Voltar ao site

Policiais, clima, covid: Porque há somente uma crise

· Negritude,Ecologia,Últimos artigos

Olúfẹ́mi O. Táíwò

Tradução de Gustavo Belisário

Nos Estados Unidos, protestos contra uma recente onda de assassinatos políticos, incluindo o assassinato de Breonna Taylor em Louisville Kentucky e o de George Floyd em Minneapolis, desencadearam outros protestos em todo o país, que então se espalharam pelo mundo. Todos os 54 estados do continente africano se uniram em resposta para exigir com urgência o debate no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas sobre a brutalidade policial. A violência de Estado e o racismo anti-negro estão enfrentando uma crise global de legitimidade.

A despeito da pandemia de COVID-19 e a crise climática serem ambas provocadas por fenômenos naturais, o perigo que elas apresentam é tão político quanto a crise da violência policial. Além disso, essas crises se sobrepõem e se combinam de maneiras importantes. O tamanho, o escopo e a longevidade do sofrimento que elas provocam serão em grande parte decididos pelas respostas institucionais aos desafios e pela dinâmica de poder que as estrutura. Um debate histórico sobre a relação da fome com o colonialismo e a democracia ajuda a mostrar por quê.

Um ponto de partida: a muito discutida distinção entre duas abordagens diferentes para explicar a fome. A primeira abordagem apela à escassez de alimentos: a fome envolve a inanição e a inanição é a falta de alimentos. A abordagem da “oferta de alimentos” foi assumida em obras clássicas de economia e filosofia, talvez a mais famosa por Thomas Malthus em Ensaio sobre o Princípio da População. Ele se concentra em fenômenos do mundo natural que poderiam explicar de forma plausível as contrações no suprimento de alimentos, como secas, variações de temperatura e infestações de pragas.

É difícil contestar a plausibilidade dessa abordagem. Mantendo as demais variáveis constantes, certamente qualquer coisa que atrapalhe a produção de alimentos em uma região tornaria a fome mais provável. Instituições multinacionais proeminentes como o Banco Mundial e grandes empresas de tecnologia como Google e Amazon corretamente incluem índices de padrões de chuva e saúde das colheitas em suas ferramentas que preveem a fome através de Inteligência Artificial.

Carly A. Phillips, et al. “Compound climate risks in the COVID-19 pandemic”. Nature Climate Change. 15 de Maio de 2020.

Outras variáveis, no entanto, devem ser levadas em consideração. Amartya Sen dá dois exemplos na história da colonialização, ambos envolvendo o Império Britânico, em "Famines", a palestra inaugural que ele deu em 1979 do encontro anual da Development Studies Association. O primeiro: uma fome na Irlanda após uma quebra na safra de batata em 1822, quando pessoas morreram de fome mesmo durante um excesso de suprimento de milho. Aqui, a abordagem do declínio da disponibilidade de alimentos falha totalmente. O segundo diz respeito à fome em Bengala em 1943, na qual 3 milhões de pessoas morreram de fome, embora a produção de alimentos tenha realmente aumentado em relação a 1941, quando não havia fome alguma.

Então, a oferta de alimentos não foi o problema. Qual foi? Sen chama sua alternativa de "abordagem de direitos". É assim que funciona: temos poderes agindo diretamente sobre nós mesmos e sobre nosso ambiente. Se fôssemos todos agricultores de subsistência, talvez bastasse nos concentrarmos neles para explicar a alimentação ou a fome. Mas parte da razão pela qual não temos que ser todos agricultores de subsistência são os poderes que agem indiretamente, por meio de nosso acesso a um sistema global de produção e distribuição. As pessoas obtêm recursos (como alimentos) desse sistema de distribuição por estarem politicamente posicionadas de uma certa maneira - isto é, sendo capazes de fazer reivindicações sobre esse sistema de distribuição que são eficazes em mover recursos para sua comunidade ou família.

Em um sistema de produção e distribuição que funciona como o nosso, essas reivindicações são

mediadas por dinheiro. Na economia formal, as pessoas vendem sua força de trabalho aos empregadores, que os recompensam com salários. Na economia informal, as pessoas trocam esses direitos de reivindicação de maneiras diferentes, geralmente mais diretamente. Seja qual for a forma de obter a grana, conseguir comida requer entregar dinheiro a alguém que tem comida - ou seja, fazer reivindicações eficazes na rede de distribuição de alimentos geralmente envolve dinheiro.

Esta forma de enquadrar as coisas, ao contrário da abordagem da oferta de alimentos, consegue explicar o sofrimento e a morte na Irlanda e em Bengala. A palestra de Sen reconta o discurso do lendário economista David Ricardo ao Parlamento em 1822, explicando que o fracasso da batata levou à fome, apesar da abundância de milho, porque os salários dos trabalhadores irlandeses estavam vinculados à receita da batata. O fracasso da safra de batata não levou a um suprimento inadequado de alimentos - levou a um suprimento inadequado de salários, que servem como base padrão para direitos reivindicados sobre os alimentos em um sistema capitalista.

Tanto em Bengala quanto na Irlanda, as pessoas morreram de fome, apesar da abundância de alimentos. A estrutura legal atuou para proteger o suprimento de alimentos das pessoas famintas, em vez de proteger as pessoas famintas da fome. Problemas econômicos, agrícolas e militares criaram essas crises, mas não foram por si só decisivos. O ingrediente crucial para a causa da fome era sua combinação tóxica com o pano de fundo de uma economia capitalista, a indiferença das elites coloniais à evaporação dos direitos de reivindicação dos povos colonizados (portanto, funcionalmente, à sua morte lenta e horrível) e sua determinação obstinada para proteger interesses patrimoniais, financeiros e militares.

Mas, uma vez que você enquadra o problema em termos de reivindicação de direitos, sua dimensão política se torna mais clara. Em Bengala, as mortes por fome foram distribuídas de forma desigual. A cidade de Calcutá foi a poupada do pior graças aos pesados subsídios em seu mercado de alimentos, que permitiram aos residentes sobreviver às flutuações salariais. Em contraste, a área rural de Bengala não gozava dessas proteções de mercado. As autoridades coloniais britânicas interditaram alternativas expropriando os estoques de arroz e destruindo grandes barcos (que poderiam ter sido usados para pesca) para evitar uma invasão japonesa.

A fome não é apenas conceitualmente útil para aprender sobre as dimensões políticas e os riscos da rápida combinação do COVID-19 com as crises climáticas. A fome é o que está em jogo na crise. Mesmo antes de a pandemia estourar, o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) alertou que 135 milhões de pessoas enfrentavam "níveis críticos de fome ou pior", devido às condições políticas que as mudanças climáticas causaram. para as quais os choques relacionados ao clima contribuíram. Após o início da pandemia, esse número dobrou. Adicione a isso cerca de 821 milhões de pessoas que sofrem de “fome crônica”. Dê uma olhada casual na imagem fornecida acima, tirada do comentário apropriadamente intitulado "Riscos climáticos sobrepostos na pandemia COVID-19".Sem os sistemas políticos adequados em vigor, podemos esperar que esses fatores de estresse provoquem crises de "direito", ou seja, condições de fome, na opinião de Sen. O diretor executivo do PMA não está exagerando, então, quando sugere que estamos à beira de uma fome de “proporções bíblicas”.

A lição que Sen tira de sua abordagem política para pensar sobre a fome é a importância da democracia. Ele aponta que a Índia, em particular, não tem uma fome comparável desde a independência política do Império Britânico, apesar das secas e outras variações nas condições ecológicas. Ele atribui essa trajetória positiva à transição do regime colonial autoritário para uma democracia independente, que, ele argumenta, estabelece os incentivos políticos pelos quais a reivindicação de "direitos" para coisas básicas como comida provavelmente será eficaz - presumivelmente, independente da queda dos salários diminuem ou e se o capitalismo prevalecerá ou não.

O argumento de Sen tem alguma base empírica: a fome, afinal, costumava ser muito mais comum. Alex de Waal, pesquisador de conflitos e construção da paz e atual diretor executivo da World Peace Foundation, estima que mais de 100 milhões de pessoas morreram nas muitas fomes nos 140 anos de 1870 a 2010 em seu livro Mass Starvation: The History and Future of Famine . Quase todas essas mortes ocorreram entre 1870-1980, o que coincide com os anos em que a maior parte do mundo foi formalmente governada por potências coloniais. Mas a democracia não é em si mesma uma panacéia: Nigéria e Haiti, que o PMA lista entre os países em maior risco de fome atual e futura, são pelo menos nominalmente democráticos.

Em todo o mundo, o acesso das pessoas à reivindicação de direitos no sistema de distribuição está diminuindo. O Reino Unido e os Estados Unidos estão a caminho de enfrentar níveis recordes de desemprego; em grande parte do Sul Global, as políticas instituídas para controlar a disseminação do vírus estão causando estragos em suas gigantescas economias informais. Enquanto isso, os ricos ficam mais ricos e estão prontos para obter ainda mais controle político. E, assim como acontece com a fome, o colapso potencialmente iminente na capacidade de reivindicar alimentos, bens e até mesmo habitação tem uma explicação política. Embora o bloqueio tenha sido perigoso para todas as economias, os Estados Unidos devem ter taxas de desemprego de 25 ou até 30%, enquanto outros países como a Alemanha esperam números na casa de um dígito. Uma coisa que diferencia esses dois países: as proteções da legislação trabalhista que restringem as decisões de demissão dos empregadores. Essas proteções são robustas em partes da Europa, China e Argentina, mas fracas nos Estados Unidos e quase inexistentes no continente africano e em grande parte do Oriente Médio. Onde existem fortes proteções nas legislações trabalhistas, elas não representam o favor especial das elites, mas, em vez disso, o terreno do poder político construído pela acumulação de séculos de organizações militantes e bem-sucedidas por trabalhadores e comunidades.

As dimensões políticas de nossa crise atual estão particularmente expostas nos Estados Unidos, cuja longa história de dominação racial paira decisivamente sobre sua distribuição de poder político - uma ordem social mantida e cimentada por uma longa história de policiamento.

Em outros países cuja estrutura política faz uso regular da violência policial, como Brasil e Quênia, os bloqueios da COVID-19 não fizeram a polícia parar de usar força letal. A ligação para a polícia que resultou na morte de George Floyd foi baseada na alegação de que ele tentou pagar por itens com uma nota falsificada - isto é, para proteger o sistema de reivindicações distributivas supostamente ilegítimas. Em resposta, o presidente Donald Trump tuitou uma garantia de que o apoio militar estava a caminho e insinuou que eles estavam ou seriam autorizados a usar força letal, dizendo: “quando começa o saque, começa o tiroteio”.

A mensagem da classe dominante é clara. Quando os tempos ficam difíceis - e ficarão, à medida que a crise climática e a COVID se combinam - o Estado agirá para defender os interesses que escolheu defender. Os ricos receberão resgates secretos e inexplicáveis e os pobres receberão um pacote de estímulo com gás lacrimogêneo e balas de borracha. Se os militares atirarem contra civis para evitar “saques” nos protestos que certamente continuarão - como o presidente insinuou que estava preparado para ordenar - então os manifestantes correm o risco de morrer em frente a prateleiras abastecidas protegidas pela polícia, assim como os irlandeses, quando colonizados, se sujeitaram antes deles.

Como o gráfico demonstra, as crises do clima e do COVID-19 estão se combinando e se alimentando. Como eles interagem é, principalmente, uma questão de quem e o que o sistema político escolhe proteger: e sua defesa contínua da polícia violenta demonstra sua resposta. À medida que os impactos se aceleram, enxames de gafanhotos e inundações virão e ventos soprarão. Nossa única esperança de sobreviver a cólera do mundo natural é recuperar o controle do nosso mundo político.

O nigeriano Olúfẹ́mi O. Táíwò é professor de Filosofia na Georgetown University.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK