Voltar ao site

Catherine Samary: Um debate crítico sobre os socialismos

Resenha do livro de Ian Parker, “Socialisms — Revolutions betrayed, mislaid and unmade” (Socialismos - Revoluções traídas, perdidas e desfeitas), Resistance Books and the IIRE, 2020

· Formação,Sem Fronteiras,IV Internacional,Vale a pena ler

"Parker nos faz perceber bifurcações opacas, mudanças ideológicas e novas narrativas oficiais cobrindo diversas formas de integração dentro - mas também ainda resistindo - à nova (des)ordem do mundo capitalista".

Catherine Samary, Socialist Resistence, 4 de dezembro de 2020

Ian Parker é um militante e pesquisador de Manchester, no norte da Inglaterra. Com base em uma vasta cultura política e compromisso radical em lutas contra todas as formas de opressão interconectadas, ele nos oferece uma jornada no tempo e no espaço, ancorada em oito escalas - Rússia, Geórgia, Sérvia, Coréia do Norte, China, Cuba, Laos e Venezuela. Todas elas "passaram pelo processo de revolta contra o capitalismo de formas muito diferentes e pelo fracasso em construir o socialismo".

Em sua apresentação desafiadora, Parker adverte aos leitores que eles não encontrarão no livro nenhuma "pretensão de ir aos ‘bastidores’ e de ver diretamente como esses países realmente são". Entretanto, ele quer que saibamos que suas lentes e simpatia política estão próximas à cultura e ao legado da Quarta Internacional (FI) e de Ernest Mandel - o economista que era sua antiga referência pública.

Nenhum plano
Ele extrai de tal legado - assim como eu - uma reflexão dupla e complexa: sobre a democracia socialista e contra o conceito determinista e linear da história. Tal rejeição de um conceito determinista da história combinado com a ênfase na democracia socialista expressou a profunda ruptura de um marxismo vivo com o "marxismo ortodoxo" promovido pelos PCs estalinistas. E esta dupla ruptura também atualizou a rejeição de Marx de 'modelos' de socialismo separados das lutas, experiências e contextos.

Parker reafirma a convicção marxista de que não havia/não há nenhum plano para o socialismo - mesmo que se deva tirar lições de experiências e fracassos. No centro das dificuldades investigadas no livro: a pressão da ordem capitalista dominante tanto interna quanto internacional mesmo durante e após um processo revolucionário; a inventividade permanente do capitalismo quando se trata de quebrar ou incorporar resistência a sua dominação; a dificuldade de manter faíscas de resistências populares queimando - e portanto riscos orgânicos de "substituição" e burocratização dos partidos. Além disso, "o socialismo não é um plano a ser transmitido às pessoas", mas "um processo de auto-organização através do qual as pessoas aprendem através de sua própria auto-atividade coletiva o que é possível e descobrem maneiras de colocar suas idéias em prática".

A ruptura com o conceito inicial da história linear marxista foi iniciada pelo próprio Marx e começou a dividir os marxistas dentro da Segunda Internacional durante a Revolução de Outubro, em uma sociedade marcada pelo "desenvolvimento desigual e combinado" do capitalismo produzido pela expansão imperialista. Como sublinhado por Parker, a revolução socialista ancorada e iniciada em contextos nacionais deveria ser articulada dentro de um confronto complexo com o capitalismo como um sistema mundial de dominação. Esta convicção e entendimento bolchevique explica seu esforço imediato para construir a Terceira Internacional logo no início dos anos 1920 com suas dimensões de "comunismo decolonial".

A viagem política de Parker à Coréia e à China lembra o quanto essa orientação desencadeou laços entre a URSS e novos surtos revolucionários na Ásia, primeiro contra a dominação imperialista japonesa e depois contra os EUA. Mas Parker também acrescenta que as novas ondas de revoluções associadas à Segunda Guerra Mundial, foram agora confrontadas com a afirmação de Stalin de que o socialismo poderia e deveria ser construído "em um país", na União Soviética como a "pátria do socialismo". Isto significava sua subordinação ao comportamento hegemônico do Kremlin, em vez de relações igualitárias e internacionalistas. A URSS estalinizada manteve (e até fortaleceu por causa de seus sucessos) suas ligações com o movimento operário e estimulou de fato a resistência anti-imperialista, mas ao mesmo tempo, ampliou em nível internacional sua "marca" burocrática através de ajuda condicionada - e a subordinação das lutas revolucionárias a sua "linha" e conceitos de "socialismo".

Parker lembra em diferentes capítulos que esta nova realidade histórica e política esteve na raiz tanto do cisma Tito/Stalin em 1948 quanto do conflito Sino-Soviético. Ele também poderia ter nos lembrado que os expurgos violentos dentro dos PCs, incluindo assassinatos, estavam associadas à "excomunhão" dos comunistas iugoslavos. O rótulo "Titoísmo" tornou-se tão infame quanto "Trotskismo" dentro dos PCs pró-soviéticos, mas também nas correntes pró-maoístas, já que Mao endossou a orientação de Stalin e as calúnias contra a "desestalinização" de Khrushchev. Mesmo com suas especificidades, a revolução cubana, no contexto das ameaças imperialistas às suas portas, também foi confrontada (e influenciada) por esta realidade política estalinizada: Parker nos lembra que Fidel Castro decidiu "apoiar a invasão soviética da Tchecoslováquia em 1968" e mais tarde "condenar o Solidarnosc na Polônia em 1980".

Tudo isso não teve nada a ver com o "socialismo" enquanto tal (nem com a restauração capitalista), mas com verdadeiras relações e escolhas políticas desastrosas dentro do "movimento operário", incluindo os partidos revolucionários de "vanguarda". Elas dividiram e enfraquecera o movimento comunista mundial, as revoluções anticoloniais e o "movimento dos países não-alinhados", apesar de seus verdadeiros avanços anti-imperialistas nos anos 70.

Supressão da democracia
Por trás dessas fraquezas e fracassos, como diz Parker, "a supressão burocrática da democracia" associada ao regime do partido único - administrando o planejamento burocrático, o "socialismo de mercado" ou ambos - reduziu a força dos trabalhadores e a resistência do povo aos contra-ataques imperialistas e capitalistas e à globalização capitalista neoliberal, radicalizada depois de 1989.

É neste contexto das últimas décadas que a jornada política de Parker - e de seus intrépidos e inquisitivos companheiros - se desenrola em três continentes. Em cada escala, Parker esboça as fases revolucionárias de determinada história nacional em seu contexto regional e internacional, lançando luz sobre contradições e limites internos. Isto é particularmente útil para aqueles casos mais desconhecidos dentro da esquerda radical - da Geórgia à Coréia do Norte ou ao Laos - mas também para aqueles mais familiares, mas que (ainda) não produziram consenso entre estas correntes. Entretanto, Parker nos faz perceber bifurcações opacas, mudanças ideológicas e novas narrativas oficiais cobrindo diversas formas de integração dentro da - mas também resistindo ainda a - nova (des)ordem capitalista.

A Rússia de Putin, diz Parker, refutando ilusões sobre ela, não é apenas "capitalismo zumbi", mas também "estalinismo zumbi" que "promove uma reescrita significativa da história". “Lênin é agora visto como uma ameaça”, cada vez mais “criminalizado retroativamente pelo regime”. Neste contexto, LGBTQ, ativistas ecológicos, feministas "e socialistas em grupos anarquistas e trotskistas são visados".

O líder russo é cada vez mais atraído pelo tipo de capitalismo forte liderado pelo Estado que dá ao regime chinês uma capacidade tanto de controle repressivo da sociedade quanto de pesar nas relações internacionais como uma Grande Potência emergente. Parker sublinha o quanto essa "enorme massa terrestre asiática tomada do capitalismo" uma vez foi "a peça central da revolução não apenas na região, mas em todo o mundo, como inspiração para as lutas camponesas, bem como para a classe trabalhadora industrial, e operando como um contrapeso à União Soviética". No entanto, analisando as principais características dessa experiência específica, Parker também fornece informações sobre o que suas recentes visitas revelam sobre o lugar do “marxismo” relegado às esferas “acadêmicas” e isolado dos debates públicos sobre a política econômica e social do regime.

Que papel o marxismo e o debate pluralista poderiam desempenhar no regime cubano ainda sob bloqueio dos EUA? Parker mantém em aberto muitas questões sobre essa resistência específica - ainda tentando quebrar seu isolamento enquanto mantém seu patrimônio social revolucionário passado e presente e suas contradições. Ele deixa em aberto o presente/futuro "diagnóstico preciso da economia política" enfatizando que "o que está mais vivo em Cuba é a inspiração que ela dá aos revolucionários de fora". Seu destino dependia significativamente do que aconteceria no continente, em particular do resultado da República Bolivariana da Venezuela".

Esta última parada da viagem de Parker pertence a outro conjunto de experiências e várias de suas visitas desde que a nova "República Bolivariana" e sua nova constituição foram proclamadas após as primeiras eleições de Chávez em 1999. Ao recordar o legado de Simon Bolívar, Parker explica porque o novo regime, desafiando a relação de forças com a oligarquia em favor das classes racializadas populares, estava "colocando questões difíceis sobre populismo e poder de Estado para todos nós hoje procurando alternativas".

Ele critica as reivindicações "socialistas" de Chávez (e ainda mais de Maduro), enquanto a economia permanecia "nas mãos dos grandes capitalistas" e impedia as transformações socialistas através de seu clientelismo e verticalismo. Desafiando os critérios “campistas” que minimizam as causas orgânicas da crise atual e as desilusões populares, ele mantém viva a solidariedade internacionalista e as posições anti-imperialistas. Elas subjazem aos esforços da Quarta Internacional para manter relações de camaradagem entre diferentes correntes radicais de esquerda tomando diferentes posições frente à política de Maduro.

Infelizmente, a Quarta Internacional é muito fraca para ter peso (e o "trotskismo" certamente não é um ponto de referência claro nem em termos de práticas políticas nem de análises como as breves observações de Parker reconhecem em vários capítulos) enquanto os apelos de Chávez para construir uma Quinta Internacional não foram credíveis. As principais questões que a viagem política de Parker queria esclarecer dizem respeito à necessidade de uma abordagem e atualização pluralista, dentro e fora da Quarta Internacional, com outras correntes anti-capitalistas, em todo o mundo.

Este é o caso da bifurcação histórica em 1989-1991, cuja opacidade ainda não foi totalmente exposta - tanto para a Alemanha, a União Soviética, a antiga Iugoslávia ou - em condições radicalmente diferentes - na China (com, no meio, todos os cenários específicos para os países do Leste Europeu). Isto abrange tanto as escolhas e relações geopolíticas internas, regionais e internacionais entrelaçadas, mas também as condições muito precisas do que tem sido chamado de "privatização" sem capital monetário real em uma primeira fase, exceto quando o capital estrangeiro foi autorizado a comprar ativos. Parker não esclarece (não pôde através de tal viagem) esta questão complexa.

Escolhas futuras
Em seu capítulo sobre a Rússia, ele distingue corretamente Glasnost, que ele apóia, e Perestroika, que ele critica. Mas ele não distingue a primeira fase das leis de propriedade - próxima às "reformas de mercado" dos anos 60 dentro de sistemas burocráticos, mas não capitalistas (vocês podem ler mais sobre isso em meu estudo "Plano, mercado e democracia" no livro que organizei com Fred Leplat Decolonial Communism, Democracy and the Commons...) - e a segunda que abriu o caminho para a terapia de choque e restauração capitalista de Ieltsin. Essas questões e debates estão longe de ser simples e esclarecidas ainda hoje - não apenas no livro de Parker, mas em geral entre os marxistas. Eles são importantes não apenas para discutir o passado, mas para fazer escolhas futuras.

E estão ligadas a outro debate aberto e mais conceitual: Parker nos lembra (p.9) que "embora fosse em certo sentido "pós-capitalista", a União Soviética não era, como dizia, "socialista", ainda menos comunista". Ele poderia ter lembrado que para os bolcheviques nos anos 1920 esta característica combinada ("não mais" e "ainda não") foi analisada como uma "sociedade de transição" - onde o capitalismo não domina mais o Estado, o papel do dinheiro, o status social dos trabalhadores e as escolhas econômicas gerais, mas onde as relações socialistas devem ser criadas através de uma luta contra pressões capitalistas internas e externas, mas também contra pressões burocráticas não capitalistas (incluindo formas de opressão e exploração dos trabalhadores). Utilizei tal metodologia em meus estudos sobre as reformas iugoslavas. Parker deveria ter lembrado que Stalin rompeu com a concepção bolchevique ao afirmar que a União Soviética era totalmente "socialista" com base na coletivização forçada da agricultura e na introdução de um planejamento burocrático totalitário. Mesmo as correntes não stalinistas foram influenciadas por tais critérios “economistas”. Mais tarde voltarei a essa questão conceitual para concluir esta "conversa crítica com Ian Parker", e mais além, com a esquerda radical em toda sua diversidade.

Mas antes, gostaria de expressar um desacordo parcial com a apresentação de Parker sobre a Sérvia. Como ele nos lembra, a revolução e a experiência iugoslavas encarnaram a esperança de uma alternativa socialista ao nacionalismo e à lógica estalinista do grande poder. Por razões que não posso analisar aqui, o sistema e a federação sofreram o pior dos desmantelamentos com base na limpeza étnica dos territórios (a apropriação nacionalista estatista e chauvinista violenta permitiu depois privatizações clientelistas). Em 1999, a guerra da OTAN relativa à questão então aberta do status da província de Kosovo produziu fortes conflitos entre as correntes de esquerda radicais (anti-imperialistas), como aconteceu mais tarde com a crise ucraniana. [1]

Em muitos artigos e em uma campanha européia "por uma paz justa e duradoura" (seguindo a campanha "Comboios de trabalhadores para a Bósnia" apoiada pela FI), expressei uma oposição sistemática a todas as políticas de limpeza étnica e apropriação exclusiva de territórios historicamente mistos - de onde quer que venham, denunciados ou instrumentalizados pelo "realismo político" neo-colonial. [2]

Entretanto, a FI (Parker e eu dentro dela, claro) opusemo-nos à intervenção da OTAN, que não era aceitável mesmo do ponto de vista da autodeterminação albanesa. Discordei tanto daqueles que a apoiavam contra as políticas (reais) da Grande Sérvia como daqueles que, devido a posições anti-imperialistas, negavam os direitos de autodeterminação que deveriam ser reconhecidos tanto aos albaneses como aos sérvios, todos espalhados por muitos Estados. O capítulo de Parker sobre a Sérvia evoca as marcas (tanto materiais quanto psicológicos) deixadas pelos bombardeios da OTAN - uma forma de expressar solidariedade contra eles. No entanto, sua descrição é no mínimo questionável - equiparar a posição e a resistência da Sérvia às forças externas com a da Iugoslávia titoísta, construindo o socialismo "em uma só república".

Milosevic era um mutante. A fim de consolidar seu poder (incluindo o poder de privatizar de acordo com seus próprios critérios), ele alegou ser um seguidor de Tito, bem como dos Chetniks, do Iugoslavismo (na verdade, da primeira Iugoslávia dominada pela dinastia sérvia) e do nacionalismo sérvio. É por isso que mesmo que eu concorde com o que Parker diz do atual regime liderado por Vucic, discordo de qualquer tipo de "identificação" da última Iugoslávia liderada pela Sérvia no final dos anos 90 com a antiga Iugoslávia titoísta.

Minha última observação crítica para a “conversa” com Parker se baseia precisamente na abordagem de Darko Suvin do passado iugoslavo que recusa seu enterro reacionário. [3] Parker poderia ter fortalecido mais claramente sua viagem política extremamente rica e suas observações iniciais citando a proposta de Darko Suvin em seu estudo sobre Splendour, misery and possibilities – an X-ray of the Yugoslav socialist federation [Esplendor, miséria e possibilidades - uma radiografia da federação socialista iugoslava] (Haymarket, 2016) onde ele diz que o "socialismo" poderia ser usado para descrever "um período de transição" - que pode durar gerações entre o capitalismo explorador e o comunismo plenamente democrático: o termo "socialismo" só é útil se compreendido como um campo de forças polarizado entre uma congregação de sociedades alienadas e uma democracia comunista radical e igualitária que ainda está por ser criada.

Notas
[1] Journal of Contemporary Central and Eastern Europe. Volume 24, Edição 1, 2016. Publicado online: 09 de maio de 2016. Ver também em: “What internationalism in the context of the Ukrainian crisis? Wide open eyes against one-eyed “campisms”.

[2] "WTO Fiasco: Lamy spins deception deal at Hong Kong”.

[3] Catherine Samary, A Utopian in the Balkans, New Left Review 114.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK