Voltar ao site

Michael Lowy: os motores do colapso ambiental chinês

Resenha do texto de Richard Smith, China’s Engine of Environmental Collapse, Londres, Pluto Books, 2020

· Sem Fronteiras,Vale a pena ler

Michael Lowy, International Viewpoint, 17 de agosto de 2020

Este é um livro importante! É a primeira tentativa marxista de descrever, explicar e analisar criticamente o modelo chinês de (hiper) desenvolvimento e suas desastrosas consequências ecológicas - para o povo chinês e também para todo o planeta.

Richard Smith é bem conhecido entre os ecossocialistas por seu notável livro Green Capitalism. The God that Failed (2016), bem como por seus artigos em Against the Current, New Left Review, Monthly Review e The Ecologist. Ele é membro fundador do System Change Not Climate Change, a ampla ala ecossocialista ampla do movimento por Justiça Climática. Finalmente, ele vem há muitos anos fazendo pesquisas extensas sobre a China. Seu novo livro está extremamente bem documentado, cada afirmação amparada por fontes confiáveis: há cerca de 60 páginas de notas de rodapé ao final.

A China se tornou a segunda maior economia do mundo, o maior fabricante, com a maior indústria, o maior comércio e as maiores reservas cambiais. Mas a que preço? Este “milagre” econômico não é apenas insustentável, é suicida. Baseia-se no envenenamento maciço do ar, da terra, dos rios, lagos e aquíferos. O ar em Pequim e em outras megacidades se tornou uma mistura tóxica, enquanto as “aldeias do câncer” se multiplicam no campo, próximo a fábricas de produtos químicos.

Pior de tudo, esse “crescimento cego” fez da China o maior produtor de emissões de CO2 do planeta. Por exemplo: apesar das promessas do governo de desacelerar o uso do carvão, centenas de novas usinas movidas a carvão - a forma "mais suja" de produção de energia - está em vias de ser adicionada à já enorme fileira de usinas a carvão da China. As emissões de gases chinesas do efeito estufa em 2018 foram quase tanto quanto a dos próximos cinco grandes emissores - EUA, Índia, Rússia, Japão e Alemanha - combinados! Em outras palavras: a China se tornou o principal motor da mudança climática global. Claro, mais cedo ou mais tarde a China sofrerá as consequências do aquecimento global: com a elevação do nível do mar, suas cidades costeiras correm o risco de ser submersas em 2050. A capa do livro é uma visão artística de Xangai sob as águas ...

A explicação marxista de Richard Smith para a lógica por trás do destrutivo "crescimento cego" da China é bastante original. Ele descreve o modo de produção da China desde Deng Xiaoping como um híbrido entre capitalismo e coletivismo burocrático. Uma explicação para este último conceito está faltando ... Ele foi elaborado por Max Schachtmann e Hal Draper na década de 1940 como uma teoria alternativa sobre a natureza social de a URSS, distinta do “Estado operário burocraticamente degenerado” de Trotsky (ou do “capitalismo de Estado” de Tony Cliff). O coletivismo burocrático descreveu uma nova sociedade de classes, onde a burocracia governante administrava coletivamente o Estado e a economia, de acordo com critérios políticos distintos das regras de lucro e mercado do capitalismo. Segundo Smith, esse ainda é o caso da China.

Smith reconhece que grandes setores da economia chinesa foram privatizados e que a economia do país está profundamente enredada e dependente do capitalismo global. Ele não ignora o poder dos megainteresses privados e a corrupção maciça de funcionários do Partido. Mas ele insiste que o componente chave da economia chinesa são as empresas estatais e controladas pelo Estado: o componente burocrático-coletivista do sistema híbrido chinês. Portanto, ele acredita que o principal motor do "crescimento cego" chinês é político, não puramente econômico: o nacionalismo, a luta para ganhar a supremacia econômica e militar, as ambições de superpotência da elite governante.

Xi Jiping, o líder chinês, denunciou “o desenvolvimento sem sentido à custa do meio ambiente” e proclamou a necessidade de a China criar uma “civilização ecológica”. Não é preciso duvidar de sua sinceridade, argumenta Richard Smith, mas independentemente de suas intenções, ele dirige, com seu Partido Comunista de 90 milhões de membros, um sistema político-econômico caracterizado por motores de crescimento sistêmico que são eco-suicidas. Esses motores não são aqueles do mercado e da acumulação de lucros, como nas sociedades capitalistas ocidentais, mas não são menos destrutivos para o meio ambiente.

Esta abordagem é bastante inovadora e estimulante. Mas Richard Smith não está subestimando o papel dos interesses privados e do mercado capitalista no impulso chinês para o crescimento a qualquer preço? Deixo a questão para ser discutida por leitores mais informados economicamente do que eu ...

Temo que devo discordar da afirmação de Smith de que a guerra comercial de Trump com a China pode ser entendida como uma reação legítima à "perfídia do governo chinês". Mas concordo inteiramente com ele que a substituição do atual “sistema híbrido” (e ditadura do Partido) pelo “capitalismo democrático” - uma aspiração de muitos chineses - não é de forma alguma uma solução para a crise ambiental da China.

A única saída, a única alternativa viável, a única solução para evitar o suicídio ecológico é fechar, eliminar gradualmente ou, pelo menos, reduzir drasticamente milhares de indústrias baseadas em combustíveis fósseis - não apenas na China, mas também nos EUA, na União Europeia, Canadá, Japão, Austrália, etc. Para conseguir isso e, ao mesmo tempo, criar milhões de empregos de baixo ou nenhum carbono, é preciso deixar o capitalismo para trás e desenvolver uma transição para o ecossocialismo racionalmente planejada e democraticamente administrada. Como Greta Thunberg explicou, o tempo para meias medidas acabou. De acordo com Smith, a escolha é entre a desindustrialização planejada ou o colapso ambiental não planejado: todos nós precisamos viver melhor consumindo menos.

O último capítulo do livro tem o título promissor: “A Próxima Revolução Chinesa”. As greves e protestos aumentaram, não apenas em Hong Kong, mas também no continente chinês. Na primavera de 2018, estudantes universitários lideraram a formação de uma coalizão estudante-trabalhador em apoio a sindicatos independentes; a iniciativa logo foi acompanhada por grupos de estudo marxistas e ativistas #MeToo. Eles terão sucesso? Não há como prever, mas sem uma revolução social, o colapso ecológico, na China e em todo o mundo, será inevitável.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK