Voltar ao site

A corrida dos fabricantes para superar os motores à combustão

· Sem Fronteiras,Últimos artigos

Os preços das ações dos fabricantes dependerão de sua capacidade de evitar perdas em "ativos irrecuperáveis", diz o analista.

Jasper Jolly, The Guardian, 27 de dezembro de 2020

Os fabricantes de automóveis se encontrarão cada vez mais em uma corrida para fechar, trocar ou vender fábricas que produzem veículos com motores de combustão interna para evitar que fiquem com "ativos irrecuperáveis", já que os reguladores estabeleceram um curso para uma década de eletrificação a fim de reduzir as emissões de dióxido de carbono.

Os fabricantes tradicionais estão atualmente jogando um "jogo de soma zero" porque o crescimento nas vendas de automóveis elétricos come o valor das fábricas de motores à combustão interna, que "são efetivamente ativos irrecuperáveis", advertiu um analista líder.

Philippe Houchois, analista da Jefferies, um banco de investimentos, disse que os preços das ações dos fabricantes de automóveis dependerão em grande parte de sua capacidade de evitar perdas nos ativos de combustíveis fósseis. "Se você quer ser um fabricante de automóveis mais valorizado, você precisa encontrar uma maneira de reduzir seus ativos mais rapidamente do que uma transição gradual para veículos elétricos sugeriria", disse ele.

A indústria já deu passos significativos para se afastar dos combustíveis fósseis. O ano 2020 será visto como fundamental para os carros elétricos por causa das novas regulamentações da UE que exigiam um limite médio de 95g/km para as emissões de dióxido de carbono em todos os carros vendidos. A Inglaterra se comprometeu a manter seu regime de emissões em um nível equivalente ou mais forte depois que o período que transição Brexit terminar em 1 de janeiro de 2021.

O regulamento provocou um rápido aumento nas vendas de carros elétricos à medida que as montadoras de automóveis se esforçaram para evitar multas no valor de centenas de milhões de euros - embora a Volkswagen já tenha admitido que falhará sua meta para 2020, incorrendo em uma multa estimada em cerca de 270 milhões de euros.

A BMW anunciou no domingo que construiria 250.000 carros elétricos a mais do que havia planejado anteriormente entre agora e 2023. Oliver Zipse, o chefe executivo da empresa, disse que quer que cerca de 20% dos carros que ela vende fossem elétricos até 2023, contra 8% este ano.

Mais de 560.000 carros elétricos a bateria foram vendidos em2020 até novembro na Europa Ocidental, segundo dados de Matthias Schmidt, um analista automotivo sediado em Berlim. Os veículos elétricos a bateria representaram 8,7% das vendas totais de automóveis em novembro, acima dos apenas 2,7% do ano anterior. Apesar de ter falhado sua meta de emissões, o Volkswagen ID.3 tornou-se o veículo elétrico a bateria mais popular da Europa, com 10.500 vendidos em outubro - embora isso ainda representasse cerca de um terço das vendas do bestseller de combustão interna, o Volkswagen Golf.

Os regulamentos da UE se tornarão ligeiramente mais rígidos durante 2021, mas os fabricantes de automóveis já estão de olho em dois marcos importantes na próxima década. As montadoras terão que reduzir as emissões de carbono em 15% entre 2021 e 2025, e em 37,5% a partir de 2030, uma exigência que levará ao rápido declínio dos motores de combustão interna do mercado de massa.

Entretanto, são esperadas regras mais rígidas já que a UE pretende produzir emissões líquidas de dióxido de carbono zero até 2050. No outono, as autoridades da UE reduziram pela metade as emissões dos automóveis dentro de uma década.

Transport & Environment, um grupo de campanha com sede em Bruxelas, pediu uma data final de 2035 para a venda de todos os carros movidos a combustíveis fósseis na UE, uma medida que corresponderia à proibição do Reino Unido. As previsões da T&E sugerem que as metas atuais permitem que os fabricantes de automóveis atrasem a implantação de carros elétricos, o que o grupo argumenta que representaria uma oportunidade perdida para a Europa manter sua liderança sobre os rivais, incluindo a China.

Julia Poliscanova, diretora sênior de veículos da T&E, disse: "O momento elétrico atual corre o risco de se dissipar logo em 2022, a menos que sejam estabelecidas regras mais rígidas de CO2".

David Bailey, professor de economia de negócios na Universidade de Birmingham, disse que a probabilidade de regulamentações ainda mais rígidas elevava os riscos de ativos irrecuperáveis particularmente para os fabricantes alemães de automóveis, que estavam pagando o preço de tomar o "caminho errado" ao investir pesadamente em diesels. A indústria de diesel foi abalada por escândalos dispendiosos de controle de emissões, embora relacionados a óxidos de nitrogênio nocivos ao invés de dióxido de carbono.

"Você vai ver o investimento maciço dos fabricantes alemães em veiculos elétricos, mas eles têm um enorme ativo afundado em diesels", disse ele. "Eles estão tentando obter algum tipo de lucro de sua linha de produção existente enquanto investem em novas tecnologias".

Bailey acrescentou que a "grande questão" para a indústria automobilística e trabalhadores estará na cadeia de suprimentos, entre as empresas que não têm a flexibilidade para se afastar facilmente da fabricação de peças para motores de combustão interna.

A transição também causará uma dolorosa remodelação da indústria para os trabalhadores do setor automotivo, inclusive na Inglaterra. Os líderes sindicais enfatizam a necessidade de apoio governamental para mudar a produção nas fábricas, dos motores de combustão interna para tecnologias elétricas, ou arriscar a perder milhares de empregos quando as tecnologias de
 

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK