Voltar ao site

Quatro crises interligadas realçam os limites dos mercados

· Sem Fronteiras

Cédric Durand e Razmig Keucheyan*

O economista Cédric Durand e o sociólogo Razmig Keucheyan, em uma intervenção na tribuna de debates do “Le Monde”, avaliam que o subinvestimento nos hospitais, as fragilidades da globalização, o apoio aos bancos e não aos salários e a guerra de preços do petróleo se combinam para desencadear a crise atual – que é sanitária, econômica, energética e financeira.

A cadeia de eventos em que o mundo entrou na sequência da pandemia do coronavírus decorre da interligação de quatro lógicas de crise – saúde, economia, energia e finanças. Eles destacam os limites dos mercados. Após uma década perdida no rescaldo da crise financeira, as turbulências atuais abrem uma janela de oportunidade. Para tornar nossas sociedades mais resilientes e reabrir um caminho comum de desenvolvimento, a política devem assumir as orientações econômicas prioritárias e submeter o setor financeiro a elas.

Sistemas de saúde levados para o ponto de ruptura

A primeira crise é a da saúde. A principal razão pela qual a epidemia está contaminando a esfera económica é que os sistemas de saúde estão sendo empurrados para um ponto de ruptura. O problema de saúde mais preocupante não é tanto a gravidade intrínseca da doença, mas a incapacidade dos sistemas de saúde de absorver um afluxo maciço de pessoas doentes e de lhes proporcionar os cuidados necessários. É claro que esta vulnerabilidade é tanto maior quanto as medidas de austeridade que foram tomadas: o subinvestimento nos hospitais está agora sendo pago em dinheiro sob a forma de medidas de contenção cujo objetivo não é impedir a propagação do vírus, mas simplesmente retardar a sua propagação de modo a limitar a perda de vidas humanas. A resiliência de uma sociedade depende inicialmente da robustez dos seus serviços coletivos, uma realidade que os mercados, por sua natureza imediatista, não podem interiorizar.

A segunda crise é econômica. Do lado da oferta, as decisões tomadas para retardar a propagação do vírus estão afetando a produção e o comércio. As exportações chinesas caíram 17% durante janeiro e fevereiro, e estão aparecendo interrupções no fornecimento, especialmente de componentes eletrônicos ou princípios ativos para medicamentos. Os analistas esperam que as dificuldades se intensifiquem nas próximas semanas, particularmente na Europa, com o efeito de cascata das medidas já adotadas na Itália e agora na França. Aqui, é o preço oculto de cadeias de valor fragmentadas e hiper-otimizadas da globalização que vem à luz, abrindo caminho para uma reinserção das atividades industriais nos territórios que elas servem.

A política fiscal deve reagir muito rapidamente

Além destas dificuldades do lado da oferta, há complicações do lado da demanda: não só vários setores, como o turismo, estão efetivamente parados, como os trabalhadores que sofrem perdas de rendimento devido ao trabalho em tempo parcial ou que vêem os seus empregos ameaçados estão travando suas despesas. Além disso, num ambiente tão incerto, as empresas estão adiando as despesas de capital, enquanto as mais fracas correm o risco de serem engolidas por dificuldades de caixa. A deterioração é tal que uma recessão na maioria das economias ricas parece extremamente provável. Neste contexto, a política fiscal deve reagir muito rapidamente para proteger os funcionários e evitar a desintegração do tecido produtivo.

Foi a perspectiva desta desaceleração do crescimento mundial que desencadeou a guerra dos preços do petróleo entre a Rússia e a Arábia Saudita na reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) no dia 6 de março. Mas isto revela uma terceira lógica de crise, em grande parte autônoma. Diante da tendência de desaceleração do peso dos combustíveis fósseis na demanda de energia e da perspectiva de uma mudança gradual para um mundo menos intenso em carbono, começou uma corrida para liquidar as reservas de petróleo. Trata-se de uma batalha pela quota de mercado, na qual a Rússia e a Arábia Saudita têm um interesse comum: a eliminação dos produtores de xisto nos Estados Unidos, cujos elevados custos e níveis de endividamento os tornam extremamente vulneráveis à queda dos preços. Mesmo que, a curto prazo, preços mais baixos possam favorecer a procura de petróleo, o efeito a longo prazo é mais positivo para a transição ecológica: ao deprimir o investimento no setor dos hidrocarbonetos e o valor das empresas do setor, a parcela do capital investida no setor fóssil ficará permanentemente enfraquecida.

Sob o efeito dos bancos centrais

A quarta lógica de crise é, naturalmente, financeira. Há uma década, este mercado está sob a infusão de bancos centrais, cujo intervencionismo titânico não pode ser superestimado. Por exemplo, a retomada das operações de recompra de títulos pelo Banco Central Europeu em 1 de Novembro de 2019, muito antes do regresso da grande turbulência, representa uma injeção mensal de 20 bilhões de euros nos mercados, o que equivale, para se dar uma ideia, a 12,5 milhões de salários mínimos mensais de tempo integral… Este deboche de recursos à serviço da estabilidade financeira é completamente irracional. Ficar de braços dados com a bolha financeira só reforça as desigualdades e dificulta a mudança nos padrões de desenvolvimento que todos sentem ser urgente.

Diante da explosão, investidores e bancos já estão pleiteando por novas facilidades. Em uma situação de tensão política generalizada, é impensável reproduzir as escolhas feitas na época da grande crise financeira de 2008. Desta vez, qualquer forma de apoio público aos atores privados deve ter como contrapartida uma tomada de controle: é tempo de as autoridades públicas subordinarem o funcionamento do sistema financeiro aos objetivos de sustentabilidade ecológica e social. Lamentar, como as classes dominantes têm feito desde a última crise, o aumento do “populismo” é fútil. Temos de demonstrar ao povo que a democracia serve primeiro os seus interesses, antes dos das finanças. Isto implica nacionalizar os bancos para garantir a continuidade do sistema de pagamentos.

Ao mesmo tempo, a ação dos bancos centrais deve ser estreitamente coordenada com a política orçamentária dos Estados, o que significa duas coisas: por um lado, assumir a possibilidade de monetizar os déficits públicos; por outro lado, colocar o sistema de crédito à serviço das prioridades políticas favorecidas pelas populações nos domínios da saúde, proteção social, educação, relocalização industrial e transição ecológica.

Numa altura em que as falhas de coordenação do mercado estão se generalizando, só um regresso às grandes orientações políticas de desenvolvimento económico é capaz de restituir às nossas sociedades a resiliência e a solidariedade de que elas tanto carecem hoje em dia.

(*) Publicado no Le Monde, 13 de março de 2020, tradução de JC Leite.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK