Voltar ao site

We can't breath: rebelião contra violência racista sacode os EUA

Enquanto as brasas da delegacia 3 de Minneapolis ardem, o mesmo acontece com a raiva de uma comunidade que simplesmente não consegue mais respirar

· Sem Fronteiras,Negritude,Últimos artigos

Declaração do Comitê Nacional do Solidarity, organização socialista estadunidense, 31 de maio de 2020

Os levantes e manifestações em Minneapolis e outras cidades, inclusive em frente à Casa Branca, que se seguiram ao assassinato brutal, em 25 de maio, de George Floyd, um homem negro desarmado, por policiais brancos de Minneapolis, depois a hesitação de promotores locais e federais em prender imediatamente os policiais que foram filmados no ato, vêm na sequência de vários outros casos recentes e amplamente divulgados de violência racista.

Em 30 de maio, as manifestações se espalharam por dezenas de cidades com a participação de manifestantes multirraciais, muitos dos quais jovens, mascarados e aparentemente tentando manter o distanciamento social enquanto se moviam pelas ruas. Alguns pareciam ter sido mobilizados por organizações locais ou nacionais, enquanto outros foram movidos a se mobilizar pelos vídeos dos assassinatos e protestos em outros lugares.

O assassinato de Floyd é o mais recente de uma série de assassinatos de homens negros por policiais, que datam pelo menos desde o assassinato de Michael Brown em Ferguson, Missouri em 2014 e, anteriormente, ao espancamento de Rodney King pela polícia de Los Angeles em 1991, um dos primeiros capturados em filme.

Como as estatísticas sombrias de doença e morte mostraram nas últimas semanas e meses da pandemia de Covid-19, ficou claro que as pessoas de cor foram as principais vítimas da crise da saúde. O assassinato de George Floyd nos lembra que a brutalidade policial não foi colocada em quarentena durante a pandemia.

"Correndo enquanto negro" e "Birding While Black"
Em fevereiro, Ahmaud Arbery, um jovem negro, estava correndo perto de sua casa, perto de Brunswick, na Geórgia, quando três vigilantes brancos, incluindo um ex-policial, o abordaram, segundo eles, tentando fazer uma "prisão do cidadão". Um atirou nele três vezes com uma espingarda, enquanto outro ficou parado com uma pistola na mão. Foi somente porque o terceiro vigilante civil branco gravou o incidente em vídeo que o Bureau de Investigação da Geórgia finalmente interveio e prendeu os dois primeiros e depois o terceiro homem. A rede de cumplicidades que permitiu que os vigilantes permanecessem sem acusações por semanas lembra o assassinato de ativistas de direitos civis Cheney, Goodman e Schwerner por vigilantes e policiais locais no Mississippi durante o Freedom Summer de 1964.

Apenas alguns dias antes da morte de George Floyd, apareceu um vídeo mostrando uma mulher branca no Central Park de Nova York, que, em resposta ao pedido de um observador de pássaros negro para manter seu cachorro na coleira de acordo com os regulamentos do parque, responida que chamaria a polícia e lhes diria que sua vida estava "sendo ameaçada por um homem afro-americano". Os episódios compartilhavam mais do que a coincidência de um sobrenome comum: entendiam qual palavra seria aceita pela polícia, promotores e pela grande imprensa no caso de ela ter feito tal acusação.

Em uma ironia arrepiante, o incidente ocorreu no mesmo parque em que cinco homens negros, o “Central Park Five”, foram presos, depois falsamente acusados e condenados, por supostamente estuprar e espancar uma banqueira de investimentos branca em 1989. A exploração desavergonhada dessa horrível relação de raça e gênero na sociedade norte-americana por pessoas brancas privilegiadas é um ultraje em si mesmo, que só aumentou a ressonância da bronca que explodiu em Minneapolis. Na mesma época, Breonna Taylor, uma trabalhadora de saúde negra, foi morta a tiros em sua cama em Louisville, Kentucky, por policiais executando um mandado no endereço errado. O assassinato de Arbery, Floyd e os recentes casos do Central Park nunca poderiam ter sido trazidos à atenção do público se eles não tivessem sido gravados.

Os apelos gravados por George Floyd de "Não consigo respirar" são dolorosamente reminiscentes do assassinato de Eric Garner pela polícia da cidade de Nova York em 2014. Vigilante linchado com a participação de policiais locais, a disposição dos brancos de usar seu privilégio de chamar a polícia contra negros pela menor ofensa imaginada, incluindo sua presença, e a milésima morte de um negro desarmado por policiais são exemplos dos tratamentos que os negros têm nos EUA.

O clima político que encoraja isso é atiçado por um presidente que flerta abertamente com as forças mais racistas e reacionárias do país, com a cumplicidade tácita de um dos partidos que nos governam e a dissidência e ineficácia do outro.

O fogo desta vez
A cada poucos anos, uma série de violências contra os afro-americanos chega ao ponto em que manifestações de tristeza e raiva são expressas em levantes, acompanhados de incêndios nas cidades e saques de lojas. Houve revoltas em Watts em 1965, em Detroit em 1967 e em várias cidades depois que o Dr. Martin Luther King Jr. foi assassinado em 1968, e também em Los Angeles após a absolvição dos policiais que mataram Rodney King em 1991 .

A queima de uma delegacia de polícia de Minneapolis e o abandono temporário das ruas vizinhas aos manifestantes têm considerável importância simbólica. A sede da polícia em comunidades negras é um lembrete constante de que a polícia é uma força de ocupação e não uma fonte de segurança pública. Os manifestantes dançavam à sombra das chamas que consumiam a delegacia nº 3 de Minneapolis, um símbolo físico de sua opressão. Por algumas horas, as ruas pertenceram às pessoas que moram lá.

Podemos esperar o coro habitual de piedosos balanços de cabeça e abanar os dedos de porta-vozes liberais e conservadores, lamentando como os danos causados ​​pelo levante só machucarão a própria comunidade negra. Isso também é um encobrimento. Revoltas urbanas são o resultado, não a causa das terríveis condições de vida enfrentadas pelos negros e outras pessoas de cor nas cidades americanas racialmente segregadas.

Décadas de redefinição de linhas, fuga de capitais, segregação residencial e outras características do capitalismo racial há muito deixaram muitos bairros negros sem emprego, centros de desespero, violência e negligência oficial, enquanto as áreas brancas do centro e residenciais floresceram graças à infusão de capital privado e financiamento público e as áreas brancas mais ricas desfrutavam de escolas bem financiadas e da segurança do bairro.

Enquanto as brasas do distrito 3 ardem, o mesmo acontece com a raiva de uma comunidade que simplesmente não consegue mais respirar. As rebeliões são um clamor pelo oxigênio da justiça social e racial. Assim como as fontes de exploração, opressão e violência estatal e vigilante experimentadas pelos afro-americanos nos últimos quatrocentos anos são profundas e amplas, as soluções também são vastas. Estas começam com a responsabilização do Estado pela violência cometida pela polícia e os vigilantes encorajados pelos políticos que nos governam. Abordar as questões amplas da opressão negra, no entanto, exigirá profundas mudanças estruturais, como o desmantelamento da justiça criminal racista, dos sistemas penitenciários e uma redistribuição da riqueza que poderia envolver várias formas de reparação pelos crimes de escravidão que foram discutidos em círculos progressistas.

Em 1963, o romancista negro James Baldwin intitulou suas reflexões sobre a opressão racial The Fire Next Time. (O Fogo da Próxima Vez). O incêndio chegou e apenas uma reordenação da sociedade americana acalmará as chamas de protesto que produziu.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK