Voltar ao site

Ocasio-Cortez: acabemos com as razões da revolta

Em vez de pedir que as coisas "voltem ao normal", "vamos criar um novo mundo, em que todas as pessoas compartilhem o mesmo estado de direito", defende a congressista.

· Sem Fronteiras,Negritude,Últimos artigos

Jon Queally, Common Dreams, 30 de maio de 2020

'Se você quer acabar com os protestos, acabe com as condições que o criam', declara Alexandria Ocasio-Cortez em meio a protestos que varrem todo o país. Em vez de pedir que as coisas simplesmente se acalmem e "voltem ao normal", disse a congressista de Nova York, "vamos criar um novo mundo - um mundo em que todas as pessoas compartilhem o mesmo estado de direito".

Em uma mensagem de vídeo postada no Instagram no sábado, em meio a protestos em todo o país em resposta ao assassinato da polícia de George Floyd em Minneapolis, Minnesota, no início desta semana, a deputada Alexandria Ocasio-Cortez fez um apelo: que tod@s que estão pedindo o fim da "agitação" pela brutalidade e opressão que se concentrem nas causas da pobreza, desconfiança e violência na sociedade americana.

"Se você está pedindo o fim dessa agitação ... mas não está pedindo o fim das condições que criaram a agitação, você é um hipócrita", disse Ocasio-Cortez no post:

https://www.instagram.com/tv/CA0UwGjA3nr/?utm_source=ig_embed

"Se você está tentando pedir o fim da inquietação, mas não acredita que a saúde é um direito humano. Se tem medo de dizer que Vidas Negras Importam. Se está com muito medo para pedir o fim da brutalidade policial - então você não está pedindo por tranquilidade, está pedindo que a injustiça continue e nosso povo continue a suportar a violência da pobreza, a violência da falta de acesso à moradia, a violência da brutalidade policial sem dizer nada. É isso que você está pedindo".

"Então, se você está aqui", continuou ela, "pedindo o fim dos distúrbios, é melhor você pedir assistência médica como um direito humano, é melhor pedir responsabilidade no nosso policiamento, é melhor apoiar os conselhos comunitários, é melhor você apoiar o fim da discriminação habitacional, é melhor defender o fim dos projetos imobiliários com fins lucrativos que intimidam as pessoas e tentam despejá-las de suas casas - é melhor você pedir isso. Por se você não está pedindo essas coisas e pede o fim da inquietação - tudo o que você está pedindo é a continuação da opressão silenciosa ".

Ocasio-Cortez disse que os legisladores, políticos e qualquer pessoa que faça tais apelos devem garantir que não haja chamados pelo fim dos protestos que não sejam acompanhados de demandas por "medidas que realmente libertem as pessoas de suas vidas da opressão econômica e desigualdade social".

Permitir que as pessoas lutem e morram dentro de sistemas injustos, disse Ocasio-Cortez, "é errado" e não deve mais ser tolerado. Ela disse que nenhum de seus comentários pretende tolerar a violência e a destruição de propriedades por algumas pessoas em meio aos protestos nas cidades em todo o país, mas que sua intenção é pedir às pessoas que considerem uma "visão holística deste momento" e reconheçam que é apenas dando centralidade à justiça e reconhecendo as falhas sistêmicas mais amplas paz e prosperidade serão compartilhados por todos.

Até o momento em que este artigo foi escrito, o vídeo tinha sido visto por quase um milhão de pessoas no Instagram e outras plataformas de mídia social onde foi compartilhado.

"Temos que realmente examinar por que tantas pessoas estavam bem ignorando esses problemas até que uma janela foi quebrada", disse ela. "Por que é preciso que as pessoas prestem atenção? Porque não deveria ser assim."

Em vez de pedir que as coisas simplesmente se acalmem e "voltem ao normal", disse Ocasio-Cortez, "vamos criar um mundo novo - onde todas as pessoas compartilhem o mesmo padrão do Estado de Direito. E onde a justiça que uma pessoa recebe por seus crimes não depende de para quem eles trabalham ou de quanto dinheiro eles têm, mas da ação real que foi feita ".

Um mundo, concluiu ela, "em que a justiça prevaleça".

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK