Voltar ao site

Maristella Svampa: o Peru e as possibilidades da esquerda

· Sem Fronteiras,Formação,Vale a pena ler

Maristella Svampa, El Diario AR, 7 de junho de 2021 

Poucas pessoas se lembram que, no Peru nos anos 80, a Esquerda Unida foi uma das mais poderosas expressões políticas institucionais da América Latina. A Izquierda Unida foi um bloco político-eleitoral composto por diferentes movimentos e partidos, que ganhou várias prefeituras, incluindo Lima, Arequipa, Cusco e Puno, tornando-se a segunda força política a nível nacional nas eleições de 1985.

É bem conhecido o que aconteceu naqueles tempos. A irrupção do Sendero Luminoso, um grupo armado messiânico identificado com o maoísmo, e o início de uma guerra civil que duraria quase duas décadas, acabariam reestruturando negativamente o Peru em termos políticos. O resultado seria a violação dos direitos humanos, a morte de um número significativo de camponeses (setenta mil vítimas) e o colapso da esquerda institucional. Embora o Sendero Luminoso tenha sido completamente derrotado, os crimes contra a humanidade realizados principalmente pelas forças militares durante a ditadura de Alberto Fujimori (1990-2000), instalaram um novo limiar de violência política, enquanto abriam uma nova fase político-econômica, de mãos dadas com o neoliberalismo selvagem. 

Com o sopro do terrorismo na nuca cada vez mais distante e a impunidade das forças militares garantida, as elites dominantes conseguiram instalar um medo específico no imaginário peruano, uma espécie de gatilho que é reativado recursivamente em tempos de campanha eleitoral, através da associação automática entre comunismo, terrorismo e esquerda. Desde então, as diferentes variantes da esquerda institucional no Peru vêm enfrentando um duplo desafio: por um lado, desinstalar estas campanhas de medo, brutalmente orquestradas pela mídia dominante; por outro lado, gerar uma agenda de transformação que vá além do neoliberalismo, capaz de abordar os setores subalternos de forma transversal e transregional, desde o planalto até a costa, passando pela Amazônia.

Uma das tentativas que gerou as maiores expectativas foi a de Ollanta Humala, presidente entre 2011 e 2016. Como candidato, Humala se apresentou como o arquiteto de "A Grande Transformação", com um programa nacionalista de inclusão social. Entretanto, no contexto do segundo turno eleitoral contra Keiko Fujimori, a prometida "Grande Transformação" tornou-se um "Mapa do Caminho" menos perturbador. Pouco depois de tomar posse, Humala fez uma virada militarista que mostrou a continuidade da "Ordem e Investimentos"; e expulsou os representantes da esquerda do governo para fazer uma aliança com os setores do poder. A repressão aos protestos sociais e ambientais foi endurecida. Somente no primeiro ano do governo, 17 mortes foram registradas no contexto de protestos, especialmente contra projetos de mineração. Como diria o sociólogo Ramón Pajuelo, Humala era o símbolo do "progressivismo que não era", marcando a continuidade do modelo neoliberal e extrativista.

Em 2016, o surgimento de uma nova e jovem líder, Verónika Mendoza, sacudiu o tabuleiro de xadrez político. Mendoza é uma antropóloga e começou como congressista na era Humala (cujo partido ela ajudou a fundar). Embora em 2016 ela tenha ficado em terceiro lugar nas eleições presidenciais e não tenha chegado ao segundo turno, esta mulher de Cusco, que fala quíchua fluentemente (seu pai é peruano de língua quíchua e sua mãe é francesa), instalou um discurso sobre mudanças sociais, também em termos de igualdade de gênero e, em menor medida, críticas ao extrativismo. A rápida ruptura da Frente Amplio, cuja liderança compartilhou com Marcos Arana, um lutador histórico contra o extrativismo mineiro e líder da Tierra y Libertad, matou a possibilidade de construir uma esquerda mais ampla e pluralista que lutaria contra o neoliberalismo e o extrativismo ao mesmo tempo. E embora Mendoza tenha criado seu próprio partido, Nuevo Perú, e crescido em visibilidade pública nacional e internacional, a verdade é que, no primeiro turno destas eleições de 2021, as eleições do Bicentenário, ela perdeu uma parte importante de seu eleitorado, e foi deixada para trás no quinto lugar.

Em seu lugar surgiu a figura de Pedro Castillo, um humilde professor e líder sindical, membro das patrulhas camponesas e conhecido por seu papel nas greves dos professores de 2017, que obteve 19% dos votos, no primeiro turno, em abril deste ano. Castillo, originário da província de Cajamarca, foi convidado para o partido Peru Libre, que alega ser marxista e mariateguista.

Se nos perguntássemos que tipo de esquerda Castillo ilustra, sem dúvida responderíamos, uma esquerda tradicional, social e sindicalista, até agora de âmbito regional. Em seu programa "Peru ao Bicentenário sem corrupção" aparecem os apelos de ordem política (transparência), saúde (saúde como direito e um plano contra a pandemia de Covid 19). O núcleo duro é anti-neoliberal: relançamento do emprego e da economia popular, o início de uma segunda reforma agrária, gás para todos, um novo imposto sobre os lucros extraordinários, entre outros. Por outro lado, em seu discurso não há nem exigências de igualdade de gênero, nem exigências ambientais, nem a plurinacionalidade associada aos povos indígenas, todas elas narrativas das esquerdas intersetoriais e democráticas do século XXI.

Castillo, muitos lembram, é um líder sindical, acostumado a fazer lobby e negociar, mais pragmático que ideológico. No segundo turno, ele tentou se distanciar do fundador do Perú Libre (Vladimir Cerrón, acusado de corrupção) e procurou novos apoios, inclusive de parte do Nuevo Perú, liderado por Mendoza.

A possibilidade de uma vitória do Castillo gerou pânico entre as elites. Como nunca antes, ela reativou a campanha do medo a um nível antediluviano. Quase todos os meios de comunicação se alinharam contra o "comunista" Castillo, recusando-se até mesmo a transmitir seus eventos ou comícios, ao mesmo tempo em que dava cobertura total a sua rival, Keiko Fujimori, que apesar de seus endossos democráticos nulos e seus casos legais de lavagem de dinheiro, tornou-se ipso facto a favorita dos setores hegemônicos, em nome da "democracia". Como aponta o pesquisador Raphael Hoetmer, a nível internacional, o que aconteceu só pode ser comparado ao plebiscito de 1988 promovido pelo ditador Augusto Pinochet, que, como sabemos, acabou se voltando contra ele.

Não devemos esquecer que, por baixo e nas ruas, o Peru é um país socialmente muito mobilizado em torno de diferentes questões, como contra o extrativismo mineiro (há numerosos movimentos e organizações sociais e o conflito ambiental é muito alto); marchas de caráter anti-repressivo e contra a corrupção, como demonstram as recentes mobilizações de dezembro de 2020, com grande destaque para os jovens, que deram origem à chamada "Geração do Bicentenário". Há muitas questões pendentes a serem tratadas pelo novo Congresso Nacional, como a ratificação do Acordo de Escazú (um tratado regional que garante o acesso à informação e a proteção dos defensores do meio ambiente), bloqueado pelos partidários  de Fujimori e pelo setor de mineração. Os conflitos persistiram em tempos de pandemia e a pressão dos setores de mineração e sua demanda por protocolos mais flexíveis significou que em julho de 2020 o número de infecções no setor de mineração já havia atingido 3.000. Lembremos que o Peru tem atualmente 185.000 mortes, o que o torna o país com a maior taxa de mortalidade por covid-19 em relação à sua população.

Ainda não sabemos quem será o próximo presidente do Peru. A contagem rápida conduzida pela IPSOS mostrou 50,2% a favor do Castillo. Os resultados oficiais mostram uma vantagem mínima para Keiko Fujimori (com 90,49% dos votos contados, ela tem 50,35% contra os 49,64 de Castillo). O voto emitido aprofunda a forte divisão social e regional que existe, por um lado, entre os Andes e o Sul, que apoia maciçamente Castillo; por outro lado, a costa e Lima, onde Fujimori vence. Mas ainda temos que contar o voto rural e da floresta, o que beneficiaria Castillo e poderia mudar a eleição, e o voto do exterior, que é mais favorável a Keiko Fujimori.

O que sabemos é que Castillo gerou uma reação desproporcional contra ele por parte das elites e da mídia; tanto que hoje muitos no Peru estão se perguntando qual será a resposta política e econômica dos setores hegemônicos diante de um possível resultado tão adverso quanto próximo. É verdade que é difícil imaginar para onde iria a administração de Castillo, em um país tão politicamente instável, tão desigual e turbulento, tão racista e fechado em suas elites, mas também com esquerdas institucionais de vistas curtas e tão fragmentadas. Mas a seu favor, deve-se dizer que Castillo conseguiu outro tipo de alinhamento, o voto de uma grande parte daqueles setores que procuram imaginar um Peru diferente, digno e igualitário, além das deficiências óbvias do candidato e de sua escassa vocação interseccional.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK