Voltar ao site

Foster e Suwandi: a Covid-19 e o capitalismo catastrófico [2ª parte]

Aqui a segunda parte do artigo de John Bellamy Foster e Intan Suwandi, publicado na Monthly Review

· Ecologia,Sem Fronteiras,Vale a pena ler

John Bellamy Foster and Intan Suwandi, Monthly Review, 1 de julho de 2020. Tradução de Augusto Leon e de Vinícius Lobão (segunda parte)

Imperialismo, classe e a pandemia

O SARS-CoV-2, assim como outros patógenos perigosos que surgiram ou ressurgiram nos últimos anos, está intimamente relacionado a um conjunto complexo de fatores, incluindo: (1) o desenvolvimento do agronegócio global com suas monoculturas genéticas em expansão que aumentam a suscetibilidade à contração de doenças zoonóticas de animais selvagens a domésticos e humanos; (2) destruição de habitats selvagens e interrupção das atividades de espécies selvagens; e (3) seres humanos que vivem nas proximidades. Não há dúvida de que as cadeias globais de commodities e os tipos de conectividade que elas produziram se tornaram vetores para a rápida transmissão de doenças, colocando em questão todo esse padrão de desenvolvimento explorador global. Como Stephen Roach (da Yale School of Management, ex-economista-chefe da Morgan Stanley e o principal criador do conceito de arbitragem trabalhista global) escreveu no contexto da crise do coronavírus, o que a sede financeira das corporações queria eram "bens de baixo custo, independentemente do que essas eficiências de custo implicassem em termos de [falta de] investimento em saúde pública, ou eu também diria [a falta de] investimento na proteção ambiental e na qualidade do clima”. Os resultados de tal abordagem insustentável de "eficiência de custos" são as crises ecológicas e epidemiológicas globais contemporâneas e suas consequências financeiras, desestabilizando ainda mais um sistema que já exibia uma "onda excessiva" característica de bolhas financeiras (48).

Atualmente, os países ricos estão no epicentro da pandemia COVID-19 e das suas consequências financeiras, mas a crise geral, incorporando seus efeitos econômicos e epidemiológicos, atingirá com mais força os países pobres. A maneira como uma crise planetária desse tipo é tratada é, em última análise, filtrada pelo sistema de classes do imperialismo. Em março de 2020, a Equipe de Resposta à COVID-19 da Imperial College de Londres emitiu um relatório indicando que em um cenário global em que o SARS-CoV-2 não fosse mitigado, sem distanciamento social ou isolamento, quarenta milhões de pessoas morreriam no mundo, com taxas de mortalidade mais altas nos países ricos do que nos países pobres, devido às maiores proporções de população com 65 anos ou mais, em comparação com os países pobres. Essa análise levou em consideração o maior acesso à assistência médica nos países ricos, mas deixou de fora fatores como desnutrição, pobreza e a maior suscetibilidade a doenças infecciosas nos países pobres. No entanto, as estimativas da Imperial College, com base nessas suposições, indicaram que em um cenário não mitigado o número de mortes ficaria na faixa de 15 milhões no Leste Asiático e Pacífico, 7,6 milhões de pessoas no Sul da Ásia, 3 milhões de pessoas na América Latina e Caribe, 2,5 milhões de pessoas na África Subsaariana e 1,7 milhão no Oriente Médio e Norte da África - em comparação com 7,2 milhões na Europa e Ásia Central e cerca de 3 milhões na América do Norte (49).

Baseando sua análise na abordagem do Colégio Imperial, Ahmed Mushfiq Mobarak e Zachary Barnett-Howell da Universidade de Yale escreveram um artigo para a revista Foreign Policy intitulado "Países pobres precisam pensar duas vezes sobre a distância social". Em seu artigo, Mobarak e Barnett-Howell foram muito explícitos, argumentando que "os modelos epidemiológicos deixam claro que o custo de não intervir nos países ricos seria de centenas de milhares a milhões de mortos, um resultado muito pior do que a mais profunda recessão econômica imaginável". Em outras palavras, intervenções de distanciamento social e repressão agressiva, mesmo com seus custos econômicos associados, são esmagadoramente justificadas em sociedades de alta renda" - para salvar vidas. Entretanto, o mesmo não é verdade, sugeriram, para os países pobres, já que têm relativamente poucos indivíduos idosos em sua população como um todo, gerando, de acordo com as estimativas do Colégio Imperial, apenas cerca da metade da taxa de mortalidade. Este modelo, admitem, "não é responsável pela maior prevalência de doenças crônicas, condições respiratórias, poluição e desnutrição nos países de baixa renda, o que poderia aumentar as taxas de mortalidade por surtos de coronavírus". Mas ignorando isso em grande parte em seu artigo (e em um estudo relacionado realizado através do Departamento de Economia de Yale), esses autores insistem que seria melhor, dado o empobrecimento e o vasto desemprego e subemprego nesses países, que as populações não praticassem distanciamento social ou testes e repressão agressivos, e colocassem seus esforços na produção econômica, presumivelmente mantendo intactas as cadeias de fornecimento globais que se iniciam principalmente nos países de baixos salários (50). Sem dúvida, a morte de dezenas de milhões de pessoas no Sul Global é considerada por esses autores como uma troca razoável para o crescimento contínuo do império do capital.

Como Mike Davis argumenta, o capitalismo do século XXI aponta para "uma triagem permanente da humanidade ... condenando parte da raça humana à extinção final". Ele pergunta:

“Mas o que acontece quando o COVID se espalha em populações com um acesso mínimo a medicamentos, níveis elevados de má nutrição, problemas de saúde não tratados e sistemas imunológicos danificados? A vantagem da idade valerá muito menos para os jovens pobres nas favelas da África e do Sul da Ásia.
Também existe a possibilidade de que a infecção em massa em favelas e cidades pobres possa mudar o modo de infecção do coronavírus e remodelar a natureza da doença. Antes do surgimento da SARS em 2003, as epidemias de coronavírus altamente patogênicas estavam confinadas a animais domésticos, principalmente porcos. Os pesquisadores logo reconheceram duas rotas diferentes de infecção: fecal-oral, que atacava o estômago e o tecido intestinal, e respiratória, que atacava os pulmões. No primeiro caso, geralmente havia mortalidade muito alta, enquanto o segundo geralmente resultava em casos mais leves. Uma pequena porcentagem dos positivos atuais, especialmente os casos de navios de cruzeiro, relatam diarreia e vômitos e, para citar um relatório, "a possibilidade de transmissão de SARS-CoV-2 via esgoto, lixo, água contaminada, sistemas de ar condicionado e aerossóis não pode ser subestimado. ”

A pandemia agora atingiu as favelas da África e do Sul da Ásia, onde a contaminação fecal está em toda parte: na água, nos vegetais cultivados em casa e como poeira levada pelo vento. (Sim, tempestades de merda são reais.) Isso favorecerá a rota entérica? Será que, como no caso dos animais, isso levará a infecções mais letais, possivelmente em todas as faixas etárias?” (51)

O argumento de Davis deixa claro a imoralidade grosseira de uma posição que diz que o distanciamento social e a supressão agressiva do vírus em resposta à pandemia devem ocorrer em países ricos e não pobres. Tais estratégias epidemiológicas imperialistas são tanto mais perversas quanto tomam a pobreza das populações do Sul Global, produto do imperialismo, como justificativa para uma abordagem malthusiana ou darwinista social, em que milhões morreriam para manter a economia global em crescimento, principalmente para o benefício daqueles que estão no ápice do sistema. Compare isso com a abordagem adotada na Venezuela, liderada por socialistas, o país da América Latina com o menor número de mortes per capita de COVID-19, onde o distanciamento social organizado coletivamente e o provisionamento social são combinados com a triagem personalizada expandida para determinar quem é mais vulnerável, testes generalizados e expansão de hospitais e cuidados de saúde, desenvolvendo nos modelos cubano e chinês (52).


Economicamente, o Sul Global como um todo, está destinado a pagar os custos mais elevados, independentemente dos efeitos diretos da pandemia. O colapso das cadeias de suprimentos globais devido a pedidos cancelados no Norte Global (bem como o distanciamento social e bloqueios ao redor do globo) e a remodelação das cadeias de commodities que virão a seguir deixarão países e regiões inteiras devastados (53).

Assim, é crucial reconhecer também que a pandemia COVID-19 surgiu no meio de uma guerra econômica pela hegemonia global desencadeada pelo governo Donald Trump e dirigida à China, que respondeu por cerca de 37% de todo o crescimento acumulado da a economia mundial desde 2008 (54). Isso é visto pelo governo Trump como uma guerra por outros meios. Como resultado da guerra tarifária, muitas empresas americanas já retiraram suas cadeias de abastecimento da China. A Levi's, por exemplo, reduziu sua fabricação na China de 16% em 2017 para 1% a 2% em 2019. Em face da guerra tarifária e da pandemia COVID-19, dois terços dos 160 executivos pesquisados em todos os setores nos Estados Unidos indicaram recentemente que já haviam se mudado, estavam planejando mudar ou estavam pensando em mudar suas operações da China para o México, onde os custos unitários de trabalho agora são comparáveis e onde estariam mais perto dos mercados dos EUA (55). A guerra econômica de Washington contra a China atualmente é tão feroz que o governo Trump se recusou a baixar as tarifas sobre equipamentos de proteção pessoal, essenciais para o pessoal médico, até o final de março (56). Trump entretanto nomeou Peter Navarro, o economista responsável por sua guerra econômica pela hegemonia com a China, como chefe do Defense Production Act (Lei de Produção de Defesa) para lidar com a crise do COVID-19.

Em suas funções na direção da guerra comercial dos EUA contra a China e como coordenador de políticas da Lei de Produção de Defesa, Navarro acusou a China de introduzir um "choque comercial" que custou "mais de cinco milhões de empregos manufatureiros e 70.000 fábricas" e "matou dezenas de milhares dos americanos ”, destruindo empregos, famílias e saúde. Ele agora está declarando que isso foi seguido por um “choque do vírus da China” (57). Com base nessa propaganda, Navarro passou a integrar a política dos EUA com relação à pandemia em torno da necessidade de combater o chamado “vírus da China” e remover cadeias de abastecimento americanas da China. No entanto, uma vez que cerca de um terço de todos os produtos intermediários de manufatura globais são produzidos atualmente na China, principalmente nos setores de alta tecnologia, e uma vez que isso continua a ser a chave para a arbitragem trabalhista global, a tentativa de tal reestruturação será muito perturbadora (58).

Algumas multinacionais que haviam transferido sua produção para fora da China aprenderam da maneira mais difícil que a decisão não as “libertou” de sua dependência dela. A Samsung, por exemplo, começou a transportar componentes eletrônicos da China para suas fábricas no Vietnã - um destino para empresas que estão ansiosas para escapar das tarifas da guerra comercial. Mas o Vietnã também é vulnerável, porque depende muito da China para materiais ou peças intermediárias (59). Casos semelhantes aconteceram em países vizinhos do Sudeste Asiático. A China é o maior parceiro comercial da Indonésia e cerca de 20% a 50% das matérias-primas do país para as indústrias vêm da China. Em fevereiro, as fábricas em Batam, na Indonésia, já tiveram que lidar com a falta de matérias-primas chinesas (o que representa 70% do que foi produzido naquela região). As empresas lá disseram que consideraram obter materiais de outros países, mas "não é exatamente fácil." Para muitas fábricas, a opção viável era "cessar completamente as operações" (60). Capitalistas como Cao Dewang, o bilionário chinês fundador da Fuyao Glass Industry, prevêem o enfraquecimento do papel da China na cadeia de abastecimento global após a pandemia, mas conclui que, pelo menos no curto prazo, “é difícil encontrar uma economia para substituir a China na cadeia global da indústria” - citando muitas dificuldades de “deficiências de infraestrutura” nos países do sudeste asiático, custos de mão de obra mais elevados no Norte Global e os obstáculos que “os países ricos” têm de enfrentar se querem reconstruir a manufatura em casa” (61).

A crise da COVID-19 não deve ser tratada como o resultado de uma força externa ou como um imprevisível evento raro, mas sim pertencente a um complexo de tendências de crise que são amplamente previsíveis, embora não em termos de tempo real. Hoje, o centro do sistema capitalista é confrontado com uma estagnação secular em termos de produção e investimento, contando para sua expansão e acumulação de riqueza no topo com taxas de juros historicamente baixas, elevados montantes de dívida, o escoamento de capital do resto do mundo e a especulação financeira. A desigualdade de renda e riqueza está atingindo níveis para os quais não existe um parâmetro histórico. A fenda na ecologia mundial atingiu proporções planetárias e está criando um ambiente global que não constitui mais um lugar seguro para a humanidade. Novas pandemias estão surgindo com base em um sistema de capital financeiro monopolista global que se tornou o principal vetor de doenças. Os sistemas de Estado em todos os lugares estão regredindo para níveis mais altos de repressão, seja sob o manto do neoliberalismo ou do neofascismo.

A natureza extraordinariamente exploradora e destrutiva do sistema é evidente no fato de que trabalhadores manuais em todos os lugares foram declarados trabalhadores essenciais de infraestrutura crítica (um conceito formalizado nos Estados Unidos pelo Departamento de Segurança Interna) e devem realizar a produção principalmente sem equipamentos de proteção, enquanto as classes mais privilegiadas e dispensáveis se distanciam socialmente (62). Um verdadeiro lockdown seria muito mais extenso e exigiria o provisionamento e o planejamento do Estado, garantindo que toda a população fosse protegida, em vez de se concentrar em resgatar interesses financeiros. É justamente por causa da natureza de classe do distanciamento social, bem como do acesso à renda, moradia, recursos e assistência médica, que a morbidade e mortalidade de COVID-19 nos Estados Unidos estão incidindo sobre as populações não-brancas, onde as condições de injustiças econômicas e ambientais são mais graves (63).

Produção social e o metabolismo planetário

Um aspecto fundamental para a perspectiva materialista de Marx era o que ele chamava de "hierarquia de necessidades" (64). Isso significava que os seres humanos eram seres materiais, parte do mundo natural, além de criar seu próprio mundo social dentro dele. Como seres materiais, eles tinham que satisfazer suas necessidades materiais primeiro - comer e beber, fornecer comida, abrigo, roupas e as condições básicas de existência saudável, antes de buscarem suas necessidades de desenvolvimento mais elevadas, necessárias para a plena realização do potencial humano (65). Ainda assim, nas sociedades de classes, sempre ocorreu que, na grande maioria das vezes, os verdadeiros produtores eram relegados a condições em que se encontravam em uma luta constante para atender às suas necessidades mais básicas. Isso não mudou com o tempo. Apesar da enorme riqueza criada ao longo de séculos de crescimento, milhões e milhões de pessoas, mesmo na sociedade capitalista mais rica, permanecem em condições precárias em relação a itens básicos como segurança alimentar, habitação, água potável, saúde e transporte – de tal forma que três bilionários nos Estados Unidos possuem tanta riqueza quanto à metade inferior da população.

Enquanto isso, os ambientes locais e regionais foram colocados em perigo - assim como todos os ecossistemas mundiais e o próprio Sistema Terrestre como um lugar seguro para a humanidade. Uma ênfase na "eficiência de custos" global (um eufemismo para mão de obra barata e terra barata) levou o capital multinacional a criar um sistema complexo de cadeias de commodities globais, projetado em todos os pontos para maximizar a superexploração de trabalho em uma base mundial, ao mesmo tempo em que transforma o mundo inteiro em um mercado imobiliário, grande parte dele como campo de atuação do agronegócio. O resultado foi uma grande drenagem do excedente da periferia do sistema global e uma pilhagem dos bens comuns planetários. No estreito sistema de contabilidade de valor empregado pelo capital, a maior parte da existência material, incluindo todo o Sistema Terrestre e as condições sociais dos seres humanos, na medida em que não entram no mercado, são consideradas externalidades, a serem roubadas e espoliadas no interesse de acumulação de capital. O que foi erroneamente caracterizado como “a tragédia dos comuns” é melhor entendido, como Guy Standing apontou em Pilhagem dos comuns, como “a tragédia da privatização”. Hoje, o famoso Paradoxo de Lauderdale, introduzido pelo Conde de Lauderdale no início do século XIX, no qual a riqueza pública é destruída para o aumento das riquezas privadas, tem o planeta inteiro como seu campo de operação (66).

Os circuitos de capital do imperialismo tardio levaram essas tendências ao máximo, gerando uma crise ecológica planetária em rápido desenvolvimento que ameaça engolir a civilização humana como conhecemos; uma tempestade perfeita de catástrofe. Isso se soma a um sistema de acumulação separado de qualquer ordenação racional das necessidades da população, independente das relações monetárias (67). A acumulação e o acúmulo de riqueza em geral dependem cada vez mais da proliferação de resíduos de todos os tipos. Em meio a esse desastre, uma nova Guerra Fria e uma probabilidade crescente de destruição termonuclear emergiram, com os Estados Unidos cada vez mais instáveis e agressivos na vanguarda. Isso levou o Bulletin of Atomic Scientists a mover seu famoso relógio do Juízo Final para 100 segundos para a meia-noite, o mais próximo da meia-noite desde que o relógio começou em 1947 (68).

A pandemia de COVID-19 e a ameaça de pandemias crescentes e mais mortais é um produto deste mesmo desenvolvimento imperialista tardio. Cadeias de exploração e expropriação globais desestabilizaram não apenas as ecologias, mas as relações entre as espécies, criando uma mistura tóxica de patógenos. Tudo isso pode ser visto como decorrente da introdução do agronegócio com suas monoculturas genéticas; destruição massiva de ecossistemas envolvendo a mistura descontrolada de espécies; e um sistema de valorização global baseado no tratamento da terra, dos corpos, das espécies e dos ecossistemas como tantos “presentes” a serem desapropriados, independentemente dos limites naturais e sociais.

Nem são os novos vírus o único problema de saúde global emergente. O uso excessivo de antibióticos no agronegócio, bem como na medicina moderna, levou ao crescimento perigoso de superbactérias, gerando um número crescente de mortes, que em meados do século poderia ultrapassar as mortes anuais por câncer, e induzindo a Organização Mundial da Saúde a declarar uma “emergência de saúde global” (69). Uma vez que as doenças transmissíveis, devido às condições desiguais da sociedade de classes capitalistas, afetam mais fortemente a classe trabalhadora, os pobres, e as populações da periferia, o sistema que gera tais doenças na busca de riqueza quantitativa pode ser acusado, como Engels e os cartistas fizeram no século XIX, de assassinato social. Como os avanços revolucionários em epidemiologia representados por One Health e Structural One Health sugeriram, a etiologia das novas pandemias pode ser rastreada até o problema geral da destruição ecológica provocada pelo capitalismo.

Aqui, a necessidade de uma "reconstituição revolucionária da sociedade em geral" surge mais uma vez, como tantas vezes no passado (70). A lógica do desenvolvimento histórico contemporâneo aponta para a necessidade de um sistema baseado na comunalidade de reprodução metabólica social, em que os produtores associados regulam racionalmente seu metabolismo social com a natureza, de modo a promover o livre desenvolvimento de cada um como base do livre desenvolvimento de todos, conservando a energia e o meio ambiente (71). O futuro da humanidade no século XXI não se encontra na direção de um aumento da exploração/expropriação econômica e ecológica, do imperialismo e da guerra. Em vez disso, o que Marx chamou de “liberdade em geral” e a preservação de um “metabolismo planetário” viável são as necessidades mais prementes hoje em determinar o presente e o futuro humanos, e até mesmo a sobrevivência humana (72).

Notas

(48) Stephen Roach, “This Is Not the Usual Buy-on-Dips Market,” Economic Times, March 18, 2020.

(49) COVID-19 Response Team, Imperial College, Report 12: The Global Impact of COVID-19 and Strategies for Mitigation and Suppression (London: Imperial College, 2020), 3–4, 11.

(50 Ahmed Mushfiq Mobarak and Zachary Barnett-Howell, “Poor Countries Need to Think Twice About Social Distancing,” Foreign Policy, April 10, 2020; Zachary Barnett-Howell and Ahmed Mushfiq Mobarak, “The Benefits and Costs of Social Distancing in Rich and Poor Countries,” ArXiv, April 10, 2020.

(51) Davis, “Mike Davis on Pandemics, Super-Capitalism, and the Struggles of Tomorrow.”

(52) “President Maduro: Venezuela Faces the COVID-19 With Voluntary Quarantine Without Curfew or State of Exception,” Orinoco Tribune, April 18, 2020; Frederico Fuentes, “Venezuela: Community Organization Key to Fighting COVID-19,” Green Left, April 9, 2020.

(53) “Analysis: The Pandemic Is Ravaging the World’s Poor Even If They Are Untouched by the Virus,” Washington Post, April 15, 2020; Matt Leonard, “India, Bangladesh Close Factories Amid Coronavirus Lockdown,” Supply Chain Dive, March 26, 2020; Finbarr Bermingham, “Global Trade Braces for ‘Tidal Wave’ Ahead, as Shutdown Batters Supply Chains,” South China Morning Post, April 3, 2020; I. P. Singh, “Punjab: ‘No Orders, No Raw Material,'” Times of India, April 1, 2020.

(54)Roach, “This Is Not the Usual Buy-On-Dips Market.”

(55) Kapadia, “From Section 301 to COVID-19.”

(56) Bown, “COVID-19: Trump’s Curbs on Exports of Medical Gear.”

(57) David Ruccio, “The China Syndrome,” Occasional Links and Commentary, April 14, 2020; Alan Rappeport, “Navarro Calls Medical Experts ‘Tone Deaf’ Over Coronavirus Shutdown,” New York Times, April 13, 2020; John Bellamy Foster, Trump in the White House (New York: Monthly Review Press, 2017), 84–85.

(58) Cary Huang, “Is the Coronavirus Fatal for Economic Globalisation?,” South China Morning Post, March 15, 2020; Frank Tang, “American Factory Boss Says Pandemic Will Change China’s Role in Global Supply Chain,”South China Morning Post, April 15, 2020.

(59) John Reed and Song Jung-a, “Samsung Flies Phone Parts to Vietnam After Coronavirus Hits Supply Chains,” Financial Times, February 16, 2020; Finbarr Bermingham, “Vietnam Lured Factories During Trade War, but Now Faces Big Hit as Parts from China Stop Flowing,” South China Morning Post, February 28, 2020.

(60) Fadli, “Batam Factories at Risk as Coronavirus Outbreak Stops Shipments of Raw Materials from China,” Jakarta Post, February 18, 2020; “Covid-19: Indonesia Waives Income Tax for Manufacturing Workers for Six Months,” Star, March 16, 2020.

(61) Tang, “American Factory Boss Says Pandemic Will Change China’s Role in Global Supply Chain.”

(62) Christopher C. Krebs, “Advisory Memorandum on Identification of Essential Critical Infrastructure Workers,” U.S. Department of Homeland Security, March 28, 2020.

(63) Lauren Chambers, “Data Show that COVID-19 is Hitting Essential Workers and People of Color Hardest,” Data for Justice Project, American Civil Liberties Union, April 7, 2020.

(64) Karl Marx, Texts on Method (Oxford: Basil Blackwell, 1975), 195.

(65) Frederick Engels, “The Funeral of Karl Marx,” in Karl Marx Remembered, ed. Philip S. Foner (San Francisco: Synthesis, 1983), 39.

(66) Guy Standing, Plunder of the Commons: A Manifesto for Sharing Public Health (London: Pelican, 2019), 49; John Bellamy Foster and Brett Clark, The Robbery of Nature (New York: Monthly Review Press, 2020), 167–72.

(67) John Bellamy Foster and Robert W. McChesney, The Endless Crisis (New York: Monthly Review Press, 2012).

(68) “It’s Now 100 Seconds to Midnight,” Bulletin of Atomic Scientists, January 23, 2020.

(69) “Microbial Resistance a Global Health Emergency,” UN News, November 12, 2018; Ian Angus, “Superbugs in the Anthropocene,” Monthly Review 71, no. 2 (June 2019).

(70) Karl Marx and Frederick Engels, The Communist Manifesto (New York: Monthly Review Press, 1964), 2.

(71) Karl Marx, Capital, vol. 3, 949.

(72) Karl Marx and Frederick Engels, Collected Works, vol. 1 (New York: International Publishers, 1975), 173; Wallace et al., “COVID-19 and Circuits of Capital.”

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK