Voltar ao site

Michel Husson: Automatização, Produtividade e Covid-19

· Sem Fronteiras,Vale a pena ler

Os capitalistas sonham com uma retoma rápida, baseada no pressuposto simplista de que a velocidade da recuperação será necessariamente proporcional à da queda. Isso revela o desejo de restaurar o lucro "custe o que custar"... aos trabalhadores.

Michel Husson, Esquerda.net, 1 de janeiro de 2021

Durante pelo menos duas décadas, a ligação entre automatização e produtividade laboral dominou grande parte do debate entre os economistas – não apenas entre os marxistas. Já o tínhamos discutido aqui. Esta nova contribuição insiste no facto de que os ganhos de produtividade são um fator essencial na dinâmica do capital e esboça algumas pistas para o período aberto pela pandemia.

O papel-chave da produtividade

As empresas tiveram de fazer concessões durante a crise: a sua rentabilidade caiu drasticamente. Partamos do princípio, plausível, que a sua principal preocupação será restaurar essa rentabilidade o mais rapidamente possível. Com que fatores podem jogar? A nível global, a eutanásia das "empresas zombies" permitiria reduzir a quantidade de capital a valorizar. Os empreiteiros poderiam colocar, ainda mais, pressão sobre os subcontratados ou tentar deslocalizar uma parte suplementar das suas atividades. O congelamento dos salários é obviamente uma forma de reduzir os custos, especialmente se parte da redução for suportada pelo Estado, o que também pode, como já é feito em França, reduzir os impostos das empresas.

Resta uma variável-chave: a produtividade laboral. Esta mede o volume de bens ou serviços produzidos por empregado (produtividade per capita) ou por hora trabalhada (produtividade horária). Entre os dois, há a duração do trabalho: se conseguirmos alargá-lo, como sugerido pelo patronato, aumenta-se a produtividade per capita.

Poderá a crise ser uma oportunidade para pôr fim à tendência para o declínio dos ganhos de produtividade? Este esgotamento dos ganhos de produtividade é de facto uma caraterística essencial do capitalismo contemporâneo: durante os "trinta gloriosos anos", a produtividade do trabalho aumentou cerca de 5% por ano. Atualmente, na melhor das hipóteses, apenas 1% ou 2%. O gráfico abaixo mostra que isto é verdade para os principais países capitalistas.[1]

Esta é uma grande transformação na dinâmica do capitalismo, cuja importância é frequentemente subestimada, por exemplo nos livros recentes de Thomas Piketty ou Branko Milanovic [2]. Contudo, a aritmética é simples: a evolução da taxa de lucro depende da diferença entre o crescimento da produtividade do trabalho e o dos salários, tendo em conta o crescimento do capital. Em termos técnicos, a taxa de lucro aumenta se os salários crescerem menos rapidamente do que a "produtividade total dos fatores", que é a média da produtividade do trabalho e da eficiência do capital [3]. É a partir desta aritmética que podemos analisar a transição para o capitalismo neoliberal, que tomou a forma de um processo de desregulamentação.

A desregulamentação como substituto da produtividade

A desregulamentação é aqui definida em sentido lato como o conjunto de medidas destinadas a restaurar o lucro, apesar da exaustão dos ganhos de produtividade. Comparamos alterações na taxa de lucro e produtividade com um "indicador sintético de desregulamentação", construído a partir de uma bateria de indicadores (peso dos salários, défices comerciais, dívida das famílias, desigualdade, financeirização, globalização) [4].

O gráfico abaixo ilustra esta comparação que diz respeito ao conjunto formado pelos principais países capitalistas (as variáveis são normalizadas). Podemos ver as duas fases principais na história do capitalismo contemporâneo. A primeira é caraterizada por um declínio paralelo dos ganhos de produtividade e da taxa de lucro. Mas, ao mesmo tempo, o índice de desregulamentação permanece mais ou menos constante. Por outras palavras, o dinamismo de um capitalismo que permanece relativamente "regulado" está gradualmente a ser esgotado.

A partir de meados da década de 1980, inicia-se o período neoliberal cuja configuração é muito diferente. Enquanto os ganhos de produtividade continuam a abrandar, a taxa de lucro começa a subir novamente ao mesmo tempo que o indicador começa a crescer. Na primeira fase, em que a taxa de lucro e a produtividade estão estreitamente correlacionadas, as dinâmicas de capital baseiam-se nos ganhos de produtividade. Na segunda fase, é impressionante que o lucro e a produtividade se movam estritamente em direções opostas. A correlação é agora entre lucro e desregulamentação, que assim substitui os ganhos de produtividade para assegurar a restauração da taxa de lucro [5].

O mistério da produtividade

O problema é que não se compreendem as razões para este abrandamento da produtividade: normalmente, o desenvolvimento de novas tecnologias deveria ter impulsionado a produtividade laboral. Este é o famoso paradoxo de Solow, o economista que observou, já em 1987, que "vemos computadores em todo o lado, exceto nas estatísticas de produtividade”[6].

O mistério permanece hoje em dia. Tentou-se ainda mostrar que havia um problema de medição, que os preços estavam sobrestimados, que havia atrasos (mas já há muito tempo que se continua à espera!), sem convencer. Tínhamos também mostrado as dificuldades encontradas nas tentativas de modelização em que a diminuição dos ganhos de produtividade é explicada pela passagem do tempo[7].

No entanto, e este é outro paradoxo, as previsões catastróficas têm-se multiplicado nos últimos tempos. O estudo de referência, frequentemente citado, é o de Frey e Osborne [8] que previram em 2013 que 47% dos empregos nos Estados Unidos estariam ameaçados pela automatização nas próximas duas décadas.

Ora, os estudos mais detalhados e sérios, até à data, não detetam qualquer efeito negativo da robotização no emprego total. Por outro lado, o uso crescente de robôs reduz a percentagem de trabalhadores que executam tarefas de rotina, especialmente manuais. Isto é confirmado por um estudo recente [9] que dá o exemplo das fábricas da Adidas em Ansbach, Alemanha e Atlanta, EUA, que produzem milhares de sapatos por ano utilizando robôs industriais e um punhado de trabalhadores. Os autores salientam que "anteriormente, estas tarefas de produção teriam tido lugar em locais onde a mão-de-obra é mais barata, tais como o Sudeste Asiático".

Um outro estudo sobre a Alemanha concluiu também que a robotização não teve qualquer efeito sobre o emprego total. Mas teve um impacto negativo no emprego na indústria: os autores calculam que um robô adicional substitui em média dois postos de trabalho no sector da manufatura. Os robôs seriam assim responsáveis por quase 23% do declínio do emprego industrial, entre 1994 e 2014 [10].

Todos estes estudos convergem portanto para encontrar um efeito de automatização sobre a estrutura do emprego. De facto, é evidente que as tarefas rotineiras e pouco qualificadas são mais suscetíveis de serem automatizadas do que as tarefas especializadas e mais qualificadas. Em termos simples, os robôs ou computadores substituem o trabalho de rotina e acompanham as tarefas mais especializadas com as quais são complementares. As desigualdades salariais entre as duas categorias de trabalhadores estão condenadas a aumentar.

Este mecanismo é na realidade tão antigo como o capitalismo. Já, em 1845, Engels podia observá-la com a introdução da Mule (uma máquina de fiação hidráulica) em moinhos de algodão: "Os trabalhadores conhecidos como 'fiadores finos' (aqueles que fiam fio fino na Mule) recebem certamente um salário elevado, 30 a 40 xelins por semana, porque têm uma associação poderosa que luta para manter os salários dos fiadores e o seu ofício exige uma aprendizagem dolorosa; mas os fiadores de fio grosso, que têm de competir com as máquinas automáticas, que são inutilizáveis para o fio fino, e cujo sindicato foi enfraquecido pela introdução destas máquinas, recebem salários muito baixos [11].

Nos setores em questão, é evidente que a robotização contribui para o aumento da produtividade. No entanto, os estudos [12] que confirmam esta evidência não explicam o abrandamento geral dos ganhos de produtividade. Existe, portanto, uma "diminuição da produtividade marginal" da robotização. O mistério, portanto, permanece.

Patrick Artus, um economista que nada tem de marxista, abre uma pista interessante [13]. Ele observa que tudo parece ir no sentido de uma aceleração da produtividade: robotização das empresas, novas tecnologias nas empresas, investigação e desenvolvimento, nível de educação. Mostra também que a teoria neo-clássica não pode explicar o fenómeno: "a crescente substituição do capital pelo trabalho deveria conduzir a uma aceleração da produtividade laboral, mas esta, pelo contrário, tem abrandado". A sua explicação é que, de facto, a taxa líquida de investimento (que tem em conta a depreciação do capital) diminuiu significativamente. Por outras palavras, "as empresas não investiram o suficiente para compensar a aceleração da obsolescência do capital, daí o declínio dos ganhos de produtividade”.

Essa é a primeira pista. Apesar da queda do preço relativo dos bens de capital nas novas tecnologias, o volume de capital necessário é elevado, especialmente porque está sujeito a um ciclo de vida relativamente curto. Por outras palavras, é necessário investir muito e muitas vezes, e o mesmo volume de investimento traz ganhos de produtividade decrescentes.

Mas esta explicação deve ser associada a outra, nomeadamente a discordância entre a deslocação da procura social para setores com menor produtividade e os critérios capitalistas de rentabilidade. Esta é talvez a resposta básica ao paradoxo de Solow: o fluxo de inovações tecnológicas não parece estar a secar, mas é a capacidade do capitalismo de as incorporar na sua lógica que está a ser esgotada.

Depois (?) da Covid-19

A crise da Covid-19 levou a um declínio acentuado do emprego e do horário de trabalho em todo o mundo. A Organização Internacional do Trabalho estima que o número total de horas de trabalho, a nível mundial, diminuiu 17,3% no segundo trimestre de 2020 em comparação com o último trimestre de 2019, representando 495 milhões de empregos equivalentes a tempo inteiro. Os países de baixos rendimentos são os mais afetados, com um declínio de 23,3% em horas trabalhadas ou 240 milhões de empregos equivalentes a tempo inteiro [14].

cachimbo

No entanto, a diminuição do emprego foi amortecida por uma redução do horário de trabalho, sob várias formas, como o trabalho a tempo reduzido: é uma espécie de homenagem do vício à virtude. Em França, o número de horas de trabalho no conjunto da economia diminuiu 1,7 mil milhões ou 4%, nos dois primeiros trimestres de 2020. Mas mais de 80 por cento deste declínio foi coberto pelo trabalho a tempo reduzido ou outros esquemas equivalentes [15]. Esta redução "forçada" das horas de trabalho (que faz, portanto, baixar a produtividade laboral) é um ferrolho que os empregadores procurarão rebentar o mais depressa possível.

Entretanto, o pequeno jogo dos prognósticos continua. De acordo com o McKinsey Global Institute, "22% dos empregos poderiam ser automatizados até 2030" na Europa, o equivalente a 53 milhões de empregos [16]. Um inquérito conduzido pelo mesmo instituto entre 800 líderes empresariais de todo o mundo mostra que eles já aceleraram a informatização e a automatização durante a pandemia [17]. Os seus esforços têm-se concentrado principalmente no teletrabalho. Estes mesmos líderes acreditam que a procura de "trabalhadores independentes e temporários no local de trabalho" deverá aumentar ao longo dos próximos dois anos. A crise da Covid-19 abriria assim um período de recuperação dos ganhos de produtividade.

Lista de empregos duplamente expostos na Europa em milhões. Fonte: McKinsey.


Mas isto significa esquecer uma das caraterísticas do duplo choque da oferta e da procura infligido pela pandemia, nomeadamente a sua heterogeneidade entre setores (e países).Consequentemente, mesmo uma recuperação económica gradual não resolveria o desencontro entre a oferta e a procura, como mostra um estudo cuidadoso [18]. O estudo de McKinsey sobre o emprego na Europa, já citado, lança uma luz útil deste ponto de vista: a par dos 22% de empregos ameaçados pela automatização, identifica 26% dos empregos ameaçados pela Covid19. Estas duas categorias sobrepõem-se parcialmente: 10% dos empregos europeus estariam assim ameaçados, tanto pela automatização como pela Covid-19. O quadro abaixo mostra que estes empregos "duplamente expostos" estão muito desigualmente distribuídos de acordo com o sector. Assim, 5,4 milhões de empregos no comércio (ou seja, dois em três) estariam expostos a este duplo risco.

Esta diferenciação seria particularmente desfavorável para as mulheres, e é uma diferença importante em relação à crise anterior. Elas têm "uma probabilidade cerca de duas vezes maior de se ocuparem de empregos de alto risco na transmissão da Covid-19 e automatização". As mulheres com níveis médios de educação enfrentam um maior risco combinado de transmissão e automatização da Covid-19 [19]".

As empresas serão assim encorajadas a utilizar a robotização para aumentar a produtividade, mas também para reduzir a incerteza sobre a disponibilidade real de mão-de-obra, tendo em conta as medidas de saúde. No entanto, a incerteza também pesa sobre as perspetivas comerciais, o que desencorajará as empresas de investir, especialmente porque a sua rentabilidade se deteriorou: "a incerteza sobre a duração da pandemia está a pesar sobre o investimento e a dificultar o comércio; o investimento direto estrangeiro e as restrições à mobilidade poderiam abrandar ainda mais a reafetação de trabalhadores de empresas de baixa para alta produtividade..." [20].

É portanto difícil dizer qual destas duas tendências prevalecerá, e a resposta será provavelmente muito diferente de um setor para outro [21]. Contudo, uma análise das epidemias anteriores que precederam a Covid-19 (SARS, MERS, Ebola, e Zika) mostra que a produtividade teria sido reduzida em 4% após três anos, devido aos seus efeitos perturbadores: deslocação do trabalho, crise de crédito, rutura das cadeias de valor, inovação reduzida [22].

A caminho de uma recuperação em "V" do lucro?

O gráfico abaixo é particularmente revelador das questões em jogo durante este período. Representa a taxa de margem, ou seja, a parte do lucro no valor acrescentado das empresas francesas. Podemos ver que tende a aumentar, antes de cair com a crise de 2008. A partir de 2013, recupera o seu atraso e regressa a um nível historicamente elevado: este duplo movimento de declínio e depois de recuperação leva a uma longa recuperação do lucro em forma de "V". Depois veio a crise da Covid-19, que a fez cair abruptamente, para um nível mais ou menos idêntico ao da crise anterior.

Este gráfico é extraído do relatório acima mencionado do Ministério da Economia (nota 16) onde as suas previsões são mostradas em linhas pontilhadas. Pode-se então decifrar a perspetiva do governo francês: compensar num ano uma queda no lucro da mesma ordem de grandeza que tinha levado sete anos a recuperar. Este objetivo de uma recuperação tão rápida em "V" no lucro baseia-se no pressuposto simplista de que a velocidade da recuperação será necessariamente proporcional à da queda. Mas acima de tudo, revela o desejo de restaurar o lucro "custe o que custar"... aos trabalhadores.

A conclusão desta breve revisão poderia ser formulada sob a forma de mini-teses:

1- A produtividade laboral é um fator essencial na dinâmica do capitalismo. No entanto, tem vindo a esgotar-se, há várias décadas: a automatização não produz os resultados esperados.

2- O efeito da crise da Covid-19 foi uma queda de produtividade, diferenciada de acordo com os sectores.

3- Para os capitalistas, o desafio essencial de uma saída para a crise é restaurar os seus lucros, dos quais a produtividade é uma componente importante. A automatização pode contribuir para isto, mas isso pressupõe um reinício do investimento, sobre o qual existem motivos de dúvida.

4- O uso crescente da automatização só pode acentuar ainda mais a fragmentação da mão-de-obra.

Texto publicado originalmente em A L'Encontre. Tradução de António José André para o Esquerda.net.

Notas

[1] fonte: Antonin Bergeaud, "Long-Term Productivity Database", outubro 15, 2019.

[2] Thomas Piketty, "Capital et idéologie", 2019 ; Branko Milanovic, Capitalism, Alone, 2019. Tradução francesa: "Le capitalisme sans rival", 2020.

[3] Para mais detalhes, ver Michel Husson, «Taux de profit, salaire et productivité», note hussonet n°94, 4 março 2016.

[4] O modo de construção do index de desregulação é explicado em: «Le néolibéralisme, stade suprême?», Actuel Marx n°51, 2012.

[5] Esta modelagem onde a taxa de lucro depende alternadamente da produtividade e da desregulamentação pode mesmo ser testada econometricamente. Ver Michel Husson, «Petite économétrie du capitalisme néolibéral», note hussonet n°124, 8 setembro 2018.

[6] Robert Solow, «We’d Better Watch Out», New York Times Book Review, julho 12, 1987.

[7] Référências citadas na nota 1, ver Michel Husson, «Productivité: l’énigme irrésolue», Alternatives économiques, 10 de fevereiro de 2020 ; «Comment l’Insee explique (ou pas) le ralentissement de la productivité», Alternatives économiques, 19 de julho de 2018.

[8] Carl Benedikt Frey, Michael A. Osborne, «The future of employment: How susceptible are jobs to computerisation?», setembro 17, 2013.

[9] Elisabetta Gentile et al.,«Robots replace routine tasks performed by workers», voxeu, outubro 8, 2020.

[10] Wolfgang Dauth et al., «The rise of robots in the German labour market», voxeu, setembro 19, 2017.

[11] Friedrich Engels, "La situation de la classe laborieuse en Angleterre", 1845.

[12] Por exemplo: Georg Graetz & Guy Michaels,«Robots at Work», The Review of Economics and Statistics, vol. 100 n° 5, dezembro 2018.

[13] Patrick Artus, «Sur le ralentissement de la productivité», 25 setembro e 1 de outubro 2020.

[14] Organização International do Trabalho, «Le COVID?19 et le monde du travail. Sixième édition», 23 setembro 2020.

[15] Fonte: Ministério da Economia, "Rapport économique, social et financier", 2021.

[16] McKinsey Global Institute, «The future of work in Europe. Automation, workforce transitions, and the shifting geography of employment», junho 2020.

[17] McKinsey Global Institute, «What 800 executives envision for the postpandemic workforce» setembro 2020.

[18] Maria del Rio-Chanona et al., «Supply and demand shocks in the COVID-19 pandemic: an industry and occupation perspective», Oxford Review of Economic Policy, Vol. 36, Sup. 1, 2020.

[19] Alex W. Chernoff, Casey Warman, «Covid-19 and implications for automation», NBER, julho 2020.

[20] Alistair Dieppe,«Slowdown in productivity growth compounded by COVID-19», voxeu, setembro 18, 2020.

[21] Ver este ensaio de modelagem: Sylvain Leduc and Zheng Liu, «Can Pandemic-Induced Job Uncertainty Stimulate Automation?», Federal Reserve Bank of San Francisco, maio 2020.

[22] Alistair Dieppe, Sinem Kilic Celik, Cedric Okou, «Implications of Major Adverse Events on Productivity», The World Bank, setembro 2020.

Michel Husson é economista e pesquisador no IRES (Instituto de Investigações Económicas e Sociais) francês.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK