Voltar ao site

O pernicioso legado militar de Trump: as guerras cataclísmicas

· Sem Fronteiras,Últimos artigos

No meio das discussões sobre a retirada das forças dos EUA do Afeganistão, Iraque, Síria e Somália e das demissões e substituições no Pentágono, o legado mais significativo de Trump passou quase despercebido nos meios de comunicação social e nos círculos políticos.

Michael T. Klare., Esquerda.net, 30 de dezembro de 2020

Na frente militar, Donald Trump será muito provavelmente recordado pela sua insistência em pôr fim ao envolvimento dos EUA nas "guerras eternas" do século XXI: as campanhas militares infrutíferas, implacáveis e devastadoras conduzidas pelos Presidentes Bush e Obama, no Afeganistão, Iraque, Síria, e Somália.

Como candidato, Trump prometeu trazer para casa as tropas americanas das temidas zonas de guerra e, nos seus últimos dias no cargo, prometeu fazer pelo menos a maior parte do trabalho em direção a esse objetivo. A obsessão do presidente por esta questão (e a oposição dos seus próprios generais e outros funcionários a ela) gerou uma grande cobertura mediática e fez com que os seus apoiantes isolacionistas o adorassem. Curiosamente, por muito interessante que seja, este enfoque na retirada tardia das tropas por parte Trump obscurece um aspeto muito mais significativo do seu legado militar: a conversão do exército norte-americano de uma força anti-terrorista global para uma força concebida para lutar numa guerra nuclear total, cataclísmica e potencialmente nuclear com a China e/ou Rússia.

 

As pessoas raramente se apercebem que a abordagem de Trump à política militar tem sido sempre de duas faces. Mesmo quando denunciou repetidamente o fracasso dos seus antecessores em abandonar aquelas intermináveis guerras de contra-insurreição, lamentou a sua alegada negligência em relação às forças armadas regulares dos EUA e prometeu gastar o que fosse necessário para "restaurar" a sua força de combate. "Numa administração Trump", declarou num discurso de campanha sobre segurança nacional, em Setembro de 2016, as prioridades militares dos EUA seriam invertidas, com um recuo das "guerras intermináveis em que estamos presos" e a restauração da "nossa inquestionável força militar".

Uma vez em funções, agiu para levar a cabo essa mesma agenda, instruindo os seus representantes, uma sucessão de conselheiros de segurança nacional e secretários de defesa, a iniciar a retirada das tropas dos EUA do Iraque e do Afeganistão (embora tenha concordado durante algum tempo em aumentar os níveis das tropas no Afeganistão), ao mesmo tempo que apresentava orçamentos de defesa cada vez maiores. As despesas anuais do Pentágono aumentaram todos os anos, entre 2016 e 2020, passando de 580 mil milhões de dólares, no início da sua administração, para 713 mil milhões no final, com grande parte desse aumento dirigido para a aquisição de armamento avançado. Adicionaram-se milhares de milhões ao orçamento do Departamento de Energia para a aquisição de novas armas nucleares e para a "modernização" em grande escala do arsenal nuclear do país.

Porém, muito mais importante do que esse aumento das despesas de armamento, foi a mudança de estratégia que a acompanhou. A postura militar que o Presidente Trump herdou da administração Obama centrou-se no combate à Guerra Global contra o Terror (GWOT), uma luta cansativa e interminável para identificar, seguir e destruir fanáticos anti-ocidentais em áreas remotas da Ásia, África, e Médio Oriente. A postura que está a legar a Joe Biden centra-se, quase inteiramente, na derrota da China e da Rússia em futuros conflitos de "alto nível" travados diretamente contra esses dois países, batalhas que sem dúvida envolveriam armas convencionais de alta tecnologia a uma escala espantosa e que poderiam facilmente desencadear uma guerra nuclear.

Da GWOT à GPC (Great Power Competition)

É impossível exagerar a importância da passagem do Pentágono de uma estratégia destinada a lutar contra bandos relativamente pequenos de militantes para uma estratégia destinada a combater as forças militares da China e da Rússia na periferia da Eurásia.

 

A primeira, envolve o envio de tropas de infantaria dispersas e unidades das Forças de Operações Especiais apoiadas por aviões de patrulha e drones armados com mísseis. A outra, prevê o envolvimento de múltiplos porta-aviões, esquadrões de combate, bombardeiros com capacidade nuclear e divisões blindadas. Do mesmo modo, nos anos da GWOT, presumiu-se geralmente que as tropas americanas enfrentariam adversários amplamente armados com armas de infantaria ligeiras e bombas caseiras, e não, como em qualquer guerra futura com a China ou a Rússia, um inimigo equipado com tanques, aviões, mísseis avançados, navios e uma gama completa de munições nucleares.

Esta mudança na política antiterrorista, que nos últimos anos ficou conhecida em Washington como "Grande Competição de Potências" ou GPC, foi oficialmente articulada pela primeira vez na Estratégia de Segurança Nacional do Pentágono de Fevereiro de 2018. "O desafio central para a prosperidade e segurança da América", insistiu, "é o ressurgimento da competição estratégica a longo prazo contra os classificados pela Estratégia Nacional de Segurança como potências revisionistas", uma fórmula para designar a China e a Rússia (o documento utilizou itálico raro para sublinhar a importância desta terminologia).

Para o Departamento de Defesa e para os militares, isto significava apenas uma coisa: a partir de agora, muito do que eles fizeram teria como objetivo a preparação para lutar e derrotar a China e/ou a Rússia num conflito de alta intensidade. Como disse o Secretário da Defesa Jim Mattis à Comissão dos Serviços Armados do Senado, em Abril, "a Estratégia de Defesa Nacional 2018 fornece uma orientação estratégica clara para que o exército dos EUA recupere uma era de objetivos estratégicos... Enquanto o Departamento continua a prosseguir a campanha contra os terroristas, a competição estratégica, a longo prazo, não o terrorismo, é agora o principal foco da segurança nacional dos EUA.

Assim sendo, acrescentou Mattis, as forças armadas dos Estados Unidos teriam de ser completamente reequipadas com novas armas destinadas ao combate de alta intensidade contra adversários bem armados. "As nossas forças armadas continuam a ser competentes, mas a nossa vantagem competitiva sofreu uma erosão em todos os domínios da guerra", disse ele. "A combinação da rápida evolução da tecnologia [e] o impacto negativo na preparação militar resultante do mais longo período de combate contínuo na história da nossa nação [criou] um exército sobrecarregado e com poucos recursos. Em resposta, devemos "acelerar os programas de modernização, num esforço sustentado para consolidar a nossa vantagem competitiva.

Nesse mesmo testemunho, Mattis delineou as prioridades de aprovisionamento que desde então têm governado o planeamento, uma vez que os militares procuram "consolidar" a sua vantagem competitiva. Primeiro, vem a "modernização" das capacidades nucleares da nação, incluindo os seus sistemas de comando, controlo e comunicações nucleares. Depois, a expansão da Marinha através da aquisição de um número impressionante de navios e submarinos de superfície adicionais, juntamente com a modernização da Força Aérea através da aquisição acelerada de aviões de combate avançados. Finalmente, para assegurar a superioridade militar da nação nas próximas décadas, o investimento em tecnologias emergentes como a inteligência artificial, robótica, hipersónica e guerra cibernética foi grandemente aumentado.

Estas prioridades já foram integradas no orçamento militar e governam o planeamento do Pentágono. Em Fevereiro passado, ao apresentar a sua proposta de orçamento para o ano fiscal (AF) 2021, por exemplo, o Departamento de Defesa declarou: "O orçamento do AF 2021 apoia a implementação irreversível da Estratégia de Defesa Nacional (END), que orienta a tomada de decisões do Departamento na redefinição das prioridades de recursos e na mudança de investimentos para preparar um potencial futuro combate de alto nível. Esta visão de pesadelo, por outras palavras, é o futuro militar que o Presidente Trump vai deixar à administração Biden.

A Marinha na liderança

Desde o início, Donald Trump colocou a ênfase na expansão da Marinha como um objetivo primordial. "Quando Ronald Reagan deixou o cargo, a nossa Marinha tinha 592 navios... Hoje, a Marinha tem apenas 276 navios", lamentou nesse discurso de campanha de 2016. Uma das suas primeiras prioridades como presidente, disse ele, seria recuperar as suas forças. "Vamos construir uma Marinha de 350 navios e submarinos de superfície", prometeu ele. Uma vez em funções, a "marinha de 350 navios" (mais tarde, aumentada para 355 navios) tornou-se um mantra.

Ao colocar a ênfase numa grande frota, Trump foi influenciado, em certa medida, pelo puro espetáculo de dois grandes navios de guerra modernos, especialmente os porta-aviões com as suas dezenas de aviões de combate. "Os nossos porta-aviões são a peça central do poder militar americano no estrangeiro", insistiu enquanto visitava o porta-aviões quase concluído, o USS Gerald R. Ford, em Março de 2017. "Estamos hoje aqui em quatro hectares e meio de poder de combate e território soberano dos EUA, como nenhum outro... não há concorrência contra este navio".

Como esperado, os oficiais superiores do Pentágono abraçaram com manifesto entusiasmo a visão do presidente de uma grande Marinha. A razão: veem a China como seu adversário número um e acreditam que qualquer conflito futuro com aquele país será travado em grande parte a partir do Oceano Pacífico e dos mares próximos, a única forma prática de concentrar o poder de fogo dos EUA contra as defesas costeiras cada vez mais reforçadas da China.

O então Secretário de Defesa, Mark T. Esper, expressou bem esta perspetiva quando, em Setembro, considerou Pequim o "principal concorrente estratégico" do Pentágono e a região Indo-Pacífico o seu "teatro prioritário" no planeamento de guerras futuras. As águas dessa região, sugeriu ele, representam "o epicentro da grande competição de poder com a China" e, portanto, testemunharam um comportamento cada vez mais provocador, por parte das unidades aéreas e navais chinesas. Face a esta atividade desestabilizadora, "os Estados Unidos devem estar prontos para dissuadir o conflito e, se necessário, lutar e vencer no mar".

Nesse discurso, Esper deixou claro que a Marinha dos Estados Unidos continua a ser muito superior à sua congénere chinesa. Contudo, disse: "Temos de nos manter à frente da curva; temos de manter a nossa superioridade; e continuaremos a construir navios modernos para garantir que continuamos a ser a melhor marinha do mundo.

Embora Trump tenha despedido Esper a 9 de Novembro, por, entre outras coisas, resistir às exigências da Casa Branca de acelerar a retirada das tropas dos EUA do Iraque e Afeganistão, a abordagem do ex-secretário da Defesa à luta contra a China no Pacífico e mares adjacentes continua profundamente enraizada no pensamento estratégico do Pentágono e será um legado dos anos Trump. Em apoio a essa política, milhares de milhões de dólares já foram afetados à construção de novos navios e submarinos de superfície, assegurando que esse legado persistirá durante anos, ou mesmo décadas.

Trump disse pouco sobre o que deveria ser feito em relação às forças terrestres dos EUA durante a campanha de 2016, exceto para indicar que as queria ainda maiores e mais bem equipadas. O que ele fez, contudo, foi falar da sua admiração pelos generais do Exército da Segunda Guerra Mundial que eram conhecidos pelas suas táticas agressivas de batalha. "Era um fã de Douglas MacArthur. Era fã de George Patton", disse a Maggie Haberman e David Sanger do "New York Times", em Março. "Se tivéssemos hoje Douglas MacArthur ou George Patton e se tivéssemos um presidente que lhes permitisse fazer a sua coisa, não teriam ISIS (Estado islâmico), Ok!"

O respeito de Trump pelo General Patton revelou-se especialmente sugestivo numa nova era de competição entre grandes potências, à medida que as forças americanas e da NATO se preparam novamente para enfrentar exércitos terrestres bem equipados no continente europeu, como fizeram durante a Segunda Guerra Mundial. Nessa altura, era o corpo de tanques da Alemanha nazi que os tanques de Patton enfrentavam na frente ocidental.

Hoje em dia, as forças dos EUA e da NATO enfrentam os exércitos mais bem equipados da Rússia na Europa Oriental ao longo de uma linha que se estende desde as repúblicas bálticas e a Polónia, no norte, até à Roménia, no sul. Se uma guerra fosse deflagrada com a Rússia, é provável que grande parte dos combates ocorressem ao longo desta linha, com unidades da força principal de ambos os lados envolvidas em combate frontal de alta intensidade.

Desde que a Guerra Fria terminou, em 1991, com a implosão da União Soviética, os estrategas americanos tinham dedicado pouca atenção ao combate terrestre de alta intensidade contra um adversário bem equipado na Europa. Agora, com as crescentes tensões Leste-Oeste e as forças norte-americanas a enfrentarem uma vez mais potenciais inimigos bem armados, no que cada vez mais parece ser uma versão militar da Guerra Fria, esse problema está a receber muito mais atenção.

Desta vez, no entanto, as forças americanas enfrentam um ambiente de combate muito diferente. Nos anos da Guerra Fria, os estrategas ocidentais geralmente imaginavam um confronto de força bruta em que os nossos tanques e artilharia lutariam contra os deles ao longo de centenas de quilómetros de linhas da frente até que um ou outro lado estivesse completamente exausto e não tivesse outra escolha do que pedir a paz (ou causar uma catástrofe nuclear global).

Os estrategas de hoje, contudo, preveem uma guerra muito mais multidimensional que se estenda para o ar e também para zonas retaguarda, bem como para o espaço e o ciberespaço. Em tal ambiente, passaram a acreditar que o vencedor terá de agir rapidamente, dando golpes devastadores ao que chamam as capacidades C3I (comando, controlo, comunicações e inteligência) do inimigo numa questão de dias, ou mesmo de horas. Só então as poderosas unidades blindadas poderiam atacar profundamente em território inimigo e, ao estilo de Patton, garantir uma derrota russa.

O exército dos EUA rotulou esta estratégia como "guerra de domínio total" e assume que irão de facto dominar o espaço, o ciberespaço, o espaço aéreo e o espetro eletromagnético. Num futuro confronto com as forças russas na Europa, de acordo com a doutrina, o poder aéreo dos EUA procuraria o controlo do espaço aéreo sobre o campo de batalha, utilizando mísseis guiados para destruir os sistemas de radar russos, as baterias de mísseis e as suas instalações C3I. O Exército realizaria ataques semelhantes utilizando uma nova geração de sistemas de artilharia de longo alcance e mísseis balísticos. Só quando as capacidades defensivas da Rússia estivessem completamente degradadas é que o Exército continuaria com um ataque terrestre ao estilo de Patton.

Como imaginam, para os estrategas seniores do Pentágono, qualquer conflito futuro com a China ou a Rússia é suscetível de envolver um combate intenso e completo em terra, mar e ar com o objetivo de destruir a infraestrutura militar de um inimigo nas primeiras horas ou, no máximo, dias de batalha, abrindo caminho para uma rápida invasão americana do território inimigo. Esta parece ser uma estratégia vencedora, mas apenas se tiver todas as vantagens em armamento e tecnologia. Se não, então o quê? Este é o dilema dos estrategas chineses e russos cujas forças não estão à altura dos americanos. Enquanto o seu próprio planeamento de guerra permanece um mistério até hoje, é difícil não imaginar que os equivalentes chineses e russos do alto comando do Pentágono ponderarem a possibilidade de uma resposta nuclear a qualquer ataque americano aos seus exércitos e territórios.

O exame da literatura militar russa disponível levou alguns analistas ocidentais a concluir que a Rússia está de facto a aumentar a sua dependência de armas nucleares "táticas" para aniquilar as forças superiores dos EUA/NATO antes que uma invasão do seu país possa ser montada (tal como no século anterior, as forças dos EUA dependiam desse armamento para evitar uma possível invasão soviética da Europa Ocidental). De facto, os analistas militares russos publicaram artigos explorando esta opção, por vezes descritos como "escalando para desescalar" (um nome bastante inapropriado), embora os oficiais militares russos nunca tenham discutido abertamente tais táticas. Ainda assim, a administração Trump citou esta literatura não oficial como prova de planos russos para utilizar armas nucleares táticas num futuro confronto Leste-Oeste e utilizou-a para justificar a aquisição de novas armas americanas deste tipo.

"A estratégia e doutrina russas... avaliam erroneamente que a ameaça de escalada nuclear ou a primeira utilização efetiva de armas nucleares serviria para 'desescalar' um conflito em termos favoráveis para a Rússia", afirma a Nuclear Posture Review da administração. “Para corrigir qualquer perceção errónea russa de vantagem… o presidente deve ter uma gama limitada e graduada de opções [nucleares], incluindo uma variedade de meios de lançamento e força explosiva equivalente”. Em apoio desta política, esse documento apelou à introdução de dois novos tipos de armas nucleares: uma ogiva de "baixo rendimento" (o que significa que poderia, por exemplo, pulverizar a Baixa de Manhattan sem destruir toda a cidade de Nova Iorque) para um míssil balístico Trident lançado por submarinos e um novo míssil de cruzeiro com armamento nuclear lançado do mar. Como em muitos dos desenvolvimentos acima descritos, esta iniciativa de Trump será difícil de inverter nos anos de Biden. Afinal, as primeiras ogivas W76-2 de baixo rendimento já saíram das linhas de montagem, foram instaladas em mísseis e agora estão implantadas em submarinos "Trident" no mar.

Claro que estas poderiam ser retiradas de serviço e desmanteladas, mas isto raramente aconteceu na história militar recente e, para o fazer, um novo presidente teria de ir contra o seu próprio alto comando militar. Ainda mais difícil seria negar a lógica estratégica por detrás do seu destacamento. Durante os anos Trump, a ideia de que as armas nucleares poderiam ser utilizadas como armas de guerra comuns em futuros conflitos entre grandes potências enraizou-se profundamente no pensamento do Pentágono e apagá-la não será uma tarefa fácil.

No meio das discussões sobre a retirada das forças dos EUA do Afeganistão, Iraque, Síria e Somália, no meio das súbitas demissões e substituições de líderes civis no Pentágono, o legado mais significativo de Donald Trump – um legado que poderia levar não a mais guerras eternas, mas a um desastre eterno – passou quase despercebido nos meios de comunicação social e nos círculos políticos, em Washington.

Os apoiantes da nova administração e mesmo membros do círculo de Biden (embora não as suas nomeações efetivas para postos de segurança nacional) apresentaram algumas ideias pungentes sobre a transformação da política militar dos EUA, incluindo a redução do papel da força militar nas relações externas dos EUA e a redistribuição de alguns fundos militares para outros fins, tais como o combate ao Covid-19.

Tais ideias são bem-vindas, mas a principal prioridade do Presidente Biden, na área militar, deve ser concentrar-se no verdadeiro legado militar de Trump, aquele que nos colocou num rumo de guerra com a China e a Rússia, fazendo tudo ao seu alcance para nos conduzir numa direção mais segura e prudente. Caso contrário, a expressão "guerra eterna" poderia assumir um significado novo e muito mais sombrio.

Michael T. Klare é professor de Estudos da Paz e Segurança Mundial, em Hampshire, College de Amherst, Massachusetts (EUA). Publicado Viento Sur e em Common Dreams. Traduzido por António José André para Esquerda.net.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK