Voltar ao site

SARS-COV2 foi muito mais que o deflagrador da crise

Esta crise é a primeira crise verdadeiramente total, a primeira do Antropoceno

· Ecologia,Sem Fronteiras,Vale a pena ler

Daniel Tanuro, Gauche Anticapitaliste, 19 de maio de 2020

A crise do coronavírus não tem precedentes. Não pode ser entendida nem como uma crise sanitária, nem como uma crise socioeconômica, ou mesmo como uma combinação de ambas, mas apenas na realidade de uma crise global, ao mesmo tempo sanitária, social, econômica e ecológica, ou seja, sistêmica. Esta crise é, de fato, a primeira crise verdadeiramente total, a primeira crise do Antropoceno. Como tal, marca uma virada histórica de maior importância e coloca a humanidade mais claramente do que nunca diante de um dilema fundamental da civilização: ecossocialismo ou barbárie.

A natureza sistêmica desse evento extraordinário está claramente estabelecida na origem do vírus, seu modo de disseminação e seus efeitos sociais.

Por várias décadas, observamos que os vírus tendem a pular a barreira da espécie, adaptar e infectar o Homo sapiens, causando zoonoses (doenças originarias de outros animais). O SARS-CoV2 (ou coronavírus ou COVID-19) não é exceção: além do HIV, conhecemos o Ebola, Chikungunya, Zika, SARS1, MERS, influenza aviária e outros. Entretanto, existe um grande consenso entre os especialistas em considerar que os saltos entre as espécies são atribuíveis ao desmatamento, à indústria de carnes, às monoculturas no agronegócio, ao comércio de espécies silvestres, à busca por ouro, etc. Isso é, em geral, a destruição de ambientes naturais pelo extrativismo e produtivismo capitalistas. O COVID-19, portanto, não é uma maldição que nos remeta à Peste Negra e outros flagelos de saúde da antiguidade, mas nos projeta para futuras pandemias. Mesmo que o vírus desapareça, mesmo que uma vacina seja desenvolvida (não há certeza sobre isso, como mostra o HIV e a hepatite C!), novas pandemias continuarão a ocorrer enquanto os mecanismos responsáveis ​​por elas não tiverem sido erradicados.

O modo de propagação do vírus também carrega a marcas das características fundamentais do capitalismo contemporâneo. De fato, a velocidade com que a doença se espalhou pela superfície do globo não se deve apenas às características intrínsecas do SAS-CoV2 (uma letalidade mais baixa que a SARS1, ligada a alta contagiosidade). Também é decisivamente derivada da globalização e da densidade de trocas aéreas extremamente rápidas ao longo das cadeias de valor que conectam as mega-cidades da produção capitalista. Sem esse fator determinante, a epidemia certamente não se tornaria uma pandemia.

Dentro dessas megalópoles, o contágio foi obviamente favorecido pela densidade das populações. Mas esse fator não é absoluto, devendo ser entendido em conjunto com outros dois parâmetros. O primeiro é o crescimento das desigualdades sociais. O exemplo de Nova York é instrutivo: a densidade populacional é mais alta na rica Manhattan do que no Bronx, mas é nesse distrito geralmente pouco povoado e geralmente racializado que o COVID produziu proporcionalmente mais vítimas. O segundo parâmetro é a poluição do ar: análises italianas e americanas confirmam as conclusões de pesquisadores chineses que, já em 2003, no caso da SARS-1, estabeleceram uma correlação entre a densidade do ar em partículas finas , as doenças respiratórias resultantes dela e os estragos do vírus.

A administração da pandemia pelos governos merece críticas detalhadas, para as quais não há espaço aqui. Digamos que é obviamente uma gerência de classe, cujas prioridades foram desde o início:

1. manter, tanto quanto possível, a atividade do setor produtivo da economia;

2. evitar questionar as políticas de austeridade que enfraquecem o setor de saúde (hospitalar e não hospitalar) há décadas;

3. impor um confinamento muito estrito à população e/ou medidas tecnológicas liberticidas (a única maneira de aplainar a curva epidêmica com respeito aos pontos 1 e 2) que tem exacerbado as desigualdades e a discriminação social, de gênero ou de raça.

A pandemia (e sua gestão!) Estão precipitando a eclosão de uma crise socioeconômica cuja magnitude certamente excederá a de 2008 e pode até se aproximar da de 1929. Mas a análise do fenômeno não pode ser estritamente quantitativa. Qualitativamente, de fato, esta crise não é comparável a nenhuma outra. É verdade que ocorre em um contexto geral e muito clássico de superprodução capitalista, já muito tangível antes de dezembro de 2019. Mas, diferentemente de uma crise clássica, a destruição do excesso de capital não será suficiente aqui para restaurar lucros e, portanto, garantir o relançamento da máquina. O vírus, de fato, é muito mais do que um simples gatilho: enquanto ele não for neutralizado, ele perturbará a operação do sistema.

Em outras palavras, um retorno à normalidade pode ser impossível por um período indeterminado ... exceto ao custo de eliminar milhões de seres humanos entre os mais fracos, os mais velhos, os mais pobres e os doentes crônicos. A extrema direita não hesita em optar por esta solução, como demonstrado pelos protestos contra o confinamento nos Estados Unidos e na Alemanha, bem como pelas declarações de Trump e Bolsonaro. Depende de nós, ecologistas conscientes de que o retorno à normalidade é um beco sem saída, tirar a conclusão: o capitalismo não entrará em colapso por si mesmo, devemos concretizar nas lutas o dilema entre um ecossocialismo que respeite os seres humanos e não-humanos ou mergulharmos na barbárie.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK