Voltar ao site

Uma agenda para o debate do colapso ecossocial

O colapso aparece como algo distante e suspeito, uma mistura de catastrofismo e teoria da conspiração; e sabe-se que a mídia toma cuidado para fazer com que pareça ainda mais distante.

· Ecologia,Vale a pena ler

Sabe-se que o colapso ecossocial já determina a existência de pessoas e seres vivos em várias regiões do mundo. Sabe-se que o colapso aparece como algo distante e suspeito, uma mistura de catastrofismo e teoria da conspiração; e sabe-se que a mídia toma cuidado para fazer com que pareça ainda mais distante.

Miguel Muñiz Gutiérrez, Rebelión.org, 7 de novembro de 2020

Se ignora o mais importante, como conectar o conhecimento dos impactos sociais e econômicos do neoliberalismo com o conhecimento dos impactos globais e locais, de natureza ecossocial.

A combinação de conhecimento e ignorância leva à especulação imaginativa.

Sobre esta questão apresentamos quatro propostas de leitura necessárias, leituras que requerem tempo e digestão intelectual, adequadas à periodicidade mensal deste Boletim, que convidam a uma reflexão aprofundada. Abrimos com o debate sobre estratégias adaptativas e resilientes, que vem ocorrendo há meses entre Emilio Santiago Muiño (e outros) e Jorge Riechmann (e outros); continuamos com a continuidade das posições de Jorge, respeitosamente críticos das opiniões de Jaime Vindel; continuamos com uma exibição especulativa e imaginativa de Andreas Malm, e encerramos com um documento, difícil de classificar, também de Jorge Riechmann.

1) O artigo de Emilio Santiago Muiño, Futuro adiado: notas sobre o problema dos prazos para a divulgação do pico do petróleo, março de 2019, não podia prever as consequências desastrosas do coronavírus sobre a indústria de fracking. Este é o único ponto fraco de um texto longo e rigoroso (4 seções, 476 linhas no total, com um mínimo de links) que analisa as variáveis que impedem a realização de previsões ecossociais, apesar de ter uma forte base analítica e um sólido apoio científico. Muiño avalia as causas, consequências e implicações deste fato e propõe estratégias para correção. https://www.15-15-15.org/webzine/2019/03/02/futuro-pospuesto-notas-sobre-el-problema-de-los-plazos-en-la-divulgacion-del-peak-oil/

2) Em outubro de 2020 - com a pandemia marcando respostas sociais e econômicas em um labirinto de confusão - Jorge Riechmann publica um breve artigo de 45 linhas: Sobre os pontos cegos do "colapso": diálogo com Jaime Vindel, no qual traça um esboço contrário ao texto de Santiago Muiño. Uma exposição interessante e matizada de duras discrepâncias. https://vientosur.info/sobre-los-puntos-ciegos-del-colapsismo-dialogo-con-jaime-vindel/

3) Em 8 de maio de 2020, em meio às limitações impostas pelo estado de alerta. Foi publicado um artigo cujo título se referia à edição de um livro coletivo: Como se houvesse um amanhã: ensaios para uma transição eco-socialista. O artigo contém a contribuição completa de Andreas Malm para o livro: Uma estratégia revolucionária para um planeta em chamas, uma leitura interessante. Um professor da Universidade de Lund e ativista político e social, Malm, do conforto de uma das melhores universidades do norte da Europa em um cenário idílico, especula, sobre dados sólidos, com a dimensão revolucionária de um colapso apocalíptico. Outro texto longo (595 linhas, 4 seções, 77 notas - mal revisadas - ao pé da página), heterodoxo e imaginativo, abundante em referências concretas..., e com muito Lênin; um texto que entra totalmente em territórios que Muiño e Riechmann só vagamente mencionam e resistem a pisar. https://vientosur.info/como-si-hubiera-un-manana-ensayos-para-una-transicion-ecosocialista/

4) E acabamos por ficar com a parte mais difícil. Oito dias após o breve texto acima, Jorge Riechmann publica Diminuição, Desdigitalização - quinze teses, leitura altamente recomendada, para o que diz e para o que não diz. Uma análise rigorosa atravessada pela angústia que as pessoas intelectualmente honestas experimentam diante de eventos brutais. Não há 15 teses, pois se contarmos uma tese intercalada (9,5) e o "coda final", temos 17. Um artigo extenso, 551 linhas, que traça seu fio através de uma cadeia contínua de citações de todos os tipos de autores. O resultado são 104 notas de rodapé; observa que, entre links e citações textuais, às vezes acompanhadas de comentários do autor, ocupam mais 632 linhas. Em outras palavras, eles formam quase um segundo artigo. O resultado final é de cerca de 1182 linhas de texto. Além da impressionante exibição de erudição, o artigo merece uma leitura reflexiva e crítica, já que se articula em duas linhas de análise, maioria e minoria, que, até certo ponto, se contradizem. https://www.15-15-15.org/webzine/2020/09/07/decrecer-desdigitalizar-quince-tesis/

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK