Voltar ao site

Dez obras de Beethoven que realmente mudaram o mundo

· Cultura,Vale a pena ler

250 anos atrás nascia Ludwig van Beethoven – e o mundo nunca mais foi o mesmo. São 10 peças do compositor alemão que mudaram tudo para sempre.

Kyle Macdonald, Classic FM / IHU-Unisinos, 12 de dezembro de 2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

1. Concerto para piano n° 2, em Si bemol maior
Em 1795, o jovem Beethoven mudou-se de sua cidade natal, Bonn, para o centro musical da Europa, Viena. Ele passou seus primeiros anos vienenses estudando música com o professor Joseph Haydn e tocando para a nobreza em salões particulares. Mas foi através de seu Piano Concerto nº 2 que o mundo tem um vislumbre do Beethoven virtuoso e como compositor.

O jovem Ludwig, de aparência um pouco estranha e desajeitada, fez sua estreia pública aos 24 anos no Burgtheater de Viena, tocando esta peça. O show foi um grande sucesso e uma estrela nasceu. O jovem virtuoso fez com que todos conversassem, dando-lhe conexões influentes e um perfil para começar a publicar seus trabalhos. Viena, e na verdade todo o mundo clássico, nunca mais seriam os mesmos.

2. Sonata para piano nº 14, ‘Moonlight’
Em todas as suas sonatas para piano, Beethoven ultrapassou os limites do forte piano em rápida evolução. Ele também pegou várias convenções clássicas (como a estrutura de movimento rápido-lento-rápido) e as jogou para fora de uma janela iluminada pela lua.

Ludwig abre esta sonata com um primeiro movimento lento, expansivo e temperamental, que agora é conhecido em todo o mundo. O compositor instruiu o pianista a usar o pedal de sustain também de uma maneira diferente, criando novos sons ao longo do movimento que seriam mais tarde associados a ‘Moonlight’.

De John Lennon aos estudos do sono, o alcance e a influência do primeiro movimento desta sonata são impossíveis de mensurar.

A sonata termina em um clima muito diferente, seu Finale uma enxurrada de arpejos e acordes sem retomada de fôlego. Diz-se que inspirou Frédéric Chopin, quando o romântico polonês levou o virtuosismo do piano a outro nível décadas depois. E hoje, se você percorrer os vídeos de piano nas redes sociais, encontrará jovens músicos trovejando neste, com vídeos perfeitamente iluminados do iPhone e cabelos voando em todas as direções. De 1801 aos TikToks de 2020, esta peça tem uma energia contagiante e mágica própria.

 

3. Sinfonia nº 3 em mi bemol
A maioria das sinfonias em 1803 durava cerca de 25 minutos. Beethoven os tirou da água com sua sinfonia épica nº 3, conhecida como ‘Eroica’. A sinfonia começa nos violoncelos com uma melodia requintada que depois cai em um dó agudo cromático doloroso. Nessa nota, você sente que está entrando em um novo mundo.

Ao longo da sinfonia (como a famosa entrada subversiva da trompa na seção de desenvolvimento do primeiro movimento), Beethoven tem esses momentos que estendem e expandem o que uma sinfonia poderia ser. Em sua escala agitada e aqueles momentos de contorcer o coração, a ‘Eroica’ realmente foi a primeira sinfonia romântica.

 
4. Sinfonia nº 5 em dó menor
Esta sinfonia começa com quatro notas sombrias, de sacudir os punhos. São provavelmente as quatro notas mais famosas em toda a música, que agora estão profundamente enraizadas em nossa cultura e consciência.

Escritas entre 1804 e 1808, na época em que Beethoven estava lidando com sua surdez, elas começam uma jornada profundamente emocional na música. A sinfonia nos tira daquele momento ‘o destino batendo à porta’, na angústia, na luta, e depois na determinação e triunfo.

Além disso, pense no arquétipo do gênio torturado que permeia todas as culturas e em quanto está enraizado nas expressões de Beethoven nesta obra.

A sinfonia começa na escuridão da chave de dó menor, mas termina na luz de dó maior. Evoca o poder da música para nos levar a lugares interiores profundos, para capturar a angústia e transmitir algo universal na música: o desespero ainda pode viajar para a esperança. E tudo deriva daquela frase das quatro notas conhecida por (provavelmente) bilhões em todo o mundo hoje. Legal, não?

5. Concerto para violino em ré
Dum, dum, dum, dum. Não, não é o quinto de Beethoven novamente, mas sim as batidas nos tímpanos para outra agitação musical.

Desta vez, o motivo é propriedade de seu único concerto para violino. No verdadeiro estilo Ludwig, os próprios sinais de abertura são diferentes. O trabalho trouxe um novo som, estilo e escala para concertos solo. Não foi muito amado durante a vida do compositor, mas cresceu em popularidade durante o século XIX, inspirou Brahms e se tornou o modelo do concerto solo.

Curiosamente, a guitarra de heavy metal tem raízes em concertos de violino romântico e, portanto, na estrutura deste trabalho. Então, não existiria Megadeth sem este ‘mega-Beethoven’.

6. Sinfonia Nº 6 em fá
Nosso mundo está cheio de programas musicais. Em filmes, videogames, cinemas, séries da Netflix e salas de concerto, você ouvirá música escrita para pintar uma cena ou clima.

Ao longo de cinco movimentos, a Sexta Sinfonia de Beethoven retrata cenas pastorais, desde a beleza do campo até um riacho com os sons musicais de rouxinóis, codornizes e um cuco; uma dança country, uma tempestade e, finalmente, o sol.

A música de programa já existia antes, mas é a profundidade do imaginário musical que ganhou vida em 1808, o que o torna um trabalho transformador que mudou para sempre a relação entre música e drama. Pense nisso da próxima vez que você estiver transmitindo um filme e ouvir uma música escrita para acompanhar o nascer do sol.

7. Bagatela em lá menor, ‘Für Elise’
Nesta lista de obras gigantescas, é estranho que agora nos voltemos para uma simples Bagatela para piano solo em forma de Rondó.

Em 1810, esta obra poderia simplesmente ter escorregado para baixo do sofá, para nunca mais ser vista. Mas, por ser Beethoven, a Bagatela permanece conosco e é transformadora e poderosa de maneira única.

Für Elise é uma miniatura desse requintado pianismo e charme. Na verdade, somente foi publicado décadas após a morte do compositor, mas cresceu em popularidade desde então. É a peça em uma velha caixa de música ou, para muitos, a primeira peça ‘real’ que você queria aprender no piano.

Esses acordes quebrados fluíram dos dedos de incontáveis jovens pianistas – tocados em aulas, exames de música e em mini-recitais para avós em todo o mundo. Pense em quantas mentes musicais ele inspirou ao longo dos séculos e nas ondas que isso criou. Obrigado, Beethoven.

8. Sonata para piano nº 29, ‘Hammerklavier’
Esta obra é considerada uma das peças mais difíceis já escritas para piano. A própria sequência de acordes de abertura, precedida por uma nota fugaz no baixo, tem um salto multi-oitava que é humanamente impossível de tocar na velocidade de Beethoven.

Este épico é cheio com contraponto escaldante, trinados duplos diabólicos e passagens monumentalmente exigentes e uma fuga absolutamente maluca para terminar.

Nessa sonata, Beethoven pegou a forma musical da sonata clássica e a ampliou ao máximo. Esta obra se tornou o ápice da escrita de Beethoven para compositores como Brahms, que continuaram a explorar as formas clássicas, empurrando-as em novas direções virtuosísticas e expressivas.

9. Sinfonia nº 9, ‘Coral’
O Hammerklavier levou a forma clássica o mais longe que pôde, sem quebrá-la. A sinfonia final de Beethoven abriu tudo de uma vez.

A força e o peso do primeiro movimento mostram que esta é uma sinfonia como nenhuma outra. Depois de 40 minutos incríveis da escrita mais requintada de Beethoven, um movimento final irrompe com algo completamente novo para uma sinfonia: o cenário de um poema.

Um acorde enorme e dissonante anuncia solistas e coro, em uma alegre celebração da fraternidade universal. Em 1824, foi também uma revolução na música, que foi adotada por nomes como Wagner e Mahler, que continuaram a abraçar essa união de poesia e música sinfônica.

10. Quarteto de cordas em si bemol op. 130
A música de câmara foi um fio condutor que percorreu a vida de Beethoven, desde as primeiras obras publicadas até estas, as últimas. Seus últimos quartetos de cordas foram escritos quando ele estava totalmente surdo, isolado e esgotado física e emocionalmente. Ele sabia que esses eram seus últimos dias e escreveu essa música para pura expressão e emoção.

Ouça a angústia e o desespero do movimento cavatina da Op. 130. Com uma pulsação suave nas três cordas mais graves. Esta escrita, enigmática, pessoal e questionadora, abriu uma porta para tudo na música, criação e expressão. Não teríamos metade da música que amamos hoje, se não a tivéssemos primeiro.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK