Voltar ao site

“Perde-perde”: O paradoxo da China para Xi Jinping

· Sem Fronteiras,Últimos artigos

A China está pega em uma série de paradoxos sem uma solução clara, o que poderia fazer a China perder o rumo. Na sequência apresentamos um resumo da situação.

Francesco Sisci, Settimana News, 22 de dezembro de 2020.

O primeiro paradoxo começa com a seguinte questão: A China quer um mundo diferente? Esse mundo, baseado na globalização liderada pelos EUA, faz da China um país rico. Se a China tentar mudar a atual ordem, esse mundo, as coisas podem ficar feias para a China. Essa é a China que poderia se tornar vítima de uma nova ordem estabelecida, porque esse território não está desenhado e muitas coisas são desconhecidos e provavelmente mais hostis.

Algumas pessoas em Pequim devem pensar que a China não quer mudar o mundo; isso é o que os EUA querem mudar “as regras de engajamento” com a China. Ainda, objetivamente por causa do crescimento econômico chinês, as coisas estão evoluindo e não são o que costumavam ser há 20 ou 30 anos. Então tanto é a China que muda o mundo, como também a China muda se adaptando ao mundo – e esse é o segundo paradoxo.

A China de hoje é atualmente a encarnação do governo do Partido Comunista Chinês (PCC). A República Popular da China, assim como a China de Qing e Ming, era a encarnação de um país governado por dinastias. Se as mudanças da China para se adaptar ao mundo, da mesma forma, as coisas poderiam ficar feias porque a estrutura da RPC é rígida e difícil de se adaptar politicamente. As coisas são novas e internamente pode haver grande hostilidade para mudar.

Então, em suma, se a China mudar o mundo, pode ser ruim para a China; se a China tentar mudar a si mesmo, novamente pode ser ruim para a China. É uma proposta perde-perde. Portanto, haverá uma grande oposição a qualquer movimento do presidente Xi Jinping.

Oposto ao Passado
É exatamente o oposto da situação de 40 anos atrás. Então, a China de Deng Xiaoping não tinha nada a perder, exceto sua pobreza. A China era pobre e miserável, mas sem desafios políticos, já que os Estados Unidos não tinham interesse em derrubar o PCC governante. Se as reformas e a abertura fracassassem, a China continuaria tão pobre como antes. Se tivessem sucesso, eles transformariam o país.

Além disso, todos os funcionários que haviam sido perseguidos de uma forma ou de outra pela Revolução Cultural, sofreram no campo e em campos de trabalho, então não tiveram o privilégio de se defender. Agora os funcionários têm privilégios e às vezes também são ricos, têm tudo a perder com a mudança. Portanto, Deng realmente não tinha oposição.

Por outro lado, tudo o que Xi escolher será errado para alguém na China ou no mundo. O que ele vai escolher?

Podemos ver que nos últimos dias Xi tem tentado sair desse enigma abrindo caminho no difícil ambiente internacional e tentando evitar uma escolha rígida que alguns países lhe apresentam.

Atualmente, a China está negociando um acordo abrangente de comércio e investimento com a União Europeia. Os dois lados expressaram otimismo sobre o resultado, embora nada tenha sido assinado ainda. Se a China assinasse um acordo, isso poderia ser uma importante moeda de troca ou um trampolim para enfrentar demandas semelhantes dos EUA.

No início de dezembro, a China assinou a Parceria Econômica Regional Abrangente (RCEP) como quase um sinal para os EUA de que não é impossível conversar com Pequim.

Mas, como argumentamos em outro lugar há uma década, um acordo comercial abrangente seria suficiente para afastar muita pressão. Agora está longe de ser suficiente, embora certamente seja útil se aquele com a UE for realmente assinado. Se não for nada, seria considerado mais um sinal de que a China é irredimível.

Ou seja, se o acordo for alcançado, ele fornecerá apenas um pequeno espaço para respirar; se não for, é mais um prego no caixão chinês.

Xi precisaria de um pouco de magia para ajudar seu país e o mundo a sair do atual poço perdedor.

Semelhanças entre Deng e Xi?
Aqui também há uma semelhança entre Xi e Deng. Deng herdou a posição internacional da China de Mao. Foi Mao quem lutou contra os soviéticos nos anos 1960 e se aliou aos EUA nos anos 1970. Deng então participou do processo, como líder sênior, mas não foi o principal motor.

Xi também herdou a posição internacional da China de seus antecessores. Foi durante o governo de Hu Jintao, sob a influência de Jiang Zemin, que a China progressivamente menosprezou os Estados Unidos após a crise financeira de 2008. Xi, apontado como o pioneiro da sucessão, fazia parte do processo de tomada de decisão, mas não era o principal motor.

Deng, quando estava no comando, voltou a simpatizar com a URSS. Na verdade, ele trouxe Gorbachev para Pequim em 1989.

Não sabemos se Xi seguirá Deng e mudará a posição internacional da China, mas certamente a situação global de Pequim é muito mais complicada do que há 40 anos.

 

Reproduzido de IHU-Unisinos. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK