Voltar ao site

Mike Davis: Velhos deuses, novos enigmas 2

· Sem Fronteiras,Formação,Vale a pena ler,Mundo do Trabalho

Mike Davis, O comuneiro n.28, março de 2019

Sobredeterminações

7.

O movimento operário pode e deve enfrentar o poder do capital em todos os aspetos da vida social, organizando a resistência nos terrenos do económico, do político, do urbano, do social-reprodutivo e do associativo. É a fusão ou síntese dessas lutas, ao invés de sua simples adição, que investe o proletariado com agência histórica.

Marx e Engels, por exemplo, acreditavam claramente que a consciência socialista das massas seria uma liga dialética do económico e do político, de batalhas épicas sobre direitos, bem como sobre salários e jornadas de trabalho, de amargas lutas locais e grandes causas internacionais. Desde a formação da Liga Comunista em 1847, eles argumentaram que o trabalho assalariado constituía a única força social séria capaz de apresentar e prosseguir um programa democrático consistente de sufrágio e direitos, assim fornecendo a cola hegemónica para unir uma ampla coligação de trabalhadores, camponeses pobres, minorias nacionais e estratos radicalizados da classe média. Enquanto a mente da pequena burguesia liberal facilmente amputou os direitos políticos das queixas económicas, a vida dos trabalhadores refutou qualquer distinção categórica entre opressão e exploração. O "crescimento" da democracia política para a económica e da luta de classes económica para a questão do poder estatal - o processo que Marx caracterizou como "revolução permanente" nos contextos de 1848 e do Cartismo - foi o principal motivo de uma crise pré-revolucionária.

Mas porque as lutas económicas e os conflitos políticos são sincronizados apenas episodicamente - geralmente durante a depressão ou a guerra -, havia também uma forte tendência à sua bifurcação. As ilusões inversas, mas simétricas, do economicismo/sindicalismo (progresso apenas da organização económica) e do cretinismo parlamentar (reformas sem apoderamento no local de trabalho) sempre exigiram uma limpeza regular no jardim vermelho. Assim, para Rosa Luxemburgo, a lição central da revolução de 1905 na Rússia foi a necessidade de entender o económico e o político como momentos de um único processo revolucionário:

“Numa palavra: a luta económica é o transmissor de um centro político para um outro; a luta política é a fertilização periódica do solo para a luta económica. Causa e efeito aqui mudam continuamente de lugar; e assim o fator económico e o político, no período da greve de massas, agora amplamente distintos, completamente separados, ou mesmo mutuamente excludentes, como o plano teórico os conceberia, formam apenas os dois lados entrelaçados da luta de classes proletária na Rússia. E a sua unidade é precisamente a greve de massas. Se a sofisticada teoria propõe fazer uma inteligente dissecação lógica da greve de massas com o propósito de chegar à «greve de massas puramente política», será por essa dissecação, como com qualquer outra, que não se percebe o fenômeno em sua essência viva, mas vai matá-lo completamente” (53).

No seu notável livro sobre a construção da classe trabalhadora coreana, a mais militante da Ásia, Hagen Koo enfatiza o diálogo contínuo entre as lutas de base na fábrica e a resistência populista ao Estado: um exemplo moderno da sobredeterminação do económico pelo político e vice-versa - e, neste caso, também pelo indigenismo cultural. Sem tradição herdada da classe trabalhadora e confrontados com um regime repressivo e pró-patronal dotado de um enorme aparato de segurança, os trabalhadores coreanos, em especial mulheres jovens nas indústrias manufatureiras leves, extraíram força inesperada da sua aliança com o extraordinário movimento de minjung (massas) surgido em meados da década de 1970:

“Esse amplo movimento populista foi dirigido por intelectuais e estudantes dissidentes e visava forjar uma ampla aliança de classes entre trabalhadores, camponeses, moradores urbanos pobres e intelectuais progressistas contra o regime autoritário…. Introduziu nova linguagem política e atividades culturais reinterpretando a história coreana e reapropriando-se da cultura indígena da Coreia do ponto de vista do minjung.… Assim, cultura e política têm papéis críticos na formação da classe trabalhadora sul-coreana, não nos papéis habituais a ela atribuídos na literatura sobre desenvolvimento do Leste Asiático - como fatores de docilidade e quietude laboral - mas como fontes de resistência e crescente consciência” (54).

8.

A proximidade espacial na cidade industrial entre produção e reprodução, moinho satânico e favela, reforçou a consciência de classe autónoma. As lutas de classes urbanas, especialmente aquelas que lidavam com emergências de abrigo, comida e combustível, eram tipicamente conduzidas por mães da classe trabalhadora, os heróis esquecidos da história socialista.

O pecado original dos partidos da Segunda Internacional era seu apoio tépido ou mesmo oposição ao sufrágio e à igualdade económica das mulheres. No entanto, como nos lembra David Montgomery, “mulheres casadas, cuidando de seus filhos em bairros sombrios e congestionados, enfrentando credores, funcionários da caridade e a sinistra autoridade do clero eram lembradas da sua pertença de classe tão regularmente quanto os seus maridos, filhas e filhos (55). As mães, além disso, eram as típicas organizadoras das greves às rendas, das manifestações contra a escassez de combustível e dos tumultos do pão, a forma mais antiga de protesto plebeu. A Revolução Russa de 1917, devemos lembrá-lo, começou no Dia Internacional da Mulher, quando “milhares de donas de casa e mulheres trabalhadoras enfurecidas pelas intermináveis filas de pão se derramaram pelas ruas de Petrogrado, gritando 'Abaixo os altos preços' e 'Abaixo a fome' (56). Na sua analiticamente aguda história do socialismo europeu, Geoff Eley dá à vizinhança de favela igual peso à fábrica na formação da consciência socialista. “Não menos vital eram as formas complexas pelas quais os bairros falavam e reagiam. Se o local de trabalho era uma fronteira de resistência, onde poderia ser imaginada a agência coletiva, a família - ou, mais apropriadamente, as solidariedades de bairro da classe trabalhadora, criadas para a sua sobrevivência - era a outra… O desafio para a esquerda era organizar-se em ambas as frentes da desapropriação social” (57).

Poderes

9.

Ler “deflagrou insurreições na mente dos trabalhadores” (58).

A luta em grande parte bem-sucedida pela alfabetização da classe trabalhadora no século XIX, acompanhada por uma revolução tecnológica nos media impressos, trouxe o mundo - como notícias, literatura, ciência ou simplesmente como sensação - para a rotina diária do proletariado.

O rápido crescimento da imprensa trabalhista e socialista no último quartel do século alimentou a consciência política cada vez mais sofisticada nas fábricas, favelas e bairros operários.

Nas formações sociais anteriores, os produtores diretos tinham pouco acesso ou necessidade de aprendizagem formal - geralmente uma prerrogativa da igreja ou de uma classe de escribas -, mas a Revolução Francesa gerou um apetite popular insaciável por alfabetização e educação. Os trabalhadores industriais, assim, herdaram uma rica tradição autodidata dos intelectuais artesãos de Paris e Lyon, que foram os pioneiros do socialismo, e de seus colegas ingleses, que adaptaram a economia política clássica à agenda do Cartismo. Como Marx sempre reconheceu, o desenvolvimento da “teoria do valor-trabalho” ricardiana no sentido de uma crítica poderosa da exploração, geralmente atribuído a ele, foi realmente alcançado por intelectuais plebeus como John Bray, o tipógrafo nascido na América, o operário escocês John Gray, bem como o marinheiro sentenciado em tribunal marcial e jornalista rebelde Thomas Hodgskin. Da mesma forma, vários dos cientistas ingleses mais importantes do século XIX eram plebeus autodidatas, nomeadamente Michael Faraday (um aprendiz de encadernador), Alfred Russell Wallace (agrimensor) e o teórico da Idade do Gelo, James Croll (empregado universitário).

Por volta de meados do século, largos setores da classe trabalhadora, especialmente na Inglaterra e nos Estados Unidos, estavam tão avidamente a par das notícias e eventos da atualidade quanto as classes médias. De facto, os jornais, escreveu Marx nos Manuscritos de 1861-63, agora “fazem parte dos meios necessários para a subsistência do trabalhador urbano inglês” (59). No início dos anos 1840, os cartistas, por si sós, publicaram mais de cem brochuras e revistas (60). O próprio Marx, é claro, foi um jornalista (como também Trotsky) - o único emprego que ele alguma vez teve - e o surgimento de partidos socialistas de massas no final do século XIX teria sido inimaginável sem o dramático crescimento da imprensa operária e da contranarrativa da história contemporânea que ela apresentou.

Em Dez dias que abalaram o mundo, John Reed ficou maravilhado com a guerra de imprensa entre classes e frações:

“Em todas as cidades, na maioria das vilas, ao longo da frente, cada fação política tinha o seu jornal - por vezes vários. Centenas de milhares de panfletos foram distribuídos por milhares de organizações e despejados nos exércitos, nas aldeias, nas fábricas e nas ruas. A sede de educação, por tanto tempo frustrada, explodiu com a revolução num furor de expressão. Só do Instituto Smolny, nos primeiros seis meses, saíam todos os dias toneladas de literatura, camionetas e comboios carregados dela, saturando a terra. A Rússia absorveu material de leitura como a areia quente bebe água, insaciável” (61).

10.

O proletariado, disse Wilhelm Liebknecht aos socialistas alemães, era o "portador da cultura moderna" (62). O seu interesse pela ciência, em particular, prefigurou o papel do trabalho numa futura comunidade.

Da mesma forma, trabalhadores vitorianos lotavam salas de leitura, institutos de mecânica, bibliotecas baratas, ateneus e auditórios públicos. Os institutos de mecânica, inspirados pelas famosas palestras do Dr. George Birkbeck aos artesãos de Glasgow de 1800 a 1804, alimentaram a fome popular de entender a ciência das novas máquinas e motores principais. O primeiro instituto foi criado em Glasgow em 1821; quando Marx se mudou para o Soho, havia mais de setecentos (63).

Na década de 1850, as secções cientificamente letradas das classes trabalhadoras ofereciam enormes audiências para controvérsias na vanguarda do conhecimento, especialmente durante a guerra cultural que se seguiu à publicação de A Origem das Espécies. Os mecânicos e artesãos londrinos que se reuniram nas Palestras a Trabalhadores de Thomas Huxley, foram, segundo o próprio Huxley, “tão atentos e inteligentes quanto o melhor público a quem eu já lecionei… Evitei deliberadamente a impertinência de falar com eles de cima para baixo” (64). Wilhelm Liebknecht, o veterano de 1848, mais tarde fundador do SPD, recordou com carinho ter assistido com Karl Marx a seis dessas palestras, ficando depois acordado toda a noite discutindo Darwin com entusiasmo. Todo o lar de Marx, de facto, foi apanhado pelos grandes debates. (A Sr.ª) Jenny Marx gabou-se a um amigo suíço da extraordinária popularidade das “Noites de domingo para o povo”. “Em relação à religião, um grande movimento está atualmente em desenvolvimento na velha e abafada Inglaterra. Os principais homens de ciência, com Huxley (o discípulo de Darwin) à frente, juntamente com Tyndall, Sir Charles Lyell, Bowring, Carpenter, etc., dão palestras muito esclarecedoras, verdadeiramente livres e ousadas, para as pessoas no St. Martin's Hall (de gloriosa memória valsante) e, o que é mais, nas tardes de domingo, exatamente no momento em que os cordeiros geralmente pastam nos pastos do Senhor; o salão estava cheio e o entusiasmo do povo era tão grande que, na primeira noite, quando fui para lá com as meninas, duas mil pessoas não conseguiram entrar na sala, que estava lotada” (65).

11.

O proletariado organizado possui poderes sem precedentes de rotura económica e sócio-espacial. A greve geral era a "bomba atómica" da classe trabalhadora vitoriana.

O sistema fabril e o mercado mundial dão origem a nós geoestratégicos cruciais como redes ferroviárias, cadeias de abastecimento para a produção, redes elétricas, centros de ferramentas e matrizes, complexos da indústria bélica e assim por diante, cuja toma ou paralisação, por grupos relativamente pequenos de trabalhadores, podem paralisar economias inteiras. A greve de massas, iniciada por meio milhão de mineiros britânicos e trabalhadores têxteis em 1842 (os motins de Plug), era rara na época de Marx, tornando-se porém cada vez mais comum no final do século, com a greve geral belga (pelo sufrágio universal) em 1893 e a greve Pullman em 1894, apenas alguns meses antes da morte de Engels. Os radicais europeus e norte-americanos, no entanto, dividiram-se sobre as dinâmicas sociais e as implicações estratégicas de tais revoltas. Para Bernstein e outros “revisionistas” na Segunda Internacional, o advento da greve geral ratificou a crença num caminho pacífico para a revolução, com o poder sindical mobilizado para garantir que uma futura maioria social-democrata pudesse implementar a sua plataforma no Parlamento, de forma não violenta. (Na verdade, o próprio Marx especulara precisamente sobre a existência de uma tal possibilidade na Inglaterra e talvez nos Estados Unidos).

Para os anarco-sindicalistas, por outro lado, a greve geral prometia libertar a espontaneidade militante e a imaginação social muito para além da capacidade que os políticos socialistas e os chefes sindicais têm para a canalizar e controlar. No limite, Georges Sorel teorizou a greve geral como a porta apocalíptica para um novo mundo e o necessário "mito em que o socialismo se encontra totalmente compreendido" (66).

Rosa Luxemburgo, no entanto, rejeitou as interpretações revisionistas e sindicalistas das grandes ondas grevistas do início do século XX. Analisando a primeira revolução russa, bem como as enormes manifestações socialistas contemporâneas por sufrágio universal na Europa Central, ela escreveu que a greve não era "um ato isolado, mas um período inteiro da luta de classes", no qual, “a incessante ação recíproca entre as lutas políticas e económicas” criou cenários explosivos e imprevisíveis que desafiaram a extraordinária inventividade dos militantes de base. Ela foi uma das primeiras socialistas a prestar atenção à microestrutura da radicalização proletária (aquilo que Trotsky mais tarde designaria como "o trabalho molecular do pensamento revolucionário") e, longe de construir um culto fetichístico da espontaneidade, como muitas vezes foi acusada, as suas cruciais reflexões sobre a auto-organização proletária faziam parte de uma crítica devastadora da auto-imagem que o SPD fazia dos seus dirigentes eleitos como o quartel-general de um exército obediente de sindicalistas e eleitores socialistas (67). (Ironicamente, foi Lenine, não Luxemburgo, quem afirmou, à luz das insurreições de 1905, que os trabalhadores eram "instintivamente, espontaneamente, social-democratas") (68).

12.

Os trabalhadores podem administrar as fábricas. Até à Primeira Guerra Mundial, grande parte da ciência da produção aplicada continuava sendo quase propriedade dos metalúrgicos e de outros artesãos.

Dada a especialização inerente à divisão industrial do trabalho e a perda de habilidades complexas que acompanham a mecanização do processo de trabalho, onde encontrarão os trabalhadores a competência para administrar a economia numa comunidade socialista? Em Os Princípios do Comunismo, Engels é contundente. “A gestão comum da produção não pode ser efetuada pelas pessoas como elas são hoje, cada uma delas sendo designada para um único ramo de produção, algemada a ele, explorada por ele, cada uma delas tendo desenvolvido apenas uma das suas habilidades à custa de todas as outras, conhecendo apenas um ramo, ou apenas um galho de um ramo da produção total”. A sua solução foi um sistema de educação universal que desenvolvesse indivíduos com competências multifacetadas. “A organização comunista da sociedade dará aos seus membros a possibilidade de um exercício polivalente de habilidades que receberam um desenvolvimento integral” (69).

Mas como seria, então, colmatada a lacuna entre a força de trabalho desqualificada do capitalismo e a de uma sociedade socialista polivalente? A resposta, que Engels não fornece, era a nova elite de desenhadores, modelistas, instaladores, torneiros e outros trabalhadores metalúrgicos de precisão trazidos pela Revolução Industrial. A progressiva subordinação da maioria da força de trabalho à maquinaria foi acompanhada pelo aumento do conhecimento e do poder negocial dos trabalhadores que construíram, instalaram e mantiveram as máquinas: um fenómeno que David Montgomery caracterizou como "o cérebro do gestor sob o boné do operário". Embora as suas habilidades fossem novas, o seu controlo do conhecimento artesanal, em grande parte secreto, era padronizado de acordo com os artesãos a quem haviam sucedido, com longos aprendizados, rituais tribais e padrões estritamente mantidos de uma “justa jornada de trabalho” (70). Antes de os engenheiros de formação universitária se tornarem uma parte crucial da hierarquia industrial, nas décadas de 1910 e 1920, e de a administração científica captar e decompor substancialmente o conhecimento artesanal, o controlo capitalista completo do processo de trabalho (a "apropriação real", nos termos de Marx) era impossível (71).

Os ofícios do metal ocupavam uma posição crítica, mas frequentemente ambígua, no movimento trabalhista como um todo. Nelson Lichtenstein observa: “Por causa de sua autoconfiança e do seu lugar vital na ordem de produção, artesãos qualificados podiam ser encontrados na vanguarda daqueles que representavam um desafio radical à ordem industrial existente e, quase simultaneamente, também entre aqueles trabalhadores que eram mais empreendedores e ciosos da sua carreira na sua mentalidade” (72). Antes da Primeira Guerra Mundial, relutavam em se juntar às lutas dos semiqualificados, mas durante os cataclísmicos anos de 1917 a 1919 - quando mulheres e jovens eram recrutados em massa para as fábricas de guerra - os metalos forneceram liderança aos movimentos de conselhos de trabalhadores em Barcelona, Berlim, Glasgow, Seattle e Viena, bem como aos partidos proto-comunistas que emergiram das greves gerais e insurreições. Em Petrogrado, de 1917, brevemente em Turim, em 1920, e novamente em Barcelona, em 1936 e 1937, comités de trabalhadores e delegados sindicais revolucionários administraram as fábricas por conta própria, confirmando os piores pesadelos dos patrões (73).

Uma classe para si

13.

Devido à sua posição na produção social e à universalidade de seus interesses objetivos, o proletariado possui uma “capacidade epistemológica” superior para ver a economia como um todo e desvendar o mistério do aparente movimento do capital (ver as teses de Lukács).

A burguesia e o proletariado são as únicas “classes puras” da sociedade moderna, mas não são simétricas na sua formação interna ou na sua capacidade para a consciência. A competição entre empresas e setores é a lei do capitalismo, mas a competição entre trabalhadores pode ser melhorada pela organização. Marx foi explícito: “Se todos os membros da burguesia moderna têm os mesmos interesses, na medida em que formam uma classe contra outra classe, eles têm interesses opostos e antagónicos na medida em que se colocam face a face uns contra os outros” (74). O interesse próprio racional, argumentou Lukács, seguindo Marx, significa que os proprietários individuais de capital “não podem ver e são necessariamente indiferentes a todas as implicações sociais de suas atividades”. O “véu estendido sobre a natureza da sociedade burguesa” - isto é, a negação de sua própria historicidade - “é indispensável à própria burguesia… Desde muito cedo, a história ideológica da burguesia não passava de uma resistência desesperada a todos os vislumbres sobre a verdadeira natureza da sociedade que ela criara e, portanto, a uma compreensão real de sua situação de classe” (75). Para além disso, assim que o capital teve de confrontar um proletariado em ascensão, tirou a sua toga republicana e, pelo menos no continente, correu para os braços do absolutismo ou abraçou ditadores como Napoleão III e, mais tarde, Mussolini, Hitler e Franco.

O proletário, pobre e descamisado, tem melhor visão. “Como a burguesia”, diz Lukács, “tem a vantagem intelectual, organizacional e qualquer outra, a superioridade do proletariado deve residir exclusivamente na sua capacidade de ver a sociedade a partir do centro, como um todo coerente”. Numa famosa, mas variadamente interpretada, passagem de História e Consciência de Classe, ele introduz a ideia de “consciência de classe imputada” - as possibilidades objetivas e amadurecidas que o proletariado deve reconhecer agindo em conformidade, a fim de trazer a revolução. Em períodos pré-crise, entretanto, a classe trabalhadora tende a ser dominada pelas “atitudes pequeno-burguesas da maioria dos sindicalistas” e mistificada pela “separação conceitual e real dos vários teatros de guerra”. (“O proletariado acha a desumanidade económica a que é sujeito mais fácil de entender do que a política, e a política mais fácil do que a cultural” (76).

O principal obstáculo à consciência de classe é, além disso, menos a ideologia burguesa (ou a laboração ponderada dos "aparatos ideológicos de Estado" de Althusser) do que "o real funcionamento quotidiano da economia e da sociedade. Estes têm como efeito causar a internalização das relações mercantis e a reificação das relações humanas” (77). Na depressão e na guerra, porém, as contradições fissuram este palácio cristalino de realidades económicas e políticas reificadas, e o significado profundo do momento histórico “torna-se compreensível na prática”. É finalmente “possível ler da história o curso correto de ação a ser seguido”. Quem é esse leitor? “Os conselhos de trabalhadores trazem consigo a derrota política e económica da reificação” (78).

14.

Uma vontade coletiva revolucionária é cristalizada (e "cursos corretos de ação" decididos) principalmente através da rude democracia direta em períodos de extrema atividade de massas. A consciência de classe não é o programa do partido, mas sim a síntese das experiências proletárias e das lições aprendidas na guerra de classes prolongada.

Se os sindicatos e partidos de esquerda constituíram as instituições quase permanentes da esfera pública proletária, a luta de classes gerou episodicamente formas ad hoc tais como comités de greve geral, conselhos de trabalhadores e sovietes que expandiram dramaticamente a participação popular no debate e na tomada de decisões para incluir o proletariado não partidário e os trabalhadores desorganizados, bem como, em certos casos, os desempregados, os estudantes, as mães da classe trabalhadora e os soldados e marinheiros. Seja em Bremen, Glasgow, Petrogrado ou Winnipeg (com sua greve geral em 1919), a “democracia do movimento” reproduziu muitas das características clássicas de 1792 e 1871: grandes disputas de oratória, audiências indisciplinadas e vozes fortes da plateia, delegados reportando de volta às suas organizações fabris ou de bairro, reuniões durante toda a noite, uma enxurrada de panfletos e manifestos, o trabalho incessante dos comités, a organização de piquetes e guardas de trabalhadores, rumores e batalhas contra os rumores e, é claro, a competição entre partidos e fações.

A previsível oposição de chefes sindicais conservadores e socialistas moderados a táticas radicais, como ocupações de fábricas e greves de massas, e especialmente ao armamento dos trabalhadores, precipitou o surgimento de novas lideranças, muitas vezes a partir das bases anónimas. Um exemplo paradigmático foi o movimento clandestino antiguerra dentro das enormes fábricas de armamentos de Berlim. O núcleo (que, segundo Pierre Broué, "nunca contou com mais de cinquenta membros") era constituído por habilidosos torneiros, partidários da extrema esquerda, que construíram

“um tipo único de organização, nem um sindicato nem um partido, mas um grupo clandestino tanto nos sindicatos como no Partido [SPD]… Eles poderiam colocar em ação, com a ajuda de algumas centenas de homens que influenciavam diretamente, dezenas e centenas de milhares de trabalhadores, permitindo que eles tomassem suas próprias decisões sobre iniciativas ativas… Desconhecidos em 1914, no final da guerra eles seriam os dirigentes aceites dos trabalhadores de Berlim e, apesar da sua relativa juventude, os quadros do movimento socialista revolucionário” (79).

De facto, Broué considerava-os “a melhor gente da social-democracia”. Apesar da lenda de serem um partido ultracentralizado operando com perfeita disciplina conspiratória, os bolcheviques, com apoio maioritário nas grandes fábricas e na frota báltica, eram os promotores mais consistentes da democracia direta no mais amplo movimento revolucionário de 1917. Por exemplo, quando liberais e socialistas moderados propuseram uma Conferência de Estado Democrática para projetar um novo regime parlamentar, Lenine (que acabara de escrever O Estado e a Revolução) pediu uma mobilização total para expandir a participação popular:

“Vamos levar o assunto mais aos que estão abaixo, às massas, aos empregados de escritório, aos trabalhadores, aos camponeses, não apenas aos nossos partidários, mas particularmente àqueles que seguem os socialistas-revolucionários, aos elementos não partidários, aos ignorantes. Vamos elevá-los para que possam fazer um julgamento independente, tomar suas próprias decisões, enviar suas próprias delegações à Conferência, aos Sovietes, ao governo e o nosso trabalho não terá sido em vão, não importa qual venha a ser o resultado a Conferência” (80).

No seu célebre estudo do processo revolucionário em Petrogrado, Alexander Rabinowitch colocou o estereótipo bolchevique de pernas para o ar. Explicando a atratividade do partido para a maioria da classe trabalhadora da cidade, ele apontou para “a sua estrutura interna e método de operações relativamente democráticos, tolerantes e descentralizados, bem como o seu caráter essencialmente aberto e de massas… dentro da organização bolchevique de Petrogrado, em todos os níveis, em 1917, continuavam discussões e debates livres e animados sobre as questões teóricas e táticas mais básicas” (81). De facto, era exatamente assim que Preobrazhenski olhava retrospetivamente para outubro, quando tentava explicar, em 1920, a relação entre a recente erosão da democracia partidária e o “declínio da espontaneidade” no proletariado:

“Comparando a vida do partido no final de 1917 e 1918 com a vida partidária em 1920, ficamos impressionados com a maneira como ela desapareceu precisamente entre as massas partidárias... Anteriormente, os comunistas de base sentiam que não estavam apenas implementando decisões partidárias, mas que estavam também a originá-las, que eles mesmos estavam a formar a vontade coletiva do Partido. Agora, eles implementam decisões partidárias tomadas por comités que muitas vezes não se preocupam em submeter as decisões a assembleias gerais” (82).

15.

O trabalho deve governar, porque a burguesia é incapaz de cumprir as promessas de progresso. Se o projeto socialista for derrotado, o resultado será a retrogressão da civilização como um todo.

O trabalho, argumentou Marx, pode arrancar reformas significativas do capital nos períodos de expansão, mas cada recessão elimina esses ganhos e revela níveis crescentes de desemprego e miséria. Embora tenha deixado pistas confusas sobre os mecanismos exatos da crise económica, não pode haver dúvida de que as suas teorias da revolução e da ascenção da consciência de classe assumiram a existência de uma crescente intensidade, frequência e alcance geográfico das crises industriais, talvez até uma “crise económica final”. Essa, é claro, era uma previsão genericamente acertada do ciclo económico de 1870 a 1940. Nenhum marxista, porém, previu a longa expansão do pós-guerra - ou, de fato, as revoltas radicais de estudantes e trabalhadores em 1968 e 1969, com relativo pleno emprego na Europa e na América do Norte. O "trabalhador abastado" tornou-se brevemente uma explicação académica popular para a desradicalização dos movimentos trabalhistas em alguns países avançados. Mas a história completou um círculo inteiro no início do século XXI; uma economia mundial que não pode criar empregos ao ritmo do crescimento populacional, garantir a segurança alimentar ou adaptar os nossos habitats a mudanças climáticas catastróficas, pode razoavelmente ser julgada como um fracasso.

16.

Graças ao mercado mundial e à emigração em massa, o proletariado industrial é objetivamente constituído como uma classe internacional com interesses comuns que cruzam fronteiras nacionais e étnicas. Grandes campanhas internacionais, além disso, cristalizam a compreensão do proletariado sobre a sua vocação histórica mundial.

Concluindo o seu discurso na ceia inaugural dos Democratas Fraternos em Londres, em setembro de 1845, o cartista George Julian Harney declarou: "Repudiamos a palavra 'estrangeiro' - ela não existirá no nosso vocabulário democrático!" Engels, que relatou a reunião (chamou-lhe "um festival comunista") no Rheinische Jahrbücher, notou que a observação de Harney foi recebida com "grandes vivas" pelos delegados de nove nações. Houve repetidos brindes a Tom Paine, Robespierre e aos recém-deportados cartistas. “As grandes massas dos proletários”, escreve Engels, “são, por sua própria natureza, livres de preconceitos nacionais e toda a sua disposição e movimento são essencialmente humanitários, antinacionalistas” (83). Isto soa hoje incrivelmente ingénuo, mas pode ter sido uma observação razoavelmente precisa na véspera da “primavera dos povos”.

De facto, o movimento dos primeiros trabalhadores geralmente seguia os trilhos bem conhecidos da democracia revolucionária, celebrando a fraternidade internacional na crença confiante de que a revolução social seria necessariamente uma revolução mundial nos moldes de 1789. Grupos revolucionários conspiratórios como A Sociedade das Estações de Louis Auguste Blanqui e Armand Barbès eram desafiadoramente cosmopolitas na sua composição. Artesãos e trabalhadores migrantes transportavam ideias subversivas de um lado para outro, entre as principais cidades e centros industriais. Artesãos alemães, o maior grupo de trabalhadores imigrantes na Europa da Santa Aliança, estabeleceram postos avançados radicais na Grã-Bretanha, Suíça e América do Norte. Mas foi Paris, na década de 1840, a verdadeira capital do primeiro proletariado alemão, onde cerca de cinquenta mil “imigrantes indocumentados” de expressão alemã labutavam, em quartéis e em oficinas (84).

Nos seus escritos e discursos sobre a Guerra Civil Americana e a fundação da Primeira Internacional, Marx argumentou que a solidariedade internacional é o mais crucial desencadeador da consciência de classe e que a mobilização do trabalho à escala nacional é acelerada pela organização internacional dos seus destacamentos mais avançados. Mas ele também advertiu que nenhum movimento trabalhista poderia emancipar-se enquanto participasse política ou materialmente na opressão de outra nação ou raça. Em alguns dos seus mais ardentes artigos e discursos, ele argumentou que a liberdade negra era a pré-condição para uma política independente da classe trabalhadora norte-americana, assim como a liberdade irlandesa o era para uma classe trabalhadora radical britânica. No continente, a independência da Polónia, é claro, sempre foi a pedra de toque do internacionalismo democrático e depois socialista.

Em biologia, aprende-se sobre uma determinada espécie de lagarta que só pode cruzar o limiar da metamorfose ao ver a sua futura borboleta. A subjetividade proletária não evolui por etapas incrementais, mas requer saltos não-lineares, especialmente por meio do auto-reconhecimento moral através da solidariedade com a luta de um povo distante. Mesmo quando isso contradiz o seu interesse próprio de curto prazo, como nos famosos casos do entusiasmo dos trabalhadores de algodão de Lancashire por Lincoln e mais tarde por Gandhi, esses esforços não apenas antecipam um mundo além do capitalismo como avançam concretamente na marcha da classe trabalhadora em direção a ele.

O socialismo, por outras palavras, requer atores não-utilitários, cujas motivações e valores finais surgem de estruturas de sentimento que outros considerariam espirituais. Marx, com razão, flagelou o humanismo romântico em abstrato, mas o seu panteão pessoal - Prometeu e Espártaco, Homero, Cervantes e Shakespeare - afirma uma visão heróica das possibilidades humanas. Poderão essas possibilidades ser concretizadas no mundo de hoje, um mundo onde a "velha classe trabalhadora" foi despromovida na agência? Este artigo não responde a essa pergunta. Espero que ajude a estimular um debate contínuo que possa apontar o caminho a seguir.

Mike Davis (n. 1946) é um ensaísta, teórico urbanístico, historiador e ativista político norte-americano, natural e residente no sul do estado da Califórnia (San Diego). Teve uma carreira académica muito tardia e irregular, tendo sido também operário e camionista. Militou na radical Students for a Democratic Society (SDS), no Congress of Racial Equality (CORE) e na secção regional californiana do Partido Comunista dos E.U.A., onde se cruzou com Angela Davis. É atualmente professor no Departamento de História da Universidade da California em Irvine. Define-se como socialista internacionalista e marxista ambientalista. A parte central da sua obra insere-se na tradição visionária de arquitetos/urbanistas como Lewis Mumford ou Garrett Eckbo. É editor da New Left Review e colaborador frequente de outras publicações como Socialist Review, The Nation, New Statesman ou Tom Dispatch. É ainda autor de numerosas obras, sempre de grande poder narrativo e argumentativo, em diversas áreas de investigação, com destaque para Prisoners of the American Dream (1986), City of Quartz: Excavating the Future in Los Angeles (1990), Ecology of Fear (2001), Late Vitorian Holocausts (2001), Dead Cities and Other Tales (2003), Planet of Slums: Urban Involution and the Informal Working Class (2006), Buda's Wagon: A Brief History of the Car Bomb (2007), In Praise of Barbarians: Essays against Empire (2007), Evil Paradises: Dreamworlds of Neoliberalism (2007). Tem escrito também algumas obras de ficção para jovens adultos. O texto que aqui apresentamos foi publicado originalmente no volume 1, n.º 2 (verão de 2017) da revista Catalyst. Uma versão bem mais extensa e desenvolvida constitui o ensaio de abertura do seu último livro Old Gods, New Enigmas: Marx's Lost Theory (Verso Books, 2018). A tradução é de Ângelo Novo.

NOTAS:

(53) Rosa Luxemburgo, “The Mass Strike,” in The Essential Rosa Luxemburg, editado por Helen Scott (Chicago: Haymarket Books, [1906] 2008), p. 145. Num estudo estatístico de greves durante a revolução de 1905, Lenine empiricamente sufragou a análise de Luxemburgo. (CW 16, pp. 393–422.)

(54) Hagen Koo, Korean Workers: The Culture and Politics of Class Formation (Ithaca, NY: Cornell University Press, 2001), pp. 18–19.

(55) David Montgomery, The Fall of the House of Labor (Cambridge: Cambridge University Press, 1987), p. 1.

(56) Karen Hunt, “The Politics of Food and Women’s Neighborhood Activism in First World War Britain”, International Labor and Working-Class History, 77 (Spring 2010): p. 8.

(57) Geoff Eley, Forging Democracy: The History of the Left in Europe, 1850–2000 (Oxford: Oxford University Press, 2002), p. 58.

(58) Jonathan Rose, The Intellectual Life of the British Working Classes (New Haven, CT: Yale University Press, 2008), p. 8; Dennis Sweeney, “Cultural Practice and Utopian Desire in German Social Democracy: Reading Adolf Levenstein’s Arbeiterfrage (1912)”, Social History, 28, no. 2 (2003): pp. 174–99.

(59) Karl Marx, Economic Manuscripts of 1861–63, in Marx e Engels, Collected Works, vol. 34, p. 101 (“Relative Surplus Value”).

(60) Gregory Vargo, “‘Outworks of the Citadel of Corruption’: The Chartist Press Reports the Empire”, Victorian Studies, 54, no. 2 (Winter 2012): p. 231. Veja-se também Stephen Coltham, “English Working-Class Newspapers in 1867”, Victorian Studies, 13, no. 2 (December 1969).

(61) John Reed, Ten Days That Shook the World (London: Penguin Classics, 2007) p. 24.

(62) Gerhard Ritter, “Workers’ Culture in Imperial Germany”, Journal of Contemporary History, 13 (1978): p. 166.

(63) Martyn Walker, “‘Encouragement of Sound Education amongst the Industrial Classes’: Mechanics’ Institutes and Working-Class Membership, 1838–1881”, Educational Studies, 39, no. 2 (2013): p. 142. Walker desmascara a alegação de que os institutos eram dominados pelas classes médias: em vez disso, argumenta ele, representavam uma “convergência de interesses de classe”. “Os radicais da classe trabalhadora alinhavam-se com simpatizantes da classe média em relação à política e à autoajuda” (145).

(64) Citado em Ed Block, “T. H. Huxley’s Rhetoric and the Popularization of Victorian Scientific ideas: 1854–1874”, Victorian Studies, 29, no. 3 (Spring 1986): p. 369.

(65) Ralph Colp, “The Contacts Between Karl Marx and Charles Darwin”, Journal of the History of Ideas, 35, no. 2 (1974): pp. 329–38; e Jenny Marx, Letter to Johann Becker (29 de Janeiro, 1866), Karl Marx e Friedrich Engels, Collected Works, vol. 42 (New York: International Publishers, 1987), p. 568.

(66) Georges Sorel, Reflections on Violence (Glencoe, IL: Free Press, 1950), p. 145.

(67) Luxemburgo, “Mass Strike”, pp. 141, 147. Para a bem conhecida crítica de Trotsky sobre a "espontaneidade" veja-se “Who Led the February Insurrection?”, The History of the Russian Revolution (New York: Simon and Schuster, 1937), pp. 142–52. Além da revolução no império russo, um milhão de trabalhadores manifestou-se no reino austríaco e no alemão (especialmente na Saxónia). "Estima-se que 250.000 se manifestaram só em Viena". Veja-se Christoph Nonn, “Putting Radicalism to the Test: German Social Democracy and the 1905 Suffrage Demonstrations in Dresden”, International Review of Social History, 41 (1996): p. 186.

(68) Lenine, “The Reorganization of the Party” Collected Works, Vol. 10 (Moscow: Progress Publishers, [1905] 1962), p. 32; Phil Goodstein, The Theory of the General Strike from the French Revolution to Poland (New York: Columbia University Press, 1984), p. 153.

(69) Marx e Engels, Collected Works, vol. 6, p. 354.

(70) Veja-se Montgomery, Fall of the House of Labor, “Chapter 1: The Manager’s Brain Under the Workman’s Cap”. Engenheiros e químicos, no entanto, foram organizadores integrais das novas indústrias do século XX, particularmente dos produtos químicos e da maquinaria elétrica.

(71) O “desaparecimento do trabalhador qualificado polivalente”, escreve Gorz, “também implicou o desaparecimento da classe capaz de assumir o projeto socialista e traduzi-lo em realidade. Fundamentalmente, a degeneração da teoria e prática socialista tem aqui as suas origens”. Veja-se André Gorz, Farewell to the Working Class, (London: Pluto Press, 2001), p. 66.

(72) Nelson Lichtenstein, Walter Reuther: The Most Dangerous Man in Detroit (Urbana-Champaign: University of Illinois Press, 1995), p. 20.

(73) Vejamos um exemplo mais recente. Em 1974, como parte de uma greve geral contra a tentativa de Harold Wilson de trazer líderes católicos moderados para o governo do Ulster, os trabalhadores lealistas fecharam a fábrica elétrica de Ballylumford, que gerava a maior parte da eletricidade de Belfast. Engenheiros do Exército Britânico - totalmente desconcertados com os resultados de anos de ajustes ad hoc feitos pelos trabalhadores da energia - não conseguiram pôr a fábrica em funcionamento e Wilson foi humilhantemente forçado a abandonar as suas reformas. Um livro sobre a greve relatou pânico subsequente na OTAN, quando os seus planeadores perceberam que os trabalhadores comunistas em empresas francesas e italianas poderiam, sem dúvida, fazer a mesma coisa. Veja-se Don Anderson, 14 May Days (Dublin: Gill and MacMillan, 1994).

(74) Marx e Engels, Collected Works, vol. 6, p. 176.

(75) Lukács, pp. 63 e 66.

(76) Ibid, pp. 69 e 76–77.

(77) Stephen Perkins, Marxism and the Proletariat: A Lukácsian Perspective, Pluto, London 1993, p. 171.

(78) Lukács, History and Class Consciousness, traduzido por Rodney Livingston (Cambridge, MA: MIT Press, 1972), pp. 74, 80.

(79) Pierre Broué, The German Revolution, 1917–1923 (Chicago: Haymarket Books, [1971] 2006), p. 68.

(80) Lenin, “The Tasks of the Revolution”, in Collected Works, Vol. 26 (Moscow: Progress Publishers, [1917] 1964), p. 60.

(81) Alexander Rabinowitch, The Bolsheviks Come to Power: The Revolution of 1917 in Petrograd (Chicago: Haymarket Books, 2004), pp. 311–12.

(82) Preobrazhensky, citado na recensão de A. Marshall’s a The Preobrazhensky Papers in Critique, 43, no. 1 (2015): pp. 92–93.

(83) Discurso de George Julian Harney, reproduzido em Engels, “The Festival of Nations in London”, in Marx e Engels, Collected Works, vol. 6, p. 11.

(84) Jacques Grandjonc, “Les étrangers a Paris sous la monarchie de Juillet et la seconde République”, Population, 29 (March 1974): p. 84 (edição francesa). Stanley Nadel, observando que "o viajante médio permaneceu em Paris por um período limitado, aperfeiçoando seu ofício e depois prosseguindo", calculou que "entre 100.000 e meio milhão de veteranos das oficinas de Paris haviam retornado à Alemanha antes do final de década [1840]”. Veja-se Stanley Nadel, “From the Barricades of Paris to the Sidewalks of New York: German Artisans and the European Roots of American Labor Radicalism”, Labor History, 30, no. 1 (Winter 1989): pp. 49–50.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK