Voltar ao site

Latour: esta é uma catástrofe global que veio de dentro

Bruno Latour explica a política do princípio Gaia, os problemas da pós-verdade e como o coronavírus nos fornece um modelo para disseminar idéias

· Sem Fronteiras,Ecologia,Vale a pena ler

Jonathan Watts entrevista o filósofo Bruno Latour, The Observer, 6 de junho de 2020

Nos primeiros dias do isolamento, o filósofo Bruno Latour escreveu um ensaio para o jornal cultural online AOC. "A primeira lição que o coronavírus nos ensinou", escreveu ele, "também é a mais surpreendente: na verdade, provamos que é possível, em poucas semanas, suspender um sistema econômico em qualquer lugar do mundo". Ele foi traduzido desde então para pelo menos 12 idiomas, incentivou muitos a reimaginar o quão diferente o mundo poderia ser se aprendêssemos com essa experiência. [Esse artigo está no nosso site: Bruno Latour: imaginar gestos que barrem o retorno da produção pré-crise. Seis perguntas para a reconstrução da imaginação crítica]. Também solidificou a reputação do professor emérito do Instituto de Estudos Políticos de Paris (Sciences Po) como um dos pensadores mais influentes da nossa época.

Como a pandemia reformulou nossas sociedades?
Alguns dizem que esta é a vingança da natureza. Isso é bobagem. Qualquer pessoa que tenha estudado a história da medicina sabe como um vírus pode fazer uma sociedade parecer completamente diferente. Estamos em uma grande curva de aprendizado. É uma experiência enorme. Esta é uma catástrofe global que não veio de fora como uma guerra ou um terremoto, mas de dentro. Os vírus estão completamente dentro de nós. Não podemos ejetá-los completamente. Devemos aprender a viver com eles.

No início da pandemia, você sugeriu que todos se perguntassem o que gostariam de manter depois do isolamento, o que gostariam de mudar. Agora essas perguntas estão sendo feitas em todo o mundo. O interesse o surpreendeu?
Mesmo se você não fosse uma pessoa espiritual, o isolamento forçou todos a uma espécie de retiro, um momento para reflexão. Foi extraordinário. As perguntas foram terapêuticas. Eles deram às pessoas sem poder trancadas em casa uma maneira de pensar em como criariam um futuro melhor.

Uma idéia pode se tornar viral como uma doença?
A Covid nos deu um modelo de contaminação. Ele mostrou a rapidez com que algo pode se tornar global, apenas passando de uma boca para outra. Essa é uma demonstração incrível da teoria das redes. Venho tentando convencer os sociólogos disso há 40 anos. Me desculpe por estar tão certo. Isso mostra que não devemos pensar no pessoal e no coletivo como dois níveis distintos. As grandes questões climáticas podem fazer com que os indivíduos se sintam pequenos e impotentes. Mas o vírus nos dá uma lição. Se você se espalhar de uma boca para outra, poderá viralizar o mundo muito rápido. Esse conhecimento pode nos re-empoderar novamente.

Muitos países agora estão ficando mais tranquilos. O que podemos esperar emergir desse período de reflexão?
A pandemia reabriu o debate sobre o que é necessário e o que é possível. Ela nos colocou em uma posição em que podemos decidir o que é útil e o que não é. Essa escolha desapareceu antes. Tudo parecia implacável como um tsunami. Agora percebemos que não era. Podemos ver que as coisas são reversíveis. Podemos ver quais trabalhos são necessários e quais são indesejados. Quanto tempo isso vai durar, eu não sei. Podemos ser tudo esquecido em três meses. Isso depende de quão difícil a crise econômica se torna. Estou impressionado com o tamanho do problema econômico, pelo que ouvi de meus alunos.

Para colocar sua própria pergunta de volta para você, o que você mudaria?
O que precisamos não é apenas modificar o sistema de produção, mas sair completamente dele. Devemos lembrar que essa idéia de enquadrar tudo em termos de economia é algo novo na história da humanidade. A pandemia nos mostrou que a economia é uma maneira muito estreita e limitada de organizar a vida e decidir quem é importante e quem não é importante. Se eu pudesse mudar uma coisa, seria sair do sistema de produção e construir uma ecologia política.

A resposta à pandemia deixou você mais ou menos otimista sobre a capacidade da humanidade de enfrentar a crise climática e natural?
Os bandidos estão melhor organizados e com mais definições sobre o que querem. A guerra em que estamos envolvidos é difícil. Não é que não tenhamos poder; é que muitos de nós não sabem como reagir.

Em sua mais recente colaboração artística no ZKM Center for Art and Media em Karlsruhe, Alemanha, você define o escopo da existência humana como a “zona crítica”, uma faixa estreita da Terra que pode sustentar a vida. Qual é o objetivo dessa abordagem?
É uma redefinição da nossa paisagem. A idéia da “zona crítica” é útil porque tira você da natureza. A natureza é muito grande. Abrange tudo, desde o big bang até os micróbios. Conceitualmente, isso torna uma bagunça completa. A zona crítica é limitada. Tem apenas alguns quilômetros de espessura - acima e abaixo da superfície da Terra. Mas toda a vida descoberta está dentro dela. Isso nos leva para dentro de uma maneira que a natureza não faz. É muito diferente da maneira de pensar que leva pessoas como Elon Musk a pensar que devemos ir para Marte. Isso é escapismo. Mas quando você pensa em termos de zona crítica, está preso, não pode escapar. O que isso significa para a política se estamos trancados e não na infinita cosmologia aberta por Galileu? Isso significa que não podemos nos comportar da mesma maneira. Isso significa que não podemos extrair recursos e descartar nossos resíduos infinitamente. Na zona crítica, devemos manter o que temos, porque é finito, é local, está em risco e é objeto de conflito.

Isso parece adicionar uma vantagem política à hipótese Gaia de James Lovelock, que explica como a "Vida" age para manter condições habitáveis ​​para si mesma. Você é um defensor dessa teoria há muito tempo...
Lovelock nos trancou! Enquanto Galileu usou um telescópio para revelar que a Terra faz parte de um universo infinito, Lovelock usou seu detector de captura de elétrons para revelar que a Terra é completamente diferente de qualquer outro planeta porque tem vida. Ele e [Lynn] Margulis viram Gaia. Lovelock do espaço, encarando a questão o mais globalmente possível; Margulis das bactérias, tomando a questão do outro lado, percebendo que a Vida, com V maiúsculo, conseguiu projetar suas próprias condições de existência. Para mim, essa é a maior descoberta deste período, embora ainda não seja muito aceita pela ciência convencional. Pode ser porque ainda não temos as ferramentas para recebê-la.

Por que você acha que os cientistas ainda estão cautelosos?
Que um conceito tão importante ainda seja tão marginal na história da ciência é extraordinário. Eu fiz tudo o que pude para torná-lo aceito. Mas os cientistas são reflexivamente cautelosos. A mudança cosmológica de Aristóteles para Galileu é a mesma de Galileu para Gaia. Com Galileu, nosso entendimento se expandiu para um universo infinito. Aceitar isso levou um século e meio e enfrentou resistência. Gaia não é apenas mais um conceito. Não se trata apenas de física e energia. É a Vida.

Seu trabalho muitas vezes desafia o objetivo, a visão da ciência como se fosse o olho de Deus. Você argumenta convincentemente que a humanidade não pode ser tão desapegada. Mas a direita política distorceu essa abordagem para minar todo o conhecimento especializado sobre as crises climáticas e da natureza. Nenhum arrependimento?
Uma crítica de como a ciência é produzida é muito diferente do argumento pós-verdade de que existem verdades alternativas que você pode escolher. A pós-verdade é uma postura defensiva. Se você tem que se defender contra as mudanças climáticas, econômicas e o coronavírus, então escolhe qualquer alternativa. Se essas alternativas lhe são fornecidas por milhares de "fazendas" de produção de fake news na Sibéria, é difícil resistir, especialmente se parecerem vagamente empíricas. Se você tiver um número suficiente delas e elas forem suficientemente contraditórias, isso permitirá que você mantenha suas antigas crenças. Mas isso não deve ser confundido com ceticismo racional.

A crise do Covid-19 afetou nossa crença na ciência?
O vírus revelou o número de coisas que você precisa saber para decidir o que é factual e o que não é. O público está aprendendo muito sobre a dificuldade das estatísticas, sobre experimentos, sobre epidemiologia. Na vida cotidiana, as pessoas estão falando sobre graus de confiança e margem de erro. Eu acho que é bom. Se você deseja que as pessoas tenham alguma noção da ciência, deve mostrar como ela é produzida.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK