Voltar ao site

Por que devemos ter cuidado ao assistir ‘Black Is King’ de Beyoncé

Do Burundi, a feminista afro-americana problematiza a romantização da África pré-colonial

· Negritude,Sem Fronteiras,Últimos artigos

A feminista afro-americana Judicaelle Irakoze, nascida no Burundi e radicada nos Estados Unidos, entrou na polêmica sobre o novo filme da Beyoncé. A partir de um olhar descolonizador, a advogada e diretora executiva da Choose Yourself - uma organização que ela fundou "para capacitar a próxima geração de líderes comunitários" - problematiza a romantização da África pré-colonial e afirma: "nenhum negro jamais obteve liberdade ao reivindicar ser rei".

O texto foi originalmente publicado no site Essence com o títuloWhy We Must Be Careful When Watching Beyoncé’s ‘Black Is King’”, em 1 de agosto de 2020. A tradução é de Allan Kardec Pereira, doutorando em História pela UFRGS, em seu Medium.

Por Judicaelle Irakoze

Eu tinha 9 anos quando disse aos meus pais do Burundi que meu sonho era dançar para Beyoncé, e você deveria ter visto seus rostos chocados. Eu não falava inglês naquela época, então foi preciso me mudar para os EUA aos 17 anos e aprender a língua nativa de Bey para se apaixonar adequadamente por sua música. Ela moldou minha vida inteira e validou minha existência negra de maneiras que eu nunca poderia colocar em um artigo. Eu quero ter certeza de que todos vocês entendam que o que estou prestes a dizer não é sobre Beyoncé como pessoa ou necessariamente sobre sua arte. Trata-se de uma conversa contínua entre os espaços descolonizadores e os teóricos pan-africanos de que nenhum negro jamais obteve liberdade ao reivindicar ser rei.

A supremacia branca pregou uma peça em um grande número de negros, com a escravidão e o colonialismo no topo, eliminando a possibilidade de evoluirmos por conta própria. Violenta e intencionalmente nos roubou um passado e nos deixou inconscientes de quem éramos devido a um apagamento contínuo de nossas amadas memórias através da desvalorização da história oral e escrita. Isso nos deixou com histórias imaginadas enraizadas no olhar branco.

Existe um perigo real em romantizar a África pré-colonial. A glorificação dos reinos antes dos homens brancos nos encontrarem apaga a realidade de que a África não era exatamente um paraíso. Os reinos africanos estavam cheios de escravidão, imperialismo, opressão de mulheres e opressão de classe. Nem todo mundo era um rei ou mesmo uma rainha. Mais importante, nem todas as pessoas negras nos países africanos tinham o potencial de nascer em uma família real ou acessar seus benefícios.

Black Is King (2020)

Nossa amada Toni Morrison nos disse: “A função muito séria do racismo é a distração. Mantém você explicando, repetidamente, sua razão de ser. Alguém diz que você não tem linguagem e você passa vinte anos provando que tem”. Essa tem sido a nossa luta como povo negro, vivendo sob os efeitos ofuscantes do olhar branco, provando continuamente que somos dignos e ainda mais cruelmente, participando de estruturas que sustentam a branquitude, como o capitalismo e o imperialismo, sob o disfarce do Black power.

Minha rainha Beyoncé é uma poderosa artista transcendente, com o poder de instilar em nós a imaginação libertadora. Como uma mulher de ascendência africana, cujos ancestrais sobreviveram a gerações de escravização, ela tem o direito de explorar sua africanidade, encontrar suas conexões com o continente e sua pertença à terra. Mas quando ela voluntariamente, através de sua arte, participa de histórias romantizadas da realeza africana, enraizadas no glamour da África, ela indiretamente desumaniza nossa africanidade. Ela valida o neocolonialismo, entrincheirada em negociar e provar nossa humanidade, fingindo que somos sobre-humanos. É possível imaginar que os humanos africanos são dignos se não forem reis e rainhas, envoltos em ouro e diamantes? Estamos dizendo que nossos ancestrais não deveriam ter sido escravizados porque eram reis e rainhas e não simplesmente porque eram humanos?

Black Is King (2020)

Honrar nossos antepassados ​​não significa criar falsas ilusões sobre quem eles eram ou como viviam. Ser desonesto para nós mesmos com essas narrativas da realeza, enraizadas na extravagância da elite do continente, não mudará o fato de que as ferramentas do mestre não irão desmontar a casa do mestre (grite para Audre Lorde). Capitalismo negro, imperialismo negro, monarquias negras nunca foram nossa liberdade. E eles não serão mesmo se adicionarmos rostos pretos a esses sistemas. Eles ainda vão oprimir a comunidade negra, pois estão enraizados na anti-negritude.

Parafraseando o que disse o aclamado revolucionário pan-africano Kwame Ture, a luta dos negros é uma luta pela terra e a terra para mim é o pertencimento. Está na hora de nossa imaginação, como os negros da diáspora, se libertar do olhar branco e do desejo constante de provocá-lo. Nossa energia deve ser usada para imaginar futuros negros reais, nos quais não precisamos participar do capitalismo e do imperialismo para garantir humanidade. Deveríamos resistir ao neocolonialismo escolhendo contar histórias descolonizadas que exploram toda a amplitude de quem somos como seres humanos — tão puros ou sujos, sagrados ou profanos.

Para Beyoncé, a quem eu amo tanto, obrigada. O filme era rico, bonito e entretido, mas eu esperava mais. Eu esperava que você tivesse acionado a África e a negritude não enraizadas em uma posição capitalista. Eu esperava que você deixasse o mundo entender a realidade cotidiana dos africanos. Porque, enquanto acordamos com um presente de Beyoncé, repleto de imagens ricas, também acordamos com as notícias de ativistas no Zimbábue presos por protestar contra a violência do governo contra o povo.

Black Is King (2020)

Para terminar, eu adoraria que a diáspora negra, em sua jornada para se relacionar com o continente, estivesse mais consciente da dinâmica de poder que existe no continente. Minha esperança é que, com essa consciência aumentada, a diáspora não participe sem querer de sistemas nocivos que prejudicam nossa pátria-mãe.

Beyoncé pode amar de uma forma melhor a África criando arte descolonizante que diz aos negros que não precisamos ser associados a uma monarquia para importar.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK