Voltar ao site

O acesso à Internet deve ser um direito universal

A internet facilitou a vida no isolamente para milhões. Mas milhões ainda não podem ficar online, e isso é fundamentalmente injusto.

· Sem Fronteiras,Últimos artigos,Comunicação

Tim Berners-Lee, The Guardian, 4 de junho de 2020

Minha mochila preta de 100 zip, anteriormente o centro logístico e nerd da minha vida, agora está abandonada em um canto, desnecessária, pois o Covid-19 interrompeu abruptamente minha agenda de viagens quase constante.

A vida continuou - com perturbações limitadas, ainda que não tão normais. Afinal, tenho espaço, equipamento e conectividade à Internet suficientes para trabalhar confortavelmente em casa. De certa forma, a vida se tornou mais eficiente. Menos jet lag. Mais sanidade.

Não sou o único a experimentar isso. Aqueles entre nós que têm a sorte de ter trabalhos que podemos fazer em casa organizamos nossos cenários para videoconferência e mudamos a maneira como operamos. Onde podem, muitas crianças se adaptam, em maior ou menor grau, às salas de aula virtuais e à necessidade de competir pelo espaço de trabalho com seus pais.

Mantemos contato com os entes queridos por meio de telas de computador de maneiras que não poderíamos imaginar há apenas três meses, enquanto a crise gerou inúmeros mecanismos de substituição [do presencial pelo virtual] - desde um boom de testes on-line, aulas de arte e exercícios até uma idade de ouro para memes.

E enquanto muitos de nós estão presos em ambientes fechados, vimos exemplos de grande esforço e apoio coletivo: comunidades se unindo para ajudar umas às outras e aos mais vulneráveis, embora mantendo dois metros de distância.

Em tudo isso, a web tem sido a força unificadora vital, permitindo trabalharmos, estudarmos, desenvolvermos nossas atividades sociais e apoio mútuo. Tendo sido sempre planejada como uma plataforma para criatividade e colaboração à distância, é ótimo ver que ela está sendo usada, mais do que nunca, também para compaixão à distância. Mas tudo está bem, é claro, se tivermos a rede na ponta dos dedos. Mas nós somos os sortudos. Bilhões de pessoas não têm a opção de acessar a web em tempos de necessidade ou normalidade. Uma brecha digital bruta exclui quase metade do planeta quando ela mais precisa da rede.

Essa divisão é mais acentuada nos países em desenvolvimento. A posição é particularmente difícil em toda a África, onde apenas uma em cada quatro pessoas pode acessar a web e benefícios que muitos de nós dão como assegurados. As mulheres, em particular no mundo em desenvolvimento, são excluídas, com homens 21% mais propensos a ter acesso on-line - brecha que aumenta para 52% nos países menos desenvolvidos do mundo.

O desafio também se estende às nações mais ricas: 60 mil crianças no Reino Unido não têm internet em casa e a pobreza de dispositivos impede o aprendizado on-line de muitos mais, enquanto as escolas permanecem fechadas.

Nos EUA, estima-se que 12 milhões de crianças moram em casas sem conectividade de banda larga, e as pessoas estacionam carros fora de escolas e cafés, desesperadas por uma conexão suficientemente boa para aprender e trabalhar "em casa". Essas desigualdades se enquadram nas linhas familiares de riqueza, raça e divisão rural e urbana.

Trabalhar em casa não é uma opção para muitos - incluindo alguns que têm trabalhos que poderiam ser realizados remotamente. Empresas de áreas sem infraestrutura para operar online não têm uma linha que mantém vivas outras pessoas em todo o mundo.

A Alliance for Affordable Internet, uma iniciativa da World Wide Web Foundation, fundação que formei com Rosemary Leith, esquematizou um plano de ações urgentes que governos e empresas devem adotar para fornecer essa linha de vida a mais pessoas o mais rápido possível.

Estamos em um mundo onde é muito mais difícil sobreviver sem a web. E, no entanto, a divisão digital não desaparecerá depois que a crise terminar. A marcha cada vez mais acelerada da digitalização tornou-se uma corrida. Devemos garantir que os que estão atualmente na faixa lenta tenham os meios para alcançar os demais. Caso contrário, bilhões serão deixados para trás na poeira. Como o Covid-19 impõe grandes mudanças em nossas vidas, temos a oportunidade de ações grandes e ousadas que reconhecem que, assim como a eletricidade no século passado e os serviços postais anteriores a isso, a web é um serviço essencial que deve ser oferecido como um direito básico por empresas e governos.

A história nos mostra que, depois de todas os grandes levantamentos globais, existem esforços enormes de reparar os danos e reconstruir, com algumas mais bem-sucedidas do que outras. No meio dessa turbulência, certamente devemos nos esforçar para garantir que algum bem saia da escuridão.

A web pode e deve ser para todos - agora é o nosso momento para fazer isso acontecer. Temos os meios técnicos para conectar o mundo inteiro de maneiras significativas e acessíveis: agora precisamos da vontade e do investimento.

Os governos devem liderar o caminho. Eles devem investir em infra-estrutura de rede, não apenas em centros urbanos, mas em ambientes rurais, onde somente as forças do mercado não conseguem conectar os residentes. E como a acessibilidade dos dados continua sendo uma das maiores barreiras ao acesso, essas redes devem ser eficientes. Por exemplo, políticas que incentivam os provedores de serviços a compartilhar a infraestrutura de rede e regulamentos projetados para moldar mercados competitivos de dados, podem contribuir bastante para reduzir os custos para os usuários.

E, para conectar todos, os governos precisarão visar grupos tipicamente excluídos - incluindo pessoas de baixa renda, mulheres e pessoas nas áreas rurais. Isso significa financiar o acesso do público e as iniciativas de alfabetização digital para garantir que todos tenham as habilidades necessárias para usar a Internet de maneira significativa.

Os provedores de serviços devem investir no desempenho, confiabilidade e cobertura da rede, para que todos estejam ao alcance de uma conectividade de alta qualidade. Vimos experimentos com drones, balões e satélites para conectar áreas de difícil acesso. Embora eles não substituam boas políticas e investimentos em tecnologias comprovadas, inovações como essa são uma adição bem-vinda ao conjunto.

Não há nada impedindo que governos e empresas façam uma escolha agora, acelerar o progresso na conectividade onde boas mudanças estão acontecendo e avançar onde elas não estão.

Por fim, todos nós podemos desempenhar um papel como indivíduos. Se você confiou na Web recentemente, não deve auxiliar que a outra metade também possa obter essa linha de vida?

Exija ações do seu governo para tornar a conectividade universal à Internet uma prioridade. Apoie uma ONG de tecnologia como a World Wide Web Foundation. Apoie o Contrato para a Web - um projeto colaborativo para construir uma web melhor, com conectividade universal como uma das principais prioridades.

Assim como as pessoas fazem campanha por água limpa e acesso à educação, precisamos de uma campanha global para o acesso universal à Internet.

É claro que devemos estar mais alertas do que nunca sobre os déficits da Web - as violações de privacidade, as desinformações e a violência de gênero online que se tornou familiar demais. Mas esses problemas muito reais não devem nos impedir de alcançar o desafio fundamental de tornar a Web disponível para todos.

Assim como o mundo decidiu que eletricidade e água eram necessidades básicas que deveriam atingir todos, independentemente do custo, devemos reconhecer que agora é o nosso momento de lutar pela Web como um direito básico. Vamos ser a geração que oferece acesso universal à Internet.

Tim Berners-Lee inventou a rede mundial de computadores. Ele é co-fundador da World Wide Web Foundation e diretor de tecnologia da Inrupt.
 

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK