Voltar ao site

Tailândia: movimento democrático corre para fazer historia

· Sem Fronteiras,Últimos artigos

Depois de um hiato de seis anos, os tailandeses estão de volta lutando pelo controle das ruas, desta vez não uns contra os outros, mas contra a polícia e seus mestres militares.

Ureerat Wilson, Rappler/ESSF, 19 de outubro de 2020

Em um momento em que a democracia parece estar nas cordas em muitas partes do mundo, a visão de milhares de pessoas se reunindo tanto contra o governo dominado pelos militares quanto contra a monarquia nas ruas de Bangkok na sexta-feira, 10 de outubro, desafiando em massa um "decreto de emergência", serviu como uma afirmação de que as pessoas não suportam ficar sem autodeterminação por mais tempo.

Ponto de ebulição
Semanas de protestos liderados por jovens e estudantes de todo o país atingiram um ponto de ebulição, pois muitas pessoas da classe média e da base popular do ex-Primeiro Ministro Thaksin Shinawatra, as chamadas "Camisas Vermelhas", se juntaram a eles. Este último desenvolvimento é significativo já que foi a luta entre a classe média de Bangkok e os apoiadores de Thaksin que serviu de desculpa para a intervenção dos militares tailandeses que depuseram o governo eleito da irmã de Thaksin, Yingluck, em maio de 2014.

Uma mistura volátil de acontecimentos criou esta onda crescente contra o domínio militar. As altas apostas dos militares têm sido um ingrediente chave. Os generais desperdiçaram o prazo de um ano e meio após o golpe de Estado, que impuseram a si mesmos. Em seguida, eles passaram a elaborar uma Constituição que lhes permitiria escolher a Câmara Alta do Legislativo, o Senado, para que isso vetasse qualquer legislação que enfraquecesse seu domínio sobre o poder. Depois disso, os generais realizaram eleições cuidadosamente gerenciadas em maio de 2019, que foram projetadas para permitir que eles pudessem empacotar a câmara baixa, a Câmara dos Deputados, com seus apoiadores. Finalmente, antes e depois das eleições de maio, a Corte Constitucional dissolveu dois partidos da oposição por motivos muito frágeis.

Um segundo elemento tem sido crítico. Os militares sempre disseram que intervieram para proteger a monarquia. O problema é que o monarca reinante, o rei Vajiralongkorn, tem se comportado de formas que contrastam com o comportamento de seu pai, o falecido rei Bhumibol, que gozava de tremenda autoridade moral devido a sua vivência à altura das expectativas dos tailandeses comuns em relação a um rei. Vajiralongkorn declarou-se o proprietário pessoal da propriedade da Coroa, no valor estimado de 60 bilhões de dólares, que sempre foi vista como propriedade pública, e ele exibe relações íntimas com várias mulheres simultaneamente, em contraste com seu pai, que tinha a reputação de ser monógamo. Os tailandeses conservadores de classe média para os quais a monarquia é sagrada têm sido cada vez mais repelidos pelo comportamento odioso por parte do rei e se tornam cada vez mais críticos. Isto subiu em um crescendo nos últimos meses, quando o rei preferiu passar quase todo seu tempo com sua comitiva feminina na Alemanha ao invés de permanecer na Tailândia em solidariedade com seus súditos enquanto eles lutavam contra a COVID-19.

Jovens e estudantes dão um passo à frente
Um terceiro fator é de natureza geracional. Milhões de jovens tailandeses chegaram à maturidade política nos últimos 6 anos, muitos deles se sentindo distantes da polaridade pró-Thaksin/anti-Thaksin que definiu a política de pessoas mais velhas. Seu surgimento como uma força nova e potente foi sinalizado pelo surpreendente terceiro lugar do Partido do Futuro nas eleições de 2019. Future Forward, fundado por um herdeiro multimilionário, catalisou a insatisfação de jovens e estudantes com o status quo através de um programa que pedia explicitamente o retorno dos militares ao quartel. Em vez de conter o Future Forward através de meios parlamentares, os militares levaram seus apoiadores às ruas, fazendo com que a Corte Constitucional proscrevesse judicialmente vários de seus representantes eleitos, incluindo seu fundador, Thanathorn Juangroongruangkit, e desmantelasse e proibisse o partido.

Radicalizado por essa iniciativa, o movimento cresceu explosivamente e formou uma nova geração de líderes nacionais, alguns dos quais são estudantes da Universidade Thammasat, a lendária casa do movimento estudantil da década de 1970. Estes líderes, incluindo a estudante Panusaya ("Rung") Sithijirawattanakul, de 21 anos, e a estudante de ciências políticas Parit ("Pinguim") Chiwarak, de 22 anos, declararam sua disposição de ir para a prisão por lesa majestade, ou insultando a monarquia, que foi uma das penalidades pelas quais os militares anteriormente desarmaram a oposição.

Após um hiato de seis anos, os tailandeses estão de volta lutando pelo controle das ruas, desta vez não uns contra os outros, mas contra a polícia e seus mestres militares. De 2001 a 2014, as ruas e as eleições foram os principais locais de luta enquanto o populista Thaksin desatou uma era de reformas destinadas a afrouxar o grilhão do poder da elite aristocrático-burocrático-militar dominante do país. O programa populista de Thaksin, que incluía assistência médica universal, subsídios agrícolas e um fundo de investimento de um milhão de dólares para cada vilarejo, encantou as classes populares do campo e da cidade. Um golpe militar em 2006 depôs Thaksin, mas não impediu sua coalizão de ganhar 4 eleições consecutivas, a última das quais levou sua irmã Yingluck ao poder em 2011.

O cultivo por Thaksin do apoio às classes populares alarmou a classe média de Bangkok, que sentiu que isso estava sendo feito às suas custas. Sentindo uma oportunidade, a elite alimentou os medos da classe média e os mobilizou em protestos maciços de rua, que foram recebidos com contra-protestos igualmente maciços pelos Redshirts de Thaksin. Temendo que o sucesso das eleições livres instalasse uma maioria permanente pró-Thaksin, a aliança de elite e classe média finalmente optou por uma estratégia de provocar os militares a expulsar Yingluck, o substituto de Thaksin, em maio de 2014.

A recusa dos generais em renunciar após mais de 6 anos enfraqueceu seu apoio entre a classe média, com muitos ex-patizantes do golpe de 2014 agora se juntando aos estudantes e jovens, juntamente com seus antigos antagonistas, os Camisas Vermelhas. Mas a nova coalizão anti-militar tem seus problemas. Alguns gostariam que os militares voltassem para o quartel, mas estão preocupados com a outra demanda dos estudantes por uma reforma da monarquia, temendo que o povo tailandês não esteja pronto para uma demanda que tem atraído apoio entusiasta até mesmo dos estudantes do ensino médio, muitos dos quais não entendem por que eles têm que ter um rei em primeiro lugar.

O futuro da Tailândia na balança
Com milhares preparados para continuar desafiando os militares, muitos estão preocupados que eles e a polícia mais cedo ou mais tarde tomem medidas drásticas contra os manifestantes para evitar que sua autoridade se desgaste. Para dispersar a mobilização da última sexta-feira, a polícia - obviamente imitando uma tática da polícia de Hong Kong - teria encharcado os manifestantes com água misturada com tinta indelével para que eles pudessem ser identificados e presos. Espera-se que as táticas policiais se intensifiquem. Há também receios de que as duas divisões de choque do exército estacionadas em Bangkok que estão sob o controle pessoal do rei possam se mover independentemente do governo e tomar o controle das ruas.

Ureerat Wilson é um correspondente sediado em Bangkok.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK