Voltar ao site

Mike Davis: O monstro já está aqui

· Sem Fronteiras,Últimos artigos

Mike Davis acaba de publicar The Monster is Here (O monstro está aqui), um livro sobre a pandemia, os sistemas de saúde e as desigualdades provocadas pelo capitalismo. A obra retoma as previsões feitas pelo mesmo autor no seu livro The Monster is Knocking on our Door (O monstro bate à nossa porta), publicado há pouco mais de uma década. Nesta entrevista, Davis afirma que viveremos numa era de múltiplas pandemias e afirma que o atual sistema não será capaz de as enfrentar.

Josefina Martinez entrevista Mike Davis, Nueva Sociedad/Esquerda.net, 2 de setembro de 2020

Fala-se muito sobre a origem dos coronavírus. Como se relaciona com a agricultura industrial e o papel das multinacionais? São estas as novas pragas do capitalismo?

Sabemos que o vírus pandêmico, SARS-CoV-2, teve origem em morcegos, tal como a SARS inicial, em 1992-1993. Um quarto de todos os mamíferos são morcegos - cerca de 1.500 espécies - e abrigam uma incrível variedade de vírus, incluindo centenas de coronavírus, que têm o potencial de saltar para os humanos, quer diretamente ou através de um animal selvagem atuando como intermediário. A cadeia de transmissão do vírus atual não é conhecida e, de facto, pode nunca ser conhecida, mas a expansão contínua de culturas e explorações agrícolas na natureza selvagem da China é provavelmente um fator chave, juntamente com a tradição cultural de consumo de morcegos e animais exóticos.

No caso de novas gripes - que continuam a representar um risco iminente - o crescimento exponencial da produção industrial de suínos e galinhas no Sudoeste Asiático e noutros locais amplificou enormemente esta ameaça pandêmica. Os porcos, que podem ser hospedeiros de uma infecção dupla de estirpes de gripe aviária e humana, são reatores biológicos chave, uma vez que segmentos do genoma de dois vírus podem por vezes recombinar-se para criar híbridos monstruosos. As indústrias avícolas, por outro lado, atuam como aceleradores virais para a propagação destas novas estirpes.

À escala global, a desflorestação é a marretada que derruba os muros entre a natureza selvagem e as suas enormes reservas de vírus, por um lado, e as cidades humanas superpovoadas, por outro. Um exemplo citado no meu livro é o caso da região costeira da África Ocidental, a área mais rapidamente urbanizada do planeta. Tradicionalmente, as aldeias e cidades dependiam do peixe como a principal fonte de proteínas. Mas a partir dos anos 80, as frotas industriais da Europa e do Japão extraíram cerca de metade do peixe do Golfo da Guiné. Os pescadores locais perderam os seus meios de subsistência e os preços do peixe subiram em flecha nos mercados urbanos.

Ao mesmo tempo, empresas multinacionais de madeira serravam o seu caminho através das florestas tropicais do Congo, Gabão e Camarões. A fim de manter baixos os custos de mão-de-obra, contrataram caçadores para matar animais selvagens, incluindo primatas, para alimentar os bandos. Esta "carne do mato" depressa encontrou uma enorme procura nas cidades ávidas de proteínas, especialmente entre as populações de favelas que vivem em condições sanitárias terríveis. Esta cadeia causal - o esgotamento da pesca sustentável, a limpeza de florestas que derrubaram barreiras naturais entre populações humanas e vírus selvagens, o aumento da caça em grande escala de animais selvagens para fornecer carne aos mercados urbanos e o crescimento exponencial dos bairros de lata - foi a receita principal para o aparecimento tanto do vírus da imunodeficiência humana (VIH) como do Ébola.

Há quinze anos escreveu The Monster Is Knocking at Our Door: The Global Threat of Bird Flu. Desde então, numerosos estudos alertaram para a possibilidade de uma pandemia. Porque é que chegamos a este ponto quase sem prevenção e sem o desenvolvimento de investigação científica adequada para combater este tipo de vírus?

Na verdade, nos últimos 25 anos houve uma enorme quantidade de investigação e preparação para uma pandemia. De certa forma, tudo estava previsto, mas alguns países recusaram-se a dar ouvidos aos avisos ou, como os Estados Unidos sob Donald Trump, desmantelaram deliberadamente estruturas cruciais para o alerta precoce e o controlo. Além disso, o Reino Unido, os Estados Unidos e alguns países europeus tinham reduzido drasticamente as despesas com a saúde pública, quer por razões ideológicas, quer devido a medidas de austeridade pós-2008. Nos Estados Unidos, por exemplo, enfrentamos o surto no final de Janeiro com menos 60.000 trabalhadores de saúde do que os que estavam contratados pelos governos estatais e locais em 2007.

Entretanto, a grande indústria farmacêutica tem continuado a dificultar o desenvolvimento de antivirais, antibióticos de nova geração e vacinas genéricas urgentemente necessários. No Outono passado, o próprio Conselho de Assessores Económicos de Trump avisou-o que não se podia contar com as grandes empresas farmacêuticas numa crise pandêmica, uma vez que geralmente tinham abandonado o desenvolvimento de medicamentos para doenças infecciosas, a menos que o governo federal interviesse com milhares de milhões de dólares em subsídios.

Por outro lado, as pequenas empresas de biotecnologia pioneiras em novos medicamentos e vacinas foram privadas do capital necessário para levar as suas descobertas às fases finais de teste e produção. Após o surgimento da SARS em 2003, por exemplo, um consórcio de laboratórios no Texas tinha desenvolvido uma potencial vacina contra o coronavírus que ninguém estava disposto a financiar. Se tivesse sido desenvolvida, dada a correspondência de 80% entre os genomas da SARS-1 e da SARS-2, poderia ter sido uma excelente base para a produção acelerada de uma vacina contra a covid-19.

Mais importante ainda, a maioria dos países do leste asiático, tanto autocráticos como democráticos, conseguiram conter a pandemia até agora graças a planos de resposta bem preparados (um legado das anteriores crises da SARS e da gripe aviária), a ampla aceitação da liderança científica, a aceleração imediata da produção de máscaras e ventiladores e, um fator-chave que tem sido largamente ignorado, a capacidade de mobilizar grandes exércitos de trabalhadores e voluntários para responderem a nível de base. Apesar do seu estatuto de nação em vias de desenvolvimento e da escassez de médicos, o sucesso do Vietname tem sido notável e é provavelmente o resultado da combinação de laboratórios de classe mundial (os Institutos Pasteur em Hanói e na cidade de Ho Chi Minh) com uma rede nacional de trabalhadores da saúde pública ao nível da aldeia e do bairro.

O calcanhar de Aquiles do pré-planeamento em muitos países ricos tem sido contar exclusivamente com profissionais de saúde, quando a educação pública universal sobre ameaças de doenças e a organização de uma reserva de voluntários com formação são quase tão importantes no combate às tempestades virais. Como a tragédia nos obriga a compreender, não vivemos numa pandemia, mas numa era de pandemias.

O discurso dos governos é que desta pandemia "saímos todos juntos", mas a realidade é que o vírus compreende o racismo e o capitalismo. Como é que esta crise afeta os trabalhadores precários, os latinos e os afro-americanos?

Diferentes países, naturalmente, diferem muito em termos de acesso a cuidados de saúde a preços acessíveis, indicadores de desigualdade de rendimentos, e legados estruturais de discriminação racial e étnica. Entre as nações de alto rendimento, os Estados Unidos têm a pior pontuação em todas as três categorias. Mas mesmo em países com cuidados de saúde universais e níveis de desigualdade muito mais baixos, as populações vulneráveis foram deixadas desprotegidas e muitas vezes invisíveis na atual crise.

Os lares de idosos tornaram-se casas mortuárias em ambos os lados do Atlântico, e são a fonte de 40% a 50% das mortes de covid-19 em muitos países. Nos Estados Unidos, onde o número dessas vítimas já ultrapassa as 50.000, estima-se que metade sejam afroamericanos. É aqui que as vidas negras parecem ser o menos importante.

Se os peritos em saúde pública sabiam que estas instalações se tornariam rapidamente focos de infecção, porque é que os governos nacionais e locais não criaram imediatamente forças especiais para intervir, e porque é que as ONG e os partidos políticos progressistas não fizeram disto uma exigência vigorosa? As mesmas questões, naturalmente, devem ser colocadas sobre prisões e campos de refugiados. A atitude passiva das autoridades só pode ser caracterizada como negligência criminosa.

A crise também tornou visível a importância dos "trabalhadores essenciais" para o funcionamento da sociedade. E são os mais expostos ao contágio.

Aqueles que agora reconhecemos como "trabalhadores e trabalhadoras essenciais" face à pandemia incluem tudo, desde cientistas de investigação a porteiros e trabalhadores de cuidados domiciliários. Para além de todas as categorias de pessoal médico, milhões de pessoas trabalham na agricultura e na indústria de refrigeração, na venda e distribuição de alimentos, em serviços públicos tais como transporte, vigilância e saúde, e na indústria logística (armazenamento e entrega). Estes são precisamente os setores que têm as percentagens mais elevadas de trabalhadores minoritários com baixos salários, imigrantes recentes e trabalhadores temporários.

Nos Estados Unidos, quase metade destes trabalhadores são negros, latinos ou asiáticos, e a menos que pertençam a um sindicato, é pouco provável que tenham um seguro de saúde adequado (ou qualquer outro). Muitos passaram longos períodos sem tratamento para doenças que teriam sido tratadas rotineiramente se tivessem seguro de saúde, e por isso sofrem de doenças crônicas como a asma e a diabetes. Os seus empregos estão entre os mais perigosos, tendem a trabalhar mais horas, e para aqueles com baixos rendimentos, vivem nas piores condições de habitação. Durante seis meses enfrentaram o mais alto grau de exposição à ameaça do coronavírus, geralmente sem equipamento de proteção ou o direito de se queixarem das más condições de trabalho.

Estes trabalhadores foram completamente traídos pela Administração de Segurança e Saúde no Trabalho (OSHA) - uma agência do Departamento do Trabalho dos EUA - que se recusou a implementar normas obrigatórias para proteger os trabalhadores ou a abordar os milhares de queixas que foram oficialmente apresentadas. É por isso que a indústria de embalamento de carne no Midwest, onde a maioria dos trabalhadores são minorias ou imigrantes recentes, tem sido tão devastada pela covid-19. E é por isso que os trabalhadores americanos já fizeram greve ou organizaram protestos furiosos mais de 500 vezes desde abril.

Neste contexto, que papel estão a desempenhar empresas como a Amazon?

O alvo frequente dos protestos tem sido a Amazon, o maior especulador com a pandemia, que tem violado notoriamente os direitos dos trabalhadores. A riqueza pessoal de Jeff Bezos aumentou uns astronômicos 33 bilhões de dólares entre março e abril, enquanto que a empresa se tornou um canal importante para a entrega de alimentos e de bens de primeira necessidade a famílias confinadas em casa. Ao mesmo tempo, apressou-se a ocupar permanentemente os espaços vazios deixados pelo encerramento de tantos milhares de pequenos estabelecimentos comerciais (uma estimativa comum na imprensa internacional especializada é que um quarto das pequenas lojas afetadas na Europa e nos Estados Unidos nunca voltarão a abrir portas).

Os Democratas, com exceção de Elizabeth Warren, não abordaram os problemas colocados pelo crescente poder monopolista da Amazônia. Durante as duas guerras mundiais do século passado, os "lucros extraordinários” das grandes empresas da indústria de armamento foram tributados com sucesso, mas os líderes Democratas recusaram-se a considerar uma regulamentação semelhante para a Amazon ou para as grandes empresas farmacêuticas. No final do ano, a economia dos Estados Unidos parecer-se-á ainda mais a sociedade capitalista pura e dura descrita por Fritz Lang no seu famoso filme Metrópolis.

No seu livro Planeta favela, analisa o fenômeno das gigantescas metrópoles onde a superpopulação e a sobrelotação são a norma. Poderá haver direito à saúde nestas condições da geografia urbana capitalista?

Desde o início do século XX, tem havido um debate essencial e recorrente sobre como controlar epidemias à escala global. A posição dos EUA, apoiada pelos enormes recursos da Fundação Rockefeller, centrou-se em travar guerras contra doenças específicas com recursos maciços centrados no desenvolvimento e distribuição de vacinas. Estas cruzadas pelas vacinas conduziram a grandes sucessos (varíola e poliomielite) e igualmente a grandes fracassos (malária e SIDA). A abordagem baseada em intervenções técnicas específicas para cada doença salvou vidas, mas não altera as condições sociais que promovem as doenças.

A outra vertente do debate deu prioridade ao investimento em infra-estruturas de cuidados de saúde primários nas regiões e países mais pobres. Inspira-se nas ideias de "medicina social" propostas pelo grande patologista alemão Rudolf Virchow na década de 1880 e amplamente adotadas no século XX pelos partidos de esquerda, bem como por um largo espetro de reformadores que queriam reorientar a medicina para a prevenção de doenças juntamente com reformas sociais radicais.

Durante grande parte do período pós-guerra, a Organização Mundial de Saúde (OMS) foi dominada pelos Estados Unidos e pelo paradigma Rockefeller, mas os defensores da medicina social obtiveram uma grande vitória em 1978 quando a OMS emitiu a "Declaração de Alma-Ata", que afirmava que o acesso a cuidados de saúde de qualidade era um direito humano universal. Foi adotado um plano de campanha que sublinhou a importância da participação da comunidade e uma abordagem a partir de baixo para alcançar "saúde para todos até ao ano 2000". Mas a contra-revolução neoliberal que se seguiu à eleição de Margaret Thatcher e Ronald Reagan transformou esta declaração em letra morta.

A covid-19 está a revelar até que ponto existem duas humanidades imunologicamente diferenciadas. Nas nações ricas, cerca de um quarto da população insere-se na categoria de alto risco devido à idade e a problemas de saúde crônicos, frequentemente relacionados com a raça e a pobreza. Em contraste, em países de baixo rendimento e em muitos países de rendimento médio, entre metade e três quartos da população está em risco. O co-fator mais importante é a diminuição da imunidade devido à má nutrição, infeções gastrointestinais generalizadas e doenças não controladas e não tratadas, tais como a malária e a tuberculose.

1,5 mil milhões de pessoas vivem atualmente em bairros de lata em África, Ásia do Sul e América Latina, que são as incubadoras perfeitas para a doença. Sabemos que a pandemia está aí fora de controlo, mas permanece em grande parte invisível nas atuais estatísticas fragmentadas. E se a Europa mostrar alguma vontade de partilhar eventuais reservas de vacinas com países pobres, o governo Trump demonstrou recentemente, ao comprar todas as reservas mundiais da droga Remdesivir, que não tem qualquer intenção de partilhar nada. America First significa África por último.

Em campanhas recentes, a corrente progressista do Partido Democrata ignorou largamente estas questões de saúde global e pobreza. Também defraudou as expetativas dos seus apoiantes. Há algumas semanas foi anunciado que as negociações entre os setores de Joe Biden e Bernie Sanders resultaram numa plataforma democrática que fica muito aquém do "seguro de saúde universal", a exigência central da campanha Sanders, apesar de a pandemia e o colapso económico terem provado um milhão de vezes a sua urgente necessidade.

Artigo publicado em Nueva Sociedad, julio-agosto 2020 e republicado no portal Sin Permiso(link is external). Traduzido por Raquel Azevedo para o esquerda.net.

Mike Davis nasceu na cidade de Fontana, Califórnia, em 1946. Abandonou os estudos precocemente, aos dezasseis anos, devido a uma grave doença do pai. Trabalhou como talhante, motorista de camião e militou no Partido Comunista da Califórnia meridional antes de regressar à sala de aula. Aos 28 anos, ingressou na Universidade da Califórnia de Los Angeles (Ucla) para estudar economia e história. Atualmente, mora em San Diego, é um reconhecido professor no departamento de Creative Writing na Universidade da Califórnia, em Riverside, e integra o conselho editorial da New Left Review. Autor de vários livros, entre eles Planeta favela(link is external), Apologia dos bárbaros(link is external) e Cidade de quartzo(link is external). O autor também colabora com o livro de intervenção Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil(link is external).

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK