente ao longo das principais cadeias de abastecimento, rotas comerciais e aéreas para os enclaves industriais e entrepostos do leste asiático, para o Oriente Médio produtor de petroleo devastado pela guerra, para a Europa industrial, a América do Norte e o Brasil.

No dia 3 de março, já havia atingido 72 países. Seguindo as principais rotas da cadeia de suprimentos, inicialmente deu a volta por quase toda a África e grande parte da América Latina, embora agora tenha se deslocado para esses continentes também, com riscos de vida potencialmente ainda maiores.

Viagens pandêmicas ao longo dos circuitos do capital

Como o guru da logística do MIT, Yossi Sheffi, destacou em O Poder da Resiliência, "a crescente interconexão da economia global torna-a cada vez mais propensa ao contágio". Eventos contagiosos, incluindo problemas médicos e financeiros, podem se espalhar através de redes humanas que muitas vezes se correlacionam fortemente com as cadeia globais de produção.

De fato, a Dun & Bradstreet estima que 51.000 empresas em todo o mundo têm um ou mais fornecedores diretos em Wuhan, enquanto 938 das empresas da Fortune 1000 têm fornecedores de nível 1 ou 2 na região de Wuhan. A ênfase das últimas duas ou três décadas na produção enxuta, na entrega just-in-time e, mais recentemente, na "concorrência baseada no tempo", juntamente com uma infra-estrutura de transporte e distribuição atualizada, acelerou a velocidade da transmissão.

Um especialista da Johns Hopkins disse na Itália: "Pensando em nossa cadeia de valor - ou na forma como as indústrias produzem bens - os europeus estão muito mais integrados uns com os outros do que muitas vezes pensam". Se um país europeu é severamente afetado, então o problema se transfere muito rapidamente para todos os outros".

Isso explica porque o mapa de rastreamento do Johns Hopkins Coronavirus Resource Center, mostrando as concentrações de infecção nos EUA, espelha mapas semelhantes ao dos estudos da Brookings Institution sobre concentrações de fabricação, centros de transporte e armazenagem. Esta é mais uma indicação de que este vírus passou pelos circuitos do capital e dos seres humanos que neles trabalham, e não apenas pela aleatória transmissão "comunitária".

Cadeias de abastecimento em curto-circuito

A falta de equipamentos de proteção individual (EPI) em muitos países, particularmente as máscaras respiratórias N95 essenciais para o trabalho seguro na área da saúde, é por si só o resultado de décadas de terceirização da produção. Empresas como a 3M, Honeywell e Kimberley-Clark deslocaram a produção para a China e outros países de baixa renda em busca de maiores lucros.

O Washington Post documenta que "até 95% das máscaras cirúrgicas são feitas fora dos Estados Unidos continental, em lugares como China e México". Como resultado, uma grande distribuidora de equipamentos médicos observou em março, "a disponibilidade de respiradores N95 é de abril a maio. Muitos são fabricados na China e pode haver atrasos adicionais".

Não surpreende que o ex-conselheiro de Trump e comentarista de alt-direita Steve Bannon tenha aproveitado esta oportunidade para promover sua agenda xenofóbica. No entanto, a falha dos EUA, ou de qualquer país, em produzir equipamentos médicos de emergência dentro de um alcance razoável - para que empresas como a 3M possam aumentar os lucros - é claramente imoral e imprudente.

O impacto do vírus, por sua vez, logo se vingou das próprias rotas pelas quais eke se espalhou, perturbando as cadeias de produção e fornecimento de formas complexas. No início de março, 9% das frotas de contêineres do mundo estavam ociosas - e este percentual certamente aumentou. A produção industrial chinesa caiu 22% em fevereiro, de acordo com um relatório da UNCTAD de março.

O mesmo relatório demonstra que os países ou regiões mais afetados economicamente pelas rupturas nas cadeias de valor globais originárias da China eram (em ordem de magnitude): a UE, EUA, Japão, Coréia do Sul, Vietnã, Taiwan e Singapura - todos entre os mais afetados pelo vírus nos estágios iniciais. As exportações chinesas caíram 17% em janeiro e fevereiro. Em meados de março, o porto de Los Angeles estava operando a 50% de sua capacidade, e Long Beach a 25%-50%, principalmente devido ao fechamento de fábricas na China, segundo o Financial Times.

Espremendo os trabalhadores essenciais

As respostas governamentais nos EUA, em particular, foram concebidas para impulsionar a economia da única forma que tanto os políticos neoliberais como os "especialistas" da administração Trump conhecem: subsidiando os negócios e reduzindo seus custos. Além do conhecido viés pró-negócio do pacote de "estímulo" do Trump de US$ 2 trilhões, a reação do governo em apoio ao capital nos EUA incluiu uma ordem para os trabalhadores permanecerem no trabalho, combinada com um tsunami de desregulamentação para as empresas.

 

A determinação do Departamento de Segurança Nacional (o Department of Homeland Security’, DHS, não do CDC) de quem deve continuar a trabalhar como mão-de-obra "essencial" é tão abrangente que inclui praticamente todo o motor do lucro capitalista, alimentado pela mão-de-obra. Inadvertidamente, é claro, o DHS tem nos lembrado o quanto toda a classe trabalhadora é essencial ao funcionamento da sociedade em bons ou maus momentos.

 

Isto vale também para os equipamentos da mais alta tecnologia de empresas como a Amazon, onde, dizem-nos constantemente, os robôs fazem de tudo. Enquanto alguns trabalhadores da Amazon protestam e cerca de 30% ficam em casa, a empresa tenta contratar milhares de outros para preencher a lacuna. Como informa o New York Times, "com toda a sua sofisticação de alta tecnologia, o vasto negócio de comércio eletrônico da Amazon depende de um exército de trabalhadores que operam em armazéns que agora temem estar contaminados pelo coronavírus".

 

Para aliviar ainda mais o "fardo" (ou seja, o custo) da regulamentação das empresas, a Agência de Proteção Ambiental suspendeu toda a aplicação da regulamentação ambiental (apesar da crise climática em curso), enquanto a Administração Ferroviária Federal emitiu uma renúncia emergencial a inúmeras regulamentações de segurança. A Agência Nacional de Relações de Trabalho suspendeu todas as eleições de representação sindical, incluindo as realizadas por correio.

 

A Federal Motor Carrier Safety Administration (FMCSA) concedeu "isenção de horas de serviço regulamentar aos motoristas de veículos comerciais que transportam produtos de emergência....". Isto, claro, significa mais horas na estrada. A lista de itens cobertos como "emergência" da FMCSA é muito abrangente, incluindo matéria-prima, combustível, produtos de papel e plástico, bem como suprimentos médicos diretos. Aos caminhoneiros que entram e saem de Nova York, o epicentro do vírus nos EUA, foi dito para continuarem como sempre, mas para terem certeza do "distanciamento social" e lavarem as mãos.

 

Apesar da crise econômica, que começou antes mesmo da epidemia, e do fato de que os primeiros 17 casos nos EUA terem sido contados oficialmente em janeiro, o Departamento do Trabalho informou que, a partir de fevereiro, o emprego não agrícola estava em alta, e o desemprego estava estável. A saúde, o governo, os serviços de alimentação, a construção civil e, é claro, os serviços financeiros estavam todos em alta, enquanto "o emprego em outras grandes indústrias, incluindo mineração, manufatura, comércio atacadista, comércio varejista, transporte e armazenagem, e informação, mudou pouco ao longo do mês". A média de horas por semana aumentou 0,3% em fevereiro.

 

Transport Topics, o jornal dos gerentes das empresas de caminhões, escreveu: "à medida que a América luta com o coronavírus e o cotidiano é alterado, os caminhoneiros do país estão entre aqueles que estão arriscando sua saúde pessoal e fazendo o trabalho duro para manter os produtos em movimento para lojas, hospitais e outros lugares". A American Trucking Association (ATA) informa que a tonelagem de caminhões aumentou 1,05% em janeiro e 1,8% em fevereiro, o que significa que, de fato, os caminhoneiros estão "arriscando sua saúde pessoal".

 

Embora o tráfego ferroviário de carga tenha diminuído nos últimos dois anos, a Associação das Ferrovias Americanas (AAR) observa que três categorias de carga subiram em 2020 (produtos químicos, alimentos e autopeças), e “os volumes intermodais das ferrovias que servem os portos da Costa Oeste que recebem a maior parte das importações da China parecem ter se estabilizado nas últimas quatro semanas, indicando que podemos ter visto o pior dos impactos da COVID-19 sobre o comércio asiático".

 

Isto é altamente improvável. De fato, em março, os trabalhadores das linhas de carga das ferrovias Union Pacific e Canadian Pacific haviam sido contaminados pelo vírus. O Serviço Postal dos EUA relatou 111 casos de Covid-19, enquanto mais de 300 trabalhadores no sistema de trânsito da cidade de Nova York tinham o vírus até abril. Uma nova economia de entregas está se tornando viral com empresas de entrega à domicílio como Instacart, Amazon, e Walmart contratando aos milhares e arrecadando grandes fortunas daqueles que estão isolados e assustados em suas casas.


Demissões em massa, desemprego na era da depressão e desigualdade viral

Este quadro certamente mudará rapidamente à medida que o comércio global desacelerar e mais e mais atividades forem forçadas a desacelerar ou parar devido a doenças, "distanciamento social", quarentenas e auto-isolamento. Por um lado, milhões de trabalhadores não terão outra escolha senão trabalhar mais horas correndo o risco de infecção, enquanto milhões de outros enfrentam o desemprego e a pobreza. Ainda mais que o normal, os trabalhadores estarão condenados se o fizerem e condenados se não o fizerem.

 

Com uma queda repentina no emprego maior que a de 2008, o Instituto de Política Econômica estima que cerca de 20 milhões de empregos serão perdidos até julho. Já no início de abril, 10 milhões de trabalhadores se candidataram ao seguro-desemprego. O New York Times estima que a taxa de desemprego já é de 13%, a maior taxa oficial desde a grande Depressão dos anos 30. Além disso, como argumenta o economista Michael Roberts, está é muito provavelmente apenas a abertura de uma recessão global mais profunda.

 

No entanto, o fato de tantos terem que continuar trabalhando para empregadores privados durante a epidemia nos lembra que tanto o desejo do capital de continuar a ter lucros depende desses trabalhadores, quanto que a "compulsão silenciosa das relações econômicas" enfrentada pela maioria dos trabalhadores que são obrigados a viver "de salário em salário", está viva e bem nesta crise mortal de saúde.

 

Além disso, enquanto alguns gostam de dizer que o coronavírus não discrimina - afinal, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson está na UTI na hora em que escrevo - seu impacto é altamente desigual. O New York Times informa: "19 dos 20 bairros com o menor percentual de testes positivos estão nos códigos postais (CEPs) das regiões ricas".

 

Como explicam especialistas do Johns Hopkins Coronavirus Resource Center, "embora frustrantes, mas manejáveis para muitas pessoas, as consequências econômicas do distanciamento social é brutal para os membros mais pobres, vulneráveis e marginalizados de nossa sociedade".

 

Entre os mais atingidos estão aqueles que se encontram no fundo ou perto do fundo das cadeias de abastecimento alimentar do país - os trabalhadores agrícolas e aqueles em armazéns por todo o país que recolhem e movimentam a maior parte das culturas sazonais da nação. A maioria desses trabalhadores são imigrantes indocumentados. Ironicamente ou cinicamente, eles foram declarados trabalhadores essenciais, indicando a confiança da economia de que eles permanecerão nos locais de trabalho, onde são vulneráveis ao vírus.

Ao mesmo tempo, eles ainda estão sujeitos à deportação. Às vezes, recebem cartas de empregadores declarando-os essenciais para que possam viajar para o trabalho, mas estas não protegem contra a deportação, especialmente quando deixam de ser essenciais aos olhos do governo ou quando a temporada termina. É um escândalo que os Estados Unidos não tenham concedido residência legal a eles e a outros nesta posição, como fez o governo de Portugal.

 

Luta de classes em tempo de pandemia e recessão

Na grande maioria dos protestos dos trabalhadores em todo o mundo, duas questões se destacam: Tempo Livre Pago (PTO em inglês) e Equipamento de Proteção Individual (PPE em inglês), os dois "Ps" da luta de classes na época da peste. O pacote sobre coronavírus do Congresso exige duas semanas de licença remunerada para aqueles com o vírus, mas apenas para aqueles empregados por empresas com menos de 500 funcionários. Isso exclui quase metade da força de trabalho do setor privado, e não há mandato para PPE.

 

Trabalhadores de call centers, serviços de entrega, UPS, hospitais, ferrovias e outros estão exigindo tanto o PTO quanto os PPEs necessários dos empregadores que falam sobre segurança, mas não conseguem entregar o que os trabalhadores precisam imediatamente.

O movimento intersindical dos trabalhadores de base das ferrovias Railroad Workers United circulou uma resolução exigindo estes elementos essenciais. Uma petição passada por Teamsters para um Sindicato Democrático ganhou duas semanas de licença remunerada para trabalhadores da UPS se eles, ou um membro de sua família, pegarem o vírus. Os trabalhadores da Starbucks pediram para não serem chamados de "essenciais” e para obterem licença remunerada.

 

Trabalhadores de entrega, varejo e armazéns levaram a luta pelos dois "P "s um passo adiante. A greve dos membros do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio e da Alimentação nas mercearias de Ohio exigiu licença médica remunerada. Ativistas de base em um armazém da Kroger em Memphis entraram em greve depois que um colega de trabalho foi diagnosticado com coronavírus. Trabalhadores da Instacart que entregam em casa alimentos pararam nos EUA por equipamentos de segurança e PTO para aqueles com condições médicas.

 

Ações similares ocorreram nas instalações do McDonald's em Tampa, St. Louis, Memphis, Los Angeles e San Jose, enquanto trabalhadores da Amazon em Staten Island saíram em passeata na segunda-feira, 30 de março. A Amazon finalmente concedeu aos seus trabalhadores do armazém licença remunerada após os trabalhadores das instalações de Chicago fazerem uma petição e marcharem no trabalho pelo PTO.

 

Os trabalhadores de fábrica também entraram em ação. Cinqüenta trabalhadores avícolas não sindicalizados em uma fábrica de Perdue Farms na Geórgia pararam, declarando que estavam cansados de "arriscar nossas vidas por frango". Metade dos trabalhadores dos estaleiros da General Dynamics em Bath não foram trabalhar quando um trabalhador pegou o vírus.

Trabalhadores da Fiat-Chrysler em Sterling Heights, Michigan, e Windsor, Ontário saíram exigindo que suas fábricas fossem fechadas. Os trabalhadores de autopeças da American Axle também pararam para exigir o PTO. Os seções locais do Sindicato dos Trabalhadores da Comunicação exigiram não só o PPE, mas que a General Electric mudasse da produção normal e usasse plantas ociosas para produzir os ventiladores muito necessários para as vítimas do coronavírus.

 

Naturalmente, os militantes trabalhadores da educação norte-americana assumiram um papel de liderança na luta pela proteção. O Sindicato dos Professores de Chicago e os trabalhadores da saúde daquela cidade uniram forças para exigir quinze dias de licença remunerada e entrega de alimentos em casa.

 

O Sindicato dos Professores de Los Angeles exigiu "um subsídio semanal para os pais ficarem em casa com seus filhos". Os professores da cidade de Nova York do Movimento de Educadores de Base (MORE) da Federação Unida de Professores organizaram os doentes e contribuíram para forçar a cidade a fechar as escolas.

 

Os trabalhadores de saneamento de Pittsburgh deixaram de recolher o lixo, exigindo PPE. Os trabalhadores de saneamento canadenses em Hamilton, Ontário, pararam de trabalhar, exigindo PPE e que os resíduos orgânicos fossem ensacados antes da coleta. Os motoristas de ônibus de Birmingham, Alabama, se recusaram a dirigir nas rotas regulares até que a gerência concordasse em fornecer PPE, eliminar a coleta de passagens e providenciar licença remunerada para aqueles com o vírus.

 

Aprendendo novos hábitos de luta

A disseminação do coronavírus ajudou a revelar que os locais de trabalho de hoje estão interligados por múltiplas redes. Trump tenta manter a economia funcionando, fazendo com que o Departamento de Segurança Doméstica redefina os trabalhadores "essenciais" como quase todos. Isso deixa claro que os circuitos de capital e trabalho conectam os trabalhadores ao redor do mundo e através da cidade.

 

Os fabricantes chineses de máscaras N95 se conectam com enfermeiras de Nova York, trabalhadores da Amazon em Will County, Illinois, e com motoristas da UPS em Chicago. Ferrovias, caminhões e trabalhadores dos correios se conectam com quase todo mundo. As ações dos trabalhadores, mesmo as limitadas, podem ter um impacto além do local de trabalho imediato no mundo “just-in-time” de hoje.

 

Nenhum bem pode ser produzido, nenhum serviço entregue, se as coisas que permitem essas atividades não são feitas e movimentadas pela mão-de-obra. Se os circuitos do capital e do trabalho ajudaram a espalhar essa doença, as ações dos trabalhadores ao longo desses elos também podem ajudar a trazer uma nova ordem de relações de poder de classe no rescaldo da epidemia.

 

Assim como muitas pessoas demonstraram solidariedade altruísta com outras nesta crise, também será necessária a solidariedade nos âmbitos trabalhistas, industriais, das profissões e entre as nações para lutar por um mundo melhor na era pós-pandêmica.

 

"As coisas nunca mais serão as mesmas", dizem muitos comentaristas. Haverá grandes mudanças, com certeza, mas a menos que elas sejam impulsionadas a partir de baixo pelas ações da grande maioria, é mais provável que sejam do tipo "as coisas precisam mudar para permanecerem as mesmas", como afirma o cínico aristocrata siciliano Don Fabrizio frente à revolução italiana de 1848-49 no romande O Leopardo de Lampedusa. As corporações serão reformatadas à medida que as empresas se afundam, as fusões abundam, as cadeias de suprimentos são racionalizadas, a força de trabalho é cortada, os fundos públicos são despejados nos cofres das empresas e os lucros revivem.

 

Mas dificilmente as corporações abandonarão as prerrogativas de gestão ou os acionistas de curto prazo. Tanto os governos conservadores quanto os liberais gastarão como keynesianos do tempo de guerra a fim de reforçar os resultados corporativos.

 

Mas será que elas vão repor a renda perdida para milhões de trabalhadores? Será que elas permitirão a representação sindical? Será que elas vão voltar a colocar em vigor os regulamentos ambientais e de segurança descoordenadas quer foram colocadas em “moratória”? Ou ainda, vão se preparar para uma próxima epidemia ou tomar medidas reais para evitar a catástrofe climática?

 

A menos que haja um grande ascenso desde baixo, as relações de poder inerentes às relações sociais de produção do capitalismo e sua extensão através da "sociedade civil" e do governo, serão reafirmadas como foram depois de 2008. Apesar das esperanças de muitos e das óbvias diferenças entre os candidatos, a política movida pelo dinheiro que é a norma nos EUA de hoje vai garantir isso em um ou outro grau, não importa quem ganhe as eleições de novembro. Caberá a esses trabalhadores "essenciais" criar um novo equilíbrio de poder social e um mundo saudável e sustentável.

 

Kim Moody é fundador da Labor Notes, uma organização de ativistas sindicais de base nos EUA. Ele agora vive Inglaterra,, onde é membro do Sindicato Nacional de Jornalistas e Pesquisador Sênior da Unidade de Trabalho e Emprego da Universidade de Hertfordshire. Seu último livro é On New Terrain: How Capital is Reshaping the Battleground of Class War (Haymarket Books, 2017).
 

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK